Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Sobre o paradoxo escocês

 

Antes que os escoceses se decidam, deixa-me mandar os meus palpites. Eu sou do tempo em que, depois da fase em que o fascismo se apropriara do nacionalismo, este passara a ser a "besta negra" das tribos das pessoas de esquerda. O "desvio nacionalista" era, aliás, pecha que se pagava muito caro nos países do socialismo real. A União Europeia, já nos seus antecessores institucionais, desenvolveu um federalismo mitigado ou explícito que juntou as hostes sociais-democratas e da direita mais burguesa. Era a altura de juntar e sempre a somar, nada de separar ou subtrair. Chique não era ser-se português ou sueco mas sim mostrar-se e definir-se como europeu. Revolucionário era ser-se internacionalista e nunca um nacionalista, opção de pequeno burguês. Com a implosão do império comunista europeu tudo mudou (excepto na Alemanha em que ainda se somou - o oeste com o leste). A Checoslováquia separou-se através de um amuo pacífico. E ninguém se queixou ou obrigou checos e eslovacos a juntarem-se. A explosão étnica da URSS deu lugar a uma multidão de novos-velhos países e o mundo achou que isso era inevitável e não houve nem vaias nem assobios. Quando rebentou a Jugoslávia, idem idem, aspas aspas. E esta esfrangalhou-se até ao Kosovo, o que foi considerado legitimado pela vontade popular expressa em urnas. Tudo somado, depois de umas já décadas de centrifugações e divórcios, a Europa quase multiplicou o seu número de nações e de estados. Esta tremenda mutação (e, se calhar, a procissão ainda vai no adro) foi aceite com enfado e, principalmente, todo o desinteresse, quase com a conivência do tédio. Agora que a vaga chega ao Reino Unido, a Espanha e ameaça alastrar à Bélgica e mais não sei que mais, ai jesus que a Europa está quase a arder. Esta mudança súbita de peso e medida mete-nos em cima da mesa para consideração um paradoxo de muitas arrobas: o direito ao divórcio entre povos adultos, um direito democrático de tipo superior, um must do respeito pelas vontades soberanas, é considerado aceitável, senão aprazível, quando praticado por comunidades primitivas no convívio e nos hábitos civilizacionais, escandaloso, perigoso e ameaçador se optado pelos países de hábitos democráticos maduros e estruturados. Vá-se lá entender este gosto europeu e democrático pelas contradições, em que se pretende, em nome da unidade, desenvolver permanentemente crítérios de duplicidade.

Publicado por João Tunes às 17:44
Link do post | Comentar
Terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Memória mui selectiva

 

Está ainda fresca a polémica desmedida sobre a preservação dos ornamentos vegetais evocativos da posse das antigas colónias portuguesas no jardim da Praça do Império e que estimativas camarárias colocavam num custo de manutenção de cem mil euros por ano. Como sempre que se fala de ultramar (como de salazar ou de outro arfar de 24A) saltam as faíscas furibundas da indignação da populaça nostálgica do Estado Velho e das suas possessões. E para colorir o furor não faltaram émulos de árbitros apitando para indicar o sacrilégio de se apagarem sinais históricos do passado a preservar. Que, sim senhor, havia que manter limpos e aparados os arbustos imperiais para que as gerações presentes e futuras não esqueçam a verdade histórica de que Portugal já teve império (e grande, do Minho até Timor). Isto dito a alardear a maior das independências, nada de esquerda ou direita, presumindo equidistância patrimonial e histórica. Como não podia faltar, fizeram os adeptos dos arbustos históricos em bom estado uma petição pública que, pelas assinaturas, foi fogacho pífio. Mas, enfim, a indignação soprou e deu assunto para umas cavaqueiras de café ou de facebook.

Naturalmente que a mim os arbustos coloniais não aquecem nem arrefecem. Como lá estiveram ou passados a máquina zero do aparador de relva. Para mais, em tempo de contenção de despesas. Aliás, em qualquer altura de finanças folgadas e outras prioridades atendidas, os ornamentos rapidamente ressurgem bem esverdeados à luz do sol de Belém. É que ao contrário do que o furor indignado fazia supor, aparar os desenhos do património colonial não é a mesma coisa que escaqueirar um bocado dos Jerónimos para fazer um acrescento de calçada. Por outro lado, e mais importante, quando vejo e oiço estes furores nostálgicos do passado histórico português, sentimentos que em princípio só ficam bem, não deixa de me vir logo à lembrança a antiga sede da PIDE transformada em condomínio de luxo, a carga de trabalhos que foi conseguir-se preservações pobretanas do Forte de Peniche e da Cadeia do Aljube. E a falta de iniciativas, e de indignações, para com inúmeros e vincados sinais e símbolos do fascismo e da resistência antifascista. Muitos destes símbolos e sinais que nunca mereceram consideração de preservação estão já irremediavelmente irrecuperáveis e não vão lá, como os arranjos vegetais de Belém, com aparadelas de jardineiros camarários. E, já que falamos de império, ultramar e colónias, que tal um memorial (podia ser perto ao dos combatentes da guerra colonial, podia) lembrando os escravos levados de África para o Brasil e exportados para outros sítios e evocando os nacionalistas africanos assassinados pelo exército colonial e pela PIDE?

Publicado por João Tunes às 18:15
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO