Sábado, 3 de Maio de 2008

REVISITA AO ÓDIO GRAVADO LÁ EM CHÃO BOM

 

Lembro-me bem: na minha primeira visita ao Campo, oito anos idos, esta árvore estava já carcomida mas de pé. Não muito direita, possuía ainda a dignidade possível de uma árvore que, utilizando a terminologia muito do gosto africano, tinha passado ao estado de semi-direita. Entretanto, deu-lhe a última aflição e tombou no campo de Chão Bom. Por lá continua deitada talvez para lembrar os homens que queriam ser direitos e ali tombaram também pela ignomínia maior de Salazar, Adriano Moreira (é dele, quando ministro, a assinatura do despacho que mandou reabrir o campo em 1961 para prisioneiros africanos) e Caetano, na comunhão do mesmo ódio dos ditadores contra a dissonância na escolha dos caminhos do destino. Esse ódio bebido na Gestapo e que levou Salazar a imitar o pior da Alemanha de Hitler ao criar, no ano em que Franco levantou armas em quartéis para assassinar a República em Espanha, copiando Buchenwald nas terras mais hostis do Império, plantando um Campo de Concentração a dois quilómetros da vila piscatória do Tarrafal, na ponta oposta à capital da colónia de Cabo Verde, e com o nome cínico de Chão Bom. Nessa morgue longínqua, no “Campo da Morte Lenta” como ficou conhecido, centenas de homens - anarquistas, comunistas, republicanos, antifascistas sem partido – penaram e foram semeando no chão duro e acastanhado pela míngua da água, o vento quente do Sahara e as queimaduras deixadas pela lava, as suas dores de solidões acompanhadas, a luta permanente pela sobrevivência e pela sanidade mental, os enterros chorados de dezenas de companheiros tombados como as árvores que não morrem de pé. Depois, finda a Segunda Guerra, o clamor antinazi, com o escândalo vivo dos “campos” do Reich, aquela cópia tornou-se um embaraço e uma evidência de que o salazarismo tinha inspiração mimética bem localizada num dos quadrantes ideológicos que empurraram a Europa para a barbárie. Fechado para disfarçar o ponto alto da perfídia salazarista, não ficou desabitado muito tempo pois, com as guerras de libertação em África, voltou a ser utilizado em pleno para o massacre lento dos guerrilheiros com sede de dignidade e independência. Até que o 25 de Abril aquelas portas também abriu. O que não impediu o marxismo-leninismo africano, demonstrando como os totalitarismos gostam de cultivar semelhanças entre si, nas suas breves erupções ocorridas em Cabo Verde, voltasse a abrir portões e celas do Campo de Chão Bom para ali enfiar novos presos, agora os da categoria dos “reaccionários”.

 

A muitos aprisionados, em levas sucessivas durante as décadas em que o Campo de Chão Bom cultivou morte e ódio, esta árvore deve ter servido de abrigo da inclemência das brasas caídas do céu. E de muitos sonhos terá sido confidente. De raivas também. Chegou-lhe a hora de querer descansar e deitar-se. Ali está caída por incúria de abandono. Sem préstimo nem sepultura. Mas lembra, continua a lembrar. Se a memória quiser saber.

-----

Imagens: Vistas do Campo de Concentração do Chão Bom (Tarrafal, Cabo Verde), Abril 2008. É uma réplica, a pequena escala, dos campos de concentração nazis (seria cópia do Gulag se a ideologia fosse a simétrica) que foi utilizado pelo Estado Novo de Salazar-Caetano em dois períodos (1936-1954, 1961-1974), no primeiro para desterrar antifascistas europeus e no segundo para internar combatentes independentistas africanos (guineenses, angolanos, moçambicanos, sãotomenses e caboverdianos), tendo ainda sido utilizado em curtos períodos quando do regime marxista de partido único no Estado de Cabo Verde, antes da conversão do PAICV à democracia, para internar oposicionistas. Após a independência de Cabo Verde, as instalações do Campo funcionaram como quartel militar durante um certo período. Actualmente desactivado, o Campo possui um pequeno núcleo museológico, mas, por falta de manutenção, reconstituição e auxiliares de memória, está em progressivo estado de degradação. 

------

Publicado por João Tunes às 18:51
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO