Quarta-feira, 19 de Setembro de 2007

MESTRE AQUILINO

00203fd5

 

 

Cresci entre estantes onde não faltava qualquer livro do Mestre Aquilino (era assim que os seus devotos o tratavam no seu tempo). Cresci também com o complexo de demorar a conseguir entrar-lhe nos livros e depois nunca os finalizar. Sentia-me mal pelo conflito de, sendo citadino com raízes aldeãs, não desbastar com gosto e ligeireza aquela linguagem cerrada, beirã e vernácula, numa escrita camponesa em que as palavras sabiam a terra deixada nas enxadas. Fui persistindo e desistindo, desistindo e persistindo, até que devorei, num fôlego e em entusiasmo, o “Quando os Lobos Uivam” logo que este saíu e foi comprado "por baixo do balcão" ao livreiro cúmplice que abastecia a minha casa com os "proibidos". Apesar de saber, por isso me ter sido predicado, que aquela obra, apesar do seu impacto (meteu não só proibição da PIDE e histeria da Censura, como até julgamento), era a menor na dimensão literária do Mestre, uma sua presumida concessão à acessibilidade. Que fosse. Li e reli este livro e Aquilino, Mestre Aquilino, ficou-me reduzido a ele, mas da sua escrita não fiquei arredado. Não me pensando excepção, previ que quando os anos enevoassem a memória do Mestre, contumaz candidato falhado ao Nobel, como Torga, Sophia e Lobo Antunes, o único livro que perduraria em leitura e interesse seria o “Quando os Lobos Uivam” e todo o grosso de importância na obra de Aquilino, Mestre Aquilino, ficaria debaixo do pó da deslembrança literária. Parece que não me enganei. Infelizmente, digo, por respeito e reconhecimento a quem me fez crescer entre estantes com livros e onde Aquilino, o Mestre, pontificava na companhia da indicação solene verbalizada de “lê Aquilino se queres entender como se escreve no melhor português”. Para pobreza minha, que da língua mátria só tenho umas pequenas luzes e intermitentes, não consegui (ainda) cumprir aquele conselho sábio além do único livro que dele li.

 

Vão meter, ou já meteram, o Mestre Aquilino no Panteão. Com escândalo de velhas corujas que devem ter saído dos ovos das ainda mais velhas corujas que perseguiram o Mestre, bicando-lhe as canelas. E eu que de Aquilino Ribeiro só um livro lhe consegui ler, passo ao lado da algazarra. Por três razões simples: primeiro, porque o anarquista Aquilino se deve estar nas tintas sobre onde lhe enfiam os restos; segundo, no silêncio do Panteão já lhe dorme a maior parte da obra; terceiro, quem não lhe conhece a obra, por preguiça literária, caso meu, não tem direito aos galões de seu defensor. Quanto às corujas, essas que piem que o que interessa é que não uivam mesmo quando de lobos se disfarçam.

Publicado por João Tunes às 13:47
Link do post | Comentar
6 comentários:
De marceloribeiro a 19 de Setembro de 2007 às 21:28
Caro João

Li e percebi as suas dúvidas e dificuldades. todavia V. não pode desistir. aquilino, de facto é um belo estilista.
\Faça-me o favor de ler estes livros que aqui lhe indico e que sendo menos romance são contudo muito interessantes e recorrem a um portugu~es menos dificultoso: Portugueses das sete partidas; Principes de portugal; O Cavaleiro de Oliveira (lello es) e sobretudo "A retirada dos 10.000" (tradução do clássico de Xenofonte). Garanto-lhe que esta receita se toma sem dificuldade e, mais, pode ter o efeito de o viciar em Aquilino. A partir desse momento, declino qualquer responsabilidade...
Um abraço
De José Carlos a 19 de Setembro de 2007 às 23:56
Onde eu cresci não havia estantes. Cheguei aos livros com a chegada às primeiras letras e a Aquilino muito mais tarde do que isso. Já andaria pelos meus 30 anos quando lhe li a primeira obra, o incontornável "Malhadinhas". E fiquei para ler mais coisas. Agrada-me "aquela linguagem cerrada, beirã e vernácula, numa escrita camponesa em que as palavras sabiam a terra deixada nas enxadas", como tão bem descreveste. Em relação à transladação, terminei noutro sítio uma postagem sobre o assunto: E raios me partam se o Aquilino não quereria antes que lhe lessem a porra dos livros e lhe deixassem os ossos em paz, de preferência numa qualquer serra das "Terras do Demo"!!
Um abraço.
De RN a 21 de Setembro de 2007 às 19:20
Quanto aos Dez Mil que o Marcelo refere tenho uma relação de especial intimidade. Ando há anos a ver se descubro uma passagem da "Retirada" que me marcou nas minhas viagens pelas guerras que povoam a humanidade desde tempos remotos. E como não consigo encontrá-la lá volto eu uns meses depois a ler mais umas passagens da "Retirada dos dez mil". É já depois da morte de Ciro que não conseguiu o seu sonho - arrebatar o trono ao imperador, seu irmão primogénito, Artaxerxes, sucessor de Dario. Portanto na retirada de Babilónia (inatingida). Um exército farropilha de um qualquer daqueles reinos que da Capadócia ou arredores ousou fazer frente à elite guerreira do mundo de então os gregos hopelitas (infantaria pesada) e os peltastas (inf ligeira).
O exército "bárbaro" assumiu ao cume a observar o inimigo. Fez uma demonstração de guerra. Gritos, batuque e tal. O comandante olhou observou, fez as contas e bateu em retirada antes que aos gregos lhes desse na veneta vir ali destroçá-los. Sempre achei simpática esta forma de "ferir" a guerra. O comandante observa, recolhe dados, conclui que está em minoria de forças e vai daí poupa homens e sofrimentos. Bate em retirada para melhor oportunidade.
Aquilino conta-nos como se meteu nessa aventura da Anábase (título grego que ele explica traduzir-se por "marcha para o interior" mas que considera inapropriado pois dos sete livros de Xenofonte só o 1º versa o avanço enquanto a retirada ocupa os restantes 6.) Deu-lhe para estudar o grego, em Paris, quando estudava na Sorbone, quando Mr. Tournier lhe apareceu com uma versão em grego e tradução latina ao lado, edição de seiscentos. "Mais barato só um mergulho no Sena", explica Aquilino.
De João Tunes a 21 de Setembro de 2007 às 23:22
Obrigado pelos sábios conselhos dos amigos eruditos "aquilinistas". Lá chegarei.
De marcelo ribeiro a 23 de Setembro de 2007 às 18:18
Vá chamar "erudito aquilinista" a....
Ms leia A retirada...
É uma coisa magnifica: xenofonte e aquilino a contar uma aventura de gregos loucos mas audaciosos; heroicos mas prudentes; falazões mas disciplinados... Um mimo!
De João Tunes a 23 de Setembro de 2007 às 22:06

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO