Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010

Lenha na fogueira revisionista

 

Já tínhamos o interdito historiográfico de falar-se de fascismo a propósito do salazarismo. Salazar teve honras de vencedor de concurso televisivo. A guerra colonial voltou, em passos castrenses de corrida, a ser designada como "guerra do ultramar". A república instaurada foi má como as cobras e muito pior que a monarquia enterrada em 1910 que, essa sim, era constitucional. Feitas estas recomposições ao nível da história dentro de portas, há que partir para novos negacionismos e revisionismos mundo fora. Para já, comece-se pelos nossos vizinhos. O cronista-historiador VPV, mais grosseiro e sem subtileza que polido ou valente, hoje no “Público”, escreve: “a II República espanhola, que raramente viveu na legalidade, provocou uma guerra civil e trouxe a ditadura de Franco”. Nem menos. A desvergonha passeia-se por aí.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 19:27
Link do post | Comentar

Liberdade para Liu Xiaobo !

 

Os padres fundamentalistas (com o da Medicina) e o esquerdismo sectário e infantilizado (com os da Literatura e da Paz) andam com azar com os Nobel deste ano.
 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:40
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quinta-feira, 7 de Outubro de 2010

Da purificação

 

"Él era mi héroe, el hombre de mi vida, el amor de vida (...) Iba a purificarle el pene, dejarle una marca que siempre se quedara conmigo, para que siempre fuera mío", declaró ante un tribunal de Adelaida la mujer

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:39
Link do post | Comentar

Assim escreveu Vargas Llosa

 

Em “El País”, em Abril deste ano:

 

Le dije que le creía y que estaba seguro que ni yo ni aficionado alguno a la fiesta de los toros obligaría jamás ni a ella ni a nadie a ir a una corrida. Y que lo único que nosotros pedíamos era una forma de reciprocidad: que nos dejaran a nosotros decidir si queríamos ir a los toros o no, en ejercicio de la misma libertad que ella ponía en práctica comiéndose langostas asadas vivas o cangrejos mutilados o vistiendo abrigos de chinchilla o zapatos de cocodrilo o collares de alas de mariposa. Que, para quien goza con una extraordinaria faena, los toros representan una forma de alimento espiritual y emotivo tan intenso y enriquecedor como un concierto de Beethoven, una comedia de Shakespeare o un poema de Vallejo. Que, para saber que esto era cierto, no era indispensable asistir a una corrida. Bastaba con leer los poemas y los textos que los toros y los toreros habían inspirado a grandes poetas, como Lorca y Alberti, y ver los cuadros en que pintores como Goya o Picasso habían inmortalizado el arte del toreo, para advertir que para muchas, muchísimas personas, la fiesta de los toros es algo más complejo y sutil que un deporte, un espectáculo que tiene algo de danza y de pintura, de teatro y poesía, en el que la valentía, la destreza, la intuición, la gracia, la elegancia y la cercanía de la muerte se combinan para representar la condición humana.

Nadie puede negar que la corrida de toros sea una fiesta cruel. Pero no lo es menos que otras infinitas actividades y acciones humanas para con los animales, y es una gran hipocresía concentrarse en aquella y olvidarse o empeñarse en no ver a estas últimas. Quienes quieren prohibir la tauromaquia, en muchos casos, y es ahora el de Cataluña, suelen hacerlo por razones que tienen que ver más con la ideología y la política que con el amor a los animales. Si amaran de veras al toro bravo, al toro de lidia, no pretenderían prohibir los toros, pues la prohibición de la fiesta significaría, pura y simplemente, su desaparición. El toro de lidia existe gracias a la fiesta y sin ella se extinguiría. El toro bravo está constitutivamente formado para embestir y matar y quienes se enfrentan a él en una plaza no sólo lo saben, muchas veces lo experimentan en carne propia.

Por otra parte, el toro de lidia, probablemente, entre la miríada de animales que pueblan el planeta, es hasta el momento de entrar en la plaza, el animal más cuidado y mejor tratado de la creación, como han comprobado todos quienes se han tomado el trabajo de visitar un campo de crianza de toros bravos.

Pero todas estas razones valen poco, o no valen nada, ante quienes, de entrada, proclaman su rechazo y condena de una fiesta donde corre la sangre y está presente la muerte. Es su derecho, por supuesto. Y lo es, también, el de hacer todas las campañas habidas y por haber para convencer a la gente de que desista de asistir a las corridas de modo que éstas, por ausentismo, vayan languideciendo hasta desaparecer. Podría ocurrir. Yo creo que sería una gran pérdida para el arte, la tradición y la cultura en la que nací, pero, si ocurre de esta manera -la manera más democrática, la de la libre elección de los ciudadanos que votan en contra de la fiesta dejando de ir a las corridas- habría que aceptarlo.

Lo que no es tolerable es la prohibición, algo que me parece tan abusivo y tan hipócrita como sería prohibir comer langostas o camarones con el argumento de que no se debe hacer sufrir a los crustáceos (pero sí a los cerdos, a los gansos y a los pavos). La restricción de la libertad que ello implica, la imposición autoritaria en el dominio del gusto y la afición, es algo que socava un fundamento esencial de la vida democrática: el de la libre elección.

La fiesta de los toros no es un quehacer excéntrico y extravagante, marginal al grueso de la sociedad, practicado por minorías ínfimas. En países como España, México, Venezuela, Colombia, Ecuador, Perú, Bolivia y el sur de Francia, es una antigua tradición profundamente arraigada en la cultura, una seña de identidad que ha marcado de manera indeleble el arte, la literatura, las costumbres, el folclore, y no puede ser desarraigada de manera prepotente y demagógica, por razones políticas de corto horizonte, sin lesionar profundamente los alcances de la libertad, principio rector de la cultura democrática.

Prohibir las corridas, además de un agravio a la libertad, es también jugar a las mentiras, negarse a ver a cara descubierta aquella verdad que es inseparable de la condición humana: que la muerte ronda a la vida y termina siempre por derrotarla. Que, en nuestra condición, ambas están siempre enfrascadas en una lucha permanente y que la crueldad -lo que los creyentes llaman el pecado o el mal- forma parte de ella, pero que, aun así, la vida es y puede ser hermosa, creativa, intensa y trascendente. Prohibir los toros no disminuirá en lo más mínimo esta verdad y, además de destruir una de las más audaces y vistosas manifestaciones de la creatividad humana, reorientará la violencia empozada en nuestra condición hacia formas más crudas y vulgares, y acaso nuestro prójimo. En efecto, ¿para qué encarnizarse contra los toros si es mucho más excitante hacerlo con los bípedos de carne y hueso que, además, chillan cuando sufren y no suelen tener cuernos?

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 22:47
Link do post | Comentar

Sindicatos, segundo Chaparro

 

A perplexidade mais assinalada perante a anunciada destruição massiva de postos de trabalho em Cuba (centenas de milhar - e que pode atingir um terço da população trabalhadora – e que se programa transferir para o mercado “privado” ali designado como “por conta própria”) é o papel cúmplice com estas medidas por parte dos sindicatos cubanos oficiais. Como imaginar que uma central sindical, para mais num país em que se declara que são os operários e os camponeses que estão no poder, possa ser um parceiro do governo em medidas que declaram a intenção de proceder a um tal sismo social? Arriscamos a afirmar, até, que a história do sindicalismo amarelo e da central mais ranhosa no colaboracionismo de classe jamais registou uma idêntica traição aos trabalhadores representados através de uma sujeição tamanha à vontade de um Estado-patrão.

Naturalmente, o PCP, tão cioso do respeito pelos direitos laborais e campeão das lutas sindicais, não terá deixado de integrar o grupo dos perplexos perante a monstruosidade da traição sindical cubana. E uma delegação de dirigentes do PCP foi a Cuba ouvir explicações acerca das enormidades sociais cubanas. Quanto ao resultado, leiam-se então os esclarecimentos prestados ao “Avante” pelo seu dirigente Chaparro no regresso da “visita de estudo” a Cuba e que constitui uma pérola de discurso burocrático típico do funcionário comunista imbecilizado e que mistura dois seguidismos – o dos sindicatos cubanos para com a ditadura cubana e o do PCP para com o mesmo regime – resultando numa sopa de letras tão estúpida quanto ridícula:

O seu papel [da CTC – Central dos Trabalhadores Cubanos] é envolver todo o povo no processo de consulta sobre as medidas propostas, visando construir um consenso político em torno das decisões a tomar pela Assembleia do Poder Popular, que, contrariamente à ideia que passou em Portugal, ainda não legislou sobre o conjunto das medidas. A CTC tem um papel central. Desde logo pelo seu «peso» político. Num país onde a sindicalização é uma decisão individual e livre de cada trabalhador, os filiados nos sindicatos da CTC representam 95% dos trabalhadores. Quer isto dizer que a CTC está neste momento a discutir directamente com cerca de três milhões e quatrocentos mil trabalhadores as medidas propostas e a sua aplicação concreta em cada local de trabalho. Mas a CTC não discute apenas com os seus filiados, promove o debate com todos os trabalhadores, à semelhança do Partido e de muitas outras organizações de massas, como os Comités de Defesa da Revolução. Mas não é só a capacidade mobilização que dita a importância da CTC neste processo. A Central tem tido, como estrutura sindical, uma participação directa no estudo e definição das medidas, garantindo à partida que os direitos laborais e o controlo operário da economia não são tocados com estas medidas e que os trabalhadores são quem discute e decide da sua aplicação em cada local de trabalho, através da eleição de comités com a participação de um elemento da administração, um do movimento sindical e mais 6 trabalhadores eleitos pelos seus pares. Ou seja, o papel da CTC é o de assegurar que a participação dos trabalhadores é garantida, e mais que isso, determina o resultado final deste processo.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 17:04
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

… “un setentón juvenil” …

 

Leia-se aqui um artigo muitíssimo interessante sobre a obra de Vargas Llosa feita por Héctor Abad Faciolince, escritor colombiano.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 15:28
Link do post | Comentar

Um Nobel de entre os que mais tardaram

 

Recorde-se aqui uma entrevista dada por Vargas Llosa a Carlos Vaz Marques.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 14:59
Link do post | Comentar

No euro-basket

 

Há que somar para seguir.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 14:50
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

Um dissonante no pântano do situacionismo socrático

 

Henrique Neto, socialista, empresário, em recente entrevista ao “Público”:

• Pelo que se ficou a saber, certo é apenas que os portugueses pagarão, em 2011 e nos anos seguintes, os erros, a imprevidência e a demagogia acumulada em cinco anos de mau Governo. É por isso que, nestas circunstâncias, falar da coragem do primeiro-ministro e do ministro das Finanças, como alguns têm feito, é um insulto de mau gosto a todos os portugueses que trabalham, pagam os seus impostos e vêem defraudadas as suas expectativas de uma vida melhor. As medidas propostas, sendo inevitáveis, dada a dimensão da dívida e a desconfiança criada pelo Governo junto dos credores internacionais, não tocam no essencial da gordura do aparelho do Estado e nos interesses da oligarquia dirigente. Mas o pior é que estas medidas, pela sua própria natureza, não são sustentáveis no futuro e não é expectável que, com este Governo, se consiga o crescimento sustentado da economia.

• Tanto quanto se sabe, o Governo não cumpriu as medidas acordadas com o PSD, do lado da despesa, no PEC (Plano de estabilidade e Crescimento) 1 e no PEC 2. Mas, como todos sabemos, a contabilidade governamental é elástica e algumas das medidas agora apresentadas terão efeito ainda este ano, pelo que seria um absurdo indesculpável o Governo não cumprir o objectivo do défice para 2010.

• Os livros de Economia ensinam que estas medidas matam qualquer economia, e essa é uma razão adicional para as evitar em tempo útil, com bom senso e boa governação. Em qualquer caso, temos a vantagem de ser um pequeno país e acredito que as empresas têm condições para salvar a economia portuguesa. Mas, para isso, precisam de uma estratégia nacional clara e coerente, um Estado sério e competente que defenda o interesse geral e uma profunda reforma ao nível da exigência educativa. O objectivo principal terá de ser subir na cadeia de valor através da inovação e de recursos humanos mais qualificados.

• Um Governo que deixou chegar as finanças à presente situação, dificilmente evitará a vinda do FMI.

• A consolidação das contas públicas é uma condição necessária mas não suficiente. Apenas o crescimento sustentado da economia abrirá novas perspectivas aos portugueses. Mas, neste domínio, José Sócrates iludiu, durante cinco longos anos, todos os reais problemas da economia através de um optimismo bacoco e inconsciente.
Não o fez apenas por ignorância, mas para servir os interesses da oligarquia do regime, através da especulação fundiária e imobiliária, das parcerias público-privadas, dos concursos públicos a feitio, das revisões de preços e de uma miríade de empresas, institutos, fundos e serviços autónomos, além das empresas municipais. Regabofe pago com recurso ao crédito e sem nenhum respeito pelas gerações futuras.

• (…) a dívida pública que os últimos governos deixaram acumular deveria constituir crime público. Porque nos tornou dependentes dos credores internacionais e coloca em causa o bem mais precioso de qualquer país, que é a independência nacional. Que, no caso de Portugal, tem mais de oito séculos e custou muito sofrimento. Aliás, por isso, e talvez não por acaso, infelizmente, são cada vez mais frequentes as tiradas vindas de alguns sectores apregoando que o país não é viável e que os portugueses não se sabem governar, ou que a solução dos nossos problemas passaria por uma qualquer união ibérica.

• Teria sido possível [cumprir as metas orçamentais] se a previsão fizesse parte do léxico do Governo de José Sócrates. Mas como, a três meses do final do ano, o ministro das Finanças ainda precisa de medidas adicionais e pede à oposição que lhe indique onde cortar na despesa, a resposta é não, no curto prazo, os impostos adicionais são inevitáveis.

• A ideia com que se fica é que o primeiro-ministro não leva em conta o interesse nacional, mas os interesses dos grupos de pressão dos sectores financeiro e das obras públicas, o que é a única explicação para a dimensão dos erros cometidos. Estamos a construir mais auto-estradas que ficam vazias e sem carros e um TGV com um traçado que não favorece a economia, ao mesmo tempo que nada foi feito para termos um porto de transhipment e transporte ferroviário de mercadorias para a Europa, investimentos cruciais em logística, para podermos ambicionar atrair mais investimento estrangeiro e desenvolver uma verdadeira capacidade exportadora. Em qualquer caso, contra toda a sanidade económica e financeira, o Governo não parou a maioria das obras programadas e utilizará o fantasma das indemnizações aos empreiteiros para as não parar.

• Infelizmente, Portugal está na senda de escolher jovens primeiros-ministros que não sabem do que falam. O que é agravado pela inexistência de uma estratégia nacional integradora das grandes decisões de investimento público. Desta forma, os investimentos são encarados como obra pública avulsa, o que conduz a cada cabeça cada sentença. Pedro Passos Coelho é parte desse problema, que, além disso, permite as constantes mudanças de opinião.

• É inegável que existe um bloco central inorgânico na política portuguesa, que defende interesses privados ilegítimos e permite a acumulação de altos e bem pagos cargos na administração do Estado e nas empresas do regime. O que é facilitado pelo chamado centralismo democrático praticado nos diversos partidos políticos e pela habitual passividade e clubismo do povo português. Nesse capítulo, atingimos o ponto zero da moralidade pública e não vejo como será possível colocar a economia portuguesa no caminho do progresso e do crescimento, com algumas das principais empresas e grupos económicos a poderem ter relações privilegiadas com o poder político e a ser-lhes permitido fugir da concorrência e dos mercados externos, por força do clima de facilidade e de privilégio que detêm no mercado interno.

• Não sei quando é que os portugueses dirão "basta!". Mas sei que o maior problema resultante da imoralidade das classes dirigentes é a pedagogia de sinal negativo que isso comporta. Infelizmente, muitos portugueses têm a tentação de pensar que, se alguns enriquecem de forma fácil e rápida por via da sua actividade política, isso também lhes pode acontecer a eles no futuro. Fenómenos como o BPN e o BPP têm muito a ver com esta amoralidade geral reinante. Por outro lado, como pode o cidadão comum combater a corrupção, se o próprio Governo não fizer o que deve e pode para encabeçar esse combate, como ainda aconteceu recentemente?


(publicado também aqui)

 
Publicado por João Tunes às 21:21
Link do post | Comentar

Guennadi Ianaiev (1937-2010), coveiro da URSS e do PCUS

 

A associação imediata relacionada com Guennadi Ianaiev, agora falecido na Rússia, é a de que se tratou de um individuo que pertenceu ao "grupo" dos grandes desleais. De facto, enquanto Vice-Presidente da URSS, chefiou o golpe que visava destituir Gorbatchov da presidência da URSS e da direcção suprema do PCUS (em Agosto de 1991). Um equivalente à traição praticada por Pinochet contra Allende, em 1973, utilizando a posição de Chefe das Forças Armadas Chilenas.

Já na fase terminal do regime comunista, em que a inépcia trapalhona dos golpistas foi evidente, Ianaiev tomou a cabeça do golpe mais pelo grau da sua posição na hierarquia da URSS que pela sua aptidão para efectivar golpes de estado em que mostrava que esta competia com a apetência pelo consumo imoderado de vodka. Visando o recuo da perestroika através de um neo-brejnevismo (mas que levou, antes, ao fim da URSS e do PCUS), Ianaiev (que fizera carreira no PCUS nas mais altas responsabilidades, nomeadamente à frente das Juventudes e dos Sindicatos) deu a cara juntamente com outros cabecilhas: Vladimir Krioutchkov, chefe da KGB; Dimitri Yazov, ministro da Defesa; Boris Pugo, ministro do Interior.

Em termos objectivos, Ianaiev, com o golpe falhado de que foi formalmente o seu chefe, reparte com Ieltsin (que cavalgou o contra-golpe), ambos a cilindrarem Gorbatchov, a responsabilidade política pelo fim da URSS e do PCUS, bem como o fechar de portas do sistema comunista mundial. Quem certamente não contava com o desfecho verificado no golpe dos aparatchicks soviéticos foi a direcção então instalada no PCP e que precocemente embandeirou em arco e emitiu, logo a seguir à conferência de imprensa dos chefes golpistas, um comunicado da sua alta direcção exprimindo a confiança na vitória dos golpistas (comunicado este que provocou a repulsa de muitos militantes do PCP, tendo havido inclusive um grupo que tomou posição pública contra o seguidismo do PCP relativamente aos golpistas soviéticos – na linha do que o mesmo PCP havia feito em 56 com a invasão da Hungria, em 68 com a invasão da Checoslováquia, em 79 com a invasão do Afeganistão, em 80 com o estado marcial na Polónia - e a que a direcção do PCP respondeu com a expulsão do partido).

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 00:42
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Terça-feira, 5 de Outubro de 2010

VIVA A REPÚBLICA! VIVA A CARBONÁRIA!

Publicado por João Tunes às 00:01
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

Para alimentar o optimismo messiânico e patriótico relativamente aos próximos jogos da selecção nacional

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

Cada povo tem o Tiririca que merece

 

O Brasil já tem o seu Tiririca-deputado (recolheu mais de um milhão e trezentos mil votos). Nós, por cá, vamo-nos remediando com um tal Ricardo Gonçalves, versão parola de Tiririca lusitano.

(publicado também aqui)
Publicado por João Tunes às 11:07
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO