Sexta-feira, 30 de Março de 2007

FIAT LUZ pelas VENTOÍNHAS MEXIA

00186h6c

 

Da EDP espera-se que se ligue o interruptor e saia luz. E arranque, sob nossas ordens, a máquina de lavar loiça e o micro-ondas nos aqueça a comida com o remanescente de véspera porque o tempo não está para desperdícios. E o aspirador não se negue a limpar as irritantes migalhas de bolachas deixadas como herança da manutenção nos níveis de hidrato-carbonos, vingando-nos, nestes gastos, um dia mal pago e mal urdido em que falhou a promoção prometida, coincidindo com a notícia catastrófica e de escárnio freudiano da perda de virgindade da filha do meio, e nos enfiamos no sofá para receber a tele-evangelização privada ou percebida pelos neurónios como serviço público. Estas e outras coisas que metem tomadas, fichas, fios e, sem pensarmos nisso “ao momento”, as contas para pagar pelas nossas úteis, acrescidas das lúdicas, necessidades. Sempre exorbitantes, mas depois banalizadas como escândalo instantâneo entre a cascata das muitas contas para pagar que predominam nas caixas do correio relativamente às parcas cartas de amigo ou de amor e só ultrapassadas pelos pedidos de comprarmos o inútil para sermos felizes

 

Um consumidor sujeito a este ciclo repetitivo de ligar e desligar interruptores, estender extensões a terminarem em fichas triplas, substituir lâmpadas fundidas e pagar as contas à EDP por desconto bancário, liga o PC, acende a Internet, liga-se à EDP, mãe da nossa energia, e :

 

Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 248.º do Código dos Valores Mobiliários, a EDP - Energias de Portugal, S.A. (EDP) vem prestar a seguinte informação ao mercado e ao público em geral:

A EDP celebrou hoje com a Goldman Sachs Group, Inc. um contrato de compra e venda de 100% do capital social da Horizon Wind Energy LLC ("Horizon"), uma empresa líder no desenvolvimento, gestão e operação de parques eólicos nos Estados Unidos da América.

Esta transacção valoriza os capitais próprios ("equity") da Horizon em 2.150 milhões de dólares. A dívida líquida da Horizon a 31 de Dezembro de 2006 era de 180 milhões de dólares. O valor de aquisição, à data da sua conclusão, será ajustado pelos investimentos incorridos, actualmente estimados em 600 milhões de dólares.

O financiamento desta aquisição será realizado através de empréstimo bancário à EDP e de entradas em dinheiro de um parceiro de investimento em "tax equity", encontrando-se ambos acordados em regime de "underwriting".

A conclusão desta operação está sujeita à verificação de determinadas condições típicas, incluindo a obtenção de autorizações regulatórias por parte de autoridades federais e estaduais americanas. Espera-se que esta operação venha a ser concluída até ao final do segundo trimestre de 2007.

 

A aquisição da Horizon integra-se no âmbito dos objectivos estratégicos da EDP, na medida em que:

(i) Antecipa o cumprimento das linhas estratégicas definidas para o período 2007-2010;
(ii) Reforça a posição de liderança da EDP no sector das energias renováveis;
(iii) Viabiliza a entrada da EDP, com uma posição de liderança, no mercado dos Estados Unidos da América, o qual apresenta perspectivas de elevado crescimento;
(iv) Diversifica as fontes de receita da empresa, reduzindo os riscos do respectivo "portfolio".

Com a aquisição da Horizon, a EDP tornar-se-à num player líder a nível mundial no sector das energias renováveis com mais de 3.800 MW brutos de capacidade de produção em operação até ao final de 2007.

Desde a sua criação em 1999, a Horizon tem sido uma das empresas de desenvolvimento de projectos eólicos com mais sucesso nos Estados Unidos da América, em grande medida devido à sua equipa experiente e a uma elevada reputação junto de proprietários de terrenos, comunidades locais e clientes.

 
A empresa detém actualmente 559 MW brutos de capacidade eólica em operação e 997 MW de projectos em construção, cuja entrada em operação se espera que venha a ocorrer até ao final de 2007, perfazendo um total de 1.556 MW brutos (1.324 MW líquidos). A Horizon detém ainda um "pipeline" de projectos atractivo em diferentes fases de desenvolvimento em 15 Estados com uma capacidade de produção potencial total de mais de 9.000 MW.

 

Lê e não percebe como vai melhorar a sua vida (energética). Nomeadamente, quanto aos efeitos nas lâmpadas, na máquina de lavar loiça, no micro-ondas, no aspirador, nas televisões pública e privada e se diminui o número de lâmpadas fundidas. Menos entende como é que a electricidade produzida pelas ventoinhas eólicas enfiadas pela Horizon nos vales dos Estados Unidos, atravessando o Atlântico, lhe chega às tomadas do lar e lhe melhoram o ambiente, por provir de uma fonte renovável. E qual o significado de a EDP passar a ser um “player mundial no sector das energias” quando reflectido nas facturas que paga. A que se soma a perplexidade perante o trambolhão com que a Bolsa penalizou a EDP por esta aventura nas ventoinhas eólicas americanas. Cansado de pensar, só pode desconfiar da capacidade de António Mexia justificar, em energia e rentabilidade, a gorda e milionária compensação que receberá quando for corrido e substituído na EDP. Sabendo que vai, fatalmente, ser ele a pagar na factura da electricidade descontada na conta bancária. Porque sem lâmpadas, sem máquina de lavar, sem micro-ondas, sem aspirador e sem televisão, a vida reduz-se à ausência de energia. Ou seja, acende-se-lhe a morte. Cruzes canhoto. E assim, enquanto durar, vamos todos precisar de Mexia. Pagando-lhe. Incluindo quando ele zarpar ou fôr zarpado.

Publicado por João Tunes às 23:15
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Sem aspirador sem ... a 11 de Abril de 2008 às 00:02
Sem aspirador, televisão, resumindo sem nada e sem nada não dá pra viver

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO