Domingo, 26 de Março de 2006

UMA “PILZEN” PARA ESTA MESA DO CANTO

Há sempre uma boa razão para beberricar uma “Pilzen”, talvez a única cerveja que não se justifica só por nos pôr a mijar. Merecendo a honra de ser posta a par de uma boa garrafa de vinho. E um pretexto, óptimo, para atacar mais uma “Pilzen”, seja comemorar a República Checa (nome de treta que precisa de “República” agarrada, porque não Boémia-Morávia?) ter-nos passado a galope nos indicadores de PIB “per capita”. Não por nós, que nos continuamos a atrasar, raios partam isto, mas pelo bem deles, que bem o merecem. Até pela “Pilzen”. Mas não só, não só.

 

Só o mais distraído dos cosmopolitas se admira que a República Checa nos tenha passado a perna. Do fundo dos tempos históricos europeus, que a sina estava traçada. Mesmo dominada pelo Império Austro-Húngaro, a Boémia (e o seu ducado anexo – a Morávia) foi não só a sua fonte da burocracia estatal (e o seu burocrata mais célebre, por motivos extra-burocráticos, terá sido Kafka) como a sua base de industrialização. E quando Hitler chamou um figo à Chancelaria alemã, a checa Boémia estava mais industrializada que a Alemanha.

 

Durante décadas, penduraram na Boémia o penduricalho da Eslováquia, agrária e catolicista, sobretudo para lhe dar rumo e contrabalançar o ímpeto “hussenista” de clarividência com a batuta de um bom joelho dobrado perante o Santo Papa. E assim fizeram a Checoslováquia, uma aberração que já se desfez. Por decisão dos eslovacos e alívio dos checos. Entretanto, e pelo meio, a Checoslováquia, ainda foi socialista e revolucionária, mandada por Moscovo, porque um azar nunca vem só.

 

Os checos (os boémios e os primos morávios, esses ainda mais porque seguem, a par e passo, a arte de sobreviver dos primos maiores, seguindo os boémios e a quem os boémios pagam tributo de sobrevivência) dominam a arte da submissão. Não a submissão servil, mas a arte de sobreviver na desigualdade de forças. Mais silenciosa que servil. Daí a espantosa lenda do “Soldado Schweik” que demonstra à exaustão a arte da rebeldia submissa, com uns pós de cinismo e outros tantos de “espera pela volta”. O problema é que são uma cambada de tristes, género aristocratas da tristeza. Enquanto tecem o “saber fazer” e fabricam e emborcam, dando-nos a emborcar, a valente “Pilzen”. Foi assim com austríacos e húngaros, com os nazis, com os soviéticos, agora com a União Europeia. Guardando, como tesouro maior, a mais bela entre as mais belas cidades do mundo (Praga). E como paradigma do estar e ser checo, é que Praga já foi gozada por turista cão ou gato que fossem e ainda está para ser gozada pelos checos, esses tristes com medo do futuro por causa das cicatrizes do passado. Mas, pé ante pé, eles avançam. Como quem não quer a coisa. Tardou nada, passaram-nos. Merecem, outra vez, uma valente “Pilzen” goela abaixo. Devagarinho. Como se vinho fosse.

 

Publicado por João Tunes às 16:31
Link do post | Comentar
1 comentário:
De ana a 27 de Março de 2006 às 12:04
Praga, como um bom vinho, para ser degustada com calma, com um olhar e um sentir demorados, atentos.
Praga merece. A Praga, eu brindo.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO