Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

Cuba e cubanos

ares_27082008_1.jpg

 

Nasci e cresci em ditadura. Tendo vivido e tornado adulto no Barreiro então sob regime de ocupação militar pela GNR, com a PIDE e outros rafeiros do regime desde muito cedo à perna, obrigado a participar numa odiosa guerra colonial, o meu asco fundo por uma ditadura que durou 48 anos (mais de 1/16 avos da história de Portugal) não me permite, ao contrário de tantos, descobrir coisas boazinhas, compensadoras e justificativas em Estados de partido único e de poderosa e omnipotente polícia política, perseguindo cidadãos pelo que pensam e desejam exprimir. E numa ditadura, qualquer ditadura, não há esquerda nem direita, apenas ditadura, ponto. E se abomino ditaduras, claro que só posso abominar uma ditadura que conseguiu, em longevidade, ultrapassar a ditadura portuguesa, a que sofri e combati. Portanto, sobre a ditadura cubana, estamos conversados.

Com a ditadura portuguesa, lutando contra ela, aprendi muitas coisas. Algumas delas que pareceram esquecidas na euforia libertadora após o 25A. Por exemplo, a forma paralela como a maioria dos portugueses conseguia viver na ditadura, com a ditadura. Na família, aprendi cedo a não ligar aos repetidos conselhos disparados e repetidos de todos os lados de "não te metas em política". Fora, primeiro nos estudos e depois no emprego, os mesmos conselhos e a mesma abstinência na larga maioria das pessoas. E verifiquei e sofri por isso que só uma pequeníssima parte da sociedade portuguesa se rebelava e arriscava perder o medo, dispondo-se a pagar um preço, fosse ele qual fosse. Não há glorificação antifascista, incluindo a que criou o mito do povo democrata e lutador, que esconda esta realidade: a ditadura portuguesa aguentou-se porque a larga maioria da sociedade portuguesa o permitiu, alheando-se do problema essencial do regime e, para isso, muitas vezes desculpando-se com o medo (quantas vezes a PIDE não foi agigantada a proporções irreais porque assim convinha para justificar renúncias e cobardias). A verdade é que a larga maioria do povo português não queria a ditadura mas não se dispunha a arriscar-se para que a ditadura terminasse. Tanto que a ditadura caiu não porque o povo se levantasse e a deitasse abaixo mas sim, e apenas, porque um escalão dos oficiais  do exército (capitães e majores) já não aguentava tanta guerra colonial e com derrota à vista. Desta vivência tirei a lição que é possível um povo adaptar-se a uma ditadura e viver com ela, estabelecendo-se plataformas tácitas e compromissos com uma largura tal que impossibilite a reversão do regime. Daqui não me convence dizer-se que, em substância política, uma ditadura é saudável, legítima ou tolerável porque o povo a consente e não quer construir alternativas.

Sempre fui contra o embargo a Cuba. Porque o considerei uma medida estúpida e ineficaz, com a consequência maior de dar um alibi ao regime para desculpar-se das consequências do descalabro da sua política económica e social. Se a administração norte-americana o está a perceber agora, o único comentário que me merece é de que mais vale tarde que nunca. Quanto à ditadura cubana, propriamente dita, o meu asco mantem-se inalterável. Mas, obviamente, que caia a ditadura quando os cubanos o entenderem. Esse problema é deles, só deles. E sem o alibi do embargo, a responsabilização cidadã dos cubanos torna-se mais nítida e transparente. Ora bem.

Publicado por João Tunes às 17:13
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

A cara chapada do banqueiro amnésico

Se há vantagem alguma no inquérito parlamentar ao estoiro do BES uma delas é conhecermos os rostos de alguns dos nossos banqueiros, os que são e foram donos disto tudo e a quem pagamos as asneiras e os rapinanços. Nos poucos momentos em que os vejo pela tv não ligo ao som e fico-me a olhar-lhes as fuças para lobrigar os meus detestados vigaristas, aqueles que para ajuda das suas orgias financeiras me sacaram bocados e mais bocados da minha reforma para a qual descontei em décadas de trabalho e levaram à pobreza e à indigência milhares de famílias portuguesas. Entre os visualizados, escolho este, a quem já esqueci o nome. Mas o nome também não interessa, porque a carantonha diz quase tudo. Ele disse que não se lembrava de quase nada do que assinou e aprovou no BES, incluindo quem lhe pôs um milhão de euros na mão. Pudera. Este olhar bovino numa cara de susto pela imensidão da estupidez percebida joga perfeitamente com amnésia e outras coisas mais. Só deve saber meter mãos em bolsos, o grandessíssimo banqueiro...

 

safe_imageFEPWXN9R.jpg

 

Publicado por João Tunes às 12:26
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014

Sobre os nossos queridos idiotas úteis

safe_image.png

A preguiça intelectual e cívica que tem a importante vantagem emocional de proteger a inércia da tranquilidade das opções ideológicas tomadas (muitas vezes pelas mais generosas intenções) impede muitíssima gente de aplicar os mesmos critérios de análise perante os factos ocorridos em todos os lados das barricadas, evitando encarar sequer aqueles que causem desconforto. Neste aspecto, nenhuma outra corrente além do estalinismo foi capaz de aproveitar tão bem a importância política dos idiotas úteis. Por cá, os apoiantes da CDU-PCP dão-nos ricos e variados exemplos deste fenómeno (um dos mais interessantes para estudo em termos de politologia). Exceptuando a sua direcção, os seus empregados partidários, municipais e sindicais (os quais defendem, além do mais, o pão para as bocas que sustentam, o que lhes retira liberdade de pensamento e acção), e um ou outro paranóico político (também há) que gostaria de ter sido tchekista, estes cúmplices por interesses próprios quando não pessoais, o que acontece com a grande massa eleitoral e simpatizante da CDU-PCP, ou seja, os estalinistas cândidos e inocentes da nossa terra? Só pelo separar de águas entre o "nós" e o "eles", julgando com a máxima severidade o imperialismo capitalista e afins e com a máxima condescendência os pedaços sobreviventes da patologia leninista (relevando as conquistas sociais, como a saúde e a educação), consegue conciliar a valorização de um património de luta contra a opressão, em que se inscrevia inevitável e automaticamente a luta pelas liberdades e pela dignidade humana, com um silêncio cúmplice para com um passado de atrelamento a um império odioso e poderoso de que se cumpriam as tarefas geoestratégicas, a defesa de estados policiais assassinos e torturadores e a alimentação no presente de uma nostalgia pelo "querido muro de Berlim", isto enquanto se vota tranquilamente na representação eleitoral do estalinismo à portuguesa.

 

 

 

Publicado por João Tunes às 13:20
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Sábado, 13 de Dezembro de 2014

Mais Lobo Antunes e nós

Dom Quixote 2014.jpg

No último romance de Lobo Antunes ("Caminho como uma casa em chamas", Dom Quixote), o seu sempre igual olhar pessimista de lucidez que primeiro dói e depois nos envolve e aquece porque somos animais de carne quente mas, no caso, com o culminar da maturidade feita obra maior. E tal como aos velhos e aos camponeses, aos escritores maduros também se lhes topam as manhas desde que se saiba dar-lhes a volta ou perceber essas neles. Assim, Lobo Antunes, com a sua cena pessimista, já a poucos "enganará". Ele vai por aí, pelo descarnar das nossas misérias e descrenças, para nos chegar ao osso e ao nervo. E depois, sabichão é o tipo, sabe bem que não temos outro remédio que para sairmos daquele mau estado na fotografia do que voltarmos a nós, que se temos sombras (e temo-las, é claro) é porque não nos falta luz. E, no final (não do livro, mas de cada parágrafo, senão não sobrava fôlego), recompomos as coisas dizendo para nós (e para o escritor): «pois, dás-me um lado porque sabemos, nós e tu, que há outro, o que achas desnecessário mostrar».
Neste romance, obra de mais velho, Lobo Antunes repete o estilo da "escrita incompleta" pronta para ser feita a quatro mãos, ele e o leitor. E só assim se consegue lê-lo. Ou seja, ele como que come nas palavras (aparentemente, sim) para que nós, os leitores, possamos também completar-lhe o livro. Em resultado, ler Lobo Antunes dá trabalho mas premeia, e que bem, o esforço em o ler, levando-nos para dentro do acto literário. Ele não nos dá leituras grátis. Só lhe podemos agradecer por isso. A quem quiser leitura sossegada deixo-lhe uma dica de amigo: parece que o Miguelito (também conhecido como MST) pariu mais um livrito para vender como prendinha de natal.

Publicado por João Tunes às 23:48
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Terça-feira, 2 de Dezembro de 2014

1º de Dezembro

Old-Red-Book-275373.jpg

 

Foi preciso tirarem o feriado do 1º de Dezembro para assistir a um gargarejar polifónico de patrioteirismo liderado por um deputado da extrema direita parlamentar. Ao coro quase só faltou a indignação tonitruante da finada Vera Lagoa que nessas datas descia a Avenida à frente do desfile da sua corja de saudosistas do 24 de Abril. De facto, temos espantosas facilidades em nos dividirmos por lanas caprinas ou nos comportarmos como numa aula de canto coral. Que tirarem a folga de um feriado foi uma malandrice, estamos de acordo. Pelo direito sagrado ao lazer, ponto. Agora quanto ao presumido heroísmo português associado à data, estamos conversados. O que o 1º de Dezembro de 1640 representou foi tão somente uma golpada oportunista em boleia forçada dada pelos catalães. Não tivesse havido coincidências de aspirações conspirativas (no caso, entre facções portuguesas e catalãs), tendo Castela concentrado as forças repressivas a dar na tola dos catalães em função de uma prioridade óbvia na escolha dos domínios prioritários e os Braganças podiam continuar a apanhar azeitona e cortiça em Vila Viçosa mas não tinham alçado o rabo para cima do trono.

Publicado por João Tunes às 14:17
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO