Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

HÁ 33

001agzfh001ahg1t

 

Estava de vigília nessa noite. Não porque sonhasse que o regime ia dar o berro ou sequer abanar mas porque a Catarina, então com três anos e porque de tão afeiçoada aos micróbios volta e meia emprestava-lhes a garganta como abrigo, teimava em não deixar que a febre baixasse. Ainda o sol não tinha rasgado pela manhã, um meu vizinho e amigo desatou aos murros à minha porta e, muito pálido e cheio de tremuras, deu-me as novas e ligámos o rádio. “Estamos lixados, o Kaulza saltou!”, concluímos rápido. Mas qualquer coisa nos comunicados dos militares não condizia com o susto. Os comunicados e as canções.

 

Tudo voltou a piorar nas expectativas com o aparecimento sinistro da figura patibular do Spínola na televisão e como comandante da coisa. Ao Kaulza não o conhecia, só sabia que era um ultra. Ao general do monóculo tinha-o aturado como comandante na Guiné e sabia bem demais da sua catadura militarista prussiana a puxar para o nazistóide. “Estamos fritos, e a mim só me faltava apanhar com o Spínola outra vez”, foi a análise política mais completa que consegui fazer.

 

Como andava metido nas coisas do cinema, cineclubismo e crítica de cinema, telefonaram-me para ir urgentemente ajudar a ocupar a sede da Censura em São Pedro de Alcântara. Foi a minha primeira tarefa revolucionária. Fui, com gosto, para mais os tipos daquele covil apalaçado não falhavam semana em que não me cortassem ou retalhassem as minhas escrevinhadelas para o semanário em que colaborava. Escadas subidas de roldão, misturado com cineclubistas, realizadores, malta da câmara e do som, jornalistas, escritores, críticos, dou de frente com o comandante militar da ocupação, um capitão novito. O nosso cumprimento descambou de imediato num abraço forte. Ele havia sido, ainda tenente, meu instrutor militar em Mafra. Então, seis anos antes, tínhamos enturmado bem – ele ensinava-me as tretas marciais e eu pagava-lhe a minha militarização forçada com umas noções de marxismo e tentava explicar-lhe as lutas dos estudantes, mais as dos operários e dos camponeses. Ali, na sala solene onde na véspera se dirigia a Censura, agora deserta de censores, abraçado ao jovem capitão meu antigo aluno de rudimentos de marxismo explicado a militares, percebi que Spínola não era tudo. Até podia dar numa revolução. A acreditar no exemplo dos meus méritos pedagógico-doutrinários a que estava abraçado, dava de certeza, convenci-me a mim próprio, cheio de vaidades revolucionárias.

Publicado por João Tunes às 00:48
Link do post | Comentar
14 comentários:
De Ty_Logic a 25 de Abril de 2007 às 01:17
Tinha 5 anos e sete meses...e as recordações da infância são aquelas que nunca mais esqueçemos. Lembro-me como hoje, mas mesmo como hoje, de a minha mãe ir buscar o livro "Portugal e o Futuro" desse tal senhor, que estava escondido na gaveta e colocá-lo na estante e dizer para o meu pai : "agora já pode ficar aqui" e lembro-me, com seis anos, que desenhava soldados, espingardas e agricultores na minha 1ª classe porque a professora dizia que tínhamos que desenhar isso. E lembro-me algum tempo depois disso de a minha mãe dizer que as coisa não eram bem como ela julgava. E lembro-me de a minha mãe me dizer para ser uma pessoa boa e decente. E esta é a idéia que tenho dessa altura, que embora tivesse cinco anos vivi. E foi isso exclusivamente que me ficou, se dissesse o contrário estava a mentir, e desde essa altura a esta parte a nível de mentiras considero-me catedrático...não é licenciado na Independente, é mesmo catedrático.
De João Tunes a 26 de Abril de 2007 às 11:36
Obrigado pelo depoimento. Visto à distância, é deveras interessante como as então crianças fixaram os acontecimentos. E ainda bem que é um anti-mentiras catedrático.
De Marco Oliveira a 25 de Abril de 2007 às 17:36
Grande João,
Talvez hoje mais do que nunca seja o dia indicado para te agradecer por este e tantos outros textos que aqui tens publicado.
São memórias preciosas de quem acredita e luta por uma sociedade mais justa, mais equilibrada. É um testemunho de quem tem consciência que o Portugal que vamos construindo é um país que vamos deixar aos nossos filhos.
E os nossos filhos merecem o melhor.
Um grande abraço!
De João Tunes a 26 de Abril de 2007 às 11:54
Obrigado Marco pela simpatia. Tu ainda só falas em bom futuro para os filhos, eu agora já me preocupo, sobretudo, com o dos netos pq o meu já é mais velho que os teus rebentos. É a vida, em três dimensões e em três gerações. Abraço forte de amizade.
De ana a 25 de Abril de 2007 às 17:59
Há quem mereça, sabemo-lo, ter vaidades revolucionárias.
E mereça, igualmente, um abraço amigo de quantos beneficiaram de tantos ignorados actos de coragem contra a opressão.
De João Tunes a 26 de Abril de 2007 às 11:45
A vaidade aqui referida é mesmo uma "vaidade", uma vã vaidade. As condições objectivas que levaram os oficiais de média e baixa patente a virarem-se foi a guerra colonial e perceberem no corpo (com comissões acumuladas) que não se ganhava nem tinha fim a não ser a derrota (na Guiné, ela estava à vista). A doutrinação dos milicianos saídos da luta estudantil só deu o empurrão subjectivo. Não houvesse guerra colonial e ela não sendo como foi e bem podíamos, os ex-activistas estudantis, pregar o nosso latim que ele entrava-lhes por um ouvido e saía por uma orelha. Injustamente, muitas vezes esquece-se que é ao PAIGC, ao MPLA e à Frelimo, que devemos 95% do 25A. Por paradoxo, na década de 60 fomos para as colónias para arrasar os pretos e acabámos com um país libertado. Abraço.
De cristina a 25 de Abril de 2007 às 20:24
o momento que lembro melhor desse dia foi a frae de um tio meu:"agora já posso morrer". pensei , porque diabo quererá o homem morrer? afinal parecia com melhor aspecto que nunca...:)

tinha 11 anos. foi a primeira vez que ouvi palavras como política, liberdade, direitos,fascismo, comunismo....mas ainda fui a tempo, acho.

beijinhos

De João Tunes a 26 de Abril de 2007 às 11:48
tb querida Cristina. E eu a pensar que tinha nascido bem depois do 25A... (como a jovialidade nos engana!)
De luis januario a 25 de Abril de 2007 às 22:13
Um abraço
De João Tunes a 26 de Abril de 2007 às 11:49
Abraço retribuído com juros, caro Luís.
De marcelo ribeiro a 27 de Abril de 2007 às 16:17
O 25 A verdadeiro foi um gozo!
valendo-me duma frase de um tio de uma correspondente aí em cima acho que terei pensado: agora já posso viver.
E estava com mau aspecto: noites em branco, claro...
De João Tunes a 28 de Abril de 2007 às 18:33
E que gozo!
De Anónimo a 28 de Abril de 2007 às 20:20
O meu depoimento é muito pobrezinho...
Há algo de que nunca me esqueci. Nesse dia, andava eu na 3ª classe, arranjaram-me, vestiram-me a bata e de pasta às costas, lá fiquei à porta do prédio à espera da carrinha da escola. De repente a minha mãe grita, vem para cima que hoje não há escola. Subi e percebi que algo se passava. A minha mãe, grávida do meu irmão e com a minha irmã de pouco mais de um ano nos braços, só dizia, ai meu Deus, algo aconteceu, porque a Grândola Vila Morena está a tocar. Não percebi nada daquela história de Grândola que tão bem conhecia, por ser a terra do meu avô. A minha mãe estava em pânico, porque o pai tinha ido trabalhar e a minha avó estava em casa dela. Senti medo, muito medo, por todo aquele reboliço, as vizinhas falavam em guerra. Dias depois, tudo voltava ao normal e na escola cantava-se "o ovo cozido, jamais será comido", lol.
RosaLatina
De João Tunes a 28 de Abril de 2007 às 23:38
Quando leio depoimentos dos e das que eram crianças no 25 de Abril, é como ouvir histórias substitutas da minha filha que tinha então 3 anos e a única que ela contaria sobre esse dia, se localizasse o dia na sua memória, era que estava doente e cheia de febre. Obrigado pela partilha.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO