Domingo, 28 de Fevereiro de 2010

Quem terá sido o blogger que ameaçou o seu líder laranja com uma bomba?

 

Luís Filipe Menezes no JN:
 

Apimentado com excessos estalinistas, como os que fizeram com que um conhecido bloguista laranja virasse as setas do PSD ao contrário, e saudoso dos seus tempos de revolucionário de meia tigela, tivesse ameaçado afastar o líder à bomba.

 

Publicado por João Tunes às 23:24
Link do post | Comentar

8

 

O hooligan do cantinho atrasou-se ainda mais. Agora, passou dos 5 da semana ida para 8 (oito) pontos atrás do Braga. A coisa está preta.

 

Publicado por João Tunes às 23:04
Link do post | Comentar

Gritem lá "Ibon Gogeaskoetxea amigo, jamais serás vencido"

 

Caiu Ibon Gogeaskoetxea, o pistoleiro chefe da ETA. Não foi em Moncorvo nem em Óbidos, foi no norte de França. Os nossos patrícios políticos da revolução em stand-by, cúmplices antigos na solidariedade cobarde para com a ETA, são contumazes a lançarem panfletos amigos para ajuda aos bandoleiros racistas etarras  (estes criminosos políticos que não imaginam luta política sem bombas nem sangue que “limpem” os atilhos que emperram a afirmação da “superioridade rácica basca”), bastando para constatar isso, ser-se leitor habitual do "Avante". Excepto se estes, os etarras, se aproximarem demasiado. Porque, logo que metidos os etarras em refúgio e construindo bases operacionais entre nós, provavelmente contando com benefícios de cumplicidades tugas canalhas, calaram-se os protestos quando estes são extraditados de Portugal para Espanha (os caçados em Moncorvo) ou são detectados, como em Óbidos, com a bomba na botija. Agora, Ibon Gogeaskoetxea e seus capangas foram caçados, mas em França. Soltem-se, pois, os protestos dos patrícios “internacionalistas”. Temos saudades dos gritos revolucionários, cobardes mas política e ideológicamente genéticos, que incluem o crime, o tiro e a bomba como argumentos que limpam a ideia da democracia dos seus defeitos e pecados originais.

 

Publicado por João Tunes às 15:56
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

A malta da D. Dinis em Chelas, portou-se mal para merecer tamanho castigo?

 

Ontem participei num colóquio na Escola D. Dinis, em Chelas, Lisboa, sobre o papel da UE na promoção da paz e da justiça entre as nações.
 
Ainda se o tema fosse “como se fazer uma campanha eleitoral desastrosa conseguindo ser desfeiteado pelo Paulo Rangel”, vá que não vá. Mas um mestre perdedor descer de Estrasburgo e Coimbra para torturar jovens em Lisboa com uma prédica “sobre o papel da UE na promoção da paz e da justiça entre as nações”, só por castigo. Partiram vidros quando brincavam no recreio? Só pode.

 

Publicado por João Tunes às 15:11
Link do post | Comentar

Difícil é uma mulher interessante não dar entrevistas interessantes

 

Como aqui, sem falhas.

 

Publicado por João Tunes às 12:11
Link do post | Comentar
Sábado, 27 de Fevereiro de 2010

Arrastem rápido mais cinco petições abrangentes e pedagógicas, de preferência antes que seja tarde demais

 

Eduardo Díaz Fleitas, Diosdado Gonzalez, Nelson Molinet, Fidel Suárez Cruz e Guillermo Fariñas entraram em greve da fome, exigindo a libertação dos 200 presos políticos cubanos.

 

Publicado por João Tunes às 00:19
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

A bota não joga com a perdigota porque o luto ficou a meia haste?

 

Está na hora, ansiosamente esperada, de discordar com a minha querida companheira e amiga Joana Lopes. É que o que se confessa aqui, reincide aqui. O imperialismo é uma peste, o bloqueio a Cuba é uma estupidez (sobretudo em termos de estratégia de recuperar Cuba para a democracia), mas os males para o povo e os crimes contra a humanidade em Cuba não são consequência do imperialismo (ou seja, não é uma necessidade resultante de um fatalismo anti-imperialista) nem resultam do bloqueio. São, antes, marca genética do tipo de regime, do comunismo, irrealizável, a menos que se seja um eurocomunista serôdio, fora do quadro de uma revolução ou golpismo, culminando sempre num despotismo que se pretende legitimado porque iluminado em nome de uma elite de vanguarda ou de profetas visionários. A enumeração das demonstrações por listagem dos regimes siameses que os povos varreram como lixo seria enfadonha mas a China, global e grande investidora na dívida pública americana, está aí, em carne viva, para o demonstrar. Claro que o bloqueio norte-americano explica uma parte da forma específica como o comunismo cubano oprime o seu povo, nomeadamente enquanto álibi da miséria como factor de uniformização igualitária (que não atinge as elites do regime), mas, com ou sem bloqueio, com ou sem imperialismo, uma tirania só sabe tiranizar.
 

Invocar pergaminhos anti-imperialistas e nojos por bloqueios como higiene prévia para assinar uma petição que condene o crime cometido pelo regime cubano contra a vida de Orlando Zapata Tamayo, apelando à concretização dos direitos naturais dos cubanos a acederem à democracia e à liberdade, é, a meu ver, uma espécie de opção pela ambiguidade, uma reverência para com os posters dos barbudos caídos das paredes, um abraço falhado sobre os ombros de dor da mãe de Orlando Zapata, um contigo sem ti. Só faltou uma adenda justificativa pela homenagem, comum aos prosélitos filo castristas, sobre as maravilhas de saúde e educação que maltrataram os ossos de Orlando Zapata Tamayo e estudaram o plano do estado de sítio para conterem revoltas libertárias no seu funeral. Um preto, pobre e subversivo, como foi Orlando Zapata Tamayo, merecia dos utópicos persistentes que querem socialismo e liberdade, mais que esta petição ambígua e envergonhada, um grito não condicional, sem partilhar a ambiguidade de Pilatos que retrata um estadista com o desenho de Lula.

 

Publicado por João Tunes às 16:03
Link do post | Comentar | Ver comentários (10)
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

Estranha condição

 

Vasco Graça Moura no DN:
 
A derrota de Passos Coelho é a primeira condição para a derrota do actual Governo.

 

Publicado por João Tunes às 23:02
Link do post | Comentar

Um problema, o da transvia falhada

 

Manuel António Pina no JN:
 
Cuba é um problema que, como muita gente da minha geração, tenho comigo mesmo. Nos anos 60, quando o pesadelo soviético era mais que evidente, a Revolução Cubana iluminou de súbito o nosso sonho de uma sociedade livre e igualitária, e tanto desejámos esse sonho que aceitámos qualquer desculpa para as suas traições. Acordámos dele a custo para descobrir, como Sam Spade em "O falcão de Malta", de Dashiell Hammett, que é chumbo a matéria de que são feitos os sonhos.

 

Publicado por João Tunes às 18:22
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

Pobre, preto, subversivo? Prende, tortura, deixa morrer!

 

Parece um som ecoando na noite salazarista e vindo da cólera dos tempos do colonial-fascismo, quando se ouviam gritos soltos, abafados mas valentes, contra a morte de um preto pobre que se atreveu a ser subversivo, difundido pela Rádio Voz da Liberdade a partir de um estúdio em Argel ou pela Rádio Portugal Livre através de um microfone de Ceauscescu cedido na Rádio Bucareste. Mas não, não é. Ou é?

 

Publicado por João Tunes às 22:43
Link do post | Comentar

E por falar em punhos, o que Sócrates merecia era levar nas fuças (políticas) com um dos comícios do PS de antigamente

Publicado por João Tunes às 15:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

Uma verdade com a força de um punho

 

Aqui.

 

Publicado por João Tunes às 15:01
Link do post | Comentar

Mais um esqueleto para os armários dos Castro e seus adeptos

 

Orlando Zapata Tamayo, 42 anos, dissidente do comunismo cubano, condenado em 2003, juntamente com mais 74 cubanos, a 25 anos de prisão política, morreu ontem em Havana por consequência de uma greve da fome de protesto contra os maus tratos e condições prisionais que tinha iniciado em Dezembro passado.
 
A blogger Yoani Sánchez recolheu um depoimento da mãe de Orlando Zapata Tamayo que em cima se reproduz.
Publicado por João Tunes às 11:09
Link do post | Comentar

Lembrar, lembrar sempre

 

Fez ontem 23 anos que, no Hospital de Setúbal, nos morreu o José Afonso. Que, “antes” da “data”, cantava assim, muitas vezes não cantando, como nos lembra o Isidoro de Machede, meu compadre honoris causa, homem justo, despachado, bom de escrita e memória:
 
O concerto estava marcado para as nove da noite no Cine Teatro em Viana do Alentejo. O pai do ‘Boquinhas’, dono do local, emprestou a sala de borla. Os músicos e cantores eram o Zeca Afonso, o Francisco Fanhais e o Grupo de Cante dos Vindimadores da Vidigueira dinamizado pelo João Manuel Mansos.
Desde da manhã que a pacata Vila de Viana conhecia um movimento desusado de gente. De Évora viriam, mais tarde, camionetas de carreira carregadas de gente. Das redondezas da Vila apareceriam, pelos seus próprios meios, ainda mais um ror gente. Lembro-me, perfeitamente, de ter encontrado um jovem de barba rala, de mochila às costas, vindo à boleia do Porto. Fiquei estupefacto. A coisa prometia. Mais um indício do princípio do fim do regime.
À hora marcada, o largo frente ao Cine Teatro estava à cunha de pessoal. Se não estou em erro, o sargento da GNR da Vila, subiu os degraus da porta principal da sala e anunciou que, por ordens superiores, o concerto estava cancelado.
Foi a agitação geral. O Zeca e os outros cantores que se encontravam no meio do pessoal, começaram a cantar os ‘Vampiros’. O Chico Baião, com uma pequena flauta, acompanhava a solo a já famosa cantiga. Nada tardou que, em uníssono, o largo se tivesse transformado num imenso coro de protesto.
Dos lados da praça principal, a alta velocidade, surge o célebre volkswagem azul FE-52-24. De dentro da tenebrosa carripana, sai arfante de fúria o obeso chefe Melo, esbirro maior da delegação da Pide em Évora. Empurrão daqui, empurrão dali, tenta chegar junto dos cantores. Com a tarefa dificultada pela mole humana, não é de modas e furibundo puxa da pistola ao mesmo tempo que dá ordem de dispersão. Com algum custo a malta esgueira-se do largo.
Sozinho, no meio do largo, ficou apenas o Chico Baião continuando impávido a tocar a melodia na pequena flauta. Incrédulo com a ousadia, o gordo chefe Melo, tirou-lhe a flauta das mãos e pisou-a a pés juntos.

 

Publicado por João Tunes às 10:39
Link do post | Comentar

Na mouche: “nada o demove porque nada o comove”

 

Não pode ser humano alguém que aguenta há tanto tempo o que Sócrates tem aguentado de acusações ao seu carácter (sobretudo se está inocente, como afirma) sem um tremor de voz, um franzir de sobrancelhas, um humedecimento de olhos, uma transpiração de mãos, sei lá... qualquer sinal de que "sente", além de pensar. À nossa frente não esteve apenas um animal feroz, esteve sobretudo uma criatura que não deprime nunca, que é totalmente impermeável a ataques, por mais graves que sejam, e de uma frieza e capacidade de resistência que fariam empalidecer de vergonha qualquer mártir cristão e transformar a Joana d'Arc num calimero. Por baixo do impecável fato escuro e da gravata monocórdica só pode haver um mutante, daqueles que parecem quase, quase humanos, não fora o chip que os comanda não incluir o ficheiro das emoções. Se lhe picarmos a pele com um alfinete, aposto que não sai nem um pingo de sangue. Diz exactamente o que está programado para dizer, sem espaço para o menor improviso ou jogo de cintura espontâneo. Se lhe sai uma pergunta fora do alinhamento, rebobina e recomeça do princípio, com toda a calma. Miguel Sousa Tavares, entusiasmado ao princípio por achar que lhe arrancaria uma qualquer reacção que traísse desconforto, tristeza ou  hesitação, foi desistindo aos poucos até desanimar completamente, ao perceber que falava com um muro de cimento armado. Esta entrevista teve em mim um efeito revelador. Percebi finalmente, com enorme apreensão, qual é o grande trunfo de Sócrates: nada o demove porque nada o comove. E não sei o que se passa convosco, mas a mim preocupa e assusta saber que o país está entregue a uma espécie de robocop em versão Armani.

 

Publicado por João Tunes às 10:16
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO