Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

53 anos seguidos de poder familiar absoluto!

5380_600

 

Um texto agudo de Juan Cruz em balanço sobre os previsíveis 53 anos (!) de poder dos Castro em Cuba:

Cambio de viento en Cuba, parece. Pero de eso no iba a hablar; iba a hablar de un extraño record, el de la permanencia de la familia Castro en el poder; el mayor de los Castro dirige los destinos de la isla desde el 1 de enero de 1959, ininterrumpidamente. Desde hace unos años su hermano lleva las riendas, al menos aparentemente, aunque atendiendo sin duda el aliento al parecer omnisciente del pariente de mayor edad. Es extraño, tanto tiempo creyendo imprescindible su propia opinión, sus propias decisiones, su propia estima sobre la hacienda pública y sobre las personas que la revolución puso a su mando. Es extraño, además, que durante años (y aún ahora, sin duda) a muchos nos pareciera bien, que consideráramos que, en aras de la revolución, era bueno que lo inaceptable entre nosotros (el gobierno omnímodo de un hombre sobre los demás hombres) nos resultara perfectamente adecuado para los cubanos; que nos pareciera bien acusar de reaccionarios a los que nos contradijeran en nuestra manera de verlo: el mejor gobierno de Cuba es aquel que conduce Fidel. Fuimos guevaristas, fuimos fidelistas, fuimos procubanos, en el sentido de que éramos procubanos de la Cuba mandada por Fidel; la otra Cuba era la Cuba que no estaba en Cuba, o que al menos no merecía estarlo. A lo largo de la historia ha habido quiebras en esas vocaciones, y algunos, ay, las hemos perdido. En un tiempo perderlas, quebrarlas, era signo de debilidad y de impureza; eso ha cambiado a lo largo del tiempo, no ha habido manera de aguantar ese pantano sin que se derramara el agua empozada que contenía. Pero esto ya es política, o ética. Yo hablaba de otra cosa, de esa extraña apropiación del poder por parte de un apellido, quería hablar del poder de una familia, o de un jefe de familia, para atribuirse el mando como algo propio. Y no sólo del poder político, grande, enorme, el poder sobre los otros. Ni siquiera en el poder chiquito conozco una tan larga permanencia al mando. No tengo en la memoria ninguna esfera de la vida en la que un solo hombre lleve durante más de medio siglo los destinos de una sociedad, de una tienda, de una firma, a lo largo de más de medio siglo sin otra interrupción que la que él mismo administrara. Dudo que aquellos logros que muchos de nosotros defendimos a favor de la Cuba de los Castro (la educación, la medicina, etcétera) sirvan como datos suficientes para recordar ya como positivo tan largo periodo, pero todo este tiempo quizá sirva, me parece, para anotar a favor de esta familia un record mundial. Es triste que tanta historia se traduzca tan solo en un record, pero así son las cosas, a lo mejor lo que en algún momento se propuso Fidel fue cumplir años en el poder para poder exhibir un día el dudoso record que ahora ostenta. 53 años mandando. No está mal, estando, por cierto, bastante mal.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:37
Link do post | Comentar

Malangatana, talvez o africano que mais obrigou os portugueses a olhar os africanos com respeito, porque nos tratou da vista

Pelo que lhe devemos, o Mestre merece um Adeus do tamanho deste povo, sempre habituado a ser mal ou pouco agradecido para os que lhe aumentaram o património cultural. E Malangatana foi dos que ensinou este povo de marujos, negreiros e colonos, farto de pisar e esbulhar África, a respeitar quem tanto roubou.
ng1419234
(publicado também aqui)
Publicado por João Tunes às 11:54
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

VGM não sabe se há-de ser pajem ou bobo

compression_1016615

 

VGM no DN. Ou toda uma revelação do que pensa a tropa fandanga e trauliteira acolhida nas fraldas das vestes presidenciais de Cavaco:

Cavaco Silva não se desviou um milímetro do quadro de actuação que tinha traçado em 2005 e, só por isso, o País devia estar-lhe grato e reflectir em que a parte mais funda do icebergue das relações entre o Presidente e o Governo nunca ficou à vista. Não custa nada imaginar a quantidade de vezes em que, sem que nada transparecesse em público, o desastroso Sócrates terá sido chamado à pedra por um Presidente que sabe muito bem analisar factos e situações e que certamente detesta ser mal informado. Também não custa perceber que, se Portugal ainda não teve um lindo enterro, isso se deve à magistratura de influência e à intervenção moderadora de Cavaco Silva. É de supor que ele tenha levado o Governo a emendar sucessivos dislates e também que a este tenha travado as veleidades aldrabonas sempre que isso lhe foi constitucionalmente possível.

No seu primeiro mandato, Cavaco Silva soube ser realmente o presidente de todos os portugueses, mesmo daqueles que não o mereciam como Presidente. À sombra de uma Constituição que não presta para nada mas que ele jurou guardar, exerceu o seu mandato com a prudência, a sensatez e o rigor que o caracterizam.

Nota: É claro que quanto à "cavacada BPN", VGM disse nada.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 11:37
Link do post | Comentar
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

O contra-ataque manhoso de Cavaco Silva

untitled_5

 

Os últimos ataques repetidos e repetitivos de Cavaco Silva acerca do BPN, disparando sobre a sua actual comissão liquidatária, são um desconchavo face às obrigações presidenciais em termos de descrição e decoro. Mas confirmam o péssimo carácter do sujeito que se manifesta escancarado quando é apanhado nas suas falhas, ignorâncias, contradições e sindicalizações de interesses. E demonstra que, a par de Sócrates, Cavaco Silva é o mais profissionalizado dos políticos em exercício (mais que Francisco Lopes, o protótipo acabado do sujeito robotizado pela funcionalização partidária levada ao extremo), com um staff evidenciando capacidade de suprir as suas falhas de talento.

Dêem-se as voltas que se derem, incluindo o consabido truque da vitimização pelos ataques à honra, o BPN (e a tão esquecida e associada SLN) é a grande espinha na garganta de Cavaco, capaz de esfarelar o mito atrás do qual a personagem esconde a nudez da sua vacuidade cultural, ideológica e política. Porque as fortes ligações (por antigos interesses próprios e porque parte dos criminosos da fraude faziam parte do seu séquito) de Cavaco ao BPN/SLN liquidam a ideia de identificação (salazarenta mas eleitoralmente vendável) entre os “homens das finanças” e a honestidade a toda a prova. E é esta evidência, eleitoralmente mortífera, que Cavaco e o seu staff querem evitar, pois perderiam o grande trunfo que colocava o eleitorado no sossego do respeitinho que asseguraria uma campanha-passeio para a reeleição tranquila. Assim, a tentativa de desviar as atenções, a discussão e as notícias sobre o BPN/SLN para a sua actual gestão (apanhando de tabela o governo e a Caixa), mesmo salpicando alguns dos “seus homens”, evita que se discutam as partes do essencial: a fraude do BPN/SLN, o envolvimento nela de uma parte do séquito de Cavaco Silva, os antigos interesses pessoais de Cavaco e da sua família que foram em tempo acarinhados através da espiral especulativa construída naquele pólo bancário e empresarial.

A forma voluntarista como Cavaco Silva está a contra-atacar no caso BPN/SLN seria automaticamente periclitante para as suas ambições políticas se não fosse artilhada perante um eleitorado redondamente ensonado. Assim, como a míngua e a desesperança baixam a ambição e a exigência, talvez Cavaco se safe. Veremos.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:50
Link do post | Comentar

Lixo profissionalizado (com carteira e tudo)

4819_600

 

Manuel António Pina, no JN:

Quando digo (e digo-o vezes q.b.) que o jornalismo é a mais antiga profissão do mundo e me observam "A mais antiga não é a outra?", costumo responder: "Sim, é a outra, isto é, a mesma".

(…)

Nos últimos dias foi, primeiro, a falsa notícia da SIC sobre os "aumentos" de dirigentes da Segurança Social, que os demais media repetiram sem se darem ao trabalho de confirmar. Ontem foi a manchete do "i" sobre as conclusões de "despesismo injustificado" de uma auditoria do TC ao Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) que foi, do mesmo modo, repetida acriticamente por tudo quanto é media, da RTP à RR e do "Público" a "A Bola" e, do mesmo modo, sem ninguém descobrir que tal relatório, se bem que só agora disponibilizado, tem mais de meio ano, refere-se a 2007/2008 e foi uma das razões, em Junho, da demissão da presidente do Conselho de Administração do SUCH.

O jornalismo pela-se por más notícias. Mas não há más notícias que cheguem. Por isso é preciso inventá-las ou ir à procura delas ao sótão.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 11:46
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2011

Pois claro, senhor arcebispo secretário, a sociedade é que inquieta e perverte a libido dos santos sacerdotes, dando-lhes queda para a pedofilia

76591_600

La culpa de que sacerdotes abusen sexualmente de menores no la tienen ellos, sino la sociedad. Así opina el nuevo arzobispo secretario de la Congregación para el Clero, Celso Morga, que lejos de condenar los casos de pederastia en el seno de la Iglesia, los ha achacado a la la crisis moral de toda la sociedad occidental.

(publicado também aqui)

 

Publicado por João Tunes às 22:07
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

O impoluto que quer nascer segunda vez (em Belém)

9212_600

 

Óscar Mascarenhas, no JN:

Existe uma senhora que canta fados e que, na sua inteira liberdade, decidiu apoiar a candidatura de Cavaco a Belém há cinco anos. Nada a dizer, gostos não se discutem.

Cavaco fê-la mandatária juvenil da sua candidatura. 'Nihil obstat.' Os candidatos escolhem mandatários, numa troca de honrarias: sente-se incensado o representado, ungido se sente o mandatado. É bonito.

Mas esta doce sinfonia de elegâncias e reverências é desafinada pelos ferrinhos do tinir de maravedis e dobrões que, neste caso, se ouve, quando se abre a celebérrima «página oficial» de Sua Excelência na Internet. Digitando o nome da fadista, ele aparece-nos DEZ vezes em outros tantos concertos «oferecidos» pela Presidência, na Índia, na Turquia, ou mesmo no sabe-se lá onde é Viana do Castelo!

A entusiasmada mandatária juvenil é, agora, paga pela Presidência para encantar convivas com a sua bonita voz e assustá-los com o seu desmedido contorcionismo de esgares de parto (é a minha opinião, a que também tenho direito!).

O assim-chamado «presidente de todos os portugueses» não é, pelo menos, de «todos os fadistas»: tem a sua favorita, a sua Salomé que, não recebendo cabeças em bandeja, se contenta com um simpático cheque.

Maravilhoso exemplo para a juventude sonhadora e idealista: apoia aquele, que ficas logo a ganhar! Faz pela vida, pá! É o toque de Midas de Cavaco: apareça quem tenha ficado mais pobre depois de o ter servido.

Nascer duas vezes... Vamos a isso! Não é tarde para integrarmos uma promissora Jota Cavaquista, que vêm aí mais cinco anos de prebendas. Nasçamos segunda vez para este horizonte de tilintante venalidade!

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 21:36
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Domingo, 2 de Janeiro de 2011

Prémio Pasternak (acabadinho de inventar)

8064_600

 

Já tinha decidido que não dava mais prémios blogueiros, interrompendo, se fosse caso, todas as “correntes” que me calhassem e mais algumas. Como toda a regra tem excepção, abro já o primeiro rombo no prometido: o Prémio Pasternak 2010/2011 vai para o Rui Bebiano que ganhou um Blogo-Óscar atribuído pelos teleouvintes da TVI. Porquê? Porque além de o Rui ser um blogger requintado deu-se ao luxo de repudiar com olímpico e merecido desprezo anti-chapelada uma distinção que alguns se esforçaram por lhe estragar a eventual piada. É isso, a palermice deve matar-se à nascença. Como o fez Pasternak que, em tempos idos, não embarcou na manobra imperialista e antisoviética de lhe atribuírem um Nobel traiçoeiro, recusando-o com uma firmeza militante idêntica àquela com que Chico Lopes irá jurar cumprir e fazer cumprir a Constituição.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 15:50
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

Ainda um dia se vai saber quem o inventou (criou)

1124_600

 

Alberto Gonçalves, no DN:

O eng. Sócrates detecta sinais de recuperação económica em Portugal. O eng. Sócrates sabe que a crise é internacional e a maior das últimas oito décadas. Apesar da crise, o eng. Sócrates encontra-se optimista. O eng. Sócrates não recua perante as adversidades. O eng. Sócrates possui energia interior. O eng. Sócrates aposta nas energias renováveis. O eng. Sócrates mudou o país. O eng. Sócrates é fanático da educação. O eng. Sócrates é reformista. O eng. Sócrates é nosso amigo. O eng. Sócrates é solidário. O eng. Sócrates é confiante. O eng. Sócrates é responsável. O eng. Sócrates é exigente. O eng. Sócrates é consciente.

Esta torrente de banalidades, anedotas, delírios, alívios, sentimentalismo e descaramento foi emitida no dia 25 de Dezembro, mas podia tê-lo sido na semana, no mês ou no ano anterior. A bem dizer, desde 2008 que, na época natalícia ou na época que calha, o homem não diz coisa diferente. E embora, como os sequestrados que levantam o jornal do dia para confirmar a data da fotografia, o eng. Sócrates tenha mencionado pormenores e proezas recentes, isso qualquer truque de montagem explica.

Truques à parte, eis um mistério: por um lado, o carácter intemporal e absurdo das proclamações do eng. Sócrates sugere que ele já não partilha a realidade connosco; por outro, o estado calamitoso dessa realidade sugere que ele não deve andar longe. As ruínas que ele não parece habitar exibem a sua marca inconfundível. Se o eng. Sócrates não existe, terá de ser imaginado.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 02:25
Link do post | Comentar
Sábado, 1 de Janeiro de 2011

O combate pífio

5_1048675

 

Manuel António Pina, no JN:

(…) em Portugal, no Ano Europeu do Combate à Pobreza, o risco de pobreza, em vez de diminuir, aumentou de 18 para 23%, atingindo sobretudo os mais vulneráveis, crianças, jovens e velhos . E que, em contrapartida, os nossos ricos enriqueceram ainda mais, ocupando agora Portugal (onde os 20% mais ricos auferem rendimentos 6 vezes mais altos do que os 20% mais pobres) o 2º lugar no ignóbil pódio europeu da desigualdade, só ultrapassado pela Letónia e ex-aequo com a Roménia e a Bulgária.

Eram objectivos Ano Europeu do Combate à Pobreza, com que os governos europeus se comprometeram, o reconhecimento do direito a uma vida digna dos que vivem em pobreza e o "empenho politico e acções concretas para erradicar a pobreza". Em Portugal, tal "empenho" traduziu-se em políticas anti-crise assentes quase exclusivamente em cortes nos apoios sociais e no desmantelamento do modelo de Estado Social. Por imposição da mesma Europa...

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:56
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO