Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007

ENTREVISTA

001369qy

A partir de hoje, considero-me um blogger célebre. Nunca menos que um célebre blogger. É-se automaticamente assim, julgo como certo e garantido, depois de se entrar, ou penetrar, ou planar, ou sobrevoar, na galeria dos ilustres entrevistados por Luís Carmelo.

Publicado por João Tunes às 23:43
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

REGRESSO DA PONTE CARLOS

00135r04

Muito obrigado às simpáticas e aos simpáticos que me desejaram uma boa Boémia. Magnífico, como esperava, este meu quinto viver de amores com o sortilégio único de Praga. Exceptuando a carteira (com todos os documentos) roubada ao meu filho no Metro logo após a chegada, a otite que apanhei no segundo dia e seguintes, mais a perda do saco com as compras de recordações pela minha mulher em trânsito de regresso no aeroporto de Frankfurt, tudo o resto foi excelente. Que se assinale ainda que bem me esforcei (sem conseguir) secar as "Pilsener" em honra e lembrança de todos os blogo-amigos. Como se prova aqui (quando estava a meio da última):

0013443h

E o blogue segue. Depois da ressaca.

Publicado por João Tunes às 17:29
Link do post | Comentar | Ver comentários (14)
Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2007

FALTA UM…

00133z37

E sendo assim, brinquem e divirtam-se com o Carnaval. Sem que abusem da folia pagã porque a Quaresma está quase aí e brincadeiras com a Igreja já chegou a do dia 11. Lá para o final da próxima semana conto voltar a estar por aqui, na vossa prezada companhia.

Publicado por João Tunes às 16:28
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)

CONTRA O INVERNO DO NOSSO CONTENTAMENTO

001322xh

Foto de El País, com um modelo do estilista Andrés Sarda e que resultou primorosa na decoração dos punhos. Bem adequada a este tempo invernoso.

Publicado por João Tunes às 15:50
Link do post | Comentar

O DESPERTADOR SÓ VAI TOCAR QUANDO ISRAEL VOLTAR A FAZER O TRABALHO SUJO?

00131he8

Naturalmente, este post do Tiago Barbosa Ribeiro arrepia. E desse arrepio, deu Lutz, e bem, o sinal perplexo da nossa moderação europeia.

 

Então, o melhor é não ler este texto de Benny Morris (professor de História do Médio Oriente na Universidade Ben-Gurion e um dos mais marcantes representantes da esquerda académica israelita) editado pelo Nuno Guerreiro.

 

Guardemos energia e sentimentos de repulsa para quando, mais uma vez, Israel fizer o seu trabalho sujo. Por Israel e por nós. Colidindo com o nosso pacifismo parcial a meter mais carvão na caldeira do anti-semitismo que entranhou os ossos desta cultura tão aberta e universal, mas onde os judeus não têm espaço, a não ser o do progrom, do gueto ou do holocausto. As vezes necessárias até deixarem de ser motivo para slogan de uma boa manifestação ou sequer pretexto para post indignado com os crimes sionistas. 

Publicado por João Tunes às 15:04
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

CURTO-CIRCUITO NO CHOQUE TECNOLÓGICO

00130430

Que esta imagem perdure para além do problema pior, o das vítimas. Uma linha ancestral-telúrica teimada em sobreviver para glória autárquica provinciana de um ou vários morgados do “poder local”, sem suporte de meios para alimentar o luxo comezinho e pacóvio. Sobrou o absurdo de uma carruagem comprada aos croatas em segunda mão para desaguar no rio como se as linhas férreas fossem de cordel e o comboio feito em cartolina. É que podiam fazer o “número” numa feira para o pagode se divertir, mas sem vivos dentro. Apreciado do ponto de vista do défice, saía mais barato e não havia desperdício a minguar no número de contribuintes.

Publicado por João Tunes às 14:39
Link do post | Comentar

A SÍNTESE NO OUTRO, DARIA ANÁLISE

0012zp9y

Muito inspirada a síntese da Lolita:

 

“A forma emotiva como se discutem as virtudes e os defeitos de Salazar mostra duas coisas óbvias: a de que já passou tempo suficiente para que se ressuscite a idolatria dos saudosos mas tempo insuficiente para que não se tema que Salazar nos assombre.”

 

Só acrescentaria, se a lavra fosse minha: “sendo esta duas coisas óbvias também válidas, mas ao contrário, para o seu mais directo competidor”. Mas, é claro, isso implicava sair da síntese e entrar na análise. E nos blogues não se pede tanto. Por impraticável.

-----------

Adenda: E a Lolita deu troco assim. Pelo que ficámos, sinteticamente, bem entendidos. O que, diga-se, já não era sem tempo, mesmo que o mais provável é que tenha sido uma vez sem exemplo...

Publicado por João Tunes às 13:00
Link do post | Comentar
Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2007

DIONISIO PEREIRA, CONTIGO!

0012yc17

Claro! Contra as sanguessugas da memória.

Publicado por João Tunes às 22:23
Link do post | Comentar

AI ZAMBEZE

0012x4dq

O Zambeze, mais uma vez, resolveu apanhar uma bebedeira de chuva e quem leva o mau trato do excesso de copos são as gentes do centro de Moçambique.

 

Como não ter o pensamento em Moçambique com estes olhares molhados de apelo?

 

Foto: El Pais.

Publicado por João Tunes às 21:52
Link do post | Comentar

LATA AUTÁRQUICA

0012w2es

E ele a fazer-se de finório decente: não senhor, coisa essa, eu arguido?, nem pensar, olhem que eu sou muito sério, sou tanto como Carmona e Marques Mendes, pode-se ser mais?

 

Até quando uma laranja podre a governar Lisboa?

Publicado por João Tunes às 21:21
Link do post | Comentar

E FALTAM DOIS...

0012t3c9
Publicado por João Tunes às 16:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

A TELE-LIÇÃO SOBRE SALAZAR

0012srdc

Não deixei de ver a lição televisiva de Jaime Nogueira Pinto desta semana em propaganda a Salazar e para lhe angariar votos. Foi o que se pode chamar de notável “limpeza académica” do ditador, tentando torná-lo apresentável para quem não o sofreu. Os estereótipos da defesa de Salazar estavam lá todos: o ascetismo, a simplicidade e a honradez do sujeito, a sua inteligência e carreira académica, a pressão providencialista que o levou ao colo até o poder absoluto, o nacionalismo indomável e grandioso, a habilidade táctica para os jogos geoestratégicos contornando perigos, a profundidade coerente do anticomunismo e da aversão à democracia, o génio do saneamento financeiro. Quanto ao resto, ao pior, à essência de Salazar, apenas a condescendência da admissão do “autoritarismo”. Um “autoritarismo” envernizado como nada tivesse a ver com fascismos, antes pelo contrário. Brilhante. Detestável. Assim a modos que digna do ditador que inspirou a lição.

0012rpdr

Publicado por João Tunes às 16:09
Link do post | Comentar

BARREIRO

0012q21x

Um desenraizado persistente, ao plantar a vida por vários sítios, corre sempre o risco de, volta e meia, ir dar ao beco da nostalgia. Depois, pouco mais lhe resta que dar meia volta para não ficar a remoer o acre da passagem inexorável do tempo. E das vidas. Isto se não quiser ficar pasmado com cara de parvo a olhar para a parte de trás do calendário. No meu caso, com a agravante de ter de disfarçar o tamanho LX que trago vestido e que começa a dar sinais de aperto nas costuras e bainhas.

 

Evito ir ao Barreiro, tão meu próximo, pelo que atrás disse. E porque não há outro sítio onde tenha montado a minha tenda de nómada em que os sinais da terra tenham tão entranhado os meus nervos e as minhas veias. Mas, no sábado passado, pela apresentação de um livro de um meu amigo sábio, teve que ser. Ele, barreirense adoptivo como eu, escolheu uma colectividade do Barreiro para iluminar o seu parto académico. Fez bem. E eu fui.

 

Chegando cedo e sendo um sábado de reflexão eleitoral, a cidade estava muito calma no seu arranque de tarde. A hora de avanço chegou e sobrou para manobrar o veículo pelo “casco histórico”, agora bem decadente, revisitando os locais da fixação dos primórdios da urbe e onde me fiz menino e jovem. Passei junto à casa (remodelada) onde vivi, percorri escolas que frequentei, locais onde brinquei, colectividades onde coloquiei e dancei, o café da pequena burguesia liberal e literata, os restos arqueológicos das grandes fábricas, as bordas do Tejo com Lisboa a apertá-lo do outro lado em que aplicadamente namorei e mirei até as frontarias das duas igrejas onde não entrava para não pecar nas convicções. Muitas das ruínas do casario dessa parte velha e histórica do Barreiro, esses sinais de vida menos vida, pareceram propositadas para me lembrar a erosão do tempo. Com se a cidade, a minha cidade, teimasse em não se querer libertar da fixação imortal do génio fotográfico de Augusto Cabrita.

 

Paguei o preço do tempo, assisti á cerimónia e voltei. Quanto se paga para abraçar e felicitar um amigo.

 

Imagem: Foto de Augusto Cabrita (quando a televisão chegou ao Barreiro e se via espeitando para dentro dos cafés). Uma das razões para a escolha: Augusto Cabrita foi meu vizinho, meu retratista standard e amigo de condescendência para com um miúdo que lhe caíra na simpatia.  

Publicado por João Tunes às 15:34
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

CONTRA O VOTO, MARCHAR, MARCHAR

0012pxp4

Segundo o “Avante” de hoje:

 

“A «troika» Sócrates/Cavaco Silva/PS governa contra a Constituição. O debate é substituído pela tirania. Recusam o diálogo e recordam com soberba o voto que os elegeu. O poder tirânico é a raiz de todos os males. Funciona sempre a favor dos mais ricos.”

Publicado por João Tunes às 12:42
Link do post | Comentar

O DESVENDAR DE UM NOBEL SILENCIADO E CONTROVERSO

0012hp490012gs80

 

Egas Moniz será o caso simultaneamente mais profícuo, sucedido, misterioso e controverso, na Inteligência portuguesa de todos os tempos. Tanto que constitui um dos grandes mitos portugueses conservados no silêncio com as preciosas ajudas da perplexidade e do mistério.

 

No final da primeira metade do século XX, em pleno salazarismo, numa sociedade com reduzido empenho e prestígio da actividade e investigação científica, um português arrecadou um Nobel (da Medicina ou Fisiologia). Que seria o único atribuído a um português até que Saramago, passado meio século, obtivesse a réplica do galardão, agora num ramo “mais naturalmente luso” (o da literatura). Mas sendo este escritor o “nosso” segundo “nobelizado”, quantos dos nossos patrícios vêm emblematizado, lá fora, o sumo do talento português com Egas Moniz ao lado de Saramago? E mesmo, entre nós, quantos não o associamos, pronunciado o nome, primeiro ao Aio de D. Afonso Henriques e só depois, com algum esforço e talvez com a ajuda menemónica do Hospital que lhe usa o nome, chegamos à sua relação com o médico e investigador, detentor do galardão mais célebre e notório no mundo? Que, diga-se, e para acentuar que não foi um Prémio “fácil de alcançar”, só conseguiu impor a excelência notável dos seus méritos junto do Karolinska Institutet de Estocolmo (a cuja comunidade científica compete fazer a escolha do Nobel da Medicina), em 1949 (quando o médico cientista já contava 75 anos de idade), após quatro nomeações que não culminaram no sucesso (em 1928, 1933, 1937 e 1944), o que perfaz uma trajectória de “candidatura” que durou vinte e um anos de esforçada imposição de prestígio na comunidade científica internacional.   

 

Entretanto, o tempo decorrido, desde o Nobel até à actualidade, não atenuou os paradoxos associados a Egas Moniz. De há uns anos a esta parte, uma forte e activa corrente de opinião, utilizando sobretudo a Internet para se expandir e pressionar, reivindica ao Comité Nobel que o Prémio seja retirado a Egas Moniz (como forma simbólica de “reparação” pelos padecimentos irreversíveis das “vítimas” da sua mais conhecida descoberta), o que é caso único de um movimento se manifestar nesse sentido e relativamente a qualquer das personalidades premiadas em qualquer dos ramos.

 

Por todos os grandes insólitos associados ao Professor Egas Moniz – um médico português conquistar o Nobel da Medicina e ser o primeiro português “nobelizado”, o limbo de esquecimento celebrante que se seguiu à façanha e que Salazar lhe aplicou e outros com ela pactuaram (por, na altura, Egas Moniz ser um oposicionista ao regime mas, não sendo comunista nem seu próximo, não constar da galeria das glórias antifascistas), a actual e espalhafatosa campanha para o “desnobelizar” -  seria expectável que a figura, as suas controversas experiências e descobertas,  fosse tema que apaixonasse, ou pelos menos cativasse, os portugueses. Quiçá, despertasse uma qualquer vaga “nacionalista” de defesa dos nossos méritos científicos e da figura emérita que uma campanha desconchavada, no mínimo por descontextualizar os métodos e as experiências de Egas Moniz, pretende ver traduzida em "justiça desnobelizante”. Nada disso se passa, como sabemos. Antes, o insólito "caso Egas Moniz" promete estar para durar. Com a ajuda da persistência do silêncio dos seus compatriotas e passados que são cinquenta anos sobre o seu falecimento. 

 

Desvendar o “mistério Egas Moniz” foi um desafio que estimulou a curiosidade e o talento de Manuel Correia (*) que nisso se empenhou a fundo. E agora, na rampa final da sua tese de doutoramento, a Universidade de Coimbra deu-lhe à estampa um livro (**) onde condensa (e nos espevita o apetite), através de um notável poder de síntese e uma apaixonante criatividade narrativa, as suas aturadas investigações seguindo o rasto da odisseia de Egas Moniz para chegar ao Nobel e o contexto da controvérsia que lhe está associada. Com o bónus extra de ilustrar brilhantemente que tão controversa como as descobertas de Egas Moniz e os seus impactos é a própria figura, personalidade e trajectórias científica e política do laureado. Em resumo, um livro fascinante (que pode ser adquirido directamente por esta via).

 

(*) Manuel Correia é licenciado em Sociologia pelo ISCTE, Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação (ISCTE), doutorando a preparar tese na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra com o projecto “Egas Moniz: representação, saber e poder”. É também um interventivo, lúcido e acutilante blogger, com tribuna de ciber-escrita no “Puxa Palavra”.

 

(**) – “Egas Moniz e o Prémio Nobel”, Manuel Correia, Edição da Imprensa da Universidade de Coimbra.

 

Imagens: Egas Moniz e Manuel Correia (na apresentação do seu livro na “Cooperativa Cultural e Popular Barreirense”, no Barreiro, no passado dia 10 de Fevereiro) [a foto do escritor-doutorando foi roubada ao Raimundo Narciso]

Publicado por João Tunes às 01:10
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO