Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006

A BELEZA DO SEXO FORTE

000e91fz

Não se trata, por muito que pareça, de uma concorrente ao Concurso da Mulher Mais Atraente. A foto AFP retrata a pose esbelta de uma concorrente num concurso de culturismo feminino realizado em Sofia (Bulgária). Pois é, parece que não lhes basta terem a capital mais feia da Europa…

Publicado por João Tunes às 11:41
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 22 de Setembro de 2006

EM TEMPO DE AUSTERIDADE POUPA-SE NO FARDAMENTO

000e8d8d

Enquanto apertam as medidas de popupança e controlo orçamental para equilibrar o défice, Portugal vai envolvendo-se mais e mais em missões internacionais militares. Os nossos tropas já estão a caminho de patrulharem, outra vez, as sete partidas do mundo. Tirando o envio da GNR para Timor para apoiar um Golpe de Estado contra um governo legítimo, até nem acho mal. Antes assim e sempre serve de treino operacional para quando chegar a hora de andarmos à trolha com os espanhóis para eles acabarem com a barbárie das touradas e o Barcelona não nos roubar mais craques da bola. Não entendo é como o dinheiro público, minguado para tanto e quase tudo, vai chegando para tanta tropa exportada. Só quero ver quando o dinheiro não chegar sequer para os fardamentos…

Publicado por João Tunes às 00:42
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

A GRANDE DEMAGOGIA DE SÓCRATES

000e70pk

O discurso proferido por Sócrates na 61ª Sessão da Assembleia Geral da ONU é uma das suas peças oratórias mais demagógicas. Digna de enfileirar ao lado da promessa eleitoral de que ia baixar os impostos (onde acresce o ónus de ter inspirado o actual primeiro ministro da Hungria).

 

Só que a treta dos impostos foi vendida domesticamente e a malta já a esqueceu (em parte, por méritos demonstrados na engenharia da governação). Mas a bravata retórica na ONU é mais grave, muito mais grave, na exacta medida que é uma mentira exportada no supremo fórum da comunidade internacional.

 

Não tem o mínimo fundamento dizer-se que “Portugal tem feito esforços para que o continente africano não caia no esquecimento” como igualmente nada fundamenta invocar a falácia de uma “estratégia conjunta euro-africana” ou que, sequer, “a União Europeia tem vindo a reforçar a sua parceria e estratégia conjunta com África”. Para não falar do seu enaltecimento, que lhe devia provocar a queda de dois terços dos dentes da boca, desse órgão faz de conta que é a CPLP.

 

Portugal sempre teve relações difíceis com África. Primeiro, por estadia demasiada e abusadora. Depois, pela herança dos complexos de culpa das malfeitorias seculares e pelos ímpetos revanchistas de ter de lá saído com um valente pontapé no cú. Com o passar do tempo, Portugal cada vez tem menos a ver com África e a África cada vez tem menos a ver com Portugal. E isto, admito, mais pelo facto de que África está cada vez mais corrompida e menos governável. E esta realidade não pode ser mascarada pelos negócios ou pelo assobiar perante o perdurar de sistemas de tirania nas antigas colónias. E nem a grande excepção, Cabo Verde, possibilitou ou foi aproveitada para o tornar num caso exemplar de cooperação pós-colonial. E se Cabo Verde tão próxima continua tão longe, o que dizer do resto onde o que sobra, enquanto os laços da língua e da história vão definhando, é um ou outro negócio mais de um sentido que noutro em que a grande “excepção” é a nomeação do angolano presidente da Sonangol para o Conselho de Administração da Galp (sempre o petróleo como a grande excepção).

 

Os laços fortes e mais impositivos da relação de Portugal e da União Europeia com África estão na lide com o fluxo migratório africano (o legal e sobretudo o clandestino). Muito difícil, com altos e baixos, tensões e distensões, em que avulta a forma sábia como Zapatero, a braços com o influxo mais grave, tem demonstrado saber lidar. A África está a entrar Europa dentro. Muito pelo desespero devido à forma inábil ou relapsa como a Europa não entra, por não saber ou não querer, em África. Sobretudo pelo mal do despotismo corrupto que tomou conta da maior parte de África. A demonstrar que o que permaneceu, como lição europeia em África, foi o pior da prática colonial.

 

Era disto que Sócrates devia ter falado na ONU. Ajudando a definir uma estratégia que resolva o problema da globalização da miséria africana e que é, não há que fugir-lhe, um remorso, um problema e uma ameaça para a Europa. Miséria essa em que, historicamente, a Europa tem as maiores culpas e responsabilidades. Antes e depois da descolonização. Primeiro pelo chicote dos negreiros, depois pelos negócios com as máfias locais que substituíram o anterior papel desempenhado pelos chefes tribais africanos que connosco se entenderam a vender-nos os escravos seus patrícios. Em vez disto, falar disto, propor correcções a isto, tecer antes loas ocas à sigla da CPLP é pura demagogia autista. Sócrates voltou a mentir. E a fugir com o rabo à seringa. Demonstrando que não conseguiu superar a herança da velha e clássica “estupidez africana” de Mário Soares que, pelo visto, contaminou duradouramente o PS. Não é a primeira vez que Sócrates mente. Mas, agora, mentiu na ONU. Pior. Muito pior.

Publicado por João Tunes às 00:17
Link do post | Comentar
Quinta-feira, 21 de Setembro de 2006

BENTO, UM AGENTE DE BUSH

000e6gfe

até o Papa, esquecendo as suas responsabilidades se deixa enredar no turbilhão da guerra santa imperialista e na retórica da chamada «guerra contra o terrorismo»

Publicado por João Tunes às 15:29
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

ELIF SHAFAK

000e508r

Na Turquia, são gigantescos os passos dados na caminhada para ser admitida na União Europeia, trazendo-nos, de volta, o colorido da tolerância perdida desde a derrota do Império Otomano. Um exemplo:

 

Elif Shafak, escritora, cientista social, professora universitária e activista, vai ser julgada na próxima semana acusada de ter ofendido o “carácter nacional turco” (artº 301 do Código Penal). O “crime” de que acusam Elif Shafak foi a publicação do romance “Baba ve Piç” (“O Bastardo de Istambul”) onde se aborda o massacre dos arménios, assunto tabu do passado e presente histórico da opressão turca, a par da repressão sobre os curdos e a ocupação parcial de Chipre. 

---------------

Adenda: Elif Shafak foi mandada em paz pelo Juiz a quem foi atribuído o processo por não admitir qualquer fundamento à acusação. É um ponto positivo a contrabalançar o negativo que foi a mera existência do processo baseado no medieval e nacionalista-ditatorial artº 301 do Código Penal Turco. Empate portanto. Ou: tudo como dantes, quartel em Constantinopla. Sem nunca esquecer os dramas dos arménios, curdos e cipriotas. Porque não devem ser moeda de esquecimento na "hora" da União Europeia.

Publicado por João Tunes às 14:13
Link do post | Comentar

JÁ VOLTOU A DAR ORDENS…

000e4c5x

Raul Castro informou oficialmente o povo cubano e o mundo que o seu irmão já usa o telefone para dar ordens. Temos, agora, El Comandante por Teléfono.

Publicado por João Tunes às 13:54
Link do post | Comentar

HUGO, O EXORCISTA

000e3qgh

O Paraquedista Presidente Bolivariano disse que o lugar (tribuna da ONU) ainda cheirava ao enxofre deixado ali pelo Diabo Bush. Depois, como se viu pela televisão, benzeu-se a preceito. Antes, estes exorcistas levantavam o punho. Ou, então, tiravam o sapato e batiam com ele no tampo da mesa. Anda tudo baralhado.

Publicado por João Tunes às 00:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

PUTIN-PRIORIDADES

000e1x56

Inimigos ontem, principais inimigos para sempre.

Publicado por João Tunes às 23:16
Link do post | Comentar

PARA MELHORAR O DÉFICE COMERCIAL?

000e0x9c

Será que, à falta de melhor, andamos a exportar tarados?

Publicado por João Tunes às 23:08
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

PGR

000dzyg6

Esta do novo Procurador está-me atravessada. Pelo sim pelo não, meto já um pé atrás e o sobrolho fica franzido até se esclarecer bem o perfil e o programa do figurão. Porque dá que pensar esta unanimidade do Centrão alargado à direita pelos encómios suspeitos do PS, PSD e CDS e o aval do Cavaco. Mais que pensar dá ainda (e um bom pretexto para mais um exercício cívico de vigilância) que o PCP e o BE, a esquerda mesmo verdadeira, tenham adiado o pronunciamento para futura oportunidade. Esperemos. Até se perceber se este novo PGR está ou não metido na tramóia contra-revolucionária de formatar a Justiça e conformá-la aos moldes de dominação de classe.

Publicado por João Tunes às 22:53
Link do post | Comentar
Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

BLOGO-APANHADOS!

000dxb32  000dya29

O mais fanaticamente iconoclasta-criativo dos blogues que me servem habitualmente de cibercompanhia, mudou, inopinadamente e sem aviso prévio, de morada web.

 

Mas a fuga foi nuvem de pouca dura. Já lhes estou a seguir as pegadas. Mil agradecimentos ao meu amigo Detective Carlos pela localização dos fugitivos.

Publicado por João Tunes às 15:10
Link do post | Comentar

BONS VENTOS NA EDUCAÇÃO

000dwx3d

Qualquer reforma profunda na Educação exige, além de muito talento, enorme coragem e persistência. Será até dos maiores e mais extenuantes desafios aos governantes. Por outro lado, para complicar as coisas, nem se lhe pode aplicar a radicalidade, para que o caos não se instale, nem desfalecer porque muitas e tamanhas são as resistências a contornar ou vencer.

 

Desde logo, a máquina ministerial é um monstro com uma pesada e ramificada burocracia de hábitos arreigados e estruturados. Assim sendo, o Ministério é, à partida, um instrumento pouco apto para liderar e motivar a mudança. Qualquer mudança, quanto mais mudanças em profundidade.

 

Na Educação, estão instalados alguns dos mais fortes e resistentes dos espíritos corporativos que povoam a Administração Pública. E que a distorcem do sentido da sua “função pública” – servir as escolas e os alunos, sendo antes cultivado o acesso a rápidas carreiras e boas remunerações. O que é fortalecido na sua componente “conservadora” sabendo-se, como se sabe, que a par de um punhado largo de professores por vocação pululam os professores por sobrevivência e omissão (pela impossibilidade de acederem a outras vias profissionais de ganharem a vida). Acresce que a legião corporativa professoral está barricada, na defesa dos seus “interesses de classe”, num corpo profissionalizado e numeroso (são muitas, demais, as centenas de professores que só “ensinam” sindicalismo em “full time”) que enquadra o aparelho sindical da classe e cioso da forma privilegiada como interfere e pauta nas decisões ministeriais, sobretudo no fito de bloquearem mudanças que perturbe o “status quo” da apregoada “dignidade dos professores”. E, pelo impacto que qualquer movimentação reivindicativa dos professores tem sobre a vida de quase todos os portugueses, afectando-lhe a rotina dos filhos, é quase irresistível o recurso persistente à politização dos problemas da classe, lançando-os na luta a propósito e a despropósito e para alegria exclusiva de controleiros político-sindicais desejosos de apresentar boas folhas de serviço.

 

Também não ajuda à reforma do Ensino, a psicologia dos encarregados de educação que quase todos nós somos. Pouco ligados à vida das escolas e à partilha dos seus problemas e soluções, o comum é evitarem-se perturbações de maior e a visão da Escola é feita segunda a lupa exclusiva do “caso do nosso filhinho”. Será até dos casos em que mais se faz sentir a tendência particularizante da visão social dos portugueses com a redução dos interesses imediatos (os que beliscam a Família) sem qualquer disponibilidade para enfrentar perturbações de mudanças e, muito menos, contribuir para a solução de problemas que competem ao “Estado”. Ou não é verdade que grassa o absentismo dos encarregados de educação às reuniões na escola e que a maioria dos que teimam na presença só lá vão para saber como correm as coisas com os da sua prole?

 

A resolução racional, logística e infraestrutural dos problemas nas Escolas depende em boa parte da colaboração das Autarquias. E aqui, se há exemplos estimulantes, abundam os aproveitamentos de pretextos para alimentar a guerrilha entre Poder Local e Poder Central. No que contam com o acirrar das populações na fixação de falta de disposição para se ver além da casa, da rua e do bairro.

 

No último “Prós e Contras” da RTP, foi patente a forma vitoriosa como a Ministra se está a sair bem da sua estratégia de contornar o corporativismo professoral e ligar-se directamente à Escola e à resolução concreta dos seus problemas, empurrando a Educação rumo à modernidade e á responsabilização. E não será novidade menor o aparecimento de uma nova camada de professores motivados na ligação às comunidades locais e apostados na modernização eficiente dos problemas colocados Escola a Escola, com brio no serviço à “causa pública”. Como foi patético o esforço do representante da Oposição para criticar a ministra. Para não falar na triste figura do representante sindical (da Fenprof) a que nem lhe valeu a ajuda guerrilheira de um professor excitadamente furibundo vindo de Seia, qual Viriato a descer da Serra da Estrela para desancar o Estado de Direita.

 

De longe, a Ministra da Educação continua no “top” como o membro do governo mais enérgico, persistente, corajoso e reformador consequente. Oxalá tanta energia empregue não lhe esgote o fito reformista e a vontade de quebrar o “instalado”. Os nossos filhos, os portugueses de amanhã, o futuro do país, só lhe podem ficar agradecidos. Porque temos Ministra. Não Santa Milagreira da Educação, apenas o que se precisa: uma Ministra.

Publicado por João Tunes às 14:11
Link do post | Comentar

A VOZ SERENA E AVISADA DE VLADIMIRO ROCA

000dtd8y

Vladimiro Roca é um dos opositores mais conhecidos e prestigiados à ditadura castrista. Conheceu como poucos o “regime por dentro” pois é filho de um dirigente (Blás Roca) que alcançou o Olimpo da Comissão Política do P C Cubano até “cair em desgraça”. É um homem sereno, reflexivo, com uma larga cultura política, preocupado em que a transição de Cuba para a liberdade e a democracia se faça por via pacífica, gradual se necessário, e com o mínimo de convulsões ou os excessos dos “ajustes de contas”. Passou vários anos nas prisões políticas de Fidel. Em vez de guardar rancor, prefere a lucidez na análise do regime e as frestas por onde pode despontar a inevitável “transição”. Que pode demorar e vir quando e de onde menos se espera. Para os que querem olhar a realidade cubana além dos estereótipos, aconselho vivamente a leitura de uma sua recente entrevista transcrita no “Fumaças”.

 

Na imagem: Vladimiro Roca saindo de uma prisão de Fidel, amparado pela mulher e sob o olhar atento dos esbirros que zelam pela repressão dos combatentes da liberdade para os cubanos.

Publicado por João Tunes às 13:03
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 18 de Setembro de 2006

NON!

000ds3qx

Dialecticamente falando, não há equinócio sem solstício, caríssimo amigo Manuel Correia. A ideia transmitida, referindo-te à Revolução Francesa, em que a consideras como sendo a Revolução Moderna, que consagrou um projecto de carácter civilizacional assente no tríptico Liberdade, Igualdade e Fraternidade, tem muito que se lhe diga. Esta reverência perante a convulsão que abalou o mundo monárquico absolutista e trouxe o jacobinismo e o radicalismo (dos “Montanheses” e, sobretudo, dos “Iguais” de Babeuf) como parte integrante do modo revolucionário de alterar as relações sociais e políticas no mundo, faz parte, reconheço essa autoridade, da tradição da historiografia pré-moderna consagrada, nomeadamente difundida através de uma datada mas fortíssima corrente de historiadores franceses encantados com a qualidade francocêntrica de enfeitar a França (ah o velho chauvinismo galês!) como alavanca pioneira do progresso revolucionário e do progresso no mundo (lembrando a arte homóloga com que, após a II Guerra Mundial, se disfarçou o “vichysmo” dominante numa gesta empolada da resistência francesa contra a ocupação nazi). E o facto de a Revolução ter dado no Terror e este ter desembocado em Napoleão e no Império (feitas as contas de saldo, da coroa da monarquia absolutista passou-se à coroa de louros de um Imperador, com um intervalo em que a burguesia movimentou as massas populares), nunca ficou com a merecida relevância historiográfica de balanço.

 

A mitificação de enaltecimento e desculpabilizção da Revolução Francesa, envolvida que foi na bruma da “etapa progressista”, deveu-se muito ao acrescento do martírio da “Comuna de Paris” mas sobretudo à noção redentora de que as suas falhas e recuos, encorpadas na Comuna, foram vingadas e aplanadas com o sucesso da Revolução de Outubro na Rússia. Aliás, a Revolução Francesa sempre foi apresentada oficialmente, tendo em conta os cânones da materialismo histórico, como uma “etapa intermédia e incompleta” de libertação da opressão, sofrendo embora da pecha de ter sido conduzida pela burguesia, tendo calhado à Revolução Bolchevique a “correcção histórica” de colocar o proletariado na liderança exclusiva e exclusivista da vanguarda revolucionária (e sabendo melhor que todos exercer um Terror eficaz, vermelho). Com um efeito subentendido não pequeno (embora escamoteado) – a inversão da ordem do tríptico “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”.

 

Mas, no fundo, o que de transmissível e duradouro a Revolução Francesa deu (inovando) ao mundo foi não uma mas três tradições de transformação sócio-política – a dos “jacobinos” que alimentaria a prática e a tradição republicana com preocupações evolucionistas (que marcou, nomeadamente, o PS de Mário Soares); a dos “montanheses” que enformou a social-democracia revolucionária (até à sua ultrapassagem degenerativa pela cisão comunista); a dos “iguais” que foram fixados como a origem utópica e legitimadora do marxismo consequente de praxis bolchevique. No seu conjunto, estes berços de herança cobraram, durante décadas, um terrível preço pago pelas massas empurradas mas sujeitas a vagas sucessivas de terror – transformar á pazada, valorizando a revolução face à livre escolha e à democracia (a grande pecha dos reformistas timoratos e oscilantes).

 

Talvez, no fundo, o tal inquérito que inquietou o Manuel Correia e lhe mereceu um post sofisticadamente irónico (e de que partilho integralmente as preocupações subjacentes) se deva, também, aos mal entendidos histórico-utópicos. E como não entender que sejam os franceses a pagar o preço maior dos seus exageros ego-chauvinistas na pintura da História? Digamos, como remoque irónico para com o "politicamente correcto", que é “justo”.  

Publicado por João Tunes às 22:32
Link do post | Comentar

OUI!

000dr0bq

Uff, finalmente completamente de acordo com o Manuel Correia. Refiro-me a um post onde dá conta dos resultados de um interessante inquérito realizado em França e que finaliza com uma inquietação interrogativa:

“Não deixa de ser curioso que, mais de dois séculos transcorridos sobre a Revolução Moderna, que consagrou um projecto de carácter civilizacional assente no tríptico Liberdade, Igualdade e Fraternidade, os franceses ainda se preocupem tanto com as “desigualdades sociais”. Parece ter havido algo que não ficou lá muito bem resolvido…”

Só acrescento: além de curioso é preocupante. Sobretudo sabendo-se que fatia importante do eleitorado de Le Pen é oriundo (trânsfuga) do antigo eleitorado do PCF.

Publicado por João Tunes às 15:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO