Terça-feira, 15 de Maio de 2007

A GRANDE DISSIDÊNCIA COMUNISTA (3)

001d3y6p

 

Lido o livro de Raimundo Narciso sobre a dissidência da “terceira via” (*), fractura partidária sobre a qual aqui me pronunciei (este mais este post) antes de conhecer o conteúdo do livro, aqui ficam apenas breves notas sobre a sua importância para a história do comunismo português:

 

- As “feridas” da odisseia não perturbaram a serenidade de análise nem a reconstituição factual e das personagens, “tudo” está no livro (como eu e tantos outros os conhecemos, aqueles que puderam e quiseram conhecer).

 

- Nunca foi até ao momento publicada uma “descida” com a profundidade desta ao “interior” do PCP, aquele íntimo e essência partidária, nomeadamente o seu núcleo de poder real, que a duplicidade propagandística deste partido esconde dos cidadãos, incluindo a esmagadora maioria dos seus militantes, os que amam aquele partido, lhes entregam as maiores energias das suas vidas e lhe cumprem as tarefas, tanto que o poupam ao olhar crítico.

 

- Depois de se ler o livro, basta imaginar o que seria aquele núcleo dirigente, com ou sem Cunhal, mas segundo o “modelo” de Cunhal, no exercício do poder político, a mandar no país: Estaline e o Gulag estariam aqui.

 

(*) “Álvaro Cunhal e a Dissidência da Terceira Via”, Raimundo Narciso, Edições Âmbar. O livro será apresentado publicamente no próximo dia 17 de Maio, às 18h30, na FNAC (Chiado) por Mário de Carvalho e Mário Lino. Sobre o livro, visitar este blogue.

 

Imagem: Raimundo Narciso quando ainda era considerado por Cunhal. Aqui, a ladeá-lo na delegação do PCP enviada ao funeral do Marechal Tito.

-----

Adenda: Recomendo a consulta da "nota de leitura" deste livro editada pelo historiador Rui Bebiano.

Publicado por João Tunes às 13:04
Link do post | Comentar
2 comentários:
De JMC a 15 de Maio de 2007 às 19:11
Ainda não li o livro do Raimundo Narciso. Muito provavelmente, irei ler, por curiosidade.
Não tenho boa impressão dos dissidentes que se mudaram de armas e bagagens da militância no PCP para outras militâncias sem terem efectuado profundas reflexões políticas e ideológicas. Não que a mudança seja sinónimo de oportunismo, mas porque a dissidência foi, em muitos casos, mero capital para a troca.
Em geral, os dissidentes do PC padecem do mesmo cinismo de que acusam os dirigentes. Os seus relatos, que entre nós raramente chegam a qualquer reflexão ideológica, constituem justificações tardias de uma cegueira desejada, da qual, em boa verdade, os dissidentes parece não se terem curado.
Nos testemunhos vindos a lume, em muito poucos se vislumbra um laivo de auto-crítica. Os maus foram sempre os outros, que os teriam enganado, nunca os próprios dissidentes, que apenas acreditaram numa ideologia sublime e redentora. Mas afinal eles padeceram dos mesmos males de que acusam os dirigentes, acreditaram nas mesmas patranhas, difundiram as mesmas trapaças e praticaram os mesmos desmandos (muitas vezes contra outros dissidentes antes deles…).
O comunismo é uma coisa séria, não é mera utopia. É o desejo de controlo totalitário da sociedade por quem se julga iluminado, tocado pelo conhecimento certo, e dotado para conduzir as massas ignaras para a felicidade terrena. Pouco se distingue do fascismo salazarista, e no que se distingue é dele bem pior, porque fundado numa pseudo superioridade conferida pela fé no conhecimento da realidade social e do seu futuro histórico. Abjurá-lo não pode resumir-se ao repúdio das metodologias internas ou à crítica de hipotéticos desvios que teriam desvirtuado a imaculada utopia.
Tal como a adesão ao comunismo, para muitos, foi superficial, por adesão emocional à cartilha, assim o tem sido a dissidência. Por isso, os testemunhos não têm passado do relato de episódios picarescos.
De João Tunes a 16 de Maio de 2007 às 16:59
Caro JMC, como decerto esperaria, em pouco concordo no seu comentário. Pela generalização, pelo juízo moral, pelo reducionismo nos contextos. Aliás, tirando o ângulo ideológico, tem grandes similitudes com o reflexo defensivo da ortodoxia. Se quer ficar na sua, então não leia o livro do RN (decerto é isso que também farão os militantes satisfeitos do PCP e todos os que identificam sem apelo os dissidentes com os "vira-casacas"), poderia abalar as suas firmes convicções e, por honestidade intelectual, voltar aqui para, pelo menos, introduzir nuances nas suas sentenças tão lapidares (a propósito de um livro que não leu). É que está lá muito além do picaresco. Dito isto, resta-me agradecer-lhe a honra de partilhar as suas dissonâncias, ajudando a incrementar a pluralidade de pontos de vista. Volte sempre que a isso se dispuser (vc defende as suas damas com vigor mas com absoluta correcção).

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO