Terça-feira, 2 de Maio de 2006

DA HORA DOS AVENTUREIROS

Não poucas vezes, o desespero e a derrota anunciada levam à aventura empurrada pela audácia do tudo ou nada. Em Novembro de 1970, eu estava enfiado num quartel de uma aldeia do sul da Guiné, Catió, metido numa guerra sem vitória possível e ainda menos sentido que o de soprar contra a história. Ainda pior que essa falta de sentido, uma vontade estúpida de Portugal querer marcar com um mata e morre o posfácio da gesta colonial que lhe ficara no gosto, nos gastos e nos ganhos desde que as caravelas quinhentistas se fizeram ao mar. Não estava ali a fazer nada, excepto aguentar e poder voltar para junto de mulher e filha, procurar emprego e fazer vida. Metido em posição meramente defensiva, numa “ilha-quartel” em território controlado pelo PAIGC, levando no toutiço, dia sim e dia não, para que Nino Vieira gastasse as suas fartas munições de morteiros. Mas estava. Ali, em Catió. Perto da fronteira com a Guiné-Conacry.

22 de Novembro de 1970 e dias seguintes, foram especialmente tensos. A tempestade que carregava a rotina quarteleira era mais pesada que costume. O comando andava de sobrolho mais fechado. Tinha de haver bernarda grossa. Depois amainou. Para se voltar à rotina das morteiradas do Nino. Dia sim e dia não. E o dia 22 de Novembro de 1970 ficou-se como um dia em que até pouco se passou. Ali, em Catió. Porque não longe dali, muito se passara.

Só mais tarde vim a saber um pouco do que se tinha passado nesse 22 de Novembro de 1970 tornado um dia particularmente tenso na rotina militar de Catió. Nesse dia, o governo português tinha executado uma operação de guerra contra outro país soberano e inimigo, invadido a sua capital com o fito de mudar-lhe o Presidente (assassinando-o) e o governo, colocando no seu lugar um governo “amigo dos colonialistas”, liquidando a retaguarda do PAIGC (em que se incluía o assassinato de Amílcar Cabral e dos restantes altos dirigentes) e libertando os militares portugueses que tinham sido capturados pela guerrilha. Foi a operação “Mar Verde”, arquitectada e executada por Alpoim Calvão, aprovada por Spínola e por Marcelo Caetano, neutralizadas que haviam sido as vozes discordantes do Ministro do Ultramar, Silva e Cunha, e do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Patrício. Na noção adquirida da impossibilidade de ganhar a guerra na Guiné, era a aventura do tudo ou nada. E, como se a guerra tivesse solução numa noitada num casino, restava a aventura. Era a hora dos aventureiros. E assim, a hora de Spínola. Sobretudo de Calvão. Também de Marcelo, incapaz de governar um projecto ingovernável. Borrado com a Guiné, à rasca com Moçambique, não querendo perder Angola. Só assim se entendendo que o mais louco e ambicioso dos aventureiros centuriões entre os militares portugueses, irmanado com a PIDE,  tenha conseguido levar o governo português e as Forças Armadas à suprema aventura de querer ganhar a guerra na Guiné pela conquista de um país vizinho e independente. Como se a solução para o colonialismo português fosse transformar toda a África num continente neo-colonial, dando um pontapé na história.

Mataram que fartaram, destruíram bastante, trouxeram os prisioneiros militares portugueses de volta. Mas foram ao campo de aviação para estoirar a frota aérea guineense e os aviões não estavam lá, quiseram calar a emissora e não deram com ela, procuraram Amílcar Cabral para o assassinarem e este estava há dez dias no estrangeiro, o Presidente Sekou Touré que devia ser assassinado também não foi encontrado, um tenente e o seu pelotão (22 homens) desertou e entregou-se às autoridades guineenses e denunciou a operação, registaram-se várias baixas entre mortos e feridos. A operação terminou numa fuga a toda a pressa, em debandada organizada, com medo da retaliação da aviação. No seguimento, um enorme basqueiro internacional que ainda isolou mais o governo português. Sekou Touré reforçou o mando e o apoio ao PAIGC. E o PAIGC intensificou o apoio internacional e o poderio das operações militares. Em balanço, um fiasco. O fiasco de uma aventura. A aventura do desespero. Na hora dos aventureiros. Na pior das horas, quando o governo governa através da loucura dos aventureiros sem escrúpulos.

Com a distância do tempo, a aventura da operação “Mar Verde” vai sendo melhor conhecida. E não deixa de ter relevo conhecer-se esse pedaço de história recente em que Portugal se meteu num enorme assado, de onde saiu humilhado, quando o seu governo decidiu invadir militarmente outro país soberano e independente. Um livro recentemente editado do jornalista António Luís Marinho (*), pese embora a atracção panegírica de encantamento para com a figura de Alpoim Calvão, o maior aventureiro centurião do império, é bem elucidativo desta fase da nossa história recente, em que a loucura também fazia (mau) governo.

(*) – “Operação Mar Verde – um documento para a história”, António Luís Marinho, Editora Temas & Debates.

Publicado por João Tunes às 16:34
Link do post | Comentar
4 comentários:
De Jorge Teixeira a 21 de Março de 2007 às 18:57
Não vou comentar o artigo, pois no meu tempo já se ouviam uns zunzuns sobre essa operação.
Escrevo-lhe sim para saber se eventualmente nos conhecemos, pois estive em Catió de Maio 68 a Março 70. Era Fur.Mil . do Pelotão de Canhões s /recuo.
Como agora a vida me deixa mais tempo livre, dedico-me a procurar ex camaradas.
Mande-me alguma informação, se não lhe tomar muito tempo.
Um abraço
De Anónimo a 10 de Outubro de 2013 às 19:12
Eu era Operador Cripto e estava em Bijene, na fronteira norte com o Senegal. Costumava ouvir musica emitida pela emissora da Guiné Conacri. Nessa manhã a emissora transmitia musica marcial e palavras de ordem como "morte aos colonialistas, imperialistas portugueses". Notei que algo se passava de anormal e tratei de informar de imediato o nosso comandante. Ficamos alerta, mas por aquelas bandas nada aconteceu de anormal.
De Henrique Correia a 24 de Novembro de 2013 às 04:03
Aquilo que designa "operação de guerra contra um país soberano" não se verificava da parte do PAIGC, bem antes da operação Mar Verde? Conhece certamente os oficiais cubanos capturados em território português. E o simples facto de a Guiné-Conakry alojar as bases do PAIGC não a transformava em agressora de um país soberano? Não acha que Portugal apenas praticou o seu direito de legítima defesa?
Aquilo que designa de "apoio internacional" não era mais do que apoio dos países comunistas e alguns socialistas. Apoio com armas de guerra, sobretudo.
Por último, não posso concordar de maneira nenhuma que chame "aventura" a esta operação, que rotula de "fiasco". Tivesse sido um dos prisioneiros que foram libertados nesta operação e certamente que a sua opinião seria muito diferente.
De Bruno Espírito Santo a 25 de Março de 2014 às 08:05
Aventureiros?
Muitos Portugueses foram "obrigados" ao que chama de aventureiros...
E esta "aventura" valeu pela libertação dos também, "aventureiros"...à força.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt

João Tunes

Pesquisar neste blog

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Agora que o 25A está à be...

O efeito perverso no cult...

Uma vítima da unicidade s...

Na melhor editora cai a p...

TRABALHOS DE BIÓGRAFO

A homenagem devida, um se...

A bactéria da unicidade

Contributos para nos perc...

Para quem tem criançada (...

2 Março

Arquivos

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO