Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

NO DIA DE FINADOS DA CENSURA

001ak47h

  

A Internet permite isto: passadas poucas horas da emissão do meu post sobre a ocupação da Censura em 26 de Abril de 1974, recebi, por mail, um depoimento de um “militar de Abril” (um jovem Alferes Miliciano) que participou no mesmo evento (numa fase posterior àquela em que intervim). Permito-me transcrevê-lo (o autor identificou-se mas decidi omitir o seu nome) atendendo à impressividade do depoimento e o valor precioso que têm os olhares (todos os olhares) de memória dos que, em maior ou menor destaque, fizeram de um golpe uma Revolução.

------

No dia 26 de Abril, também eu, me encontrei nas instalações da Comissão de Censura, suponho que na rua das Gáveas, no Bairro Alto. E estava lá porque era o "comandante" (veja-se qual o "poder" dum Alferes do Exército Português nos dias desse Abril) da pequena força de "preservação" destacada para essas instalações; e digo de "preservação" porque a de "ocupação" deveria ser a tal comandada pelo "seu" capitão "novito".

O que mais me impressionou nesse dia não foi o estado dessas instalações, às quais voltarei mais tarde, nem o sentimento de vingança para com os ditos "coronéis do lápis azul" e as suas "culturais e pedagógicas tropelias"; o que realmente me impressionou foi as pessoas na rua da Misericórdia, embrulhadas em bandeiras nacionais e celebrando, como agora se diria em "arruadas", das formas mais diversas, o ímpar evento; foram as mulheres do Bairro Alto que, noite fora, foram carregando bolos, cafés, sandes, etc. para os seus soldados aí estacionados. Foi ver o ar de quantos estavam no Quartel do Carmo, face aos militares que, como eu, lá iam levar em segurança e, para segurança os que as pessoas apupavam de "pides"; e, não eram poucos os denunciados mas, suponho, poucos os que realmente lhe estavam ligados.

Mas na sede da Comissão de Censura, quando cheguei com o meu pelotão, reinava o caos. As casas de banho tinham sido alvo da descarga, em sentido real, da ira dos revoltados que lá tiveram acesso; o seu estado de higiene não é comentável. Quanto ao resto, casacos de trabalho pendurados e arrumados, sapatos apartados a um canto porque os donos tinham fugido, lápis e páginas de imprensa, algumas já coloridas de azul, livros e revistas que não tinham sido "analisadas" enchiam, ainda, as mesas e as escrivaninhas (daquelas que tinham uma porta em madeira ondulada de correr). E, pela noite fora, os "telex" (suponho que da marca Victor) teclavam sem cessar, criando uma melodia atordoante, sobretudo agora, que os "dedicados censores" não estavam presentes para os analisar e que, portanto, martelavam inutilmente o silêncio reinante. Descendo pelo meio do corrimão da escada, lá estava esticada a corda, onde, presumo, eram pendurados os escritos para censura prévia. Quem sabe se as suas, como diz, "escrevinhadelas" não foram por ali também puxadas para que alguém as "corrigisse".

Pode parecer caricato, mas há 33 anos era assim.

------

Imagem: Parte de um relatório censório (copiado daqui)

Publicado por João Tunes às 22:39
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO