Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

QUEM NÃO SABE? QUEM NÃO DIRIA O MESMO?

 

Cavaco Silva tem uma notável capacidade política para debitar as banalidades mais bimbas. Como esta:
 
O Presidente da República considerou hoje que o mundo inteiro sofrerá com a crise financeira com origem nos Estados Unidos e alertou que «quase de certeza vai atingir os portugueses».
 

Irra, Sua Excelência chega a ser exasperante de tão decepcionante.

Publicado por João Tunes às 22:54
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

A INTERNET PARA TODOS E PARA TUDO

 

Poucos são os que passam, hoje, sem a Internet. Estes, no Kwait, tão pouco. Diz a notícia que acompanha esta foto que eles não estão a blogar, apenas acompanham os solavancos bolsistas mundo fora. Compreende-se.

 

Publicado por João Tunes às 16:29
Link do post | Comentar

MENOS UM

 

Aicardo de Jesús Agudelo Ramírez (“El Paisa”) (na foto), um dos chefes das FARC mais sanguinários, a quem se atribui a responsabilidade por mais de 400 sequestros e 500 homicídios, entre os quais os de um antigo Governador de Antioquia e um antigo Ministro da Defesa, parece que foi abatido.
 

A confirmar-se a notícia, este sujeito fica não só fora da lista de entrevistas conduzidas por Miguel Urbano Rodrigues como não vai ter direito a EP para vender revistas na “Festa do Avante”.

Publicado por João Tunes às 16:09
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Em memória do Padre Antonio Llidó Mengual

 

Fica aqui lavrada a minha homenagem à memória do sacerdote católico espanhol Antonio Llidó Mengual. O pretexto é congratular-me com a (finalmente!) condenação judicial dos esbirros de Pinochet que, em 1973, o torturaram barbaramente e assassinaram no Chile caído sob as botas do fascismo, fazendo-lhe desaparecer o corpo.
 

Que esta homenagem alivie a minha fama de anticlerical. Embora possa não ser suficiente para tanto, atendendo a que não consta que o Padre Antonio Llidó Mengual faça parte das listas de candidatos a beatos e a santos que a Santa Sé é tão pródiga no seu recheio ao incluir todo e qualquer sacerdote ou monja que seja maltratado ou se tenha mostrado sábio a ministrar o ópio da resignação aos povos.

Publicado por João Tunes às 15:43
Link do post | Comentar

DESBLOQUEANDO A MEMÓRIA FILTRADA

 

Fernanda Paiva Tomás (1928-1984) foi funcionária e dirigente do PCP no tempo da clandestinidade. Quando saiu da prisão, em liberdade condicional, no final de 1970, tinha 42 anos de idade e cumprira perto de dez anos como prisioneira política. Somando o tempo de acção política na clandestinidade, metade da sua vida fora, até aí, passada na “sombra”. O fascismo odiava-a, foi a mulher antifascista mais tempo presa e a PIDE aplicou-lhe torturas físicas e psicológicas que, por regra, reservava para os presos do sexo masculino (não se conhece um outro caso semelhante). O PCP esqueceu-a e esquece-a, deliberadamente, no seu gosto contumaz – que aprendeu sabe-se onde – por retocar permanentemente as "fotos políticas", na sua galeria de heróis e mártires, apesar de à causa comunista Fernanda Paiva Tomás ter dedicado o mais vivo da sua vida.
 

Em boa hora, Diana Andringa desfaz aqui mais uma bruma na memória filtrada.

Publicado por João Tunes às 15:05
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

ÚNICO TALENTO POLÍTICO DA ETA: ASSASSINAR

 

ETA comprova que não se adapta a outra forma de intervenção política que não sejam a da bala e a do explosivo. E matam porque o gosto de matar lhes afoga qualquer ideia política. São assassinos em que o nome de baptismo é indiferente a não ser para o registo prisional. Ao contrário deles, as vítimas são pessoas. A última chamava-se Luis Conde de la Cruz, tinha 46 anos, era militar, espanhol, europeu e cidadão de um mundo que se quer civilizado. A diferença de sempre, em democracia, entre carrascos e vítimas. A grande diferença.
Publicado por João Tunes às 14:19
Link do post | Comentar

A ARTE NA GLOBALIZAÇÃO

 

Cinco figuras públicas alemãs (Hans Eichel, Gerhard Schröder, Angela Merkel, Edmund Stoiber e Guido Westerwelle), esculpidos em mármore por Peter Lenk, em exposição pública na cidade de Botman-Ludwigshafen, caricaturando o arco que, na Alemanha, tem sustentado o poder político-económico da globalização, está a provocar polémica viva sobre a intercessão entre arte e política. O conservador Christoph Palmer chama-lhe “uma obra miserável, um truque de comerciante”. Peter Lenke defende-se dizendo que “a política é bem mais pornográfica que qualquer arte”. E se o conceituado “Frankfurter Allgemeine Zeitung” lhe dedicou uma página no passado domingo, certo é que a escultura de Lenke não só não passou despercebida como incomodou e não o fez pouco.
 

Por cá, onde os políticos praticamente só têm sido beliscados pelo humor televisivo, a que já se habituaram, estes que se preparem pois a Arte ainda dispõe de formas várias, embora adormecidas, de perturbarem a placidez da submissão indiferente aos senhores do poder, dizendo-lhes que, tal como o rei da história, vão nus, apesar das vestes diáfanas e transitórias do mando ou da ambição a tomarem-lhe o gosto.

 

Publicado por João Tunes às 11:30
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

IMPAGÁVEL, COMO COSTUME

 

Se Deus fez César das Neves para nos alegrar as segundas-feiras, não comentemos tal obra. Nem a lamentemos. Resta-nos, então, copiar-lhe as tiradas:  
 

Não é extraordinário que Deus tenha feito o universo e depois essa obra se ponha a comentar o que Ele fez e o que ela é? Temos mil críticas à forma como o mundo funciona. Como se houvesse alternativa e não fosse um privilégio indiscritível simplesmente existirmos. Nós somos os que conseguiram convite para participar neste momento e neste cantinho da Criação. Lamentar o mundo e a sociedade, desdenhar da obra e Autor é, senão grosseria, pelo menos tolice.

 

Publicado por João Tunes às 12:12
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

OUTUBRO ANTES DA CONVERSÃO A NUN’ÁLVARES

 

Está acessível o décimo e último texto de Rui Bebiano sobre “Outubro”, editado em véspera de o autor se confessar converso às maravilhas dos módicos e santos dotes de Nuno Álvares Pereira. E antes que este ano acabe, assim o neo-catolicismo por encomenda postal lho permita, teremos a série de posts editados em livro.

Publicado por João Tunes às 11:19
Link do post | Comentar

EM CONTRA-MÃO

 

É um evidente paradoxo que no mesmo momento em que a direita neo-con, obrigada a abandonar o dogma de “menos Estado”, metia a mão do Estado e os dólares dos contribuintes a evitar o naufrágio do capital financeiro, o PS, da esquerda daqui, estivesse a votar o novo Código do Trabalho para ajustar mais desequilíbrios nas relações capital-trabalho. Fica para a história e a memória esta gaffe do PS a caminhar em contra-mão. Que não é sequer desculpável por a CGTP, ao permitir que o PCP lhe monopolize a agenda, confundindo sindicalismo e militância partidária, ter inibido a possibilidade de uma frente ampla de indignação social perante esta ofensiva anti-laboral.

Publicado por João Tunes às 00:02
Link do post | Comentar
Domingo, 21 de Setembro de 2008

180 MEMBROS, UMA CABEÇA

 

O marxismo-leninismo no seu esplendor:
 
O projecto de resolução política para o XVIII Congresso do PCP foi hoje aprovado por unanimidade no Comité Central do partido, anunciou hoje Jerónimo de Sousa que destacou "a coesão e a unidade" na direcção comunista.
 
"As teses foram aprovadas por unanimidade o que é também demonstrativo da unidade e coesão que existe hoje na direcção do partido", afirmou Jerónimo de Sousa, em conferência de imprensa para apresentar as conclusões da reunião do Comité Central (CC).

 

O Comité Central do PCP conta com cerca de 180 elementos.

 

Publicado por João Tunes às 20:40
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

A MALDIÇÃO SEXUAL DE BENTO XVI

 

 

A dogmatização das interdições sexuais por parte do Vaticano numa época que se privilegia a exposição (a procurada e a oferecida) e caminhando tendencialmente para a informação e o conhecimento instantâneos, é um dossier difícil de gerir, tornando os jogos de hipocrisia cada vez com maior dificuldade em se consumarem. Inevitável é que estalem constantemente as contradições entre as pregações e os decretos de moralidade com as realidades, muitas vezes Igreja dentro.
 

Agora temos o sururu envolvendo o Cardeal John Henry Newman (na foto), que viveu no século XIX tendo transitado do anglicanismo para o catolicismo, sujeito a processo de beatificação, em que Bento XVI está particularmente empenhado, tanto mais que se sabe quanto o legado teológico do Cardeal Newman contribuiu para a formação intelectual de Ratzinger. O que está a tornar esta beatificação tumultuosa foi a sabida ligação homossexual do Cardeal Newman com o seu companheiro Padre Ambrose St. John, junto com quem está sepultado (numa “ligação para além da vida”), e a quem terá dedicado, segundo palavras que deixou escritas, “um amor tão forte como o de um homem por uma mulher”. E, naturalmente, a Igreja Católica, com o seu índex sexual em vigor, beatificar um Cardeal que foi homossexual assumido é, reconheçamos, um imbróglio difícil em passar por coerente. Para já, a orientação do Vaticano é tentar descompor o acasalamento tumular entre John e Ambrose, separando os restos mortais do beato dos do seu companheiro, violando-lhes as vontades expressas. Depois, com a ajuda dos poderes curativos da amnésia, persistir na diabolização da homossexualidade. Sem que se perca mais um beato.

Publicado por João Tunes às 20:08
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

UM AUTOMÓVEL E UM DISCÍPULO DE SPEER

 

No mínimo, foi uma opção original meter um automóvel a disputar com um ministro o protagonismo de um romance que não chega a sê-lo (ficando-se pela crónica biográfica fantasiada e extasiada). E esse será o principal mérito de Filomena Marona Beja no seu “romance” sobre Duarte Pacheco (*). Com a ajuda de que nem o automóvel era um qualquer (um potente Buick em tempo de muitos poucos automóveis) e o ministro seu passageiro a distinguir-se pelo imenso poder de mando e pela frenética capacidade de realização.
 
Se a parte que sobrou de Lisboa castiça foi a que sobreviveu ao Terramoto amparada pelo Castelo, o resto que conta foi traçada pelo Marquês ou por Duarte Pacheco, pedindo este meças ao seu antecessor absolutista no poder de fazer e refazer. E se Pombal teve mãos livres para refazer a Baixa porque a natureza lhe ofereceu como estaleiro uma parte da cidade em ruínas e com os cofres atestados pela rapina colonial, Duarte Pacheco teve, a par do seu talento de engenheiro empreendedor, o poder ilimitado de rasgar, expropriar, deitar abaixo e construir, contando com a cobertura submissa (embora resmungona) do ditador (fora ele que o fora buscar à cátedra de Coimbra para o cadeirão do mando) e os proventos chorudos da venda do volfrâmio aos nazis para estes fabricarem os seus tanques bélicos prontos a conquistarem o mundo.
 
Certo é que Duarte Pacheco, discípulo devoto de Speer, imitador consistente do refazer arquitectónico e paisagista da Alemanha da pujança nazi, cujas marcas arquitectónicas perduram ao virar de qualquer esquina da Lisboa “limpa”, expandiu Lisboa à custa de engolir a sua periferia ruralizada e, ainda agora, “meia Lisboa” tem a sua marca impressiva e se recorda a longa ditadura, realça permanentemente o poder de realização implacável de Duarte Pacheco com a sua corte de arquitectos do regime.
 
No frenesim realizador de Duarte Pacheco (que, além de Lisboa, deixou marcas em todo o país), a mobilidade era, em tempo de vagares nos transportes e nas comunicações, uma questão vital na fúria de reconstrução (todos sabiam que o valor bélico do volfrâmio se esgotaria logo que terminada a guerra), cirandando entre estaleiros. É aqui que o Buick devorador de quilómetros de Duarte Pacheco atinge a importância que, admiravelmente, Filomena Marona Beja realça, dando-lhe papel de protagonismo. Ao ponto de, num troço de estrada mal construído, o cansado Buick se revoltar contra o seu passageiro sempre apressado, matando o dono, clímax inevitável na corrida do fazer contra o tempo, antes que as minas de volfrâmio se transformassem, como viria a acontecer, em buracos de pouco valor.
 
(*)“A Cova do Lagarto”, Filomena Marona Beja, Sextante Editora

 

Publicado por João Tunes às 16:08
Link do post | Comentar
Terça-feira, 16 de Setembro de 2008

O CREPÚSCULO PERIGOSO

 

Estão a ser penosas as últimas semanas presidenciais de Bush. Pior ainda: perigosas, muito perigosas.
 
Um império com um imperador desacreditado dentro e fora de portas, dá nisto: falta de respeito, desaforo. Se dentro, Sarah espevita sondagens, enquanto o general Petraeus sai do Iraque antes que a América de lá saia e os bancos americanos desatam a falir porque se destrairam a jogar dominó, os dentes arreganham por todo o lado perante um momento único de máxima fraqueza americana: Chavez mostra os seus recursos em oratória lumpen; os embaixadores americanos na América do Sul são despejados como inquilinos mal cheirosos; a Rússia manda barcos e aviões passearem até a Venezuela para vingarem a memória de Krutchov; Cuba pede um interregno no bloqueio para receber asfalto, tijolos e cimento para reparar caminhos e casebres. Por cá, vai-nos salvando o optimismo evangélico de Sócrates e Teixeira dos Santos, garantindo que o PIB se aguenta 0,1% acima dos que mais descem ou menos crescem, mas sabe-se que um optimista excessivo está sempre na véspera de se transformar num pessimista deprimido.   
 
O mundo que aguente até às eleições americanas. Se for capaz.
Publicado por João Tunes às 12:08
Link do post | Comentar

PANFLETO DE MISSA CANTADA

 

 

Por um defunto político relapso a participar no seu funeral:
 
O homem tem mau carácter. Ponto. Tem a subtileza de um elefante numa loja de porcelanas. Na diplomacia ficou-se pela canhoeira. No fair play ficou-se pela magnanimidade de um hooligan. O homem tem também pesadelos frequentes. O mais possante é o do pavor de ser apagado da história. Aqui em algoritmo sequencial. O homem é do pior que já houve na vida pública em Portugal. Retirar-lhe o microfone é uma condição de elementar salubridade. Depois da queda, esperou sempre por uma vaga de fundo. Que nunca existiu. Com excepção de alguns amigos do peito, clones e clientelas autárquicas. Ao fim ao cabo, o seu habitat natural. De resto, no PSD a memória é mais curta do que é habitual. E mais implacável. O que significa que nunca haverá graça para quem caiu em desgraça. Este homem poderia até fazer germinar alguma dignidade, reduzindo-se ao limbo da sua insignificância. Mas o low profile e a ausência de números circenses da sua sucessora exasperam-no, para além de qualquer descrição. A juntar, a inglória queda da ribalta só amplificou, desmesuradamente e sem a mediação dos spin doctors, a verdade da sua natureza. É triste. Mas verdadeiro.
 

Nota: Um post destes, longo e bem abonado em emolumentos pagos em géneros (no caso, soda caustica puríssima), demonstra que o defunto, sendo ruim, existe e custa a sepultar. Gerando um blogo-paradoxo que aqui se saúda.

 

Publicado por João Tunes às 11:03
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO