Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

Itália com Berlusconi

88333_600

Publicado por João Tunes às 22:37
Link do post | Comentar

Para os amigos de Celine talvez involuntariamente amnésicos acerca de Auschwitz-Birkenau

holocausto

 

 

Enquanto alguns choram ofensas omitivas cerimoniais e oficiais à memória do detestável sujeito Céline, uma besta publica e propagandisticamente antisemita durante o tempo em que os nazis metiam milhões de judeus nos crematórios (tendo sido, portanto, um cúmplice directo do holocausto), sem que se ponha em causa a liberdade de se ler e se gostar dos livros do escritor Celine, passou quase em silêncio uma efeméride que nunca se devia esquecer, a dos 65 anos passados desde a libertação de Auschwitz-Birkenau. Quando e porque, com a formação de cooperativas ideológicas e propagandísticas de paranóias neo-leninistas que por mor das alianças dos orfãos comunistas com os fundamentalistas islâmicos, se forja e desenvolve um neo-antisemitismo radical e violento, retomando a velha bestialidade que desaguou em Auschwitz-Birkenau. Como bem alerta Manuel António Pina, no JN:

Ontem, data da libertação, há 65 anos, do campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, assinalou-se o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, memória, sobretudo, das suas inumeráveis vítimas anónimas, na sua imensa maioria judeus.
Mas as imundas ideias onde se fundou a "Endlösung der Judenfrage" ("Solução final da questão judaica"), ou o homicídio indiscriminado e brutal de milhões de seres humanos sem outro motivo que não a sua origem ou religião, não germinaram espontaneamente na cabeça de Hitler, tiveram, desde os primórdios do cristianismo, uma gestação de séculos. Nem acabaram com Hitler. Hoje, a aliança entre o fascismo teocrático islâmico e alguma esquerda herdeira do Marx de "A questão judaica" lembra de mais o pacto Ribbentrop-Molotov para não ser assustadora.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 15:40
Link do post | Comentar
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Os dentes do eleitorado é que não merecem nozes tão roliças

75808_600

 

 

Do editorial do comicamente impagável “Avante”:

Tratou-se de uma campanha sem paralelo no contacto directo com os eleitores, na mobilização, no esclarecimento. Uma campanha só possível de concretizar com o envolvimento empenhado nela do colectivo partidário comunista, a começar pelo Secretário-geral do Partido; dos jovens da JCP; dos nossos aliados do PEV e da ID e de muitos cidadãos independentes – uma campanha à qual o candidato, camarada Francisco Lopes, com um desempenho notável, conferiu uma elevação e um conteúdo assinaláveis.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 22:01
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

O mercado maluco com os juros indisciplinados e as ameaças cavaquistas desnudadas

8519_600

 

Manuel António Pina, no JN:

Talvez Cavaco se tenha esquecido de dizer aos mercados que podem regressar aos quartéis porque não haverá segunda volta. Ou talvez ande ocupado a tentar saber os "nomes daqueles que estão por detrás" da "campanha de calúnias, mentiras e insinuações" contra si e ainda não tenha tido tempo de telefonar aos mercados.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 21:35
Link do post | Comentar

Uma maioria feita de votos medricas entregue a um messias?

reader_987605

 

VGM, no seu vómito semanal via DN:

A campanha foi ainda muito interessante num outro aspecto: veio mostrar que, finalmente, os portugueses estão borrados de medo. Enfiaram barretes sucessivos votando as maiorias socialistas que os defraudaram com promessas não cumpridas e se encarregaram de levar o país à ruína. Deixaram de acreditar em cornucópias de benesses, subsídios e benefícios, que lhes foram prometidos. Perceberam que o horizonte está cada vez mais carregado de nuvens negras e que não se podem deixar levar em mais contos do vigário. Sentiram que o presente lhes está a sair muito caro e que o futuro de filhos e netos já está hipotecado para além do razoável. Perceberam que Portugal não aguenta mais fitas nem pantominas. E perceberam também que só tinham a saída de eleger um Presidente da República que lhes dê o máximo de garantias.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 00:34
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011

Empresariados no ensino privado à pala do Estado

251_cartoon_rich_government_poor_people_small_over

 

Manuel António Pina, no JN:

Mas os colégios querem mais, e, ontem, dirigentes de alguns deles, arrastando consigo pais e crianças (há notícia de casos em que as crianças que não foram a essa e a outras manifestações promovidas pelos colégios tiveram falta), depositaram caixões junto do ME, querendo com isso simbolizar a "morte" do ensino privado... por ter que viver com o mesmo com que vive o ensino público. É a "iniciativa privada" no seu melhor: sempre a clamar contra o Estado e, ao mesmo tempo, sempre a exigir subsídios e apoios.

Diz a ministra que o Estado não deve contribuir com dinheiro dos contribuintes para as piscinas, o golfe e a equitação de alguns colégios privados, e é difícil não lhe dar razão.

Mas talvez esta fosse boa altura para, finalmente, o ME ir mais fundo e apurar o destino que é dado em alguns desses colégios aos dinheiros públicos. Saber, por exemplo, se todas as verbas destinadas aos professores chegarão ao seu destino ou se, em certos casos, o Estado não andará a financiar, afrontando a Constituição, um ensino abusivamente selectivo e confessional, onde os professores têm, de novo só por exemplo, que "participar na oração da manhã na Capela".

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:46
Link do post | Comentar

Onde os amanhãs nunca param de cantar

40359_600

 

 

Assim se a análise do CêCê do PêCêPê:

A votação obtida por Francisco Lopes – mais de 300 mil votos e 7,2% – constitui uma inequívoca afirmação de combatividade e de exigência de uma profunda mudança na vida nacional.
(…)
O resultado obtido por Cavaco Silva encerra inegavelmente um juízo negativo sobre o seu exercício na Presidência da República.
(…)
O resultado obtido por Manuel Alegre, apoiado pelo PS e pelo BE, traduz-se numa votação significativamente abaixo das suas proclamações e é inseparável das contradições, ambiguidades e comprometimentos com o actual rumo do país.
(…)
A permeabilidade de sectores do eleitorado a um discurso populista e demagógico, patente nos resultados de Fernando Nobre e José Coelho, para lá das motivações dos eleitores que viram nestas candidaturas uma forma de protesto, não pode ser desligada da crescente protecção mediática na promoção de falsas soluções e inconsequentes opções que são, em si, uma garantia de estabilidade à política de direita e aos seus promotores.

São "os maiores", cheios de fé clubista. Pois, como se vê, ali só se avança (até à perda final de eleitorado). Com toda a confiança. Sem tempo para reflexão e autocrítica, modalidades de ociosos ao serviço da direita e do grande capital. Tal e qual.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

Capotes e suas águas

it_s_raining_2_1026025

 

Rui Bebiano, durante:

Na minha insana sanha anticavaquista, lá depositei então o voto na urna. Não, não foi naquele senhor doutor médico que é todo ele boa pessoa, não foi no chefe da oposição na Madeira, não foi no funcionário cansado, mas sim no outro, aquele do verbo retumbante que o Sr. Lello detesta. O entusiasmo – o meu e o de toda a gente que vislumbrei – era nenhum. Suspeito, julgo que com algum fundamento, que não terá sido por causa do frio polar. Só vi pessoas a circularem de cá para lá, de lá para cá, com cara de quem acabou de tirar da caixa Multibanco um extracto de conta e está a precisar de um café bem forte e bem quente. Tenho a impressão de que não é assim que se levantam futuros, mas às tantas também estou a exigir demasiado da vida.

O mesmo, depois:

É que aconteceu o que aconteceu porque um largo sector da «consciência global» da esquerda – um conceito que arrepia muitos dos seus segmentos, mas que existe para além da sua vontade – não só não foi capaz de gerar as condições para produzir uma alternativa convincente e mobilizadora, como se refugiou num desinteresse, numa maledicência, numa abulia que acabaram por favorecer uma direita unida, pragmática e razoavelmente enérgica. Manuel Alegre, de facto, apenas mobilizou os partidários de uma ideia de esquerda cheia de pergaminhos mas talvez demasiado retórica, imprecisa e pouco atractiva. Já os mobilizáveis que não foram mobilizados – leia-se, um bom número de militantes e compagnons de route socialistas – refugiaram-se num rancor absolutamente cúmplice. Agora justificam-se, entre gargalhadas, com um absurdo «eu não vos disse…», mas a verdade é que é fácil afirmar que Alegre foi estrondosamente derrotado – e foi-o – quando de facto tudo se fez para que essa derrota acontecesse, ainda que à custa de uma vitória esmagadora – que o foi – do homem cinzento de Boliqueime. A sua apologia da passividade não foi a causa exclusiva da derrota de Alegre, mas foi com toda a certeza responsável pela dimensão do triunfo do candidato da direita. Que não venham sacudir para cima dos outros, aqueles que se moveram, a água do capote.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 16:21
Link do post | Comentar

Descendo às trevas do socratismo profundo

17589_600

 

 

Interessante a leitura do futuro político próximo feita pelo Zé Albergaria:

José Sócrates só se interessa pelo poder "real", executivo, para fazer coisas: o Governo.
Quando arrebatou o PS, por desistência de Ferro Rodrigues, o "meu" SG, tinha isso muito claro.
Contudo no processo eleitoral apercebeu-se (recordem-se que Sócrates disputa, pela primeira vez, o cargo de SG, contra quem?: contra João Soares, pela primeira vez apoiado publicamente pelo pai e contra Manuel Alegre...).
O eng.º logo percebeu que precisava, se queria controlar o PS, "matar" os "soaristas" e os "alegristas".
Como o fez? Hoje já estamos no domínio da história. Já temos respostas objectivas.
Em 2006, contra muita gente, apoiou Mário Soares para disputar a presidência a Cavaco Silva.
Nesse mês de Janeiro enterrou, em definitivo, o "soarismo".
Comprou João Soares com cargos de prestígio, mundo fora.
Desde 2008 que está Presidente da Assembleia Parlamentar da poderosa OSCE, Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. Nestas eleições, de 2011, João Soares apoiou inequivocamente Manuel Alegre. A sua irmã Isabel Soares apoiou, inequivocamente, Fernando Nobre. A chamada tendência João Soares, que fazia um almoço por ano e contavam com, entre outros, o edil de Almodôvar, António Saleiro...deixou de jantar.
O pai, Mário Soares, ficou, com a candidatura a Belém em 2006, completamente socratisado.
Leia-se o artigo de hoje e entende-se o apodo.
Alegre, e os alegristas, foram, agora, a 23 de Janeiro de 2011 completamente enterrados.
Os alegristas foram liquidados nas últimas eleições legislativas: nem um integrou as listas, nem o próprio Alegre. O poeta de Águeda trocou isso pela candidatura à presidência em 2011.
Tal como em 2006, Sócrates não só não se empenhou, como não fez nada para contrariar a inércia partidária, nas respectivas campanhas dos seus "candidatos", Soares e, depois, Alegre.
Sócrates não cometeu erro de espécie alguma.
Ao contrário.
Vai ao próximo Congresso do PS e saí, novamente em ombros e SG.
Vai a eleições, se for o caso, antecipadas, contra Passos Coelho e...chama-lhe um figo, até que pode ser algarvio.
Depois, bem depois, temos de alinhar os Presidentes da República, pós 1976 com os governos de então.
Ramalho Eanes não conta.
Mário Soares conviveu e sovou os governos do Professor de Boliqueime, mas este aguentou 10 anos.
Jorge Sampaio conviveu com os governos de Guterres...durante seis anos. Dois anos com Durão/Santana e os restantes já com José Sócrates.
Este leva já cinco anos de "cooperação" com Cavaco Silva...e vai continuar.
O único Presidente atípico neste "desalinho" partidário é mesmo, e só, Jorge Sampaio.
Pode fazer-se leitura mais fina, mais aprimorada, mas o que conta é o que está à vista: Sócrates "escolheu" candidatos para perderem...não para lhe causarem problemas a partir de Belém.
Vai uma aposta: - José Sócrates será Primeiro-Ministro de Portugal até 2013, digo eu, aposto eu.
Porquê? Porque Cavaco Silva ganhou as eleições para mais um mandato de cinco anos.
Então, e só então, ver-se-á o que está em cima da mesa.
O discurso de Pedro Passos Coelho, na noite eleitoral aí está para o ilustrar


(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 14:43
Link do post | Comentar

Os fantasmas do prof-cura

01

 

César das Neves não encolhe na sua cruzada em prol da saudade da velha cultura, a que era vigiada e garantida pela guarda pretoriana salazarista fardada de sotainas desse clericalismo que foi sustentáculo da ditadura e do consequente respeitinho em molho de tradição. E o prof-cura, misógino (odiando vaginas como qualquer crente empedernido em desvio paranóico por excesso de culto mariano, não se sabendo se, por isso mesmo, preferirá antes, como parte dos seus confessores e pregadores de homilias, um rabinho de menino) e apóstolo da auto-castração como imitação da castidade, vai inventando, em delírio demagógico, as dicotomias que lhe facilitem a pregação. Incapaz de aceitar e integrar os novos espaços de igualdade e cultura, César das Neves mete em package etiquetado como demoníaco tudo o que permitiu a emancipação dos reprimidos, disfarçando a sua cruzada de cavaleiro das trevas como sendo um mero instinto de defesa perante o demónio da modernidade à solta, traçando, a despropósito, ridículas teorias de conspirações. Como o fez desta maneira:

Todas as civilizações e culturas sempre souberam que a família, onde as gerações se unem e sucedem, amando-se, educando-se, sustentando-se, perdoando-se, constitui a base da sociedade. Sempre houve alternativas, avaliadas de forma diferente nas várias culturas, mas nenhuma as viu como semelhantes à célula vital. A cultura ocidental contemporânea é a primeira que tenta negar a evidência.

Começa logo por não ser possível sequer falar de família. Agora é "família tradicional", porque alegadamente há várias. E aqui o adjectivo é pejorativo. Depois um portentoso aparato mediático, filmes, televisão, revistas, livros, jornais, lança-se numa campanha de propaganda massiva a favor das alternativas, adultério, divórcio, promiscuidade, concubinato, perversão, deboche, etc.

(publicado aqui também)

Publicado por João Tunes às 14:10
Link do post | Comentar

Leninha amiga, os patrões estão contigo!

36706_600

 

Manuel António Pina, no JN:

Os patrões queriam despedimentos baratos, indemnizações de 21 ou 15 dias por cada ano de trabalho em vez dos 30 actuais e, mesmo assim, com um limite de 12 anos, isto é, 12 salários.

Por outras palavras: o patronato foi aos saldos do Estado Social abertos em Portugal desde 2005 a ver se comprava dois despedimentos pelo preço de um.

Coube a uma ministra ex-sindicalista de um governo socialista a duvidosa honra de entregar numa bandeja o direito ao trabalho dos portugueses à voracidade patronal com o generoso pretexto de, assim, "aliviar" os encargos das empresas com os trabalhadores despedidos (passando esses encargos para os contribuintes através do subsídio de desemprego, quem é amigo?).

O patronato queria 21 dias de indemnização por cada ano de trabalho em vez de 30? O Governo deu-lhe 20. Queria um limite máximo de 12 salários, que lhe permitisse despedir os trabalhadores mais antigos e substitui-los por precários (se não despedi-los e contratá-los depois "a recibo verde" de modo a livrar-se dos descontos para a Segurança Social)? O Governo deu-lhe os 12 salários.

Explicou a ministra que em Espanha também é assim. Com admirável honestidade intelectual, "esqueceu-se" de dizer qual é o salário mínimo em Espanha e que, em Espanha, os 12 salários de indemnização são 'brutos", isto é, com todos os suplementos e em Portugal incluem só o salário-base. Mas não podia lembrar-se de tudo, não é?

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:55
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Homenagem a quem a merece

 (clique em cima para melhorar legibilidade)

Publicado por João Tunes às 21:37
Link do post | Comentar

Quanto ao que será

xiipc_1opremio_p

 

Numa primeira leitura, fica a concordância com a Joana Lopes quando ela escreve:

23 de Janeiro de 2011 só pode ser um estímulo e uma porta escancarada para uma nova fase de luta, agora mais a sério e com carácter de urgência. É hoje – e não amanhã, muito menos daqui a cinco anos – que o descontentamento e a tristeza estão à espera de ser capitalizados. Para sairmos da crise que atravessamos sem servilismos ou espírito de martírio, para que não sejam permitidos silêncios quando há muitas explicações por dar, para impormos que os inquilinos de Belém e de S. Bento nos respeitem. Pura e simplesmente, porque queremos viver num país decente.

Mas relido, este discurso mostra a inconsequência daquilo que é puro voluntarismo. Ou seja, é um estruturado e fundamentado discurso inorgânico mas esquece, entre muito mais, que, nestas eleições, a esquerda perdeu muito e em quase todos os tabuleiros e valências. Prevalecendo as perdas “orgânicas”. O PS e o BE saem feridos gravemente da desastrosa campanha e pior resultado de Alegre assim como do resultado gordo de Nobre (onde desaguaram os socialistas e os bloquistas que não se quiseram juntos com Alegre mas já não se importaram de levar Nobre em andor, como se fosse santo da mesma tribo, porque com esse aí era só para “protestar”), cada partido per si e adiando para as calendas a hipótese de convergência ou unificação da esquerda não estalinista. Para já não falar nos votos de arqui-revolucionários, meio cínicos e outro meio sarcásticos, entregues ao Coelho e inspirados na clarividência dos taxistas, elevando o lumpen ao lugar de classe-guia. Quanto ao PCP, mostrou que este partido se fechou a cadeado para viver em festa de condomínio fechado reservada a funcionários, os de facto (os que foram ou são dirigentes e os que aspiram vir a ser, até o partido se resumir a um “imenso comité central”, todos assinalando a "vitória" expresso num "significativo resultado do PCP") e os simbólicos (os que só votam, mais os que vão aos comícios e manifestações, ainda os que passam por algumas reuniões de célula), derrubando todas as pontes com a sociedade existente para além da tribo. E quanto a alternativa, na esquerda, não sobrou nada que dê nervo e osso à oposição e à luta, muito menos dando coluna vertebral. Pelo contrário. É que Sócrates acabou de contabilizar uma das suas vitórias políticas mais camufladas sobre a esquerda mas sem deixar de ser espampanante: arrumou na depressão os militantes e o eleitorado de esquerda do PS. E acenou a Cavaco, em nome da “estabilidade”, através de um PS depurado de “esquerdismo”, com uma bengala de aliado, quiçá mais garantida que a oferecida por Passos Coelho & Portas. Assim, de uma forma magistralmente maquiavélica, o discurso de derrota feito ontem por Sócrates pode ter sido, antes e além da aparência das palavras, um discurso de vitória ideológica muito mais expressivo que o de Cavaco, auto-encurralado este na revelação do seu lado odioso de revanchismo, de mau ganhar ao saber que tem a imagem irremediavelmente debilitada e um mandato manchado pelo prestígio corroído para cumprir.

Obviamente, como bem diz a Joana, há que dar a volta, ir à luta e tem que ser para já. Mas julgo ser excesso de confiança pensar-se que os novos estragos provocados na esquerda por todos os partidos de esquerda, vão ajudar no quer que seja relativamente à revitalização da insubmissão. Digo assim porque admito que a raiva canalizada para Nobre e Coelho, mais a dos abstencionistas, dos brancos mais os nulos, a raiva dos impacientes, dos desesperados e dos aristocratas snobs da política pura e exigente, se esgotou em cruzinhas no gelado dia de ontem, não dando, agora, para "formar partido" ou "frente", ou sequer empurrar ânimos de trabalhar para mudar. Primeiro, julgo, impõe-se a catarse pela reflexão. Porque de voluntarismos mal estruturados e desenhados por amadores, bastou o alegrismo de segundas núpcias que azedou mais a "sopa da esquerda" que aquela que serviu novas veredas de uma esquerda a unir-se na luta.

(publicado aqui também)

Publicado por João Tunes às 15:28
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Embora o dinheiro não apague a grande nódoa católica, os jesuítas vão ter de abrir os cordões à bolsa para "pagarem" as taras sexuais dos seus curas

21469_600

 

Ler notícia aqui.

(publicado aqui também)

Publicado por João Tunes às 14:21
Link do post | Comentar
Domingo, 23 de Janeiro de 2011

E agora? Primeiro que tudo o mais, e para tomar encaixe e balanço, ir ao Zeca

Publicado por João Tunes às 22:41
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO