Domingo, 26 de Março de 2006

NA VIA DA DEPENDÊNCIA

Para aprendermos tecnologia e eficiência, quere-se imitar os finlandeses. Para que a Administração Pública se modernize, foram chamar a Maria Manuel Leitão Marques. Para que a EDP tenha os fusíveis em bom estado, incomodam o Vital Moreira. Para corrermos como deve ser não há meio de aprendermos com o Martin Lel e a Selina Kosgei, quenianos de boa passada. Raios, nunca mais desconseguimos ser dependentes.

Publicado por João Tunes às 17:13
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

UMA “PILZEN” PARA ESTA MESA DO CANTO

Há sempre uma boa razão para beberricar uma “Pilzen”, talvez a única cerveja que não se justifica só por nos pôr a mijar. Merecendo a honra de ser posta a par de uma boa garrafa de vinho. E um pretexto, óptimo, para atacar mais uma “Pilzen”, seja comemorar a República Checa (nome de treta que precisa de “República” agarrada, porque não Boémia-Morávia?) ter-nos passado a galope nos indicadores de PIB “per capita”. Não por nós, que nos continuamos a atrasar, raios partam isto, mas pelo bem deles, que bem o merecem. Até pela “Pilzen”. Mas não só, não só.

 

Só o mais distraído dos cosmopolitas se admira que a República Checa nos tenha passado a perna. Do fundo dos tempos históricos europeus, que a sina estava traçada. Mesmo dominada pelo Império Austro-Húngaro, a Boémia (e o seu ducado anexo – a Morávia) foi não só a sua fonte da burocracia estatal (e o seu burocrata mais célebre, por motivos extra-burocráticos, terá sido Kafka) como a sua base de industrialização. E quando Hitler chamou um figo à Chancelaria alemã, a checa Boémia estava mais industrializada que a Alemanha.

 

Durante décadas, penduraram na Boémia o penduricalho da Eslováquia, agrária e catolicista, sobretudo para lhe dar rumo e contrabalançar o ímpeto “hussenista” de clarividência com a batuta de um bom joelho dobrado perante o Santo Papa. E assim fizeram a Checoslováquia, uma aberração que já se desfez. Por decisão dos eslovacos e alívio dos checos. Entretanto, e pelo meio, a Checoslováquia, ainda foi socialista e revolucionária, mandada por Moscovo, porque um azar nunca vem só.

 

Os checos (os boémios e os primos morávios, esses ainda mais porque seguem, a par e passo, a arte de sobreviver dos primos maiores, seguindo os boémios e a quem os boémios pagam tributo de sobrevivência) dominam a arte da submissão. Não a submissão servil, mas a arte de sobreviver na desigualdade de forças. Mais silenciosa que servil. Daí a espantosa lenda do “Soldado Schweik” que demonstra à exaustão a arte da rebeldia submissa, com uns pós de cinismo e outros tantos de “espera pela volta”. O problema é que são uma cambada de tristes, género aristocratas da tristeza. Enquanto tecem o “saber fazer” e fabricam e emborcam, dando-nos a emborcar, a valente “Pilzen”. Foi assim com austríacos e húngaros, com os nazis, com os soviéticos, agora com a União Europeia. Guardando, como tesouro maior, a mais bela entre as mais belas cidades do mundo (Praga). E como paradigma do estar e ser checo, é que Praga já foi gozada por turista cão ou gato que fossem e ainda está para ser gozada pelos checos, esses tristes com medo do futuro por causa das cicatrizes do passado. Mas, pé ante pé, eles avançam. Como quem não quer a coisa. Tardou nada, passaram-nos. Merecem, outra vez, uma valente “Pilzen” goela abaixo. Devagarinho. Como se vinho fosse.

 

Publicado por João Tunes às 16:31
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Sábado, 25 de Março de 2006

KIEV, AGORA CIDADE COM VOTOS

A Ucrânia vai amanhã a votos. Cumpre mais uma etapa da sua adaptação amadurecida ao jogo dos votos como meio de escolha e de riscar as linhas do seu futuro. E Kiev, inevitável, vem-me à memória. À boa memória. Apesar de a ter conhecido sob o peso de chumbo da pata soviética, Kiev, nos seus espaços rasgados e sedentos de rio largo e de verde, muitos espaços verdes, mostrava já o seu inconformismo a caminho da rebeldia. Muitos calando os milhões de mortos por fome provocada para que Estaline eliminasse os kulaks, os camponeses, como moscas, usando um traidor ucraniano (Krutchov) como assassino dos seus irmãos. Mas bastava ver a ostentação dos ucranianos em falarem a sua língua e que pouco mais é que russo com sotaque e uns tantos ademanes, a forma como davam a provar a sua “vodka-bomba” por ter a pretensão de ser mais forte (exigindo estômagos mais viris) que a vodka russa e afinal se resumia à receita espúria de lhe meterem “paprika” dentro, para perceber a força da diferença e a aspiração à autonomia. Quando conheci Kiev, eram muitos, demasiados, os silêncios engolidos. Sentia-se o fatalismo trágico de serem considerados o “celeiro” da Rússia e da União Soviética (devido às suas terras férteis chamadas de “terra negra”) e por isso indispensável e, assim, ter de estar metida dentro da bota do urso vizinho. Também a de terem a Crimeia e o acesso ao Mar Negro, saída das frotas imperiais e bolcheviques. Mas sentia-se em Kiev a grandeza da rebeldia contida que, mais cedo ou mais tarde, ia soltar-se. Soltou-se. Votem como vos aprouver. Mas votem. Amanhã volto lá. Agora em pensamento. Em pasto de hipótese de, um dia, voltar a percorrer avenidas e parques de Kiev, olhar-lhe o majestoso rio, com respiração democrática em vez do ar de chumbo dos assassinos que mataram e matam em nome do proletariado, quando chegam ao poder dos fortes em nome dos fracos, o mais terrível, cruel, insano e sádico entre todos os poderes. Votem, escolham, ucranianos. Eu não voto aí mas mantenho Kiev aqui - aquecida pela boa lembrança - no lado certo do peito.  Peito que não me enganou quando a conheceu, percebendo, caminhando-lhe ruas, “esta cidade ainda vai ser livre, só pode”. E ou já é ou será.

Publicado por João Tunes às 23:10
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 24 de Março de 2006

ANA, ENFERMEIRA DO PARTIDO

Como sugestão de leitura de fim-de-semana, não resisto a propor-vos a desta narrativa, este olhar no espelho de alguém que veio limpo de alma, quietos os tiros e limpa a memória pela dignidade do olhar direito, depois de ter feito a guerra (o autor foi oficial miliciano “comando” na guerra de Portugal contra a Guiné-Bissau – 1963/1974):

 

“As cordas apertadas demais, os pulsos a inchar, amarrados atrás das costas. Tinha acabado de ser apanhado pelos tugas, ainda nem sabia como, e logo a ele é que deveria acontecer.

Como comandante do PAIGC, sempre fora muito rigoroso com os 10 homens que agora estavam sob o seu comando, sempre exigira que se deslocassem separados uns dos outros, que parassem de vez em quando, escutassem a mata, os olhos a varrerem devagar, da esquerda à direita e só depois avançar outra vez. E afinal, fora apanhado desprevenido, sem arma, sem nada.

Viera a semana passada dos lados de Sano no Senegal. Muito cansado. Estivera com os camaradas do sector, os dias pelas noites fora, analisaram o trabalho do mês, cada um apresentou o seu trabalho, as emboscadas que fizeram, as minas que plantaram, os ataques aos quartéis da tropa.

Fizeram um balanço da situação, leram as directivas do camarada secretário-geral, as orientações gerais para a luta, a referência expressa à luta dos povos da Guiné e Cabo Verde, para a independência nacional, para a libertação, nunca contra o povo português, juntos na mesma luta contra o colonialismo e o imperialismo, depois as orientações locais, o plano para o mês, não descansar a tropa, escrever papel para deixar junto aos quartéis deles, para desmoralizar, e a ordem para mudar, outra vez, o acampamento de Uália.

Enquanto regressava com os camaradas, ia pensando nos locais, escolhera o melhor, bem dentro da mata, umas centenas de metros a seguir à bolanha, um barraco junto a esta para vigiar a entrada.
Sacos de arroz, mancarra, tudo às costas, bicicletas, cunhetes de munições, armas, tanta coisa, casas às costas, tão pouca gente, precisaram mais que uma vez.
Tinha estado a cavar um abrigo, precisava de se lavar. Fora à bolanha para tomar banho e trazer água. Viu-se cercado por dois soldados de arma apontada, sem saber como, os tugas emboscados mesmo à porta das casas de mato, os garrafões na mão dele, que a tropa tinha deixado em Morés da última vez.

Tropa diferente esta, não era a que estava habituado a ver passar. Sem emblemas, sem anéis, sem fios que os outros tugas trazem sempre, ronco nenhum, só lenços camuflados ao pescoço, sem capacetes até, aquele tem barrete diferente, caras pintadas de preto, nunca vira tropa assim. Pára-quedistas, se calhar! Não, não deviam ser, esses são todos altos, têm camuflado muito verde, a bota que usam é de couro, conhecera-os bem quando assentara praça no colonialismo em Bissau.
A farda destes é castanha como a dos outros, uns muito altos, outros pequeninos, todos desiguais, não, estes são outros. Estranhos, quase não falam entre eles, o cano das armas deles também têm olhos, vêem por ele, para a esquerda, para a frente, para a direita, aquele está sempre a olhar para as árvores, tudo muito devagar, assim é mais difícil camaradas apanhá-los.

Abriram-me a boca à força, eu não sabia para quê, um lenço preto nos dentes, atado na nuca, outra vez que me levantasse, sem palavras nem maneiras, corda nos pés, uma à cintura presa ao soldado Papel (1).

Via-os à frente, no trilho para Uália, nosso pessoal descuidado a esta hora da manhã, sem aviso, vai ser uma desgraça, tanto trabalho para nada. Todos não estão, felizmente, mandara o pessoal para Mansabá, uns para montar mina e os outros para segurança.
Aquelas bajudas com os cestos à cabeça vão ser apanhadas, gritai, gritai com toda a força que puderdes, mais alto, mulheres do PAIGC, glória da nossa luta, assim, para camarada ouvir!

Os tugas todos a correr, o traidor Papel amarrado a mim, não deixa andar, se eu pudesse! Aquelas crianças ali também!

A enfermeira de Morés? A mulher do Pedro Ramos com a criança às costas?! Porque não fugiu? Não pode ser! Não, não lhe façam nada, ela trata do nosso pessoal da luta, faz curativos só, os tugas não me ouvem, lenço não deixa.

Não sei, não tenho nada para dizer, meu nome é Ana, sou enfermeira, não sei nada da guerra, trato de feridos só, não pode mexer nesse papel, é carta de meu marido, ouviu? Não pode tirar bilhete de meu marido, não pode! Tenho filhinha às costas, não vê?

É hora de ela mamar, largue-me!”


(1) Etnia da Guiné.

Publicado por João Tunes às 23:55
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

BAGDAD, CIDADE ETERNA

Quando se escaqueira feito fanicos sítios onde estivemos e em que deixámos fios do nosso gosto, há alguma coisa de nós que vai para o caneco. Se o sítio nos fica longe do estar sedentário de hoje, as notícias, boas ou péssimas, batem-nos dentro da cabeça e estremecemos. Não há volta a dar. Porque somos feitos de tijolos acumulados e camadas de idade e de viver. E são esses muros, feitos de dor e de gozo, que nos fazem crescer na dimensão de cidadãos do mundo, isso que somos cada um, até aquele que nunca apanhou a âncora deitada na sua aldeia perdida. Porque o mundo, todo o mundo, não pede licença para se sentar dentro da alma de todos e de cada um.

 

O meu amor por Bagdad vem de 1978, a primeira vez que lhe descobri avenidas, gentes, bazares e mesquitas. Tanto gostei de Bagdad que a meti no meu relicário de cidades preferidas, com Praga no cimo e com Rio de Janeiro em companhia na plataforma do pódium. Voltei a Bagdad, já não tão bonita, com as gentes mais tristes, mais escura pela sombra da pata de Sadam e encardida da ditadura sempre mais cruel e degenerada pela guerra Irão-Iraque. Num desses regressos eu já sabia que os comunistas iraquianos e qualquer progressista que se afirmasse eram caçados pela polícia de Sadam até ao último homem, e antes de lhe confirmarem o gosto político e lhe darem um tiro nos miolos, o primeiro acto ritual na entrada na esquadra da polícia era aplicar-lhes a pena preventiva de serem sodomizados, logo ali, como acto primeiro de mensagem de Sadam para com a diferença e de humilhação perante o diktak do Partido Baas. Mas, apesar da repulsa pelo monstro Sadam, só comparável a Estaline (Hitler, perante um e outro, foi aprendiz e mestre mas, felizmente, não teve tanto tempo quanto eles para exercer), Bagdad não me perdeu o fascínio e o sortilégio de cidade feita para brilhar, na sua geometria circular, na forma como se deitava nas margens dos seus rios, como mostrava e exibia as suas fascinantes e belíssimas mesquitas, sublinhadas pelos cheiros das especiarias.  

 

Há vinte anos que não volto a Bagdad. Provavelmente, não lhe voltarei a pisar os passeios, cheirá-la, olhar os rostos das gentes, demorar-me nos seus bazares, espreitar-lhe as mesquitas, olhar-lhe as margens. A isso estou resignado. Mas cada vez que uma mesquita de Bagdad estoira com uma bomba de ódio, estilhaçando corpos de gente que estava na hora errada no local errado, não sendo eu nem muçulmano nem sequer crente de qualquer adoração acima do humano, sinto que um bocado de mim, da minha boa memória, se faz em fanicos, desaparece. E fico mais vazio, mais pobre, menos homem. Não porque Bagdad não seja, como merece ser, uma cidade eterna. Eu é que, garantidamente, não o sou.  

 

Publicado por João Tunes às 22:48
Link do post | Comentar

Bom fim-de-semana

Em tempo de tractores que brilham ao sol dos protestos dos donos da terra, ociosos por conta do subsidiar no lugar do semear, é a terra, não os tractores, que me vêm ao pensamento.

 

A terra mãe. A terra que secou e bebe ávida as humidades desta chuva de diamante que tanto incomoda os urbanos, estragando-lhes passeios telúricos, ou nem isso, a apanhar malmequeres, conchas, pasmados perante as mimosas, passeando o cão e espetando as pontas dos dedos dos pés na espuma da maré, antes que chegue a hora do almoço no restaurante com toalha aos quadradinhos em que o peixe grelhado se deita para se submeter ao genocídio da gula programada.

 

Eu que não passo sem os olhos metidos dentro do mar, armado em pescador de azul, faço-lhe tréguas de virar costas e prefiro espetar agora os dedos na terra, partir unhas a escavar-lhe os tecidos, confirmar se a terra, desta vez, está bem bêbada de água, pronta a enfrentar o sol germinador. Com uma vontade danada de lavrar puxada a burros porque de tractores nada sei nem quero aprender.

 

E vou namorar as minhas árvores em flor. E sempre quero ver as que foram valentes a aguentarem-se com o vento bárbaro que por aí andou a fazer das suas.  Tenho contadas, bem contadas, as flores das minhas árvores. Dei-lhes até nomes logo que nasceram, porque de maluco não passo. Saberei agora por quantas vou fazer luto e a quantas me vou abraçar, esperando contar com mais riso que choro. 

 

Um melhor que bom fim-de-semana para todos vós.

 

Publicado por João Tunes às 18:07
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

A lenta recuperação dos pesadelos

Falar de memória, recuperação de memória, parece-me uma forma de adoçar a pílula. Porque não são memórias quaisquer essas que vêm das brumas do tempo. São pesadelos, senhores. Tempos de chumbo, chumbando vidas. A lembrar para não esquecer.

 

Aqui, recuperar os passos e os corpos atirados para Peniche, Aljube e Caxias. No Atlântico, lembrar Tarrafal. E a perfídia teimosa da longa guerra colonial. Nunca esquecendo que existiu e o que fez essa associação criminal chamada Pide.

 

Lembrar a Espanha de Franco e as suas décadas de assassínio de vingança.

 

No Chile, dizer, pelo menos, honrando-os, os nomes dos assassinados, dos desaparecidos e dos torturados dos tempos de Pinochet. E como se chamavam os esbirros e os seus mandantes. Como no Brasil. No Uruguai. Na Argentina.

 

Também lembrar os das prisões do “socialismo real”. Não esquecendo que Estaline assassinou mais comunistas que Hitler. Explicando que existiu o Gulag, esse sósia matulão de Buchenwald e seus irmãos da morte. Para que não restem dúvidas que o comunismo é, também, inexoravelmente, uma ideologia da morte e do crime. Charmoso e generoso a namorar o poder, a cativar votos e a fazer protestos, comícios, manifestações, fados e bailes, cavalgando as lutas dos oprimidos. Mas mortífero, implacável, bando de assassinos e de torturadores logo que os rabos marxistas-leninistas se sentam nos cadeirões do mando. Enfiando a paranóia do genocídio de “classe”, mais o resto que venha na rede, onde os nazis instituíram a paranóia do genocídio de “raça”. Mas paranóia do mesmo tipo e mesmas consequências, porque nada os parava e pára a assassinarem diferenças.

 

Estão aqui, perto de nós, ao nosso lado, os adoradores de Milosevic, os irmãos de Fidel e dos seus carcereiros. A recordarem Caxias, António Maria Cardoso, Peniche e Tarrafal, assobiando para o lado quanto a Lubianka, Katin e Kolin, mais as lagartas dos tanques que profanaram as avenidas de Budapeste e de Praga, apenas querendo passar por alegres e  inimputáveis amigos de Milosevic, Fidel e Lukashenko.

 

Publicado por João Tunes às 17:28
Link do post | Comentar
Quinta-feira, 23 de Março de 2006

OBVIAMENTE, DIZ ELE

“A verdade é que Milosevic foi assassinado por esse monstro a que deram o nome de Tribunal Penal Internacional, autêntico instrumento da nova ordem imperialista de cariz fascizante chefiada pelos Estados Unidos da América. Lendo as actas do julgamento – que nos trazem à memória os tribunais fascistas de Salazar e Caetano - facilmente se conclui que as razões que levaram os EUA a ordenar aos seus homens de mão europeus que prendessem e condenassem Milosevic, têm tudo a ver, não com os crimes de guerra que lhe eram atribuídos mas com o facto de ele ter resistido às ordens do imperialismo, de ter recusado rasgar a Constituição do seu país que jurara defender. Apresentado como um tribunal para julgar criminosos de guerra, o TPI existe, de facto, para condenar quem os criminosos de guerra querem que seja condenado.
E os criminosos de guerra são, entre muitos outros, os responsáveis pela morte de centenas de milhar de inocentes, estes que os média portugueses muito bem conhecem: o Bush e Cia., mais o rastejante Blair e todos os servis governantes da maioria dos países da União Europeia - governantes portugueses incluídos. Obviamente.”

 

(José Casanova, director do “Avante”)

 

Publicado por João Tunes às 23:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

FORA O LUMPEN

Volta e meia tenho de explicar isto. Já cansa. Mas se repetir é preciso…

 

Este blogue tem caixa de comentários aberta a ... comentários. Um comentário é achega, opinião, contraponto, concordância, discordância, divergência, mais valia plural, grito de alma, convivência, enfim: expressão de viver civilizado e, por isso, acto de cultura.

 

Insulto, calúnia, difamação, gritos terroristas, basqueiro lumpen, falta de educação, arrotos de ódio, imposições, bloguismo parasitário por frustação e falhanço, propaganda de boleia, não são comentários, são abusos. Infelizmente, abundam os abusos. Demais. Por norma, estes abusos são tentados sob a cobardia do anonimato.

 

Este blogue tem autoria assumida e identificada. Não é nem casa de putas nem terra de ninguém. É casa aberta a todos que cumpram as regras da educação cidadã. Sendo blogue unipessoal, não é órgão de comunicação social nem jornal de parede. E eu não abdico. Por mim, que acho que tenho uma vida que merece respeito, mas sobretudo pelas pessoas de bem que me dão o enorme prazer de me darem, através da caixa de comentários, o prazer da saúde do seu convívio.

 

Não hesito enm hesitarei em cortar de imediato os comentários ultrajantes e os que são brisas que deslizam pela fralda da camisa, os que sejam ofensivos para com o autor ou para com terceiros (*). Porque não sou nem quero ser Prefeito de asilo de doentes sociais, inaptos para a responsabilidade da diferença democrática. E desenganem-se, não é censura, é pontapé no cu, escada abaixo. Assim vai continuar a ser, até que me canse de enxotar mosquitos e feche a caixa de comentários como o faz muita e boa gente, cansada de aturar lumpen. Uma coisa é certa, com ou sem caixa de comentários, o lumpen não mete aqui o rabo sujo.

 

(*) – Constato, com olímpica compreensão, que vários enxotados daqui abrem depois rol de queixas noutros blogues em que se abrigam, despejando fel contra este blogue e o seu autor e cuspindo insultos de vara larga. Admito que outros tenham critérios editoriais mais alargados, permitindo que em sua casa se faça o que eu não permito em casa minha que se cometa para com qualquer terceiro, seja ou não hospedeiro de insultos de ricochete cobarde. Mas, cada um é como cada qual.

 

Publicado por João Tunes às 17:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

GOSTOS

Gosto de ter estima a ler quem diz pensando assim:

 

“As pequenas melancolias dão-me para a eloquência.
As grandes melancolias remetem-me ao silêncio.”

 

Publicado por João Tunes às 15:32
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Quarta-feira, 22 de Março de 2006

TRÉGUAS DE MATADORES?

É bom que se acautelem. E a ETA não tem direito a declarar tréguas. Que pague pelos crimes de sangue e deponha as armas, entregando-as, convertendo-se ao jogo democrático.

Publicado por João Tunes às 17:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

TRACTORES URBES DENTRO

Os tractores estão aí. Em marcha.

 

A questão agrária volta à ordem do dia. Lá teria de ser. Por muito que daí distraídas tenham estado as muitas gentes das urbes litorais. E mesmo querendo não se mata nem muda de uma assentada este país ruralizado em que Salazar tanto empenho fez em nos deixar como herança e sina de encomenda à submissão paroquial.

 

Outra vez, os tractores estão aí. Em marcha.

 

Agora não são os conduzidos pelos tisnados proletários do pão que o diabo amassou e lhes negou, devotos de Santa Catarina Eufémia e São Álvaro, defendendo com os punhos mal fechados pela carga de artrites a terra a quem a trabalha. Para esses já só resta uma ou outra missa de trigésimo ano dedicado a São Jerónimo, um santo de up-grading do new-look do populismo, e antes que as lembranças de lutas passadas não faleçam em votos, em autarquias e em comícios.

 

Outra vez, os tractores estão em marcha.

 

Por sinal, vêm da mesma região dos velhos e reformados famintos de pão e de terra, a quem mataram a utopia da redenção e o controle bem controlado dos senhoritos funcionários na profissão de plantarem revoluções porque tinham uma foice a decorar a bandeira rubra. Mas são diferentes. Incluindo os senhoritos. Esta é a segunda ou terceira geração paridas pelos velhos senhoritos agrários tudo mandantes, os da GNR e Pide à mão de telefonar, das fortunas ociosas estoiradas na jogatana e nas putas à conta da cortiça e do trigo protegido, os revanchistas de outras marchas de tractores e em que se borraram no susto há tanto tempo exorcizado. Os agrários mais do subsídio e da PAC que do lavrar, semear e competir. Os que quando chove ou seca, ou nem chove nem seca, metem papel para engordar conta de subsídio.

 

Têm um ar mais moderno e despachados estes outros tractores em marcha.

 

Pudera. Não são os feios e fortes de outros tempos oferecidos pelos camaradas búlgaros, polacos e soviéticos e que arrastavam “galeras” com rostos e punhos fechados controlados pelos senhoritos funcionários a justificarem a bandeira rubra e seus enfeites. Estes são tractores subsidiados marchando com gasóleo subsidiado e ociosos de culturas não feitas e por isso subsidiadas. Lustrando os novos-velhos senhoritos, mais senhoriais, os da CAP e da PAC, querendo novo ministro. Um ministro que não seja da agricultura mas dos subsídios. Para honrarem a memória dos avôs das jogatanas e das putas. Revolucionários também, pois claro. Um senhorito é um senhorito.

 

Tractores são tractores, agora em marcha e a lavrar caminhos de urbes.

 

Para terem um ministro que lhes vá no jeito da sementeira bancária. Por isso vêm às urbes. Onde está a banca, terra em que da semente sempre se colhe, faça chuva, vento, sol ou seca.

 

Não repararam? Os tractores estão aí. Em marcha.

 

Publicado por João Tunes às 16:07
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Terça-feira, 21 de Março de 2006

HURRA SÉRGIO!

Sérgio Ramos, o nosso mais cotado basquetebolista, depois de sete meses de paragem por uma gravíssima lesão num joelho, já está a postos para saltar rumo à sua eficácia defensiva e aos seus triplos de encanto estético, no seu novo clube da Liga ACB de Espanha (Club Baloncesto Fuenlabrada, Madrid), a mais competitiva das competições nacionais europeias. Sobre ele, lê-se no site da ACB:

 

“Sergio Ramos es un alero portugués con un gran talento ofensivo. Veloz y coordinado, se siente especialmente cómodo en las transiciones rápidas. En estático es un buen tirador desde media-larga distancia, aunque sus habilidades no se limitan a eso, sino que puede penetrar a base de fuerza y velocidad, buscando la suspensión desde media distancia o finalizar la acción con una entrada. Es un jugador fuerte, lo que le ayuda en defensa, aunque tiene algunos problemas con oponentes más rápidos. Se anticipa bien, buscando robos que le permitan iniciar un contraataque. Puede ayudar en el rebote, especialmente en el defensivo, gracias a sus condiciones físicas.”

 

Ticha e Sérgio, as nossas grandes estrelas no firmamento do basket internacional. Dois nomes grados do desporto português. A merecerem um intervalo na futebolofilia exclusivista para uma valente salva de palmas de carinho, orgulho e incentivo.

 

Publicado por João Tunes às 23:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

HURRA TICHA!

“O Spartak de Moscovo, equipa da portuguesa Ticha Penicheiro, sagrou-se vencedora da Taça da Europa, ao derrotar em casa as francesas do Aix-en-Provence, por 72-66. A internacional portuguesa marcou nove pontos, e conseguiu 13 ressaltos e 11 assistências.”

Publicado por João Tunes às 22:56
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

FAIR PLAY

Para que conste, amanhã sou “lagarto”. Porque acho que os portugueses precisam de concórdia, equilíbrio e felicidade repartida. Assim: o Sporting com a Taça, o FCP com a Liga Tuga e o Glorioso com a Copa da Europa. Todos em festa. Cada qual na sua, no seu tempo e na sua dimensão. Para alegria de todos, sobretudo do Sócrates e do Cavaco, e sem confusões.

Publicado por João Tunes às 17:58
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO