Terça-feira, 11 de Abril de 2006

SOBRE VELAS NO ROSSIO

Só é de realçar a forma persistente, lúcida e documentada como o Nuno Guerreiro nos traz à memória essa “nossa” vergonha da matança de judeus que ressoa a história dessa intolerância de que também fomos feitos como povo e que está agarrada à pele e ao osso do domínio da cristandade em Portugal.

A efeméride é sobretudo oportuna quando hoje se assiste a essa eruptiva mas não estranha solidariedade de oportunidade entre os herdeiros dos velhos frades ateadores de fogueiras católicas para queimar bruxas e judeus para com os novos fundamentalistas islâmicos da bomba e da “burka”, sob o disfarce da cumplicidade eucuménica, levando a água ao moinho da luta contra o relativismo, o laicismo, o ateísmo e a interrupção voluntária da gravidez. Ou seja, demonstrando que os obscurantismos, o velho e o novo, sempre se entendem. Cedo ou tarde, mas um dia e a certa hora, até que o rebanho engorde e seja trato reparti-lo.

Sobre o apelo do Nuno Guerreiro para que no próximo dia 19 de Abril, no Rossio em Lisboa, se acendam quatro mil velas evocativas dos mártires da intolerância católica, digo, com o maior respeito para com os eventuais celebrantes, até lhes desejando os maiores sucessos, que lá não estarei. Não por discordância mas pela simples razão que, não sendo católico nem judeu, não me sinto com direito a intrometer-me em ajustes de contas históricas entre intolerâncias alheias. Além de que me dou mal, por fraqueza de pulmão consumido pelo tabaco, com o cheiro de cera queimada. E quatro mil velas, admita-se, é muita cera.

Publicado por João Tunes às 02:03
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

OUI !

O que se passou em França com o famigerado CPE, mais o seu desfecho, é um baú de ensinamentos. Assim se aprenda com ele - o baú do CPE frustado - e a democracia europeia corre o risco de ser mais adulta.

O CPE foi uma barbaridade da selvajaria de uma direita embalada no autismo. Nem sequer foi um arroubo neo-liberal. E tanto não o foi que o patronato francês o repeliu como um ademane fascistóide que não lhe calhava como brinco, menos ainda como necessidade. Dito de outro modo, chão e rasca, o CPE foi uma ideia paneleira saída da cabeça de um burguês governador que se considerou tão charmoso que entendeu ter o charme para dar, vender e ofender o charme mais indiscreto da burguesia, com o único e ridículo talento de conseguir virar toda a sociedade francesa contra o seu disparate. E não terá sido a última vez que um Grão Político com ambição de macho autocrata vai sair de cena a mostrar que afinal tem um cu remendado de saloio sendeiro.

A ideia peregrina, selvagem e paranóica de atribuir uma discriminação de “género” aos jovens no seu primeiro emprego, dando-lhe o ferrete da condição aleatória do vínculo laboral, só se poderia perceber se se conseguisse entender a patologia associada à praxis política abandalhada da representação extremada das pulsões destrutivas dos equilíbrios sociais ao serviço de uma pseudo ideia peregrina de modernizar através da imolação social. E, assim, apenas suicidária. E quando o patronato voltou as costas ao CPE só demonstrou aos políticos paranóicos franceses que, sem sociedade, não há mercado, nem lucro, nem sequer dinheiro, logo restando uma morte anunciada e nubente de burguesia e trabalhadores.

O frémito da sociedade francesa contra a CPE foi, antes do mais, um grito forte de desespero para que a França não se imolasse no luto insano do choro pela morte das suas diferenças e divisões, das suas fracturas e contradições, da sua pluralidade e segmentações, uniformizando-se na selvajaria e na terra queimada. Sabendo parar à beira do abismo dessa terrível obra de engenharia social que seria a institucionalização de um estigma sobre a sua juventude laboral. E só um parvo não terá percebido que este estigma seria o primeiro de uma cadeia (programada) de muitos outros, intermináveis, estigmas.

A Europa, não só a Europa do progresso, mas toda a Europa, só pode agradecer que a burguesia e a direita francesa tenha entendido que a estupidez não é a melhor forma de fazer política. Empurrada e bem, é claro e com os mil obrigados devidos, às forças vivas e do progresso, com provas renovadas de rebeldia indómita, da França esclarecida e do progresso, com lugar de honra merecida à sua juventude suficientemente rebelde para sacudir cangas de políticos de proveta, mais papistas que os seus papas, os dos dinheiros inventados, pueris porque representados na paranóia da sua multiplicação, como se o valor se criasse, acrescentasse, fora dos homens, das sociedades e da vida.

Publicado por João Tunes às 00:53
Link do post | Comentar
Sábado, 1 de Abril de 2006

Bom fim-de-semana (e não só)

Se no olhar cabe ver, olhemos. Mesmo que seja só para contemplar um olhar. Ou olhar por olhar, sem ver, espreitando para dentro de nós. A surpresa pode é estar em novos sonhos não fáceis de lidar. Mas nada como arriscar. Olhemos.

 

Bom fim-de-semana a todos. Mais todo o depois. Um dia destes, talvez não muito tarde, eu volto. Prometo sem promessa. Apenas deixo vontade prometida.

 

Publicado por João Tunes às 00:16
Link do post | Comentar | Ver comentários (9)

A FREITAS E OUTROS PATRIOTEIROS

Devem ler o post “Calem a Boca” do Jorge Neto.

Publicado por João Tunes às 00:10
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO