Quarta-feira, 30 de Março de 2011

E os rituais, pá?

 

Entende-se a indignação do venerando Vasco Lourenço sobre a anunciada falha comemorativista do 25 de Abril neste ano e na Assembleia da República. E este entendimento tem a ver com a compreensão necessária acerca da importância do simbólico. E da sua ritualização, é claro. Que, para os militares do MFA ainda vivos, são aspectos que, naturalmente, ocupam grossa dimensão na sua prática de gratificação pela memória. E, no entanto, bem vistas as coisas, o fim das solenidades parlamentares sobre o golpe militar de derrube da ditadura não será muito mais que a abolição de um acto revivalista, esforçado mas forçado. E que, para mais, seria inevitavelmente pontuado por mais um discurso à nação de sua excelência cavaquista, sem cravo na lapela nem cheiro dele no nariz e muito menos na consciência. Mas o que talvez devesse incomodar mais Vasco Lourenço é que já quase não há partido ou sindicato, colectividade, associação, manifestação, concentração ou ajuntamento espontâneo, blogue ou página do facebook, que clame (sequer) pela "defesa das conquistas de Abril", a maioria das quais foram murchando e sem darem lugar a mais e melhor, como a boa dialéctica assim o exigia. Devido à força do sentido das realidades e porque o "comemorar Abril" foi sendo cada vez mais uma romagem de saudades do que projecto renovado para alargar as liberdades. O que representa, politicamente falando e quanto à revisitação do 25 de Abril, que já se foram muitos dos dedos e quase todos os anéis. Vire-se de página, então. Porque a nostalgia de olhar para trás também cansa.

Publicado por João Tunes às 12:59
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Terça-feira, 29 de Março de 2011

Entre as brumas da náusea

cuba-formatada-16

 

Sócrates consegue até o impensável. Que também é este cavalheiro ser ainda mais insuportável quando a caminho da oposição do que, antes, em governação contente e insensível. A forma como hoje convocou a comunicação social para celebrar más notícias na economia e nas finanças públicas, espetando dedos à responsabilidade das oposições, é prova disso. O salto de optimista de propaganda infantilizada para a pele do pessimista exaltado com bode expiatório pela trela, foi o passo agora dado por Sócrates, o da descida à náusea, a nossa.

Publicado por João Tunes às 22:22
Link do post | Comentar
Terça-feira, 15 de Março de 2011

Os bispos estavam com receio que no sábado andasse tudo à pantufada?

 

Parece um comunicado da Autoridade da Segurança e Ordem Pública mas não, é sobre um comunicado dos bispos:

"Apraz-nos verificar que estas (...) centenas de milhares de pessoas em todo o país se manifestaram de uma maneira muito ordeira, muito pacífica", afirmou o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), padre Manuel Morujão, em Fátima, onde hoje reuniu o seu Conselho Permanente.
Para Manuel Morujão, "o povo português, mesmo descontente, mesmo que se sinta à rasca, como assim chamaram esta geração, sabe portar-se com dignidade".
Publicado por João Tunes às 01:12
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 14 de Março de 2011

O regresso à rua sem amos

Em certo sentido, sim, terão razão os que comparam como de mais parecido com a manif de 12M a que foi única e irrepetível no 1º de Maio de 1974. Não em termos de número, pois agora a enxurrada de gente não desaguou tão tranversalmente como a mãe de todas as manifes, embora gozasse do privilégio de ter "descido" no protagonismo de faixas etárias. E o mais parecido, numa espécie de retorno, foi a componente caótica, o amadorismo e a espontaneidade. Passados trinta e sete anos, festejando e reivindicando coisas diferentes, desfilou-se pelas ruas sem o enquadramento profissional das cliques dos serviços de ordem e de propaganda dos bolcheviques de turno. O que não impediu que os funcionários da política e dos partidos, gente da que menos está à rasca, não tenham andado por lá, só que tiveram de experimentar o sabor da desorganização, inimiga da manipulação eficaz. E se gostaram é porque lhes fez bem. E, assim, talvez os burocratas apparatchicks das bandas e das marchas se tornem mais paisanos nas suas próximas actuações.
Publicado por João Tunes às 21:47
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 11 de Março de 2011

Claro que Sim

Publicado por João Tunes às 21:16
Link do post | Comentar

Evitar por arte de copista

Reconheça-se que devemos a Sócrates a teimosia de resistir à intromissão mandante do FMI. E tão determinado está nessa missão (patriótica de esquerda) que se dispõe a adoptar todas as medidas que o FMI tomaria. Eventualmente mais algumas, como bónus para brilho de zelo.
Publicado por João Tunes às 21:10
Link do post | Comentar
Terça-feira, 8 de Março de 2011

Questão com barbas: a da forma e do conteúdo

 

 

 

 

 

 

 

Rasca ou à rasca, uma boa contestação merece o melhor, incluindo boa música. Caso contrário, nivela-se como pechibeque do saudosismo abrilista.

Infelizmente:
- A canção “emblemática” dos Deolinda é o pior trabalho musical apresentado por este simpático e talentoso grupo.
- Os “lutadores festivaleiros” estão na miséria lupen do espectáculo e daí não saem.

Publicado por João Tunes às 23:51
Link do post | Comentar

Dia de quem?

23797_600

Publicado por João Tunes às 17:35
Link do post | Comentar
Domingo, 6 de Março de 2011

Pior a emenda que o mau soneto

58274_600

 

Como assim?

Publicado por João Tunes às 11:46
Link do post | Comentar
Quinta-feira, 3 de Março de 2011

O “erro de Kadafi” …

… segundo Ângelo Alves, gestor do internacionalismo do PCP:

Kadhafi está enganado quando diz que o seu povo o ama, e uma das razões reside no facto de ao abraçar a «guerra contra o terrorismo» ter voltado as costas ao seu próprio povo.

Publicado por João Tunes às 23:29
Link do post | Comentar

Não fosse o lado obsceno da hipocrisia escancarada e decerto teria candidatura assegurada para anedota geopolítica do ano

 

Portugal vai presidir ao comité de sanções para a Líbia no âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Publicado por João Tunes às 23:01
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO