Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

SEM CASTIDADE, O CAPITALISMO NÃO SE SALVA?

 

É assim:
 
O tacanho homem capitalista não conhece a paciência, modéstia, humildade, castidade, valor do sofrimento, espírito de sacrifício.

 

Publicado por João Tunes às 12:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

E AGORA, AVENTUREIRO DA ESCRITA?

 

Leio com a tristeza de uma perda de companhia, daquelas que habitámos e nos habitou:
 
AFRICANIDADES foi o que foi, uma estrada de pensamentos que saltavam dos dedos directamente para a rede - sem censura - muitas vezes enlameados devido à chuva, outras empoeirados por causa do sol, tal como a meteorologia que nos aquece e alegra os dias. Vamos embora no melhor da festa, mas a vida é assim mesmo, nem sempre se pode ficar até ao fim.
 
O Jorge Rosmaninho, um jornalista jovem, alentejano, autónomo e independente, captador de imagens únicas, tão africano quanto África permite a um europeu que o seja, com os valores humanos e solidários sempre estendidos ao sol, muitas vezes picados por mosquitos, daqueles que há por toda a parte, durante anos a fio trouxe-nos o quotidiano guineense e o de outras paisagens humanas africanas por onde deambulou, aqueles onde o cliché não polui.
 
Num certo sentido, e essa minha dívida para com ele é impagável, os escritos de Jorge Rosmaninho funcionaram como um espécie de alter ego da minha ligação e negação relativamente a África, mais concretamente com a Guiné-Bissau. Pelos caminhos, longos caminhos, do Jorge, que ele colocava na net como vida a cheirar a fresco, eu revisitei uma realidade que atravessei em guerra e a fazer a guerra, obrigado pela época em que a minha juventude teve o azar de encalhar. Ali gastei ingloriamente, contrariando a história, dois daqueles que deviam ser os meus melhores anos. Essa marca de revolta, pessoal e política, mais a desilusão dos descaminhos na concretização do sonho de Amílcar Cabral, descapacitaram-me de voltar a pisar o chão guineense. Lendo o Jorge Rosmaninho, eu fui conseguindo equilibrar este não estar e lá estar, olhando gentes e bolanhas que me ficaram agarradas aos olhos, à pele e ao sentimento. E agora?
 
Boa sorte, Jorge. E não te esqueças de recomeçar, emitindo a partir dos teus novos acampamentos.
 

Um abraço na companhia de um obrigado.

 

Publicado por João Tunes às 11:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

A MANCHA QUE EXISTIU E NÃO SE QUER OLHAR

 

 

Há quem, em vez de praticar a arte de fazer esquecer, prefira a de lembrar:
 
 
Ainda o Holocausto não se tinha inscrito em toda a dimensão na consciência do Mundo e uma nova realidade despontava, impossível de desmentir: nos vencedores, numa das potências emergentes, aquela que tinha prometido construir o homem novo, corria um processo simétrico de humilhação, maldade e degradação humana. Depois da publicação do Arquipélago Gulag apenas a ignorância, o isolamento cultural e político, alguma circunstância que faz com que a história se desenvolva, em lugares periféricos, em contra-ciclo, sem que os actores envolvidos disso se apercebam, pôde impedir o isolamento da União Soviética e a exposição do comunismo soviético como fraude, criminoso embuste. O tempo passou. Um imenso manancial de informação ficou disponível sobre o Holocausto. As melhores consciências da Europa e do Mundo, denunciaram-no. O povo alemão erigiu, em Berlim, um Museu do Holocausto e um monumento que perpetua esse momento que é um vazio de horror e de espanto na nossa história contemporânea. Mas o Gulag continua desconhecido. Os principais escritores do Gulag, Soljenitsine incluído, são desconhecidos entre nós. Nas boutiques de livros o Arquipélago Gulag é desconhecido. Não estou seguro que ele tenha sido inteiramente editado em Portugal. Varlam Cholomov, Eugenia Guinzberg,o livro de Robert Conquest sobre o Grande Terror, Man is Wolf to Man de Janus Bardach e Kathleeen Gleeson e tantos outros, são desconhecidos aqui, onde não se detecta nenhum interesse no tema e o PC local cometeu a proeza de ousar, há uns anos e a pretexto de uma efeméride da II Guerra Mundial, reabilitar Estaline. E no entanto o Gulag não representou, em termos de sofrimento humano, menos que a barbárie nazi. O Gulag era o fim de um processo que se iniciava com a prisão, continuava com o interrogatório, o espancamento e a tortura sistemática e prolongada, continuava com a viagem e culminava no trabalho escravo no Arquipélago, tudo isto debaixo do pesado silêncio insolidário. O processo de reconstituição da sociedade russa, após a implosão do comunismo e na fase actual do capitalismo não deu tempo para que se formasse um processo colectivo semelhante ao que a Europa teve com a Shoah. É nosso dever civilizacional contrariar o esquecimento, lembrar as vítimas, todas as vítimas, sobretudo as que pereceram no silêncio, as que ficaram sem campa e sem nome.
Publicado por João Tunes às 11:06
Link do post | Comentar
Domingo, 3 de Agosto de 2008

PERDA DE UM REVELADOR

 

Pense-se o que se pensar dele e da sua obra literária - e eu nunca fui seu admirador, nem por efeito do Nobel - sem ele, a revelação do Monstro Gulag manter-se-ia ainda evitado por mais tempo do excessivo tempo em que se ocultou no nevoeiro cultivado da memória. Essa dívida é incobrável. Resta, então, o preito incontornável nesta hora.
Publicado por João Tunes às 22:48
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

A CADEIRA DEMOCRATA E LUTADORA

 

Há quarenta anos, uma cadeira derrubou um ditador. Embora não tenha acabado com a ditadura, ficou na história do antifascismo.
Publicado por João Tunes às 18:50
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 1 de Agosto de 2008

VÓMITO

 

Diga o autor o que disser que é, isto é escrita fascista. No ódio paranóico que revela para com o regime democrático e na torpeza da provocação reles como forma de combate político. E é caso para se dizer do autor: o que ele quer, sabemos nós.
Publicado por João Tunes às 23:23
Link do post | Comentar | Ver comentários (7)

O AVIADOR VINDO DE VERA CRUZ

 

Fernando Pinto, presidente executivo da TAP, chegou com a imagem de gestor de excelência e foi incensado como um espécie de salvador milagreiro no meio dos negócios de aviação. Terá metido controlo na casa, pese embora a companhia se ter tornado campeã no extravio e perda de bagagens, e foi acumulando elogios que, está para se saber, justificam ou não as suas remunerações principescas. Agora, com o jet fuel quase ao preço da caipirinha, Fernando Pinto só tem prejuízos avultados para apresentar e os furos nos cintos dos trabalhadores para apertar. Esgotaram-se, portanto, os milagres do excelso gestor. Estará na hora de ele voar de volta a terras de Vera Cruz? Ou temos outro jamé, senhor ministro?
Publicado por João Tunes às 18:09
Link do post | Comentar

E VIVA O REI

 

Sua Majestade George Topou V, rei de Tonga (Estado do Pacífico Sul), foi coroado. A cerimónia e a celebração custaram 1,6 milhões de euros, verba superior ao Orçamento anual daquele Estado. Estiveram presentes várias casas reais e decerto esta coroação foi uma alegria para os monárquicos espalhados pelo mundo.

Publicado por João Tunes às 17:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)

DEIXARAM CAIR A AL FATAH?

 

É de esperar para ver como reagem os defensores da “causa central”, a da Palestina. E como a imaginação vai funcionar até implicarem Israel e a “culpa judaica”. Ou será que o Hamas já tomou o lugar "de solidariedade" da OLP/Al Fatah?

 

Publicado por João Tunes às 17:01
Link do post | Comentar

A SOMBRA DO PAU TORTO

 

Carlos Schwarz da Silva, um engenheiro agrónomo nascido na Guiné-Bissau, com ascendências que misturaram sangues das mais variadas origens (caboverdiano, português, judeu, polaco) e que para a Guiné-Bissau regressou, quando jovem licenciado pelo Instituto Superior de Agronomia (Lisboa), para se dedicar à causa do desenvolvimento das populações do país que o viu nascer e que ele ama entranhadamente, sendo tão difícil, ali, onde a pobreza e o atraso dos povos se casaram com o desleixo, o gangsterismo e a corrupção (muitas destas maleitas são o que sobrou das terríveis experiências do “marxismo-leninismo africano”), resistir aos desenganos. E nota-se que, para resistir e persistir, Carlos Schwarz da Silva (“Pepito”, assim lhe chamam os amigos) ainda se ilumina no exemplo e na obra (incompleta, porque interrompida por Spínola, a PIDE e a traição de alguns dos “seus”) de outro agrónomo guineense, Amílcar Cabral.
 
Num notável texto autobiográfico, agora e aqui editado, Carlos Schwarz da Silva (na foto, tirada pelo seu e meu amigo Luís Graça) como que faz uma síntese da história épico-trágica da experiência da independência da Guiné-Bissau. Sem ponta de dúvida, uma leitura a não perder. A menos que se queira fechar os olhos à África de hoje, a África que os europeus deixaram aos africanos. E, nesta história, queira-se ou não, goste-se ou deteste-se, Portugal, nós, também entra(mos).
Publicado por João Tunes às 12:40
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

“BOUTIQUES com LIVROS”, LHES CHAMARIA EU

 

Osvaldo Manuel Silvestre narra a sua odisseia no mar dos livros em Coimbra (podia ser nos de Lisboa e Porto que ia dar ao mesmo) para conseguir, não conseguindo, as obras de Jorge Luis Borges. E conclui assim, certeiramente, sobre as “boutiques de livros” em que as livrarias se transformaram:
 
Esta é evidentemente uma história sem moral, a menos que admitamos que a «alta rotação» que define hoje o capitalismo livreiro se possa candidatar a «moral da história» (talvez com maiúscula, no sentido hegeliano do «fim da História»). As livrarias não têm hoje espaço para Borges - devolvem-no passados x meses ou ficam apenas com uma ou outra relíquia - porque têm de o ter para os livros sobre Maddie McCann ou a palpitante vida íntima de Salazar (ou as estreias na «ficção» de Bagão Félix, Nuno Rogeiro, etc.). Seria talvez altura de mudar o nome do local onde estas coisas ocorrem, e que cada vez menos está à altura dos significados que historicamente se acolheram a «livraria». Julgar-se-ia que sofás, cafés, etc., ajudariam a que as livrarias pudessem permanecer o local onde nos relacionamos com objectos que passam a mobilar a nossa vida mais íntima, mas a essa ilusão o capitalismo livreiro actual já deu bastas respostas desmitificadoras e desmistificadoras. Estamos, também aí, completamente secularizados, ao que parece. Aliás, em perfeito acordo sistémico com as alterações arquitectónicas que se apoderaram de muitos desses espaços, seria desejável, e sobretudo justo e verdadeiro, passar a chamar-lhes boutiques de livros.  Ou lojas de conveniência.

 

Publicado por João Tunes às 11:28
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO