Sábado, 29 de Setembro de 2012

Também (II)

Publicado por João Tunes às 16:58
Link do post | Comentar
Domingo, 23 de Setembro de 2012

Também (I)

 

 

Publicado por João Tunes às 01:21
Link do post | Comentar
Sábado, 22 de Setembro de 2012

Regresso a Belém

 

 

Ontem, sexta-feira,voltei a plantar-me numa manifestação frente ao Palácio de Belém passados que foram 37 (trinta e sete) anos desde a única vez anterior em que me metera num cometimento igual. Durante a passagem do interregno entre estas duas manifestações naquele local (uma duração bastante maior que a idade de grande parte dos manifestantes de ontem), houve tempo suficiente para uma revolução murchar (em parte por culpa dos jardineiros inaptos nas podas e apodrecendo raízes por excesso de rega) e a assistirmos e a sofrermos a mais medonha ofensiva reaccionária contra os trabalhadores e o povo ganhar embalagem de condução incompetente e em velocidade louca. Resumidamente, isto diz muito ou quase tudo sobre a curva política desgraçada que as últimas décadas nos fez cair em cima. Mas a diferença fica melhor vincada se lembrar que a manifestação de 1975 culminou com uma ida ao varandim do palácio que dá para a praça de todo o Conselho da Revolução e com um discurso do Presidente da República em pessoa (Costa Gomes, então General) resumindo para a multidão (para o povo) o que aquele Conselho tratara e concluíra, enquanto desta vez os conselheiros limitaram-se a sair de Belém em alta velocidade e ocultos em potentes viaturas, enquanto Sua Excelência o presidencial Cavaco devia estar a recolher-se aos aposentos privados para disputa de recato com a sua esposa, ao mesmo tempo que um funcionário de nível hierárquico deslavado lia, aos jornalistas, um comunicado protocolar.  Nada disto surpreende, nem sequer a diferença sublinhada que chega a fazer duvidar, numa leitura apressada, que se trate do mesmo país em que se deram as duas manifestações. Curado assim, por vício de uso e abuso de banhos com baldes de água fria, da capacidade de me surpreender com os trambolhões da vida política e dos seus desatinos, resta-me supor vir a saber, em altura própria, como se vão passar as coisas na próxima vez em que triplicar o meu uso do direito a manifestar-me frente à casa do poder presidencial. A ver vamos. Mas que não demore outro hiato de 37 anos para ainda me apanharem cá como testemunha e manifestante contumaz.

Publicado por João Tunes às 23:31
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)
Sexta-feira, 21 de Setembro de 2012

Não deixemos para amanhã o que é necessário fazer hoje

Publicado por João Tunes às 15:32
Link do post | Comentar

Paracuellos e os negacionistas

 

 

Era inevitável. De cada vez que vem a lume os crimes nazi-franquistas em Espanha (durante a guerra civil e as décadas em que Franco continuou a fuzilar, prender e torturar alimentando a sua vingança), os colaboracionistas com a ditadura franquista (por interesses próprios e directos ou aqueles que amam ou desculpam Franco por amizade ideológica) tiram as matanças de Paracuellos (ocorridos em Madrid cinco meses após início da guerra e sob eminência da conquista da capital espanhola pela coligação fascista) da cartola. E sempre que se procurou desqualificar Santiago Carrillo tenta-se a sua criminalização por via do seu envolvimento (sempre empolado) em Paracuellos. Assim, aos reaccionários branqueadores de Franco e do franquismo, Paracuellos cola-se aos lábios e aos dedos de escrita sempre que se vejam na eminência de ressaltarem os monstruosos crimes do lado franquista. Na morte de Santiago Carrillo, não faltaram, como se previa, os cânticos em honra das vítimas de Paracuellos e a reedição da versão que aponta Carrillo como o responsável pelos acontecimentos. Evidentemente que Paracuellos existiu e os acontecimentos que aí ocorreram são condenáveis à luz da ética do combate político e militar. E tendo Paracuellos existido (o que não invalida que não tenha tido a dimensão monstruosa dos crimes franquistas, muitos deles cometidos a frio e após a vitória total na contenda fraticida), enquanto episódio sangrento da guerra civil de Espanha, não deve ser contornado na narrativa sobre aqueles trágicos acontecimentos que mancharam de sangue a pátria nossa vizinha. Mas há que saber e entender o que se passou, o seu contexto e encontrar os responsáveis de verdade (onde Carrillo não estando isento de Paracuellos foi figura secundária dentro da responsabilização). Neste sentido, é da maior oportunidade ler-se este artigo assinado por um conjunto de historiadores.        

Publicado por João Tunes às 15:21
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Terça-feira, 18 de Setembro de 2012

Abstinência temporária de exercício de violência?

 

Curiosa a sentença que condenou três “violentos” da manifestação de sábado passado:

 

"Os arguidos anuíram ainda em juntar aos autos um pedido de desculpas à Polícia de Segurança Pública e comprometeram-se em abster-se da prática de atos violentos em manifestações públicas e desportivas durante o período de suspensão dos autos".

 

Significará que após extinção do “período de suspensão dos autos” os indivíduos podem regressar aos “actos violentos em manifestações públicas e desportivas”? Ou, simplesmente, como se tratou de um julgamento sumário e rapidíssimo, o senhor doutor juiz de turno estava debilitado em termos de inspiração e sensatez?

Publicado por João Tunes às 12:22
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 17 de Setembro de 2012

Cada cidadão, um conselheiro

Publicado por João Tunes às 23:24
Link do post | Comentar

Sobre a dialéctica que liga Fátima à Praça de Espanha

As pessoas mudam. Mas o povo permanece o mesmo. Nunca igual ao que foi e ao que será. Prever as mudanças de um povo será, talvez, o teste mais arriscado em qualquer curso de futurologia. O melhor mesmo, então, é não o tentar. Em Maio de 74 foi o que nos lembramos. Uns por lá terem estado, outros porque a imagem existe para não ser apagada. No último sábado, o povo, o mesmo mas mudado pela permanente mudança, repetiu a graça e arregaçou as mangas da cidadania. Só que, por mérito indiscutível, fazendo agora exigências cívicas quando em 74 saira para festejar agradecido uma conquista que a tropa lhe havia oferecido. Após décadas em que o povo português parecia estar civicamente adormecido e demissionário - com representações fugazes de despertares pueris para cumprir agendas e sob comando orgânico e orquestrado dos funcionários e burocratas dos aparelhos do contra-poder enquadrado e organizado -, eis que o povo, o mesmo e sempre diferente povo, fez, num sábado ao sol de Setembro, melhor que aquilo que havia feito em Maio de 74. O que dá espanto sobretudo àqueles que nunca imaginaram tal ultrapassagem e que talvez sejam a maioria. Mas o quadro, o da dialéctica deste povo, ficará mais completo se nos lembrarmos que este povo, o mesmo mas diferente povo, também, umas décadas antes de Maio de 74, se havia manifestado assim:

 

É este caminhar já feito (sim, o muito que andámos para se chegar ao 15 Set) que nos dá um pó de esperança sobre o que o futuro nos reserva enquanto povo que se redescobre e grita quando acorda. Sabendo-se que o futuro não passa de um permanente recomeçar sempre num ponto diferente. Para onde? Até onde? Caminhemos para saber.

 

Nota: O comentário da Joana levou-me a precisar melhor a ideia que quiz aqui partilhar, acrescentando o último parágrafo ao texto.

Publicado por João Tunes às 00:32
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Sábado, 15 de Setembro de 2012

2 de Outubro: Uma luta entre lutas

Publicado por João Tunes às 23:34
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2012

Mera curiosidade

Publicado por João Tunes às 23:37
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

Indignação e protesto por quase tudo quanto é sítio

Publicado por João Tunes às 22:36
Link do post | Comentar
Sábado, 8 de Setembro de 2012

Grande Toni !!!

Publicado por João Tunes às 18:17
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Domingo, 2 de Setembro de 2012

Viragem para um desportista de topo: fim de uma carreira, início de outra

Publicado por João Tunes às 00:36
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO