Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

ELIXIR MARXISTA DE CARTILHA

 

O Comité Central considera que esta nova crise do sistema capitalista revela, como tem sido assinalado, em particular em sucessivas Resoluções Políticas dos Congressos do PCP, a sua natureza estrutural e sistémica, evidencia os limites históricos do capitalismo e o seu carácter explorador, opressor e destruidor, confirmando a validade das teses fundamentais do marxismo-leninismo sobre o capitalismo, seu funcionamento e desenvolvimento.
Aos trabalhadores e aos povos do mundo está colocada como grande exigência do nosso tempo, a luta por profundas transformações sociais e económicas antimonopolistas e libertadoras, pela superação revolucionária do capitalismo e pela construção do socialismo como única, real e necessária resposta à profunda crise do sistema.
(Do comunicado da reunião do CC do PCP de 27/10/2008)
Publicado por João Tunes às 17:48
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)

CRISE NO MERCADO DO RISO

 

É suficiente o silêncio arrastado de referências desde que os “gatos fedorentos” começaram a emitir na SIC, para se concluir que o modelo continuado dos seus programas está gasto, sendo agora uma penosa repetição requentada e enfadada do já visto e mastigado. E é lamentável se os autores não se derem conta disso, insistindo em disco gasto. Tanto mais que são tipos inteligentes e que faziam falta para animar a malta. Assim sendo, deviam entender que se mudaram para a SIC por razões de mercado, não mudando de produto, a prateleira onde vendiam humor foi entretanto ocupada, com proveito público, por outros, seus concorrentes contemporâneos. São as leis do mercado, senhores mercadores do riso.

 

Publicado por João Tunes às 17:27
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

HÁ CRISE NA ALDEIA

 

         

 

A querela prolongada e crispada do desentendimento entre Cavaco Silva e Sócrates sobre o Estatuto dos Açores é medida exasperante do provincianismo instalado na política portuguesa. Pela forma desproporcionada de se valorizarem coisas pequenas em tempo de problemas graúdos. Em vez de mandarem os seus assessores jurídicos entenderem-se, dão foros de crise grave a um problema de escrita burocrático-jurídica. Nunca a Covilhã esteve tão perto de Boliqueime. Com a Aldeia da Crise ao fundo, entre as brumas.

 

Publicado por João Tunes às 11:59
Link do post | Comentar
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

NÃO MORREU DE AMIGLADITE

Morreu Gerard Damiano, realizador de “Garganta Funda” (1972) que foi um sucesso de bilheteira também em Portugal (imediatamente após o 25 de Abril). Foi vitimado por um derrame cerebral.

 

Publicado por João Tunes às 23:48
Link do post | Comentar

ESQUERDA-CENTRO-ESQUERDA-…

 

Vital Moreira:
 
não vejo nenhuma incompatibilidade no facto de um partido de esquerda moderada, como o PS, ter como objectivo disputar à direita o eleitorado do centro, sem perder a esquerda. Um partido socialista/social-democrata moderno tem de ser um partido de largo espectro político-ideológico, abarcando desde o social-liberalismo até à esquerda socialista tradicional.
 
Manuel Alegre:
 

há um grande défice de esquerda na Europa. Uma nova esquerda só poderá nascer de várias rupturas das diferentes esquerdas consigo mesmas.

 

Publicado por João Tunes às 23:32
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

CASTROFOBIA

 

Fonte: Cubanet.

Publicado por João Tunes às 18:53
Link do post | Comentar

NOS BASTIDORES DA SUCESSÃO

 

À primeira vista destinado a públicos sitiados em necrofilias políticas, a dos saudosistas salazaristas e a de algum antifascismo de memória, o livro de Paulo Otero sobre o período que vai do acidente de Salazar em Agosto de 1968 até à sua morte em Julho de 1970 (*), surpreende como relatório (é esse o estilo do livro), aclarando muitos aspectos pouco conhecidos ou ainda não levantados, da atribulada movimentação palaciana nos bastidores da sucessão que levou Marcello Caetano a substituir Salazar na cadeira do poder ditatorial.
 
Sendo o autor um académico de ciências jurídicas, não um historiador, nota-se no livro uma elaboração ético-defensiva na sua feitura em que, sem perder objectividade e o bom tratamento das fontes, arrasta a obra para inúmeras repetições e para uma saturação exasperante de referências às fontes que tornam o livro um desafio à paciência do leitor e à sua boa capacidade de vencer o enfado. Apetecendo dizer que um historiador com boa capacidade de escrita trataria o mesmo tema, sem perda de análise de factos e de ângulos de enfoque, com uma economia superior a metade das páginas impressas.   
 
O tema da análise da transição de Salazar para Caetano, parecendo uma questão já sobejamente conhecida, de que só faltaria a divulgação de quaisquer aspectos anedóticos, surpreende, através do livro de Paulo Otero, como sendo de enorme riqueza identificadora sobre a complexidade e jogos de interesses que atravessavam a elite do Estado Novo, revelando um puzzle de personalidades, ambições e velhacarias frequentemente soterrado em apreciações redutoras e simplistas (de apoio ou de rejeição para com o regime derrubado em 1974). E, neste aspecto, pese embora o suor inútil, por desproporcionado relativamente à sua necessidade, para suportar a leitura do livro, Paulo Otero presta um estimável serviço ao aprofundamento do conhecimento do período político abordado. E se o livro revela a esplendorosa miséria da forma sobressaltada como a elite do fascismo português lidou e geriu a sucessão do Chefe, denotando as suas fragilidades, rivalidades e contradições da época, uma conclusão não equacionada pelo autor permite aproximar uma tese que julgamos implícita e decorrente das demonstradas: a oposição antifascista, apesar das aparências difundidas pela literatura de exaltação, estava na época, como tinha estado antes e esteve depois, numa incapacidade absoluta de, sem o bramir das espadas, apear o regime. Não o ter feito em 1968-70, com a consistência do regime no seu nível mais baixo (se exceptuarmos, para comparação, o período crítico de 1958 com Delgado), provou que enquanto os militares não saíssem dos quartéis não havia hipóteses de “insurreição popular” ou "insurreição nacional" que fossem motores da queda da ditadura e da reimplantação da democracia.
 

(*)“Os últimos meses de Salazar”, Paulo Otero, Edições Almedina

 

Publicado por João Tunes às 00:24
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

UM QUE NÃO QUER DAR TRABALHO AOS BATE-CHAPAS

 

O Cebola quer voltar para o Benfica. Mas dizem-me que não é para jogar, é para poder andar de automóvel.

 

Publicado por João Tunes às 19:18
Link do post | Comentar

CAMA EM CASA NOSSA

 

Ao contrário do meu amigo e consócio Luís que, num mesmo fim-de-semana, conseguiu ser feliz em Matosinhos e em Paços Ferreira, eu confesso que, para o mesmo género de prazer, só consigo ser feliz aqui. Em camas alheias, os lençóis cheiram-me a frio.
 

PS - Para mais, aqui posso expandir-me com o gozo extra de zumbir aos ouvidos da Joana.

Publicado por João Tunes às 15:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)

UM HORROR, AS CRUZES DO CÉSAR

 

O horrorizado César das Neves continua a arrastar a sua (que ele quer seja nossa) cruz:
 
Não existem casais sem problemas. Há os que os ultrapassam e os que não os ultrapassam. Todo o verdadeiro amor passa pela cruz. (*)
(…)
Infelizmente de vez em quando aparecem uns políticos que, descobrindo com surpresa aquilo que toda a gente sempre soube, decidem usar a lei para atacar a civilização. Aconteceu recentemente entre nós com as iniciativas legislativas sobre o divórcio.
(…)

Ninguém nos ganha em sofisticação científica e artística, mas as nossas atitudes perante divórcio e promiscuidade, aborto e eutanásia, pornografia e prostituição horrorizariam até a tribo mais primitiva.

 

----

 

(*) - Não sei o que são verdadeiros ou falsos amores. Amores, sim. Desamores, também. E - que me perdoe o sofrimento auto-flagelado do César e que ele gostaria de espalhar pelo próximo - acumulei, no meu circuito de vida já vivida, talvez porque a vida seja feita de mudança: uma vitória 2-1 no derby casamento-divórcio, nenhuma cruz, zero problemas e sem cartões amarelos ou vermelhos para faltas por culpas.  

Publicado por João Tunes às 12:54
Link do post | Comentar

TÁ LONGA A CAMINHADA, PÁ

 

Com que então, as senhoras já têm acesso à Palavra. Ena pá, o que tanto andaram para só aqui chegarem.

 

Publicado por João Tunes às 12:36
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

NADA PARA O BI NEM PARA O BREVE?

       

 

A ILGA deve andar muito distraída. Ou confusa. Ainda não disse que tinha feito, ou estava a fazer, luto pela perda de Jörg Haider (o Bi) e pela demissão do sucessor deste (o Breve).

 

Publicado por João Tunes às 12:17
Link do post | Comentar

VIAGEM CANSADA DE UM SAUDOSISTA DA UNIÃO NACIONAL

 

No seu movimento político da direita para a esquerda (este começou no "Jovens de Portugal" e no MIRN de Kaúlza e já vai nas bordas de Sócrates, quem sabe se a preparar-se para prestar culto da personalidade a Louçã), José Miguel Júdice encalhou agora a defender um governo da União Nacional presidido por Cavaco Silva, isto se a crise apertar. Enfim, vertigens de recaída num direitinha em movimento.

Publicado por João Tunes às 11:55
Link do post | Comentar

DEZ DE FALTA DO ZÉ

 

Sim, também acontece estar de acordo com Vasco Pulido Valente:
 
Ninguém como ele [José Cardoso Pires] contribuíra para transformar o português literário, arcaico, rural e afectado, ou populista, académico e pseudo-lírico, numa língua moderna.
 

A maioria dos escritores e literatos formaram gostos e talentos a lerem os clássicos. E fizeram muito bem. Eu li alguns, não muitos, gozando, para bónus da preguiça laboriosa, do meu estatuto de amador e autodidacta, guiando-me antes e sobretudo pelo impulso anárquico da partilha de estados de alma temperados com a exigência no estilo e a permanente procura da magia das palavras que seja capaz de meter a vida, as vidas, dentro de um livro. E, sem vergonha, antes com um orgulho feito de saudade do Zé, digo que “O Anjo Ancorado” e “O Delfim” nunca deixaram de ser os livros da minha vida, os que me descobriram a literatura como um gosto de gostar viver.

 

Publicado por João Tunes às 11:33
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)
Domingo, 26 de Outubro de 2008

JÁ VENDEM AS MINHAS IGREJAS

 

Também para mim, ler aquele letreiro do “VENDE-SE” é como se grande parte do meu gosto acumulado pelo cinema estivesse a ser trocado por um prato de lentilhas. É que no Quarteto morou uma das minhas igrejas cinéfilas.
 
(Foto e inspiração obtidas aqui)

 

Publicado por João Tunes às 23:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO