Terça-feira, 13 de Novembro de 2007

ORALIDADE E HISTÓRIA (2)

00266a180026708x

 

Demonstrando uma invulgar e generosa disponibilidade para blogo-dialogar, consumindo tempo do seu precioso tempo, a historiadora Irene Pimentel teceu vários comentários neste e neste posts, à volta do seu recente livro publicado sobre a História da PIDE. Transcrevo o último esclarecimento da sua posição quanto à escolha de fontes de consulta pelos historiadores:  

 

Pegando na «vida difícil do historiador», parte das dificuldades com que ele se confronta têm a ver com as sucessivas escolhas a que ele é obrigado, sempre com a preocupação de não falsificar o que se passou, embora saiba que nunca se chega ao que «realmente se passou», como foi outrora a convicção dos positivistas. Escolhe os limites cronológicos e temáticos, bem como escolha das fontes, entre outras selecções. Escolhemos uma, em vez de outra, extractos de uma em vez de outros extractos A própria citação, a que se recorre não constitui uma prova, dado que é quase sempre possível fornecer uma citação contrária àquela que se acaba de escolher. Por outro lado, a narrativa do «vivido» coloca ainda um problema de escrita, pois que, ao colocar o depoimento por escrito, o historiador não deixa de escolher as palavras para fazer ouvir a testemunha. De certa forma, ao citar, o historiador estabelece-se em saber do outro e, nesse sentido, priva a testemunha da sua própria palavra, como diz Michel de Certeau.
A História oral, expressão que vem do inglês, fundada sobre o inquérito oral, sugere a pretensa superioridade do «oral», sobre os arquivos escritos, na medida em que a palavra seria dada aos ignorados pela História e aos «de baixo». Não tenho dúvidas nenhumas sobre a importância do «testemunho oral» - o recurso a esta fonte só se coloca na história contemporânea, do contemporâneo próximo, tais como, entre outras, as fontes cinematográficas ou televisivas -, nomeadamente por ser aquele que nos dá melhor um contexto e retira do silêncio e do esquecimento pormenores que de outra forma não são. À sua maneira, a memória de uma testemunha dá conta das transformações sócio-históricas à escala de uma vida, mas tem as suas próprias imperfeições, pois é selectiva, assimila as convenções sociais que incitam, ou não, a embelezar, recalca coisas consideradas anódinas e chega mesmo a censurá-las. A memória é condicionada, pelo esquecimento, pela transformação e pela selecção das lembranças.
Eu própria recorri a muitos testemunhos, não expressamente recolhidos por mim, mas por outras pessoas, nomeadamente por Manuela Cruzeiro (testemunhos de Eugénia Varela Gomes, Francisco da Costa Gomes e Vasco Gonçalves), bem como a muitas entrevistas e livros testemunhais, mesmo sabendo que estes são construídas ou reconstruídas. Qualquer fonte é aliás reconstruída, quer pelo historiador, quer pela testemunha, além de ser reconstruída, através da duração, que separa o momento rememorado do momento da narrativa. O historiador Jean-Jacques Becker referiu o handicap do a posteriori, daquilo que é construído posteriormente ao evento descrito. Se o historiador pode corrigir um erro material, apresentado pela testemunha, já não o pode fazê-lo, relativamente aos sentimentos e às emoções expressas a posteriori, as quais pertencem mais à época em que é dado o testemunho, do que ao momento contado pela testemunha. Por outro lado, a memória das testemunhas, no que se relaciona com o estabelecimento de uma data, de um local e de um facto é menos fiável do que, de um modo geral, os documentos, embora escape, nestes últimos, o «vivido», o ambiente e o contexto, necessários à compreensão e que são transmitidos pelos actores dos acontecimentos.
É certo que também as fontes escritas não deixam de ser construídas, mas diferem das fontes orais, no sentido de não serem destinadas ao historiador, nem produzidas por ele. Ao questionar a testemunha, o historiador fá-lo em função de um saber prévio, de uma narrativa de eventos que ele já construiu de antemão e à qual faltam certos encadeamentos e cadeias. Saber e narrativa essas que a testemunha desconhece e ignora.
Como disse, tive de proceder a escolhas metodológicas e, neste estudo específico, optei por não utilizar a entrevista. Por diversas razões já apontadas e por outra, que já agora refiro, mas que não caberia realçar numa dissertação de doutoramento:
- a já referida profusão de fontes a que se teve acesso;
- a existência de muitos testemunhos escritos
- e, sobretudo, da impossibilidade de entrevistar, paralelamente aos ex-presos políticos e opositores ao regime que foram alvo da PIDE/DGS, um número suficientemente grande de ex-elementos desta polícia, que se recusaram a prestar depoimento.

A estas razões, acrescenta-se outra, muitíssimo subjectiva: o facto de eu própria ter um «envolvimento» com a PIDE, salvo seja, na medida em que fui politicamente activa e o medo de ser presa e de não saber como me comportaria sempre me perseguiu, nos últimos anos da ditadura. À partida, tinha toda uma carga subjectiva e tudo menos neutra relativamente ao objecto de estudo. Sabendo que não há neutralidade, acho que o investigador deve fazer tudo para tender a ela e tive de me precaver contra as minhas próprias emoções, não contaminando as testemunhas. Tive de defender-me, no caso dos «carrascos», da total ausência de empatia e, no caso das «vítimas», da completa simpatia. Aqui está uma «confissão», neste texto que já vai longo.

 

Nota: Ainda a propósito do mesmo tema, recomendo a leitura deste post de Rui Bebiano.

 

Publicado por João Tunes às 13:06
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO