Quinta-feira, 18 de Novembro de 2010

A “propaganda estrangeira” e as marchas do pacifismo dos dúplices

untitled_1

 

Não faz sentido que quem se vem manifestar contra a NATO (para uma das várias manifestações que não estão proibidas) não possa transportar propaganda contra a NATO, sendo-lhe esta apreendida como ilegítima. Aliás, as autoridades não esclareceram em que é que a propaganda vinda do estrangeiro tem de diferente relativamente à propaganda produzida no nosso país com a mesma intenção e que é muita, variada e toda radical. Portanto, fica bem a qualquer liberal bem formado protestar contra esta penalização inadmissível de propaganda por esta ser produzida no estrangeiro.

Isto, a par do exercício ao direito à gargalhada ao ver-se uma miríade de organizações e micro-organizações todas filhotas do mesmo partido (o PCP), o que era o campeão madrugador do apoio às intervenções e invasões do Exército Vermelho e das forças do Pacto de Varsóvia em países formalmente soberanos, património político que nunca renegou, a desmultiplicarem-se, nestes dias, em marchas anti-NATO, sem se sentirem assombrados por qualquer alma penada vinda dos esmagados pelos tanques invasores em Budapeste, em Praga ou em Cabul.

Protestar contra um abuso de poder e também se rir do desaforo cínico dos dúplices não estará ao alcance de todos e talvez só os liberais até lá se cheguem.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 17:28
Link do post | Comentar

Tarda o pum do dinamite na Cruz do Vale dos Caídos

1290081127382caidosgrandec6

 

A “Federación Estatal de Foros por la Memoria” lembra o muito esquecido: “De todos los grandes monumentos construidos como símbolos por los regímenes fascistas del siglo XX, solamente el Valle de los Caídos sobrevive.” E recorda o significado da concretização do mórbido projecto de Franco de construir, perto de Madrid e de uma forma vil, um monumental jazigo para si e que o eternizasse como amedrontador do povo espanhol, assegurando ainda a companhia de milhares de restos mortais de caídos durante a sangrenta guerra civil 36-39: “El Valle de los Caídos, un recordatorio gigantesco del fascismo en su variante nacional-católica española, no es cuestionado en lo esencial. El diseño inicial sobrevive: no se ha pensado en desmantelar sus estructuras; se respetan los sepulcros de los líderes; los frescos que glorifican la masacre que llevó a cabo un asesino perjuro, mediante la cual secuestró la soberanía del pueblo español durante cuarenta años. La orden sacerdotal consagrada al respeto de su memoria sigue allí, como siguen los miles y miles de cuerpos de los muertos en batallas y paredones que llenan las criptas del valle.”

A mesma “Federación Estatal de Foros por la Memoria”, faz várias propostas para uma solução da ofensa que constitui a permanência do Vale dos Caídos, incluindo sobre o destino a ser dado à gigantesca cruz que encima o monumento fascista: “La gran cruz debe ser desmantelada, de ninguna forma puede consentirse que se siga alzando hacia el cielo ese símbolo de muerte y venganza. Propugnamos una voladura (controlada) como culminación de un gran acto público nacional de desagravio a las víctimas del franquismo.” O comunicado deste organismo sobre o Vale dos Caídos, na sua versão integral, pode ser consultado aqui.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 15:59
Link do post | Comentar

Para ensinar aos petizes deste velho país sobre como vencerem na vida quando forem grandinhos

mascota_serpiente

 

O conselho de Manuel António Pina, no JN, é que se ensine aos filhos deste país a história de sucesso do jovem-modelo Pedro:

É uma história de proveito e exemplo e todos os pais a deveriam ler à noite aos filhos para que eles possam aprender que, ao contrário do que professores antiquados ainda ensinam na escola, não é com estudo e trabalho, ou com mérito, que se vai longe na vida.


Para já, o resumo dado por MAP é muitíssimo promissor. Siga o link e maravilhe-se.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 15:18
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

Disparate mas também pior que isso

ares2

 

Em situações de entrada em cul-de-sac, como acontece agora em Portugal, enquanto na esquerda se desata a acender velinhas no altar das utopias, apressando-lhes o up-grading com retorno garantido ao Palácio de Inverno, na direita prefere-se falar grosso e ser mais pragmática a indicar os atalhos das soluções autoritárias. Desde que a situação política portuguesa entrou na fase de pantomina sobre o gelo, onde não há alma, governante ou governada, capaz de saber como estaremos daqui por um mês, as tripas políticas e ideológicas vão espreitando pelas gargantas, havendo quem disparate acordado, mostrando as unhas da pulsão autoritária. Como Manuel Serrão, no JN:

Entre o regime presidencialista e o regime de bipartidarismo parlamentar, não me parece que exista terceira via. Daí que eu julgue que só nos resta escolher entre um regime que pusesse Cavaco de novo como homem do leme do Governo, ou um regime em que o partido que ganhasse as eleições tivesse a garantia de formar um Governo estável para toda a legislatura.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:54
Link do post | Comentar

Um quarto dos que votam PS ainda não estão pessimistas

ares5

 

Actualmente, o pessimismo é comum a todos os estratos da população. A única excepção (25,9%) regista-se entre os indivíduos que tencionam votar no PS nas legislativas.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 22:15
Link do post | Comentar

«Porrada na “piolheira”!», grita o Vasco, sedento de chanfalhada

police-brutality

 

VGM e a “ordem”, pelo DN:

Por isso se justifica exprimir uma preocupação muito séria quanto à cimeira da NATO em Lisboa. O que é que vai passar-se entre nós no dia 19? Estará a nossa polícia em condições de intervir eficazmente? Poderá impedir graves desacatos, agressões, destruições e prejuízos na zona da Expo 98 ou noutros pontos da cidade? Ou tem instruções superiores para contemporizar com o circo da piolheira em nome dos nossos brandos costumes? Esta pergunta também se justifica: se as coisas ficarem mal paradas, as nossas autoridades serão capazes de agir ou atrever-se-ão a reeditar as figuras deprimentes que fizeram ainda há poucos anos no caso do milho transgénico?

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 16:24
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

Palavras…

passion_931845

 

Com certeza que há palavras a mais na política portuguesa. “Cavaco” será a mais utilizada entre as mais inúteis.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 14:25
Link do post | Comentar

Como se ganha um dia

chopin_931835

 

Hoje, tropecei numa que gostei e tomei nota, sublinhando-a:

“(…) a questão “reforma ou revolução” adquiriu com o tempo fatais ressonâncias teológicas e míticas, que confundem mais o problema do que podem ajudar a abrir caminho. Tenho visto muitas definições da revolução que “nem para atacadores”, e a redefinição das formas institucionais e do exercício do poder que podemos incluir na ideia de “reforma” pode implicar o tipo de ruptura – depende das reformas propostas – que associamos ao “nome de revolução”. Digamos que não é por aí – pela oposição dicotómica – que o gato vai às filhoses ou, melhor, tiraremos nós as castanhas do lume.”

Ou seja, há mais vontade de tocar corneta que de estudo e prática do solfejo. E aqui nascem, normalmente, as dicotomias. Sobretudo, as semânticas. E delas está a política discutida bem cheia. Mas é o que temos e portanto siga a banda.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:57
Link do post | Comentar

Elogio ao livro

20101117elpepuvin_1

 

Fonte: "El País".

Publicado por João Tunes às 12:05
Link do post | Comentar
Terça-feira, 16 de Novembro de 2010

Bravo! Flamenco já é Património Imaterial da Humanidade.

Publicado por João Tunes às 17:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

"Si gana el PP las elecciones podemos decir adiós a la Memoria Histórica"

1288095082206gibson1

 

Muito interessante a “conversa com os leitores (do Publico.es)” do conhecido hispanista Ian Gibson. Aqui, encontram-se as perguntas colocadas pelos leitores e as respostas de Gibson.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 13:49
Link do post | Comentar

Sobretudo próprio para leitura de malta neo-cool

green-ladies-communist-shirt-443

 

Para esses mesmos, os “gentis amigos que conservais as mãos tão puras” e que descem as baínhas já curtas das calças do estalinismo serôdio. Como essa deputada Rita que tirou uma licenciatura em ciências políticas e ainda hoje deve pensar que Kolima era a marca de pasta de dentes vendida nos armazens do povo da ú-érre-ésse-ésse. E para mais um punhado de outros tantos, aqueles que morrerão tão comunistas que jamais lerão um livro que fale de Kolima, lá por coisas, numa espécie de pressentimento.

Publicado por João Tunes às 11:43
Link do post | Comentar

Os urubus chegam-se ao velório

greeting_cards_1027115

 

Manuel António Pina no JN:

Há um cheiro a carniça no ar, e todo o tipo de passarada necrófaga paira (alguns, como Amado, já mergulham em voo picado) sobre os despojos. Só o povo não é, pelos vistos, para aí chamado.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 02:02
Link do post | Comentar
Domingo, 14 de Novembro de 2010

Ainda há quem confie em amanhãs que cantam…

oops_979835

 

O deputado-blogger Osvaldo Castro:

Depois do Orçamento viabilizado outro dia nascerá e com ele as responsabilidades pela sua efectiva execução. É nisso que o governo e o PS devem estar concentrados.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 16:09
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 12 de Novembro de 2010

Uma voz

medium_semprun

 

Jorge Semprún, escritor espanhol, em entrevista no “El Mundo”:

-¿Sigue pensando que es posible trasformar de forma revolucionaria el mundo?
-No quiero ser aguafiestas, pero creo que no: hay que reformar el mundo, es imprescindible hacerlo, pero la revolución es imposible, quizá porque no hay líderes capaces de aunar voluntades o porque la experiencia del siglo pasado, con los horrores del estalinismo, pesa demasiado. Sólo subsiste la ilusión de que la clase obrera pueda transformar el mundo, sin capitular ante el capitalismo, pero a través de reformas contínuas, no de revoluciones.

-Sin embargo, los últimos meses ha visto arder París...
-Sí, pero aunque me llama la atención el empuje y la fuerza de los movimientos de descontento contra los recortes de pensiones, que en el fondo lo que reflejan es el profundo malestar por la evolución de la sociedad francesa, lo que quizás me sorprenda más no sea la virulencia de la lucha sino su falta de perspectivas concretas, es decir, que un día se paraliza el país y al día siguiente todo sigue igual. Como si manifestantes y sindicatos interpretaran su papel en una obra ya escrita, pero dieran por perdida la posibilidad de modificar la realidad.

-¿Qué queda del pensamiento de izquierdas, tras el derrumbe de la utopía comunista?
-Queda lo esencial. Una sociedad totalmente injusta, polarizada en núcleos de poder de dinero loco, y millones de personas que subsisten bajo el umbral de la pobreza, también en los países ricos, demuestra que la necesidad de transformar la sociedad sigue viva. El fracaso del leninismo no hace del sistema capitalista una sociedad justa, sino que hay que mantener viva la ilusión por reformar la sociedad. La política económica de izquierdas ha infravalorado al mercado, pero si se abandona éste a su libre albedrio los resultados son siempre nefastos.


(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 22:39
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO