Sábado, 13 de Janeiro de 2007

NO VAGAR DA RETOMA

Ainda meio atordoado pelo motivo do interregno blogosférico forçado, vou lentamente retomando os laços com a luso-blogosfera e a realidade portuguesa percebida que, pelo já lido, continua decantada no seu desencantamento (percebe-se logo pelo tom). E o facto de ter estado imerso durante uma semana na pacatez da rotina endógena de uma pequena cidade interior de La Mancha (falarei de Cuenca, mais tarde e com mais vagar), só ligado ao mundo pelos jornais e televisão espanholas, espevita-me, no regresso, o nunca resignado espanto perante este nosso dominante arrastar de pés que nos embaraça o olhar e a capacidade de projecto, esta fadista maneira de nos refugiarmos na desculpa que somos pequeninos, sempre acompanhada da ameaça contra quem se atreva a nos querer maiores. E, assim, retomo com um espanto de boca aberta desde o queixo até os pés. Mais uma partilha do sentir triste.

 

O grande espanto foi por nada ler nem ouvir que preencha a distância entre o murmúrio e a greve geral contra mais um atentado da globalização e que está programado pela “Pescanova”, conhecida empresa galega de pescado congelado. Então não é que estes patrões galegos da indústria do peixe, se preparam para transferir parte da sua actividade de transformação da Galiza para Portugal (para já, parece haver um projecto de produção de redobalho em vias de concretização em Mira, a que se deve seguir um outro dedicado ao linguado e noutro lugar português) e da CGTP não se ouve uma denúncia, nem Jerónimo de Sousa lhe dedica um comício, desesperando-se na espera até que um blog-man lance em circulação uma petição de protesto? Ah, como é diferente, com a globalização (dividida em “boa” – a que traz actividade dos outros para cá, e em “má” - a que leva fábricas de cá para lá), a velha frase “trabalhar que nem um galego!”.

 

Quanto à partilha no respeito pela tristeza funda, ela tem a ver com o Nuno Guerreiro e com a lolita. Já me tendo calhado dores semelhantes e nunca saradas com mãe, pai e irmã mais velha, acho que posso dizer-lhes, como lhes digo, que os entendo. E tanto, que não evito estender-lhes um abraço.

Publicado por João Tunes às 00:13
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

O BLOGUE SEGUE DENTRO DE MOMENTOS

Agradeço a todos os que se interessaram pela razão da inopinada interrupção. Ela foi indesejada mas inevitável. O blogue seguirá dentro de momentos, confirmando que os vícios nunca são fáceis de matar. Até breve.
Publicado por João Tunes às 17:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)
Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2007

ASSASSINOS NA (E DA) DEMOCRACIA

000wxh0c

Aznar caiu porque acusou a ETA para mentir. Zapatero, ao negociar com a ETA, tropeçou agora.

 

Conclusão: a democracia, em qualquer das suas modalidades, não é compatível com o terrorismo. Que, não sendo um caso de política, é um caso de polícia. Custa a entender?

Publicado por João Tunes às 00:31
Link do post | Comentar | Ver comentários (9)
Terça-feira, 2 de Janeiro de 2007

NUNCA PENSEI

000wwyt5

Só mesmo a simpatia infinita da estimada e admirada Brígida podia considerar este blogue como sendo de “humor oportuno”. Ainda não refeito do espanto, muito agradeço o mimo. Merecendo abraço efusivo esta companheira de pensamento cristalino e condescendente. Aqui fica.

Publicado por João Tunes às 23:33
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

UMA APOSTA COMO OBRIGADO

000wtff0

Prestável como é seu uso, o Luís respondeu-me, sem tremor de escrita, a uma minha dúvida. Assim:  

 

“O manual de boas maneiras políticas que ensina como devem morrer os ditadores já está escrito há muito na nossa civilização.”

 

Entendidos. Mais ainda estaremos quando Fidel morrer e as opiniões brotarem das várias leituras do tal “manual há muito escrito”. É que, para já, há muitos que estão a acumular, em antecipação ao desfecho, créditos de atenuantes, desculpas e méritos tamanhos que deixa adivinhar que muitos juízos finais irão parar à via do choro e da glorificação. E não será que, havendo embora o “manual”, muitos que se indignaram com a morte sem paga de Pinochet e a gravata de corda no Sadam, vão cantar loas ao sistema de saúde, à escolarização e ao bater o pé aos States?

 

Vai uma aposta?

Publicado por João Tunes às 23:19
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

EUROPEÍSMO TUGA

000wsrrt

Custou mas consegui entender porque é que, com os tempos que correm, vi os portugueses tão felizes com a entrada de 2007. Hoje, na serenidade da ressaca e ouvindo pedaços de conversas soltas, lá percebi que tamanha e tão festiva alegria teve a ver com a entrada dos búlgaros e romenos na União Europeia.

Imagino a festarola rija que vai ser quando aos quinhentos milhões de agora se juntarem os setenta milhões de turcos, nossos velhos irmãos na civilização europeia.   

Publicado por João Tunes às 13:12
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

DITACOMPOSIÇÃO (agit-prop aplicada a ditadores)

000wry64

Quando lemos um profundo conhecedor apaixonado das questões do Médio Oriente, nomeadamente no que toca o longo rol de atrocidades cometidas pelos EUA e Israel naquela região, e também um especialista em geoestratégia, escrever assim sobre Sadam Hussein:

 

“Velho aliado dos EUA, designadamente na guerra contra o Irão. Teve o apoio, muitas vezes a compreensão dos rancheiros texanos, particularmente dos “criadores” de petróleo, incluindo a presidencializada família Bush. Foi responsável por milhares de assassinatos, execuções sumárias, extermínios, boa parte deles com o apoio, o encorajamento, a “compreensão” ou a cumplicidade dos EUA, da Inglaterra, da França et tutti quantti.”

 

Ficamos mais entendidos sobre os caminhos insondáveis das ondas de sombra da propaganda nos subterrâneos da cultura política esclarecida. Porque quando assim acontece com pessoas excelentemente informadas e de alto gabarito intelectual imbuído de princípios éticos e emancipadores, o que esperar dos que fazem da propaganda a permanente justificação da praxis optada?

 

É de facto admirável a vaga que submergiu tantos comentadores que surfam a indignação generalizada para com a corda de forca no pescoço de Sadam, uma indignidade repulsiva em si mesmo e autónoma do pescoço que engravatou, para retocarem as figuras, como Iejov fazia com as fotografias dos líderes caídos em desgraça, caudalizando um objectivo pré-definido. No caso, alimentando com lenha de estereótipos a fogueira do novo-velho anti-imperialismo, o que se quer manter como herança eterna dos tempos do filo-sovietismo, permanecendo como crença de continuidade e confiança nos andaimes da coerência.

 

E, no entanto:

 

Sadam Hussein e o domínio do Partido Baas não são criaturas do imperialismo norte-americano nem da apregoada perfídia judaica feita Estado em Israel. Ao contrário, o projecto Baas de poder (consumado no Iraque e na Síria, replicado em versões mais medievo-tribalistas na Líbia e no Iemen, todos inspirados em Nasser no Egipto), ideologizado como praxis de “socialismo árabe”, teve sempre fortes propósitos anti-imperialistas e bebendo inspiração no “socialismo real” com adaptação iconoclasta ao islamismo (numa primeira linha, contra o domínio inglês e francês, mais o intuito confessado de aniquilar o Estado de Israel). A substância material deste projecto assentaria nos meios libertados pela nacionalização mascarada dos recursos petrolíferos (traduzida, afinal, em elevação das quotas de repartição das fatias lucrativas com as multinacionais petrolíferas) e a imposição de preços mais altos na cotação do crude. Em termos sócio-políticos, a transformação incidiria no reordenamento das estruturas tribais dos domínios central e regionais, a criação de uma numenklatura burocrático-militar-policial com capacidade centralizadora e guardiã de uma nova ordem piramidal, na promoção de projectos de elevação da satisfação das necessidades (saúde, educação, protecção social, habitação, obras públicas), uma laicidade mitigada em que o islamismo se conservava como religião dominante e inspiradora mas os agentes políticos passavam para as mãos de civis e, finalmente, a desmontagem dos principais travões arcaicos ao voluntarismo desenvolvimentista. No campo regional e internacional, o projecto do “socialismo árabe” assentava no conceito da “unidade árabe”, na expulsão de Israel, com a Palestina erigida a “causa central”, e na dinâmica protagonizante do “Movimento dos Não Alinhados” que, tacticamente, repousava num filo-sovietismo anti-imperialista suportado no efeito dissuassor do poderio militar do Pacto de Varsóvia. No fundo, as grandes heresias do “socialismo árabe” relativamente aos dogmas soviéticos sobre a “libertação nacional” reduziam-se à mudança de protagonismo nas transformações, da classe operária e do campesinato que passava para os oficiais das Forças Armadas de patente média e baixa (um género de antecipação do que foi o MFA em Portugal) e que implicava a liquidação, subalternização ou apagamento dos Partidos Comunistas locais e dos Sindicatos, mais a fundamentação legitimadora dos actos revolucionários a ser transferida de tudo quanto Marx e Lenine escreveram para um Corão lido na óptica de um nacionalismo redentor.

 

A crise do Suez em 1956, simultânea com a chacina da revolta húngara ordenada por Krutchov, já com Nasser (o pai e inspirador do “socialismo árabe”) consolidado no poder, havia provocado um efeito complexo e surpreendente no alinhamento das grandes potências no Médio Oriente. Os Estados Unidos e a URSS que, antes, haviam imposto Israel à Inglaterra, conluiem-se de novo na “crise do canal” contra a Inglaterra e a França. E, arredando a influência inglesa e francesa do Próximo e Médio Oriente, abrem caminho não só à sobrevivência de Nasser como à propagação do “socialismo árabe”. Em plena guerra fria, esta duplicação de aliança américo-soviética estava condenada a explodir na competição infra-imperialista. Rapidamente, os EUA se acantonaram nos feudos tradicionais árabes (a Arábia Saudita como praça forte) enquanto os soviéticos, disponíveis para negociarem os seus dogmas e a mudarem de instrumentos, passaram a apoiar em toda a linha o projecto de “socialismo árabe” onde ele se manifestasse, sobretudo no campo do armamento militar e no auxílio às mudanças de estruturas económicas, a apoiarem a causa palestiniana e a colocarem Israel na primeira linha do ódio da esquerda mundial “progressista”.

 

A ascensão do Partido Baas do Iraque (teoricamente, um simples “comando regional” no quadro da “unidade árabe”) deu-se neste quadro e na embalagem de sucessivos golpes militares contra o domínio britânico e pela recomposições das castas e elites dirigentes. A base tinha sido sempre a mesma: o corpo militar sunita (uma minoria privilegiada no Iraque desde os domínios otomano e britânico). A tomada de poder golpista (golpe nos golpes) do Baas ainda foi um compromisso entre parte da velha oficialidade nacionalista e uma nova geração de “baasistas” em que se destacava a capacidade conspirativa e de intriga de Sadam Hussein (dos poucos quadros do Baas que não fizera carreira militar) e que culminou numa dualidade de poder, em que o Presidente nominal era o General Al Bakar e o Vice o homem do aparelho, da intriga e da acção (Sadam). A dupla Suslov-Ponamariov que ditava do Kremlin a geo-estratégia soviética, já com Brejnev no leme do PCUS, foi rápida e clara no alinhamento com o “novo Iraque”, integrando-o no campo das suas alianças prioritárias. O partido Baas passou a “partido irmão” (em lugar do Partido Comunista do Iraque, considerado demasiado heterodoxo) e Sadam Hussein era tratado como um camarada de primeiro nível. Quando Sadam assassinou o seu Presidente (Al Bakar) e tomou conta em exclusivo do poder, depois resolveu liquidar os membros, todos os membros identificados, do Partido Comunista do Iraque (que, antes de serem enforcados, eram ritualmente sodomizados na entrada na prisão) e rompeu os equilíbrios étnicos com instauração da supremacia sunita e a subjugação da maioria xiita e da minoria curda, o Iraque manteve-se e fortaleceu-se como um dos grandes peões da influência soviética na região. Foi assim até à ocorrência praticamente simultânea de dois acontecimentos trágicos e importantes: a invasão do Afeganistão pela URSS em 1979 (onde os soviéticos alimentaram a esperança de construíram um regime marxista puro e absolutamente submisso em território islâmico, um género de “estádio superior” ao do “socialismo árabe”) e a declaração de guerra do Iraque ao Irão em 1980. Sadam percebeu, pelo tratamento dado pela URSS ao Afeganistão, que o apoio soviético lhe era conjuntural até que lhe pudesse ser aplicada a receita do “estádio superior”. Os Estados Unidos, enquanto jogavam a "cartada talliban" contra os soviéticos no Afeganistão, exploraram as ambições desmedidas e aventureiras de Sadam quando este atacou o seu “inimigo principal” na região (o Irão). É neste quadro que ao americanos jogam a “cartada Sadam” e apostam em correr a substituir o apoio soviético, dando-lhe apoio logístico, tecnológico e da CIA, na guerra contra o Irão (etapa que não durou mais de dois anos). Com a derrota empatada em que terminou a guerra Irão-Iraque, que fez o Iraque recuar décadas nos seus poderios militar e económico, para além do milhão de perdas humanas, e a URSS enterrada no pântano afegão e sem vitória à vista, a retórica anti-americana voltou ao Iraque e recompôs-se a aliança soviético-iraquiana que durou até o fim da União Soviética e se prolongou no sucedâneo russo, com hiato durante a invasão do Koweit ordenada por Sadam.

 

Em balanço, olhando para toda a ditadura de Sadam, o apoio imperialista norte-americano ao poder e desmandos de Sadam foi meramente episódico e nunca ultrapassou um apoio parcial no conflito iraquiano-iraniano. Foi a URSS que apoiou a carreira de Sadam no Baas, foi a URSS que consolidou o regime do Baas no Iraque, foi a URSS o maior apoio diplomático internacional do Iraque de Sadam, foi a URSS que treinou e armou as Forças Armadas de Sadam, foi a KGB da URSS que ensinou a tortura à polícia de Sadam e organizou os seus serviços secretos e a sua polícia política, foi a URSS que fechou os olhos à tortura e assassinato dos comunistas iraquianos por Sadam. Como é possível dizer-se, sem um riso escancarado a revelar o comprometimento propagandístico, que Sadam foi “uma criatura dos americanos”?

 

Se Sadam jaz enforcado, ignomínia demasiada, escusada e aviltante, evitem enforcar agora os seus reais “pais políticos”. Pai é pai, amante de ocasião é outra coisa.  

Publicado por João Tunes às 00:39
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO