Sexta-feira, 30 de Março de 2007

RDA, MODELO OU CULPA?

0018490a

 

Que me desculpe o Lutz, mas fiquei com sérias dúvidas sobre a forma como caracteriza a “obra RDA”:

 

“Os que construiram devotamente o modelo mais evoluído do comunismo [a RDA], foram sempre uma minoria, e porventura os sobreviventes duma luta dedicada e com grandes sacrifícios contra o nacional-socialismo.”

 

No final da guerra, o DKP (Partido Comunista Alemão) estava destruído (ainda hoje é uma quinquilharia alimentada por um pequeníssima seita de fanáticos) e o comunismo erradicado da Alemanha. Uma parte da militância comunista na Alemanha (muitos militantes, vários milhões de eleitores nas eleições ganhas por Hitler) foi aniquilada por Hitler, outra (a grande maioria) reciclou-se no “nacional-socialismo”, uma terceira (uma ínfima minoria) emigrou para a URSS e sofreu uma violenta purga aniquiladora de Estaline. Sobraram meia dúzia de quadros conservados por Estaline, fanatizados ao seu culto, a que se podia juntar um insignificante núcleo que se conservara clandestino, mas disperso e inoperante, na Alemanha hitleriana.

 

A RDA foi, sobretudo, obra da ocupação do Exército Vermelho e do posicionamento de forças no início da “guerra fria” (como a RFA foi a sua dimensão simétrica, a “ocidental”). Assim, sempre foi um Estado artificial e meramente do género geoestratégico e conjuntural. Porque RFA e RDA sempre foram Estados em espera de reunificação.

 

Enclausurados na “zona de ocupação soviética”, os alemães que não conseguiram passar para as outras zonas, com o país destruído (e a ser posteriormente saqueado para as “reparações de guerra”), com a “culpa do nazismo” agarrada ao corpo por serem apoiantes de véspera do fanatismo irredentista hitleriano, incorporando uns milhões de patrícios expulsos da Checoslováquia, Hungria e Polónia, o que podiam fazer? Melhor, o que podiam escolher? À maioria desses alemães, os que sobreviveram à “desnazificação”, não restava alternativa que a de seguirem e obedecerem ao novo poder instalado - um misto de poder militar soviético e uma nomenklatura constituída à base de quadros exilados na URSS e sobreviventes das purgas estalinistas e rapidamente reproduzida através do desespero e do arrivismo. O que essa clique dirigente teve arte foi de permitir, sob controlo militar soviético, uma transferência de redenção e superação (por instinto de sobrevivência) da adesão fanática e passada ao “nacional-socialismo” para o culto da RDA (construída por muitos quadros que haviam pertencido ao Partido Nazi e sobreviventes do “processo de desnazificação” e que não só foi breve como selectivo). E, reprimida a revolta de Berlim-Leste em 1953 e construído o “muro”, a formatação da RDA passou a ser obra essencial do pelouro da Stasi. Ou seja, mais que obra de partido-guia, um assunto de polícia.

 

Foi a RDA “o modelo mais evoluído do comunismo”? Por um lado, sim, pelo processo de transferência de fanatismos (nem sequer o “passo de ganso” foi abolido do “Exército do Povo”). Por outro, na RDA, principalmente em Berlim-Leste, não só se era a “montra” do “bloco socialista” como era a primeira linha do confronto (militar mas também cultural, de usos e costumes) na “guerra fria”. Claro que se pode falar também de desporto e feitos olímpicos, mas então teremos de falar de “dopping” e de engenharia eugénico-desportiva. Falemos de mais se aprouver, mas não vejo como e onde vamos encontrar “os sobreviventes duma luta dedicada e com grandes sacrifícios contra o nacional-socialismo”. Se faz favor, diga-me quantos e quais.

Publicado por João Tunes às 16:19
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO