Sexta-feira, 31 de Março de 2006

INTERNET: DO PIOR AO MELHOR

A Internet arrasta muito lixo, demasiado lixo. É um meio propício ao rancor, á filha de putice fácil, rápida e barata. Sobretudo á filha de putice escondida, aquela de vão de formação sem escada, propícia até a ser tangida em tocas de ratos, minguadas de queijo da auto-estima, matando fomes acumuladas de fel, com um cobertor a tapar nome e cara e dar a oportunidade da cobardia insana do anonimato, o anonimato dos filhos de puta, não por nascimento mas por opção ou condição, o anonimato dos pseudo-homens. Que guardam a valentia para a hora do cagalhão. Claro que não é defeito da Internet. Como o abuso, mais as mil mentiras, dos totalitários eleitoralistas não é defeito da democracia, mesmo quando estes fingem que jogam a ida a votos, com abraços, beijinhos, bailaricos com peixeiras e velhotas e falinhas, muitas falinhas, enquanto esperam a hora de mudar o mundo á pazada e sem direito de retorno ao voto, à escolha ou à mudança. Como meio aberto que é, como qualquer sistema aberto, a Internet, como a democracia, arrasta de tudo, também a porcaria. É um preço da sociedade aberta e ligada em “rede”.

 

Mas a Internet também nos traz o melhor. Além do mediano que é o que, talvez, arraste mais. Porque tem essa capacidade instantânea e eficaz de meter o mundo “em rede”, anular distâncias, sentar tudo em convívio num mesmo sofá, cada qual instalado no repouso do seu sítio. Tornando possível a comunicação, o convívio, a tertúlia, o debate, o abraço, à distância de um golpe de asa. Apesar do lixo, muito lixo, demasiado lixo, que a Internet nos traz.

 

Pois a Internet já me trouxe até o tapete da porta de entrada, a querer entrar, muito filho de puta com pés e rabos sujos. Dos tais. Mas também me serviu o bem, o prazer, a emoção, a comoção, muitos encontros, alguns deliciosos reencontros. Salvem-se estes para bem re-odorizarem o mau cheiro dos outros, os do lixo. Esses mesmos para quem tenho o gosto bem lúdico de lhes acertar em cheio com um pontapé no olho do rabo e ... escada abaixo, cortando-lhes o pio de morcego.

 

Permitam que fale do meu último “encontro” que a Internet me trouxe.

 

Conheci, em convívio de guerra e amizade, na Guiné e em Teixeira Pinto (hoje, Canchungo), os três majores que, em Abril de 1970, tombaram em combate, abatidos de forma vil e cobarde, na mata perto de Pelundo. Sobre isso escrevi. Agora, acabo de receber um “e-mail” de alguém que me leu (lá está: graças à Internet) e me disse ter ficado contente por eu não ter esquecido o que se passou e me perguntava se me lembrava de uma criança que costumava brincar nesse mesmo quartel de Teixeira Pinto. Não, não me lembrava nem lembro. Mas, pelo apelido, percebi que se tratava do filho de um dos três majores, nossos mártires. Disse-lho, dizendo que as minhas velhas e sobrecarregadas memórias não retinham a sua presença infantil no quartel de Teixeira Pinto nesses anos de 1969 e 1970, mas que suspeitava quem fosse, ou seja, de quem era filho. E ele esclareceu:

 

 

“Sim sou o filho, somos três ao todo (duas raparigas mais velhas), e como deve imaginar eu como sendo o único rapaz, ele não queria deixar créditos por mãos alheias e levava-me para Teixeira Pinto à revelia da minha mãe. Durante tempos tentei compreender porque razão um pai leva um filho de 7 anos para uma zona de combate.... protecção? aprender os ensinamentos e  horrores da guerra (presenciei alguns , estava no local errado à hora errada, que nem á minha mãe os contava com medo de não voltar a Teixeira Pinto, enfim aquela cumplicidade de filho, afinal sempre preferia a companhia do meu pai). Sim foi um misto, que verdade seja dita do pouco que privei com Ele e que não sendo o suficiente, me ajudaram a crescer. Tornei-me homem quando fiquei orfão, tentei assumir familiarmente o papel do homem da casa no meio de três simpáticas mulheres, sabendo ao longo da minha vida que jamais estaria à sua altura, fui para o Colégio Militar e em 7 anos li toda a literatura de adultos deixada de herança. Fui Oficial Pára-Comando durante 10 anos e um dia acordei. Fechei um ciclo e tornei-me civil.(…) Hoje sou Piloto de Linha Aérea, tenho 42 anos, casado, vivo 6 meses em Portugal e 6 meses fora.”

Retiro, nesta minha inconfidência, o nome e o apelido e mais algo que ele escreveu de mais pessoal, a fim de que o meu abuso não se torne obsceno, ofendendo demais confiança e pudor. Fica o testemunho, um fio da memória de um homem mais que feito, hoje com 42 anos de idade, filho de um militar brilhante e homem grande (dos maiores e mais inteligentes que conheci), um camarada de honra e de guerra, que vive para o resto da vida a sua experiência, uma experiência capaz de transformar um menino de sete anos num sábio da vida pela via do desgosto, que viveu connosco, os da guerra naquela época, na guerra onde penei e me desenrasquei, voltando, eu apenas gravemente ferido na memória e ele órfão de um combatente caído em combate, barbaramente assassinado, cobardemente assassinado e a espantar na perda maior um filho-menino. E que, afinal, demonstra que ele também, o filho, já quando menino, muito menino, foi também meu camarada na guerra. Merecedor, pela idade e pelo tormento, mais a irmandade na dor e no luto, de o considerar como um camarada a merecer lugar de honra no meu carinho. Aquele carinho que a guerra não conseguiu secar nem transformar num pântano em que os pés se atascam e a alma fica pequena. E que é, julgo que se admita, o melhor que os velhos e retirados guerreiros podem arrastar agarrados aos camuflados de “velhinhos” com que tecemos as nossas vidas que queremos ainda gastar mais uns bons pedaços, ah pois, sem delas querermos sair a perder a honra com que julgamos tê-las merecido.

 

É isto, o melhor, o que compensa os gastos em paciência com o lixo que nos vem na enxurrada da Internet.  

 

Publicado por João Tunes às 23:18
Link do post | Comentar
1 comentário:
De cila a 2 de Abril de 2006 às 19:07
Tão bom quando se reencontra a emoção e a memória ..... tão bom quando estes testemunhos aparecem.

Por um mundo de amizade!

Gosto muito dos seus escritos...mantenha-se que faz falta gente recta na vida :)

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO