Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

Custa ler mas porque não ler?

 

Luís Januário:

 

A nossa selecção de futebol é muito inferior à espanhola. A nossa selecção de jornais também. A de colunistas nem se fala, embora seja difícil imaginar com quem se pode comparar um imbecil ilustrado como VPV, um católico ultramontano como César das Neves ou um diletante como MST. Se nos compararmos, perdemos em quase tudo: na poesia, na novela, na viola de gamba, na saúde oral e no tamanho dos narizes. Ontem viu-se, quando as câmaras focavam a assistência: uma mulher guapíssima passando bâton pelos lábios, alternava com um broeiro lusitano, atarracado e hirsuto.
A Espanha teve de tudo e a sério. Teve anarquistas e falangistas, brigadas internacionais e fossas comuns. Na primeira metade do século XX a Igreja Católica em Portugal foi nojentinha. Em Espanha foi mesmo nojenta.
Hoje estamos como sempre fomos - se excluirmos o breve período em que um bruxo brasileiro, com o apoio do Marcelo das bandeiras, fez psicoterapia de grupo à selecção de futebol e hipnose ao País. Condenados ao Sócrates e ao clone barítono, aos socialistas entre a jugular e a estomáquica, aos sociais-democratas revirgens como um rapaz de Blake, aos estalinistas e à esquerda alternativa. Ao senhor Silva e ao comendador Loureiro. Ao fartote, ao rega-bofe, à depressão cortical, ao fado da humanidade imaterial, à maldição insular que atingiu Antero e ainda chega até nós, como um anticiclone que vem dos Açores.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 16:57
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Empate póstumo a caminho de uma trapalhada

 

    

 

David Villa não foi convocado para a Assembleia da PT e a Telefónica viu o seu negócio na Vivo furado por uma golden share num penalty duvidoso. 

  

Cheira-me que vamos ter muita tinta a correr nas secretarias judiciais transeuropeias. Pode uma golden share vetar uma decisão maioritária dos accionistas relativamente à venda de uma participação numa empresa estrangeira e a actuar num mercado estrangeiro? Ou trata-se de uma mera exibição do poder majestático e patrioteiro do São Estado, normalmente do agrado do radicalismo nacionalista que por cá se usa? Cheira-me que o governo, pressionado pelo ultra-liberal PSD e pela Comissão Barroso, comprou mais uma trapalhada.  

 

(publicado também aqui

Publicado por João Tunes às 16:16
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Vasco na unidade dos contrários

 

A crise económica e financeira, a degradação política e social e o aviltamento das lideranças partidárias empurram muitos cidadãos para a desvalorização da democracia e para o transbordo das margens institucionais do regime, exigindo, antes, soluções fortes, uns de punho fechado e outros com a palma da mão estendida, ambos rivais mas ambos convergindo na pressa em verem a democracia e as liberdades serem suficientemente desvalorizadas pela inépcia de governantes incompetentes, coleccionando e pondo a render juros os mais que justos descontentamentos sociais. Foi sempre assim quando se chega a um ponto em que a democracia não enche barriga.

Vasco da Graça Moura terá direito a ser considerado como o intelectual mais orgânico e mais oportunista do reaccionarismo laranja. E paga com fogosidade escrita as sinecuras com que sempre cobrou as suas fidelidades calculadas. Não se esqueceu de agradecer a Durão Barroso a misericórdia de um lugar de deputado europeu; seguiu Manuela Ferreira Leite como um pajem das letras e das crónicas; insultou os eleitores portugueses pelas suas últimas escolhas que não premiaram as suas (dele); tendo cometido a gaffe de, no afã de entronar Rangel, dizer que a eleição de Passos Coelho seria uma desgraça para o PSD, rapidamente meteu essa viola no saco; agora agarra-se a Cavaco como um partigiani sidonista.

Enquanto os leninistas dúplices salivam pela sempre eminente derrocada do sistema capitalista que engula a democracia portuguesa, cumprindo-se assim e postumamente a profecia de Cunhal de que em Portugal não é possível existir uma democracia burguesa, Vasco – claramente – e outros - pela surdina – , olham para Belém com a esperança dos neo-sidonistas, mostrando já sinais de impaciência:

Enxofrado fico eu, por o Presidente da República ainda não ter posto esta gente no olho da rua.

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 15:36
Link do post | Comentar

Para suturar eventuais feridas anti-hispânicas que tenham ficado de ontem

Ontem à noite, com Madrid sem Metro (parado por uma greve sem serviços mínimos), sob ameaça de chuva, 2.500 madrilenos prescindiram de ver a transmissão televisiva do derby ibérico na África do Sul e não faltaram na Puerta del Ángel para ouvirem a guitarra que Paco de Lucía transforma em magia andaluza feita de flamenco. Levaram rádios a pilhas para seguirem o massacre dos navegadores inocentes e acobardados vindos das praias lusitanas e ali festejaram o desfecho, enquanto o genial guitarrista que Algeciras viu nascer aguentou em espera que passassem vinte minutos sobre a confirmação e festejo da vitória de La Roja para entrar em palco e pegar na guitarra. Depois da lide espanhola dos nove mansos chefiados pelo manso-maioral Queiroz, em que só Eduardo e Fábio destoaram mas não chegaram para as encomendas da bravura que se pedia e esperava, a faena da passada noite madrilena tinha, guardada para climax, a forma de uma guitarra entregue a um deus da música. Assim, como ser-se anti-hispânico? Antes, apetece é ouvir-se um pouco do genial Paco. Para limpar os resquícios da xenofobia peninsular, a de cá e a de lá. E que a música reúna o que o futebol obriga a separar. 

                                                                     

 

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:25
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

Feio, muito feio

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 00:05
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Apesar de me irritarem os zumbidos, antes tocasse vuvuzela

 

Refiro-me a este animal.

Publicado por João Tunes às 23:30
Link do post | Comentar

Satisfação única

 

Moro longe da raia e, no final, não ouvi vuvuzelas.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 22:57
Link do post | Comentar

O doce e melodioso papel das criancinhas que temperam o aço de que é feito um revolucionário competente

 

(em homenagem a dois posts magníficos e imperdíveis - este e este)

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:53
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

A burguesia que tenha medo, muito medo. Porque o comité central já avaliou.

 

«A nossa candidatura travará a batalha em condições iguais com qualquer outro candidato. Aquilo que o comité central avaliou é dar força a essa candidatura para disputar no terreno, e com a perspectiva de ir a votos, uma batalha que consideramos crucial»

Publicado por João Tunes às 16:58
Link do post | Comentar

Um passado "insustentável"

 

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 16:33
Link do post | Comentar

Cara e coroa da mesma moedinha

 

Manuel António Pina, no JN:

 

O pessimista diz que "há bastante tempo que o país se encontrava numa situação económica insustentável". O optimista que "nos primeiros três meses o crescimento da economia portuguesa foi muito positivo, nos primeiros cinco meses a execução orçamental foi muito encorajadora e devemos deixar uma palavra de confiança a todos os empresários e agentes económicos", até porque, se são já 285 mil as pessoas que recorrem diariamente ao Banco Alimentar Contra a Fome, há, desde o ano passado, mais 600 milionários em Portugal, ou, postas as coisas à maneira de Cesariny, "se há gente com fome/assim como assim ainda há muita gente que come".

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 12:37
Link do post | Comentar
Domingo, 27 de Junho de 2010

Novas tecnologias no futebol, como pediu Capello

 

Confirma-se, não existiu segundo golo de Inglaterra. A bola não passou o risco da linha de baliza.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:38
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Tentação por imitações malvadas

 

É preciso ser-se muito virtuoso para alguém, ao ler esta notícia, não pense logo na Madeira e em Porto Santo. É o meu caso, mas eu sou uma raridade santificada em questões de patriotismo.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 13:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Quinta-feira, 24 de Junho de 2010

A bófia que trate dos pedófilos de sotaina que empestaram, há muito, a Igreja Católica com o abuso e o crime

 

É isso. E sigam as rusgas nas capelas e nas sacristias.

 

Imagem: Foto de 1985 com o bispo pedófilo Roger Vangheluwe a acompanhar o Papa João Paulo II numa visita à Bélgica.

 

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 23:28
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Versão Zézinha sobre a origem dos novos milionários

 

O número de milionários aumentou em Portugal, que seguiu a tendência mundial, mesmo em ano de crise e recessão, revela um estudo mundial feito todos os anos realizado pela Cap Gemini e pela Merrill Lynch e relativo a 2009.

De acordo com este estudo, há 11 mil pessoas com uma fortuna acima de um milhão de dólares, ou seja mais de 800 mil euros, mais 5,5 por cento que em 2008, ano em que foram contabilizadas menos de 10500 fortunas desta dimensão.

 

(notícia da TSF)

 

Ao longo dos últimos anos, Portugal tornou-se um país de dependentes. Um número crescente de pessoas usufruiu de subsídios e a falta de acompanhamento e avaliação das situações levou a uma espécie de "turismo" da falsa pobreza pelos meandros do sistema, acumulando prestações dentro do mesmo agregado e conseguindo viver de expedientes, ou seja, à custa de todos nós. Em flagrante e ofensivo contraste com a classe média e média baixa que trabalhava, pagava os seus impostos e não tinha um único almoço grátis.

 

(Deputada Maria José Nogueira Pinto, no DN)

 

(publicado também aqui) 

Publicado por João Tunes às 22:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO