Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

ORA, ORA

 

E sobre a Madeira nem uma palavrinha? Não há por lá anomalias graves que degradam a qualidade democrática? Está bem, abelha. Perdão, muito bem Senhor Presidente.
Publicado por João Tunes às 22:51
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

E NÃO DIZEM QUE PARTIDO VÃO APOIAR?

 

Esta só mesmo da actual Fenprof.
Publicado por João Tunes às 16:14
Link do post | Comentar

UM SINDICALISTA DA HISTÓRIA DO SINDICALISMO

 

Só uma das minhas intermitências na relação com a Internet, explica não me ter referido no devido tempo ao recente falecimento de Álvaro Rana, um dos mais empenhados e antigos dirigentes da CGTP-IN, tendo feito parte do seu núcleo histórico.
 
Com o Rana mantive, durante vários anos, uma cordial relação de camaradagem nas lides sindicais que nos foram comuns. Mantivemos um trato que foi sempre correcto e cordial, apesar do seu entranhado sectarismo partidário-sindical e dos inúmeros problemas que a sua posição de assumida “correia de transmissão” da ortodoxia partidária causou na unidade do movimento sindical. Depois de separarmos caminhos, quando nos encontrávamos ocasionalmente, nunca perdemos, um relativamente ao outro, o respeito pelas diferenças e a cordialidade, agora formal mas continuando a ser sincera. Assim, não foi sem uma ponta de saudade que recebi a notícia do seu desaparecimento. Aqui fica a minha singela homenagem, a que julgo dever-lhe.
Publicado por João Tunes às 15:49
Link do post | Comentar

SEM REMÉDIO

 

A propósito da detenção em Espanha (depois solta sob fiança e estando a aguardar julgamento) de Maria Remédios Garcia, representante das FARC na Europa, o PCP não faltou com o seu “comunicado de solidariedade”:   
 
o PCP reitera a sua solidariedade a Remedios Garcia e a todos aqueles que dedicam a sua vida e as suas forças à luta pela paz, a democracia e os direitos humanos, contra o imperialismo, o militarismo e a guerra

 

Publicado por João Tunes às 12:35
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)

O ROSTO DISSONANTE

 

Uma iemenita, entre colegas, numa cerimónia de graduação universitária. Que haja sempre quem faça a diferença e mostre o rosto.
Publicado por João Tunes às 12:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

שלום, shalom

 

Outro (Ehud Olmert) que, como Bush, vai e não deixa saudades.
Publicado por João Tunes às 11:57
Link do post | Comentar

NA HORA DA SEDE E DO BOICOTE

 

Até uma garrafa de “água suja do imperialismo” pode servir para boicotar a Galp. A foto é de Manila (Filipinas) mas fica a ideia como sugestão para os directores do boicote.
Publicado por João Tunes às 11:45
Link do post | Comentar

ASSIM É QUE ELE ESTÁ BEM DISFARÇADO

 

Aquela das barbas compridas, cabeleira farta e carrapito no cimo da cabeça não foi grande ideia. Assim, com ar plácido de quem não faz mal a uma mosca, barbeado e com cabelo penteado, quem daria por ele?
 

Imagem: Foto recente de Radovan Karadzic, publicada na página web do diário alemão 'Bild'.

Publicado por João Tunes às 11:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

SUSPENSE PARA PALPITES

 

Razões decerto ponderosas levam o Presidente a interromper os banhos para falar logo à noite para a Nação. O país está suspenso e ansioso, imerso no mistério sobre as razões de uma gravidade sobre a qual as apostas são múltiplas mas incertas. Eu, por mim, arrisco vaticínio: é desta que vamos recuperar Olivença.

Publicado por João Tunes às 10:45
Link do post | Comentar

JUSTA ALEGORIA

Não sei se foi essa a ideia mas, se foi, está bem esgalhada. Um portátil “português” a teclar sob a bandeira da Intel, chamando-se Magalhães, é uma boa alegoria de que damos bem, se nos deixam dar, a volta ao mundo, quando sob bandeira estrangeira. E se Magalhães fez o paradigma, Figo, Cunhal e Ronaldo, aí estão, ou estiveram, para o comprovar.

Publicado por João Tunes às 10:28
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 30 de Julho de 2008

IF by Luis

 

Se os bloggers do PS censurassem publicamente Martins quando ele foi arrogante contra Cravinho e dissessem: sinto-me arrogante, sinto que esta arrogância não favorece a luta anti-corrupção. Se os bloggers do PSD que consideram inaceitável para o ambiente uma intervenção pública como a de Jardim e Ramos, escrevessem: sinto-me insultado com estes insultos. Se os bloggers do BE reprovassem claramente a cultura de morte dos movimentos medievais que cercam o Estado de Israel e dissessem: o Hamas, o Hezbollah são movimentos medievais. Se os bloggers do PC dissessem, de cada vez que um texto abjecto é publicados no resistir.info ou no Avante: é um texto abjecto, sinto-me abjecto. Se isso acontecesse as coisas melhorariam. Os arrogantes, os terroristas da palavra e da bomba, os adeptos de agendas escondidas continuariam a existir. Mas sentir-se-iam mais isolados.
Publicado por João Tunes às 23:51
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Terça-feira, 29 de Julho de 2008

A MARINHA E SUA HONRA

 

Oiço na rádio, um senhor comandante marítimo das praias do All Garve explicar porque resolveu proibir as massagens nas praias que comanda. Disse ele, em argumento supremo e em defesa da moralidade e dos bons costumes, que "todos sabemos como uma massagem começa mas ninguém sabe como acaba". Pois não e, por isso, acho sábia esta precaução, mesmo tratando-se de massagens entre adultos em pleno uso das suas faculdades e gostos. Tanto como a que nos ensina que, sobre um marinheiro, sabemos que ele começa por o ser ao navegar no mar, mas ninguém sabe como e em que é que acaba. Até pode dar à costa numa praia e depois ir para o Seminário, terminando aí a sua carreira.

Publicado por João Tunes às 16:03
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Domingo, 27 de Julho de 2008

DIFERENÇAS

 

 

Raul Castro discursou ontem no “Día de la Rebeldía Nacional”, uma das tradicionais grandes festas políticas de massas do regime cubano.
 

Diferenças relativamente ao tempo em que era Fidel a discursar: o discurso demorou menos de uma hora e o número de assistentes foi  de 10.000.

Publicado por João Tunes às 12:57
Link do post | Comentar | Ver comentários (9)

BON GIORNO, MONICELLI

 

 

Quem gosta, ou gostou, do cinema italiano, sobretudo o do seu período glorioso, 1945/1970 (*), só pode ter (desculpe-se o atrevimento) um apreço particular por Mario Monicelli, autor e guionista de 65 películas, sendo algumas delas autênticas obras-primas do neo-realismo e da comédia. Com 93 anos de idade (há dois anos, ainda rodou um filme), Mário Monicelli vai ser homenageado no próximo Festival de San Sebastian, em que haverá uma retrospectiva da sua obra com a projecção de 41 dos filmes que escreveu e dirigiu. Motivo que serviu de pretexto para uma entrevista do “El País” deveras interessante.
 
Na entrevista, Mário Monicelli discorre sobre as gerações italianas do pós-guerra e sobre a que se lhe seguiu (a dos “68”):
 
Respecto a la generación de la posguerra, todo cambió mucho. Aquella era gente muy solidaria y comprometida. Había un sentimiento colectivo de país, queríamos sacar a Italia de una guerra estúpida y hacerla entrar en Europa, modernizarla, industrializarla. Después entregamos el país a la generación siguiente, que se corrompió rápidamente. Empezó a mandar el mercado, que es la ley menos piadosa que existe, que no perdona ni tiene caridad, y las cosas fueron empeorando.
[68] fue el primer movimiento que tomó ese testigo. Esa generación de veinteañeros tomó Italia y pensaron poder revolucionarla entera cambiando lo que hacían sus padres, ridiculizándonos, tratándonos como a viejos que había que dejar de lado. Creían que lo podían hacer todo de nuevo, sin piedad, eligiendo su nueva vida. Fue una generación de violentos y corruptos. Ese tanto de corresponsabilidad colectiva se perdió. La gente se volvió individualista y empezó a pensar en imponerse al vecino.
Sobre a actual situação italiana após a vitória de Berlusconi, Monicelli, que continua a considerar-se comunista, tem uma frase curiosa:
"El Gobierno Berlusconi dice que la lucha de clases no existe, pero sólo hace falta ver cómo hemos convertido a los gitanos en el chivo expiatorio para saber que es mentira".
 
(*) – Muitos filmes italianos foram exibidos em Portugal e gozaram de grande popularidade, apesar de quase todos eles serem miserável e largamente retalhados pela Censura. A seguir ao 25 de Abril, foi uma grata descoberta para muitos cinéfilos voltarem a ver filmes italianos marcantes e aperceberem-se de que, afinal, “não os tinham visto”, tão decisivas na unidade fílmica eram as longas partes antes cortadas pelos censores do fascismo português. A popularidade do cinema italiano, além de estar recheado de grandes obras, teve muito a ver com o facto de grande parte dos filmes tratarem de situações quotidianas e passadas com “gente comum”, havendo, apesar das diferenças em termos da extroversão exuberante das gentes italianas, uma grande proximidade de cultura latina entre portugueses e italianos, a que acrescia o humor transbordante de muitas das películas. Além, é claro, da enorme galeria de grandes actores e grandes actrizes.
Publicado por João Tunes às 01:12
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Sábado, 26 de Julho de 2008

AS FÉRIAS DE MARGARIDA

 

Saibamos porque é que Margarida Botelho goza férias e a grande maioria dos trabalhadores chineses não têm direito a elas:
 

Foi com a vitória da Revolução socialista de Outubro e da constituição do primeiro Estado de operários e camponeses que se criou o direito a férias pagas.

(...)

No plano social, o PCP preconiza o direito a férias para todos - trabalhadores, jovens, estudantes, idosos e deficientes - defendendo a universalidade do direito ao usufruto de experiências turísticas, o que implica políticas de turismo social, uma gama vasta de preços nos complexos e iniciativas turísticas, informação e esquemas específicos para promover e incentivar quem tem menores rendimentos a efectivamente gozar férias. Este é um direito que todos os trabalhadores e democratas devem defender. 
 

Publicado por João Tunes às 23:48
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO