Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

ELITISMO NO NOJO POR MAMARRACHOS

 

Agora é o Lutz que o renega como colega de ofício. E até que as casinhas castiças, se todas tivessem janelas de tabuínhas com cortininhas de chita a condizer com os mosaicos das frontarias, nem desfaziam nos méritos projectistas de Sócrates I, O Engenheiro.

Publicado por João Tunes às 12:00
Link do post | Comentar

REAL HISTÓRIA E HISTÓRIA REAL

 

Rui Bebiano, escrevendo sobre a evocação do centenário do regicídio, lamenta:

 

Como a maioria dos portugueses com os ouvidos abertos, tenho andado um tanto empanturrado com as evocações do Regicídio. Escreve-se muito, por vezes demais e de um modo empolado ou redundante, para o interesse que o tema poderá despertar hoje no cidadão comum. Percebe-se a razão: monárquicos carentes de oxigénio, chefes de redacção à procura de assunto e circunspectos académicos com reduzido público confluem numa evocação que torna mais visíveis as suas crenças, que responde às suas necessidades ou que projecta o seu trabalho. E aproveitam-na enquanto podem.

 

E, insurgindo-se sobre o maniqueísmo de aproveitamento historiográfico, alimentado por um profundo défice de conhecimento histórico de um povo muito mais habituado, e adaptado, à lenda e ao boato que ao facto, a uma versão simples em que facilmente se descortinem o “bom” e o “mau” que ao prazer da descoberta do paradoxo e da contradição, Rui Bebiano faz este apelo “programático” na “caixa de comentários” do seu post:

 

Existe um lado que nos escapa se não formos capazes de usar - a par dos documentos e da sua crítica - a emoção e a empatia. Sempre que o conseguirmos fazer, desaparecerão os juízos absolutos, as caricaturas - como aquelas que estas comemorações nos trazem sempre - e sobressairá aquilo que de mais profundamente humano conteve o passado.

 

Julgo que esteja aqui, exactamente, a chave da paixão histórica (que, por vezes, mas só por vezes, coincide com a paixão pela história). Embora, no meu caso, a perceba num sentido oposto à hierarquização proposta por Rui Bebiano. É que se a emoção e a empatia (ou o seu lado gémeo da antipatia) nunca mingua à mesa das considerações aceites e transmitidas, o nosso défice maior, na lide dos portugueses com a sua história, tem a ver com os documentos (mais concretamente, os factos) e a sua crítica. Por carências de ensino, de edição e de leitura, sobretudo. Mas, como agravante maior, pelo império cultural, essa tirania do simples, levantado no semi-deserto da ileteracia dominante: uma tradição fortemente ideológica em que a ditadura afunilou as mensagens, empenhando-se em as filtrar e em que a democracia, mesmo quando em contra-cultura com a herança salazarista, persiste em semear a disposição em cena dos santos, heróis e vilões, baralhando-lhe os papéis quando acha ser caso disso

 

As evocações do regicídio foram habilmente exploradas, quase até à náusea, por monárquicos e conformistas. Para tal, exploraram duas veias favoráveis no encontro com o senso comum: 1) o repúdio moral automático para com os assassínios e os assassinos (e, no caso, os monárquicos foram as vítimas); 2) a defesa da República estar em postura defensiva (má governação segundo alguns, autocracia segundo outros, pouca ou nenhuma dignidade de Estado segundo a maioria) e nem sequer merecer qualquer abono da parte dos radicais dos tempos actuais, para os quais a necessidade de apressar a chegada ao destino da igualdade não se compadece com delongas em salamaleques perante a reconstrução institucional da burguesia, a sempre exploradora. E assim, de uma penada, em bela oportunidade, comemorando o regicídio, mas sobretudo parasitando as emoções provocadas pelo evento, reduzindo o binómio monarquia-república à equação de dois assassínios, enevoando que as figuras reais vitimadas governavam então em ditadura intermediada por Franco, os monárquicos marcaram pontos em termos de aceitação relativa. A que acrescentaram não só uma operação descabelada de propaganda do candidato ao trono (um “produto” difícil de vender dada a tonteria do personagem e com o handicap de nem sequer ser o herdeiro), vingaram-se com juros ganhos da desfeita da ida de Aquilino para o Panteão e anteciparam-se em forte propaganda de descrédito das próximas comemorações do centenário da implantação da República. Aos monárquicos, somaram-se, nos ganhos, os conformistas. Estes vindos de dois géneros de conformismo: a) o da reverência perante os poderes enquanto poderes, a que Cavaco Silva deu representação em Cascais e o Patriarca em missa solene (tendo falhado por uma unha negra a junção dos acordes oficiais de uma banda militar); b) o da projecção para o passado por simulação da via autoritária (real ou subentendida), como necessidade implícita para reprimir abusos das sucessivas plebes, em que confluem, de formas subliminares, tanto a saudade salazarista (tem outra dignidade, até direito a honras académicas com Rui Ramos em cátedra maior, a defesa de D. Carlos, comparativamente com a do antigo seminarista fasciszado vindo de Santa Comba Dão) como o ímpeto da apologia da “energia socrática” de governar longe do barulho das ruas e em sua contra-mão (em que os apelos a Sócrates para que não ceda “à rua” lembram o pânico expresso por Marcello no Carmo quando passou a pasta a Spínola para que o poder “não caísse na rua”).

 

E, nesta orgia efemérica, o que sobrou em entendimento quanto a Costa, a Buiça e à própria República (como se República já não sejamos)? Ou, como referiu Rui Bebiano, que trabalho foi feito para “compreender a dimensão intensa, ainda que efémera, das suas certezas”? Lá iremos, talvez depois de assente a poeira desta festa com enfeite necrófilo. Quando for altura de menos retórica interesseira e mais história.

 

Imagem: Cartaz alusivo ao regicídio divulgado na Internet.

 

Publicado por João Tunes às 01:30
Link do post | Comentar
Domingo, 3 de Fevereiro de 2008

FUTEBOLÊS

 

 Abel, após o jogo com o Belenenses e com a sua equipa a regressar ao quarto lugar:

 

- Perdemos uma oportunidade de nos colarmos ao segundo lugar.
Publicado por João Tunes às 21:42
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

BOTA ABAIXO

 

Quem diria que o maior arraial de pancadaria escrita dada em Mário Soares, numa peça fanático-jornalística em que o ódio ferve, vem de quem já votou nele e contava fazê-lo de novo nas últimas eleições presidenciais (se as contas não tivessem saído furadas):

 

Soares adoptou há muito, como meio de vida, a defesa do capitalismo explorador

Publicado por João Tunes às 19:19
Link do post | Comentar

SOBRE A RUA

 

Nuno Brederode Santos, no DN, explica o elementar aos que, repentinamente, entraram em pânico com a “vitória da rua”:

 

Um povo que barafusta e protesta, mesmo quando não tem razões para isso, não é um povo chato, é um povo livre. Livre e escaldado por meio século em que não pôde protestar quando as tinha. Um povo que escolhe mandatários e que, em boa hora, deixou de aceitar iluminados.

Publicado por João Tunes às 18:59
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO