Domingo, 23 de Janeiro de 2011

Se não é arma, ao menos que seja grito

Não me armei em politicamente snob, tipo mete-nojo. Prefiro perder eleições a enfiar a cabeça numa torre de marfim. Escolhendo entre o que havia para escolher, já votei.
 
(publicado também aqui)
Publicado por João Tunes às 14:28
Link do post | Comentar

Que Simone precise de uma bengala, enfim. Que Malato bata palmas a Dona Maria, a reformada protegida pelo esposo, entende-se. E não chega?

  

 

A cantora Simone de Oliveira pediu hoje ao candidato presidencial Aníbal Cavaco Silva, no comício de encerramento da sua campanha, em Lisboa, para tomar conta dos portugueses e para os ajudar a serem mais solidários.

 

"Queria pedir-lhe por favor que tome conta deste país, que nos ajude a ser mais solidários", declarou Simone de Oliveira, no Coliseu dos Recreios. "Nasci aqui e quero morrer aqui. Senhor professor, tome conta de nós", reforçou.

 

Simone de Oliveira partilhava o palco com o apresentador de televisão José Carlos Malato, que pediu uma salva de palmas para a mulher de Cavaco Silva, Maria.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 02:37
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011

Camaradas

pigs_999875

 

Uma aberração promete sempre reproduzir-se: 1) O partido do ditador deposto da Tunísia (o RCD) era membro efectivo da Internacional Socialista; 2) Fugido o ditador, repudiado o regime e o partido do poder, este foi expeditamente expulso da Internacional Socialista. Caso para dizer: escolhem mal os camaradas mas são rápidos a repudiá-los depois destes caírem em desgraça. (notícia aqui)

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 09:39
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

O candidato pouco gramatical

51280_600

 

Manuel António Pina, no JN:

"Pensem bem o que significa alhear, deixar àqueles que são mais medíocres, àqueles que têm menos conhecimentos e capacidades, àqueles que são menos sérios, o poder de decisão", alertou o professor os jovens no Português que lhe foi possível. É certo que Cavaco Silva não é propriamente o Pe. António Vieira. Não precisava, contudo, de ter espoliado o pobre "alhear" do complemento directo e/ou do pronome. E, pensando bem, talvez aquele "pensem bem" estivesse a pedir uma preposição, nunca se sabe...
Mas se a gramática de Cavaco Silva dava um "Prós & Contras", a sua semântica e a sua humildade davam dois.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 01:27
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

Logotipo da segunda casa algarvia da pobre professora reformada e do seu dedicado protector

Publicado por João Tunes às 14:04
Link do post | Comentar

Uma piscina de chá para Cavaco tomar

10598_600

 

Óscar Mascarenhas, no JN:

É visível que as muitas dúvidas que têm sido levantadas acerca dos negócios de Cavaco Silva o deixaram de asa ferida e este choro sobre a reforma da mulher é o contra-ataque aos que lhe movem a «campanha suja». Mas contra-ataque vesgo e bisonho que não o deixa mais limpo, pelo contrário.

É pequena a reforma da senhora professora? Há três explicações para isso: ou os professores ganham muito mal - o que não consta; ou a senhora não trabalhou, afinal, «a vida inteira» e está a receber uma fracção proporcional ao tempo de serviço efectivo; ou o cálculo das pensões é um roubo ao trabalhador - coisa que nunca se ouviu Cavaco Silva denunciar em dez anos de primeiro-ministro e cinco de Presidente - mas não percamos a esperança, que ainda falta uma semana de campanha onde vale tudo, até promulgar os cortes salariais de Função Pública e sair à rua a clamar que é uma injustiça, que muitos ricos ficaram de fora!

Como pode um candidato-presidente, perante uma modesta velhinha que teve a infeliz ingenuidade de lhe pedir ajuda na rua, queixar-se de que a mulher tem uma reforma pequenina - e que tem de ser sustentada por si, porque «merece»? Quantas piscinas municipais de chá precisa um homem destes de beber antes de ser digno do lugar que ocupa?

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 13:32
Link do post | Comentar
Domingo, 16 de Janeiro de 2011

Nem mais

perspective_1021215

 

Rui Bebiano, com a lucidez da azia crítica (que partilho):

Não me posso refugiar em esquisitices pessoais, não me posso abster, quando, para além de Manuel Alegre, não existe alternativa capaz de impedir que por mais cinco anos tenhamos de conviver diariamente com a cabeça rústica mas perigosa daquele senhor esguio, azedo e de direita.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:58
Link do post | Comentar

Internet, tirania, revolução (o caso tunisino)

g_image

 

"Esta ha sido la revolución de Facebook", reconoce Tarek Chaabouni, uno de los dos únicos diputados que el partido de oposición Ettajdid tiene en el Parlamento nacional. Los hechos le corroboran: frente a unos medios de comunicación clásicos sometidos a la propaganda oficial, las redes sociales, los blogs y las webs críticas han sido el canal utilizado por los tunecinos para informarse y denunciar los abusos del régimen desde el inicio de las protestas, el 17 de diciembre.

Páginas web como Nawaat, cuya vocación declarada es contrarrestar la propaganda de las autoridades, han sido claves en la denuncia de las muertes de manifestantes a manos de la policía. Cuando el Gobierno tunecino reconocía sólo tres muertos, los vídeos, los testimonios de los familiares y las fotos de los heridos que difundía este sitio contribuyeron a que las autoridades tuvieran que reconocer que las víctimas eran muchas más.

Uno de los manifestantes que el viernes gritaba contra el ahora ex presidente frente al Ministerio del Interior resumía: "internet es demasiado grande para que Ben Alí lo censure". No será porque no lo haya intentado. Túnez ha dedicado ingentes recursos materiales para proveerse de filtros de contenidos como Websence y Smartfilter para impedir el acceso a determinadas páginas. En la nación magrebí existe un cuerpo de ciberpolicías dedicado a tal menester.

Si internet resultaba difícil de censurar, en el caso de redes sociales como Facebook ha sido casi imposible. Y ello porque aunque cerrar un perfil concreto es fácil, los vídeos que su titular haya compartido con sus contactos siguen siendo accesibles para estos. Así, miles de tunecinos, sobre todo jóvenes convertidos al periodismo ciudadano, se han dedicado en el último mes a colgar vídeos hechos con teléfonos móviles.

Lina Ben Mhenni, es una bloguera de 27 años. Su blog A Tunisian Girl , ha sido regularmente censurado durante dos años , una situación que "acabó hace dos o tres días".

Para esta profesora de lingüística, "las redes sociales han tenido un gran papel en esta revolución y ello ha sido posible porque, en mi país, existe ya una cultura de este tipo de medio de comunicación". Los datos avalan su afirmación: Túnez tiene la tasa de conectividad a internet más alta del norte de África, con un 4,12% de los hogares, según datos del ministerio de Comunicación. De los poco más de diez millones de habitantes, casi tres millones son internautas habituales.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:29
Link do post | Comentar

Mais uma (taça) para a colecção

36231976481621130768

 

Esta.

Publicado por João Tunes às 23:06
Link do post | Comentar

Algo de novo na outra margem do Mediterrâneo

325290

 

Para os que conhecem a Tunísia e podem comparar a sociedade daquele país com as dos restantes países árabes (mesmo que este conhecimento seja obtido através do turismo), pese embora a dura ditadura de Ben Ali que parecia querer igualar o diferente, não terão estranhado que “ali”, na conquista popular das ruas, algo de diferente se passava pois que diferente tinha de ser. O que pode surpreender os uniformistas da “política saída à rua”, cegos pela nostalgia das revoluções que cantem e limitados pela atracção descontrolada pelo cheiro a partos da história, seja em coro ou em cacofonia, muitas vezes esquecendo que das ruas não foram poucas as vezes que a barbárie subiu ao poder. E daí não se darem conta que, como explica - e bem - Juan Goytisolo, algo de novo esteve e está a passar-se em Tunes.

La revuelta de Túnez es la primera revolución democrática de los países árabes desde su acceso a la independencia. Las que se produjeron con anterioridad fueron fruto de golpes de Estado, a veces con amplio apoyo popular como fue el caso de la de Naser en Egipto y, más a menudo sin él, como en Irak en 1958 y Libia en 1969. Las aspiraciones democráticas de los líderes independentistas argelinos sucumbieron pronto, como sabemos, a la dictadura de un partido único sostenido por el Ejército. En la década de los sesenta los Gobiernos nacionalistas árabes sentaron las bases de un poder autoritario que tendía a perpetuarse en el molde de las nuevas dinastías republicanas (las de Sadam Husein, Hafez el Asad, Mubarak). En Marruecos, las tentativas golpistas contra Hassan II mostraban también que la alternativa a la monarquía alauí era una dictadura militar, como lo sería más tarde un régimen islamista, esto es, remedios peores que la enfermedad. La falta de educación cívica de los pueblos para los que la democracia era una palabra hueca importada de Europa explica las derivas autócratas de los regímenes árabes y el fracaso de revueltas populares como las de Casablanca en 1965 y 1980. El declive del nacionalismo y el auge del islam político fueron las causas asimismo de la sangrienta guerra civil que sacudió a Argelia en la década de los noventa.

No se puede pedir lo que se ignora. La democracia exige un conocimiento previo de los valores laicos que la alimentan. Y dicho conocimiento no existe en ningún país árabe con la profundidad y arraigo que tienen en Túnez. El Gobierno de Burguiba desde la independencia hasta los años ochenta sentó las bases de un Estado laico y democrático. Un sistema educativo abierto a los principios y valores del mundo moderno, el estatus de la mujer incomparablemente superior al de los países vecinos y un nivel de vida aceptable en comparación con estos, pese a la carencia del maná del petróleo, formaron una ciudadanía consciente de sus derechos. En ello estriba la diferencia existente entre Túnez y los demás Estados árabes de la orilla sur del Mediterráneo.

El declive del poder de Burguiba y el golpe de palacio de Ben Ali, llevado supuestamente a cabo para preservar la democracia se tradujeron al punto en una pesadilla orwelliana. Con el pretexto de cohabitar a la amenaza islamista y ganarse así el sostén incondicional de los países europeos, Ben Ali creó poco a poco un Estado policiaco cuyas redes se extendieron como una telaraña en el conjunto de la sociedad. Toda oposición política fue barrida sin piedad con métodos que recuerdan el peor despotismo.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

Ben Ali na dimensão de Alvalade

Publicado por João Tunes às 12:10
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

Como abriu a caça aos paneleiros…

Leia-se Pedro Adão e Silva, seguindo recomendação oportuna:

Assassino ainda vá, agora paneleiro

Carlos Castro não me era indiferente. Pelo contrário, personalizava muitas coisas de que não gosto e que se tornaram muito populares (a histeria mundana; a vulgaridade mediática e a coscuvilhice de sarjeta promovida a jornalismo). Mas o modo condescendente como tem sido tratado o seu bárbaro assassinato, com reflexo nos media e nesse esgoto a céu aberto que são as caixas de comentários e os diversos fóruns, é um fiel retrato do país. Tudo o resto igual, estivéssemos perante um heterossexual sexagenário, castrado pela amante (modelo de vinte anos criada num programa de telelixo e devidamente insuflada), num quarto de hotel em Nova Iorque, ouviríamos um clamor generalizado contra uma “puta” que queria “subir na horizontal” e “sacar dinheiro ao velho”. Em lugar disso, temos o justificacionismo e uma família que, face a uma morte brutal, se tem ocupado em garantir que o filho não era homossexual – trazendo à memória Bernarda Alba quando garantia que a sua filha tinha morrido virgem. O que está em causa é apenas um homicídio particularmente violento e sem qualquer justificação, mas que, pelo caminho, nos revela até onde pode ir a homofobia privada do país, devidamente amplificada nos novos espaços públicos.

(publicado também aqui)
Publicado por João Tunes às 17:44
Link do post | Comentar
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011

Crime e tradição

47513_600

 

Quando do seu anúncio, mereceu-me estranheza que a solenidade do programa “grande entrevista” liderado por uma eminência jornalística (Judite de Sousa) fosse canalizada para tratar de um crime cometido em Nova Iorque, mesmo sendo portugueses o agressor (e presumido/confesso homicida) e a vítima. Embora o convite dirigido a um eminente psiquiatra (Carlos Amaral Dias) moderasse o espanto pois o recurso a uma autoridade académica prenunciava certificação de seriedade no tratamento do tema. Equilibrado o espanto com a certificação de qualidade, abri-me a receber e perceber ao que ali se vinha.

Voltei ao espanto quando findo o programa. A jornalista de topo e o psiquiatra eminente conseguiram o previamente inimaginável no tratamento de um crime (crime de violência inaudita, sublinhe-se): trataram do agressor (explicando-o, contextualizando-o, quase o desculpando) e esqueceram em absoluto a vítima. Carlos Castro, o silenciado, a vítima, o assassinado, o do cadáver mutilado, não existiu naquele crime, senão enquanto elemento reflexo e causador de problemas e danos no agressor. Provavelmente, Carlos Castro foi evitado para ser poupado a diagnósticos desabonatórios. Infelizmente, pois estes interessavam ser revelados e muito. Ou seja, assistir-se a que duas personalidades públicas (a jornalista de topo e o psiquiatra de referência) dissessem, com saber sofisticado, cada qual em sua função, o que o senso comum na opinião dominante já decidiu em tomada de partido: o agressor foi vítima, triplamente vítima: da sociedade (nos seus apelos ao sucesso, à fama), das suas debilidades de personalidade e eventuais desvios psicóticos e ainda vítima da vítima (conspurcado que foi pelo “velho, porco e homossexual Carlos Castro”). E na poupança das referências à vítima, entrevistadora e entrevistado até ocultaram o dado essencial que deu o pano de fundo aos acontecimentos: fazendo fé nas teorias pró-agressor, este foi na época antecedente do crime um prostituto (eventualmente, prostituindo a sua heterossexualidade) e, pelo acontecido, um prostituto virado arrependido, insuportavelmente arrependido, violentamente arrependido, um arrependido homicida e profanador de corpos rejeitados. Com o preço de uma vítima, uma pessoa assassinada (com requintes de malvadez).

Este caso mostrou e mostra que a legislação, em Portugal, vai muito à frente da consciência social e cultural. A sociedade portuguesa, pesem as leis de evolução dos costumes, é profundamente conservadora (salazarenta em modalidade cavaquista) e, nos seus atavismos, particularmente homofóbica. Como manda a tradição. Ou seja, a sociedade é, culturalmente, muito mais cavaquista, incluindo em parte importante da esquerda, que aquilo que a esquerda pensa. E, perante isto, um homossexual, mesmo que assassinado, barbaramente assassinado, não pode esperar compaixão, respeito, indignação. Porque o afecto colectivo, a solidariedade de valores, desloca-se inteirinho, no caso, mesmo no caso deste crime horrível, para o agressor, o jovem, bonito, ambicioso, ingénuo/provinciano, transitoriamente equivocado sobre as suas preferências sexuais. Muitos atributos para disputarem inclinações públicas e afectivas relapsas a inclinarem-se para um homossexual, idoso, mesmo que ingenuamente convencido da paixão de um prostituto. Obviamente que Carlos Amaral Dias não partilha da onda homofóbica que se instalou por quase tudo quanto é sítio, o que seria feio em psiquiatra com fama académica. E tanto é assim que cuidou de avisar, apesar de nunca se ter referido a Carlos Castro, num despropopósito revelador, que nada o movia contra a homossexualidade. Exactamente o mesmo que declara, em abstracto, a larga maioria dos homofóbicos.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:25
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)

Onde estão os campeões do transporte do andor do Tratado de Lisboa?

53936_600

 

Manuel Maria Carrilho, no DN:

Olhando agora para o desperdício de tempo e de oportunidades dos últimos anos, o Tratado de Lisboa aparece como uma boa ilustração dos equívocos em que se tem vivido. Vale a pena reler a abundância de declarações então feitas sobre o seu extraordinário significado, e compará-las com as suas insignificantes consequências. Vale a pena rever as caríssimas encenações que então se multiplicaram para glorificar um acordo que repetidamente se apresentava como "histórico" para o futuro da Europa, e confrontar toda essa tagarelice com os impasses em dominó que, justamente desde então, têm bloqueado a União Europeia.

E isto aconteceu muito simplesmente porque o Tratado de Lisboa passou completamente ao lado do grande problema da Europa, que era e continua a ser o do enorme desajuste entre as suas instituições e aquilo que hoje se exige de uma economia integrada. A tarefa era certamente muito difícil, mas era essa a tarefa que era decisivo assumir. Ignorá-la, como o Tratado de Lisboa acabou por fazer, só podia ter estas consequências.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 19:45
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011

A dentadura do cavaquismo

2153_600

 

Vasco Graça Moura, um cavaquista de canil, traça o cenário em que gostaria de testar as capacidades presidenciais de Cavaco. Por aqui se vê o perfil da dentadura cavaquista:

Portugal está numa situação de falência iminente. Não sabemos o que é que amanhã pode acontecer. E se, um destes dias, o cidadão comum não puder levantar o dinheiro que depositou na banca, seja ela pública ou privada? E se, de repente, deixar de haver dinheiro para o pagamento das pensões e dos salários? O que é que, nesse caso, o PR pode exigir ao Governo? O que é que faria Cavaco Silva? O que é que faria qualquer dos outros?

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 22:01
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO