Terça-feira, 31 de Outubro de 2006

POR ALGUMA RAZÃO, O CARDEAL EQUIPA DE VERMELHO

000hgsp0

Em termos de estratégias de combate, a da Igreja sobre o referendo sobre o aborto, lembra-me a do PCP. A Conferência dos Bispos encomendou o programa da mobilização discreta, mas disciplinada, das hostes do “não” e lança os leigos fiéis à liça com a Zita Seabra a liderar as vozes ao manifesto. O PCP concede à Assembleia da República a qualidade de Soviete Supremo para evitar o referendo para ter honras de vanguarda do “sim” e mandou a Odete Santos dar show oratório parlamentar para inflamar o feminismo da classe operária.

 

As igrejas estão cada vez mais igrejas. Mas, de tão iguais, estão a ficar demasiadamente parecidas e previsíveis. Tanto que a Zita e a Odete parecem gémeas políticas disfarçadas de comadres zangadas, cada qual no seu frete.

Publicado por João Tunes às 22:22
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006

TARRAFAL E HISTÓRIA

000hfxh9

A efeméride dos 70 anos decorridos sobre a abertura do Campo de Concentração do Tarrafal (na localidade de Chão Bom, Ilha de Santiago, Cabo Verde) podia e devia servir para desmistificar os logros do branqueamento na história, mitos e outros silêncios associados na escrita e reescrita da memória. Num esforço para que o passado histórico não se associe a uma recriação da propaganda e não sobreviva como registo exclusivo de meias verdades, silêncios e heroificações trabalhadas.

 

- O Campo de Concentração do Tarrafal funcionou em três períodos: de 1936 a 1954, como campo de exílio e extermínio para presos políticos portugueses e outros europeus; entre 1961 e 1974, para militantes e combatentes dos movimentos africanos anti-coloniais; no período da descolonização de Cabo Verde, para prisioneiros considerados cúmplices do aparelho repressivo colonial, inimigos da independência e do PAIGC (no seu ramo caboverdiano e antes de se transformar em PAICV). E se a primeira fase de funcionamento do Campo é relativamente bem conhecida, testemunhada e documentada (destaco a tese de mestrado de Nélida Maria Freire Brito, historiadora angolana de origem caboverdiana, publicada em livro pelas edições Dinossauro, sob o título "Tarrafal na Memória dos Prisioneiros"), a segunda e terceira fase ainda esperam por um mínimo de trabalho historiográfico. E, no entanto, nas três fases, o Campo foi o mesmo, no mesmo local, com uma ou outra diferença de condições e tratamento, cumpriu o mesmo objectivo (confinamento e aniquilação de opositores políticos) e merece o mesmo repúdio. A distinção exclusivista da primeira fase não é um completo tributo à história e à memória e, no mínimo, padece de eurocentrismo (ao sobrevalorizar a fase do padecimento dos presos políticos portugueses antifascistas) e de filtro ideológico (ao não contemplar a reutilização de um instrumento prisional colonial ao serviço, na fase pós-colonial, de um “movimento de libertação” contra os seus opositores e inimigos).

 

- O modelo da concepção e da implantação do Campo do Tarrafal, desmentindo os pruridos dos que dizem que o salazarismo “não foi um fascismo”, foi copiado dos modelos nazis e foi, na escala portuguesa, um decalque de Dachau ou Buchenwald. Ou seja, locais de extermínio para minorias activistas recalcitrantes à aceitação da ditadura. A par da PIDE, da Legião, da Censura e da Mocidade Portuguesa, o Campo foi um sinal da tendência copista dos modelos repressivos e de enquadramento do nazi-fascismo.

 

- Embora a maioria dos prisioneiros na primeira fase do funcionamento do Campo tenham sido militantes comunistas, o universo prisional foi mais vasto, incluindo anarquistas, sindicalistas-revolucionários, republicanos democratas, espanhóis derrotados na Guerra Civil e alemães anti-nazis. E, entre os 32 prisioneiros que perderam a vida no Campo, além do então Secretário-Geral do PCP (Bento Gonçalves), inclui-se o principal líder sindicalista-revolucionário, Mário Castelhano.

 

- Como em qualquer universo prisional concentracionário, o Campo não foi só uma revelação, da parte de todos os prisioneiros, de comportamento heróico, exemplar e destemido perante uma repressão processada em condições limite para a força da resistência humana. Ao lado dos mártires impolutos, casos existiram de presos que se passaram para o lado dos carrascos ou a eles, em forma clara ou mitigada, deram mais colaboração que solidariedade aos seus companheiros. “Passagens” para o lado dos carcereiros deram-se não só na primeira fase como na segunda em que lá penaram combatentes africanos (por exemplo, a facção guineense que alinhou com a PIDE na acção de posterior infiltração no PAIGC e que culminou com o assassinato de Amílcar Cabral, foi “trabalhada” no Tarrafal). Igualmente há uma marca extremamente negativa do comportamento generalizado dos prisioneiros europeus do Campo e que muito se tenta fazer esquecer - a do seu racismo anti-africano manifestado quer para com os militares angolanos que ali fizeram serviço de guarda quer para com a população caboverdiana do meio envolvente.  

 

- Pelo isolamento, pelas condições de internamento, pelo humano desejo de sobrevivência, pela dinâmica das evoluções políticas e ideológicas, com muitas fracturas pelo meio, o Campo foi uma enorme fonte de intensidade de debate e alinhamentos e realinhamentos que marcaram o posicionamento político de muitos dos prisioneiros, nomeadamente entre os comunistas. Ali, nomeadamente, ganhou expressão considerável a facção da “política de transição” (que admitia, nela apostando, uma via pacífica de transição do fascismo para a democracia) que levou ao ostracismo violento de vários dirigentes destacados do PCP (caso de José de Sousa, que consumou ainda no campo a ruptura) e uma mancha curricular sobre outros. Por exemplo, a mitigação do culto de Bento Gonçalves pelo PCP e que ainda hoje perdura, deve-se às “manchas” que são atribuídas às posições políticas que ele adoptou no campo (e a denúncia dos seus “erros” nunca teve expressão muito evidente porque, entretanto, não sobreviveu às agruras do Campo e assim nunca representou um “perigo político” para a linha cunhalista). Mas outros dirigentes comunistas sobreviventes (Júlio Fogaça, Militão Ribeiro, etc) haveriam de “pagar” mais tarde pelo ferrete dos “erros” das posições defendidas no Tarrafal. Pese embora o viciado e vicioso jogo de história-propaganda que o Tarrafal continua a alimentar na memória permitida e autorizada do PCP (leiam-se as observações de Pacheco Pereira ao livro recentemente lançado pelas Edições Avante), em que a “história oficial” é a que retrata aquele partido como uma organização monolítica e sem falhas nem contradições, seguindo sempre, como uma procissão militante, o itinerário político-partidário de Cunhal. Razão bastante para o PCP continuar a querer que os historiadores andem bem longe dos seus arquivos.

Publicado por João Tunes às 15:58
Link do post | Comentar | Ver comentários (11)
Domingo, 29 de Outubro de 2006

NET BARBÁRIE ou CHICOTE NO QUE É ABSOLUTAMENTE ESTRANHO

000her7t

Miguel Sousa Tavares e os blogues:

 

“Todo esse universo dos «chats» e dos blogues não apenas me é absolutamente estranho como ainda o acho, paradoxalmente, uma preocupante manifestação de um processo de dessocialização e de sedentarização das solidões para que o mundo de hoje parece caminhar. Saber que nesses ‘sítios’ imateriais é possível fazer praticamente tudo, desde arranjar parceiros amorosos até recrutar terroristas para a Al-Qaeda, não é, a meu ver, um progresso ou facilidade, mas uma espécie de impotência, de desistência de viver a vida como ela é.”

(…)

“O que já sabia dos blogues confirmei: em grande parte, este é o paraíso do discurso impune, da cobardia mais desenvergonhada, da desforra dos medíocres e dessa tão velha e tão trágica doença portuguesa que é a inveja.”

 

(No “Expresso” e com transcrição integral aqui)

 

Conclusão: A dessocialização, a sedentarização, a impotência, a desistência de viver a vida, a impunidade, a cobardia, a mediocridade e a inveja, são males que afligem o mundo desde que existem blogues. Antes deles, o mundo era regido por jogos entre damas e cavalheiros. Se a Internet trouxe a barbárie, que o tempo volte para trás.

Publicado por João Tunes às 21:08
Link do post | Comentar
Sábado, 28 de Outubro de 2006

SACANAGEM DE QUEM ESCREVE PARA ESCREVER

000hdqdb

Não resisti a ver a entrevista de António Lobo Antunes na RTP durante a semana. Um SMS e uma chamada de atenção do meu filho transformaram a sessão televisiva numa espécie de cumprimento de dever. E vi.

 

Valeu a pena. Não pela entrevista porque ela não existiu apesar do muito suor arfado pela diligente Judite no desespero de encontrar um fio de comunicação. Valeu pelo espectáculo de uma entrevista não entrevistada. Talvez se explicando pela minha fraca prestação como tele-espectador, nunca tinha assistido a tamanha contrariedade de alguém ali estar sem qualquer vontade de conversar ou dizer o quer que seja. O homem não queria falar, nem abrir boca, mas estava ali sentado, sempre mal sentado, a cumprir um frete (doloroso para ele, para a pobre entrevistadora, para quem o estava a ver e ouvir).  De onde deduzo que aquele espectáculo de sacrifício se deveu a uma obrigação de ganha-pão, imposto pela editora, que o cidadão-escritor transformou, subverteu, num acto de resistência cívica e connosco, no papel de parvos, a pagar as favas. Consciente. Preparado (a maior parte das vezes, impossibilitado de não falar, ele acintosamente apoiava o maxilar inferior sobre as mãos para não se perceber patavina do que soletrava). E julgo que entendi a mensagem do criador literário -  neste país de treta em que todo o mundo dá o cú e dez tostões por aparecer na televisão eu estou aqui metido num trono de famoso para falar e não falo, nem para a televisão nem para vocês, se me querem ouvir leiam os meus livros e não me chateiem que eu tenho mais que escrever.

 

Um grande sacana este Lobo Antunes. Que se apaga para nos apagar, desligando-nos a televisão na cara. Mas um bom sacana como não deixa mentir aquele sorriso iluminado e cortante de menino meigo e cruel com que amenizou, de tempo a tempo, a pólvora da provocação.

 

No fundo, o marketing (e tão mal habituado ele anda) ainda está para aprender que há escritores que escrevem livros. Por isso, as editoras que agradeçam ao sacana. Eu não. Contribuí com o meu papel de parvo e chega.

Publicado por João Tunes às 15:36
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

UM VOTO NO CONCURSO

000hc458

Confesso que quando o concurso televisivo, ou lá o que é, aquele dos “Grandes Portugueses”, foi lançado, torci o nariz ao empreendimento. Cheirou-me a mais do mesmo, ou seja concentração populista de escolha entre famosos com proveito. Ou um desfile de artistas com santos e heróis à mistura. Tão desconfiado fiquei que até me passou pela cabeça que a ideia tivesse saído da mente brilhante do Scolari.

 

Logo a seguir fui apanhado no chinfrim dos saudosistas do chanfalho para voltar a meter o pessoal na ordem, arregalando o escândalo de o “Manholas” (como o Manuel Correia bem lhe recordou a alcunha) não constar da primeira lista. E ganharam o primeiro “round” – o “Manholas” entrou mesmo nos canhenhos dos “recomendados” ou “sugeridos”. Aqui, vi o caso mais a fino. Percebi que há campanha organizada para resultar numa concentração de votos que enalteça a saudade do tirano que nos apertou o torniquete décadas e décadas e nos conservou no cú da Europa de onde ainda agora temos dificuldade em despegar. Para completar o resto, confirmei que o mesmíssimo António estava a servir outras bandas, agora como alegoria de repúdio, para dizer de Sócrates que ele não passa do “Salazar ressuscitado”. Uma e outra banda a servirem a mesmíssima ignorância, servindo-se dela, sobre o tal figurão. Num caso e noutro, insultando quem sofreu do “Manholas” o escuro e o chicote. Foi então que percebi que, afinal, o caso também era comigo e não podia ficar a ver a banda passar.

 

E já votei. Numa figura que julgo encarnar, para além dos seus elevados méritos como patriota, democrata, professor, cientista e pedagogo divulgador, uma antítese do “Manholas”. Este sim, um daqueles nossos grandes (e tão pouco divulgados) cuja perda ainda hoje se sente. Para dar coluna de dignidade e pundonor a este país bom em campeonatos e em concursos. E péssimo em memória. Votei em Bento de Jesus Caraça. Pela memória grata da sua obra, coragem e exemplo. Por homenagem ao autor do livro que mais me impressionou e marcou ("A Cultura Integral do Indivíduo"). Também contra o fantasma do “Manholas”.

Publicado por João Tunes às 01:02
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

CHAPELADA

000hb48c

Permito-me a transcrição de um texto que me impressionou pela limpidez dorida da sua sinceridade. E não o digo porque o seu anunciado sentido de voto coincide com o meu (estou vacinado contra a euforia unicista do élan da vitória pela minha já longa prática acumulada de perder aos votos). Antes, pela sinceridade adulta e cidadã que esta estimada companheira da blogosfera, uma católica exaltante, demonstrou de se abrir ao entendimento do mundo e alargar a alma para além da defesa dos cristais que dão corpo à sua consciência. Teimando corajosamente em olhar a vida pelo cristal, além do cristal, não permitindo que seja ele, o cristal da crença ou convicção, a filtrar-lhe a luz do entendimento perante o mundo, as mulheres, os homens, a vida.

 

“Até há poucos meses eu defendia, rotundamente, sem reservas, o "não". E ficava de consciência tranquila. Entretanto, aprendi que, por vezes, se tem de viver com pesos na consciência.”


”Nunca fiz nenhum aborto. Também, por várias razões, nunca o irei fazer. Nunca aconselhei ou aconselharei, alguém a fazê-lo. É do foro íntimo de cada um. Há uma jovem que eu apoio no que posso, que diz que não fez um aborto por minha causa. Mas eu nunca lhe disse tal. Apenas, lhe fiz ver da responsabilidade das várias opções que tinha à frente.”

”Continuo a achar o aborto um mal. Eu, como mulher e mãe, acho que o melhor dom que Deus nos deu foi a vida. Como mulher, sinto-me feliz e realizada pela maternidade. Mas este é o meu contexto de vida. Nem todas as mulheres o podem dizer e sentir como eu. Para mim a vida, tem um valor absoluto. Mas não é para toda a gente assim. Não posso obrigá-los, não posso proporcionar-lhes as condições, para que o sintam como eu.”

”Resumindo, o meu desejo é que não fosse necessário, mulher alguma, fazer um aborto. Independentemente das razões que podem ser múltiplas. Mas porque algumas o fazem, com consciência maior ou menor do que estão a fazer. Porque o fazem por necessidade ou até por egoísmo. Não quero "atirar pedras a ninguém". Não quero ver nenhuma mulher na cadeia por causa disso. Também não quero a hipocrisia de alguns julgamentos que são mas não são. Nem a hipocrisia de que é crime, mas a gente fecha os olhos. Também não quero que quem tem dinheiro, vai a clínicas seguras e faz o "serviço limpinho", quem não tem, sujeita-se a gente sem escrúpulos e minimamente preparada.”

”Por isso, vou votar sim à pergunta do referendo. Vou fazê-lo em consciência. Sem ter a certeza, que é a coisa certa a fazer. No que sinto e sei neste momento, é a resposta possível.”

 

(Nos “comentários” lidos aqui)

 

Publicado por João Tunes às 00:09
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)
Sexta-feira, 27 de Outubro de 2006

FAIR PLAY

000ha4t6

Hugo Chavez demonstrou o seu notável fair play político. Incapaz de angariar os votos necessários para ocupar uma cadeira nos lugares não permanentes do Conselho de Segurança da ONU, diz-se disposto a abdicar da competição a favor do seu pupilo boliviano Evo Morales. “Toma lá que é democrático!”, como diria o outro.

Publicado por João Tunes às 23:25
Link do post | Comentar

PELO SIM, PELA VIDA

000h97k7

O valor da vida se resumido ao existir, é pouco mais que nada. Em muitos casos, menos que nada. Ou quando muito, um mero determinismo de uma fatalidade biológica em que o futuro e a sua qualidade dependem do que for. No caso do nascimento de uma nova pessoa, há quem o pretenda ainda menos que tudo isso de muito pouco – uma obrigação que resulta de um acto sexual sem os constrangimentos que evitem a procriação.

 

Uma gravidez não desejada ou imediatamente arrependida é sempre um drama humano. E um drama que a biologia impõe que a sua intensidade seja vivida numa desproporção gritante, porque muitíssimo mais por um dos dois parceiros construtores do resultado. Pois é sempre sobre a mulher-mãe que recai o ónus maior desse drama. E como se essa componente inelutável fosse pequena, é a ela que a sociedade pedirá contas da decisão sobre o que irá fazer sobre uma gestação que foi obra de um par. Deixando na paz serena ou perturbada o co-autor. Acrescendo a parte adicionalmente perversa de, no caso, a mulher responder perante sociedades maioritariamente gerida por homens, perante leis feitas maioritariamente por homens, perante usos, costumes, valores e tradições maioritariamente formatados por homens, perante religiões celebradas e dirigidas maioritariamente por homens, perante uma opinião pública maioritariamente formada por um somatório de opiniões masculinas.

 

A penalização de um aborto é um castigo aplicado pela sociedade predominantemente masculina (com a cumplicidade de várias acólitas femininas) sobre duas pessoas – uma mulher e uma criança não desejada. Em nome de a mulher não ter direito a evitar uma fatalidade. À criança porque lhe é imposta a obrigação de existir que sobreleva sobre o direito à vida entendida com a qualidade mínima de ser saudada e cuidada como um novo ser desejado. Só uma sociedade paranoicamente procriadora, pessimista, castigadora, rancorosa perante a felicidade humana, consegue ser coerentemente penalizadora perante a mulher que resolve o drama da gravidez não desejada ou arrependida pelo drama do aborto. E essa crueldade, traduzida em leis de castigo, só podia ter, como tem, a cumplicidade ideológica de uma religião que fosse, como é ela mesma, dirigida por uma seita misógina que secundariza a mulher, a vê como “fonte da tentação e do pecado”, lhe interdita a ascensão ao sacerdócio ou a construção de um lar com um dos sacerdotes ordenados. Uma mesmíssima religião que, sadicamente, paralelamente faz tudo por interditar as práticas da contracepção e uma vida sexual esclarecida. No fundo, uma sociedade e uma religião contra a vida, contra as vidas.

 

Obviamente que resta ainda e também, para que o quadro seja completo, o naipe da irresponsabilidade, o das “liberalizadoras” da barriga à mostra com a inscrição estupidamente hedonista do “aqui mando eu”. Mas circunscrever, confundindo, o drama feminino da gravidez não desejada ou arrependida com o leque ínfimo das meninas infantilizadas folclóricas do género "bloquista", é ir-se remexer na gaveta retórica da demagogia. Como se um qualquer abuso da liberdade justificasse o fim do direito à liberdade. Por exemplo, um qualquer vómito traduzido num escrito justificasse o regresso da censura. Mas mesmo essas irresponsáveis disfarçadas de “liberais”, é bom que, em caso de engravidarem, possam abortar. Porque, assim e em cada caso, seriam duas poupanças úteis à vida – menos uma mãe irresponsável e menos uma criança destinada a ser não amada.

Publicado por João Tunes às 13:23
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2006

AVISO AO POVO CATÓLICO

000h894p

Segundo o Messias:

 

“Cumpre-nos estar atentos e vigiar. É necessário, sobretudo, que o povo católico saiba sacudir as duras carapaças ancestrais que tolhem as suas liberdades, exigindo das hierarquias o cumprimento dos compromissos da fé. O capitalismo é uma construção artificial corrupta. O comunismo continua a não ter alternativa válida. É o futuro dos povos. Os mais fortes somos nós! ...”

Publicado por João Tunes às 23:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

O PAPEL INESTIMÁVEL EM BUDAPESTE

000h7s2b

“As televisões também estão em todo o lado aonde vai o Presidente da República, nem que seja a Budapeste, onde se associou a todos os anticomunistas militantes para glorificar a «liberdade» que os húngaros hoje vivem e para tentar apagar o papel inestimável da União Soviética para a consolidação da paz no mundo e para transformá-lo num mundo digno de ser vivido pelos trabalhadores e pelos povos.”

 

(No “Avante”)

Publicado por João Tunes às 23:26
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

DO ESTREMEÇÃO AO PAVOR

000h6059

“O Governo, surpreendido pela dimensão, pela força e pela composição diversificada dos participantes da manifestação, estremeceu: não esperava tanta gente – e isso preocupou-o; não esperava tanta convicção – e isso aumentou-lhe as preocupações; não esperava tanta força - e isso irritou-o; e muito menos esperava que, entre os manifestantes, estivessem tantos eleitores e eleitoras que nas últimas eleições votaram no partido do governo, designadamente membros desse partido – e isso apavorou-o.”

 

(A esquizofrenia da Rua do Jerónimo, traduzida no Editorial épico-trágico do último “Avante”)

Publicado por João Tunes às 23:12
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2006

FINALMENTE

000h5fa8

Vou reservar passagens e estadia para Londres. Finalmente, surge a possibilidade, de que já havia desesperado, de me tornar um homem bonito.

Publicado por João Tunes às 12:55
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

DA LUTA

000h4twh

Imagine-se estes manifestantes, pois a luta - como o capital - não tem pátria, a desfilarem em Pyongiang. O que chamariam ao Kim Jong-il?

 

(foto copiada daqui)

Publicado por João Tunes às 12:34
Link do post | Comentar
Terça-feira, 24 de Outubro de 2006

A TURQUIA E A EUROPA

000h3p72

Só posso agradecer ao Pepe o cuidado erudito como, abordando a problemática da eventual adesão da Turquia à União Europeia, se afincou em desdobrar os fundamentos dos seus pontos de vista e cuja leitura vivamente recomendo aos interessados mais em desvendar o saber que agitar bandeiras de circunstância (dá corda aos neurónios mas vale a pena). Fê-lo através de quatro posts em que desdobrou tematicamente as suas apreciações:

Assim, sempre digo que valeu a pena “provocá-lo”. Obrigado. E abraço (este nada “polémico”).

Publicado por João Tunes às 15:15
Link do post | Comentar

NEM PELA FÓRMULA 1

000h23dc

Está em maré de insucesso a venda da imagem da chamada República Turca do Chipre do Norte (um “país” só reconhecido pelo país tutor e invasor). Esta habilidade acabou em multa e daí não passou. Não está nada fácil o mercado publicitário da turcofilia.

Publicado por João Tunes às 14:45
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO