Sexta-feira, 31 de Março de 2006

INTERNET: DO PIOR AO MELHOR

A Internet arrasta muito lixo, demasiado lixo. É um meio propício ao rancor, á filha de putice fácil, rápida e barata. Sobretudo á filha de putice escondida, aquela de vão de formação sem escada, propícia até a ser tangida em tocas de ratos, minguadas de queijo da auto-estima, matando fomes acumuladas de fel, com um cobertor a tapar nome e cara e dar a oportunidade da cobardia insana do anonimato, o anonimato dos filhos de puta, não por nascimento mas por opção ou condição, o anonimato dos pseudo-homens. Que guardam a valentia para a hora do cagalhão. Claro que não é defeito da Internet. Como o abuso, mais as mil mentiras, dos totalitários eleitoralistas não é defeito da democracia, mesmo quando estes fingem que jogam a ida a votos, com abraços, beijinhos, bailaricos com peixeiras e velhotas e falinhas, muitas falinhas, enquanto esperam a hora de mudar o mundo á pazada e sem direito de retorno ao voto, à escolha ou à mudança. Como meio aberto que é, como qualquer sistema aberto, a Internet, como a democracia, arrasta de tudo, também a porcaria. É um preço da sociedade aberta e ligada em “rede”.

 

Mas a Internet também nos traz o melhor. Além do mediano que é o que, talvez, arraste mais. Porque tem essa capacidade instantânea e eficaz de meter o mundo “em rede”, anular distâncias, sentar tudo em convívio num mesmo sofá, cada qual instalado no repouso do seu sítio. Tornando possível a comunicação, o convívio, a tertúlia, o debate, o abraço, à distância de um golpe de asa. Apesar do lixo, muito lixo, demasiado lixo, que a Internet nos traz.

 

Pois a Internet já me trouxe até o tapete da porta de entrada, a querer entrar, muito filho de puta com pés e rabos sujos. Dos tais. Mas também me serviu o bem, o prazer, a emoção, a comoção, muitos encontros, alguns deliciosos reencontros. Salvem-se estes para bem re-odorizarem o mau cheiro dos outros, os do lixo. Esses mesmos para quem tenho o gosto bem lúdico de lhes acertar em cheio com um pontapé no olho do rabo e ... escada abaixo, cortando-lhes o pio de morcego.

 

Permitam que fale do meu último “encontro” que a Internet me trouxe.

 

Conheci, em convívio de guerra e amizade, na Guiné e em Teixeira Pinto (hoje, Canchungo), os três majores que, em Abril de 1970, tombaram em combate, abatidos de forma vil e cobarde, na mata perto de Pelundo. Sobre isso escrevi. Agora, acabo de receber um “e-mail” de alguém que me leu (lá está: graças à Internet) e me disse ter ficado contente por eu não ter esquecido o que se passou e me perguntava se me lembrava de uma criança que costumava brincar nesse mesmo quartel de Teixeira Pinto. Não, não me lembrava nem lembro. Mas, pelo apelido, percebi que se tratava do filho de um dos três majores, nossos mártires. Disse-lho, dizendo que as minhas velhas e sobrecarregadas memórias não retinham a sua presença infantil no quartel de Teixeira Pinto nesses anos de 1969 e 1970, mas que suspeitava quem fosse, ou seja, de quem era filho. E ele esclareceu:

 

 

“Sim sou o filho, somos três ao todo (duas raparigas mais velhas), e como deve imaginar eu como sendo o único rapaz, ele não queria deixar créditos por mãos alheias e levava-me para Teixeira Pinto à revelia da minha mãe. Durante tempos tentei compreender porque razão um pai leva um filho de 7 anos para uma zona de combate.... protecção? aprender os ensinamentos e  horrores da guerra (presenciei alguns , estava no local errado à hora errada, que nem á minha mãe os contava com medo de não voltar a Teixeira Pinto, enfim aquela cumplicidade de filho, afinal sempre preferia a companhia do meu pai). Sim foi um misto, que verdade seja dita do pouco que privei com Ele e que não sendo o suficiente, me ajudaram a crescer. Tornei-me homem quando fiquei orfão, tentei assumir familiarmente o papel do homem da casa no meio de três simpáticas mulheres, sabendo ao longo da minha vida que jamais estaria à sua altura, fui para o Colégio Militar e em 7 anos li toda a literatura de adultos deixada de herança. Fui Oficial Pára-Comando durante 10 anos e um dia acordei. Fechei um ciclo e tornei-me civil.(…) Hoje sou Piloto de Linha Aérea, tenho 42 anos, casado, vivo 6 meses em Portugal e 6 meses fora.”

Retiro, nesta minha inconfidência, o nome e o apelido e mais algo que ele escreveu de mais pessoal, a fim de que o meu abuso não se torne obsceno, ofendendo demais confiança e pudor. Fica o testemunho, um fio da memória de um homem mais que feito, hoje com 42 anos de idade, filho de um militar brilhante e homem grande (dos maiores e mais inteligentes que conheci), um camarada de honra e de guerra, que vive para o resto da vida a sua experiência, uma experiência capaz de transformar um menino de sete anos num sábio da vida pela via do desgosto, que viveu connosco, os da guerra naquela época, na guerra onde penei e me desenrasquei, voltando, eu apenas gravemente ferido na memória e ele órfão de um combatente caído em combate, barbaramente assassinado, cobardemente assassinado e a espantar na perda maior um filho-menino. E que, afinal, demonstra que ele também, o filho, já quando menino, muito menino, foi também meu camarada na guerra. Merecedor, pela idade e pelo tormento, mais a irmandade na dor e no luto, de o considerar como um camarada a merecer lugar de honra no meu carinho. Aquele carinho que a guerra não conseguiu secar nem transformar num pântano em que os pés se atascam e a alma fica pequena. E que é, julgo que se admita, o melhor que os velhos e retirados guerreiros podem arrastar agarrados aos camuflados de “velhinhos” com que tecemos as nossas vidas que queremos ainda gastar mais uns bons pedaços, ah pois, sem delas querermos sair a perder a honra com que julgamos tê-las merecido.

 

É isto, o melhor, o que compensa os gastos em paciência com o lixo que nos vem na enxurrada da Internet.  

 

Publicado por João Tunes às 23:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

QUANDO GLOBALIZAM OS PÉS?

Parece que o holandês meteu o italo-brasileiro ao serviço de uma equipa portuguesa, o de mãos compridas que é bom de mãos mas fraco de pés, se calhar porque os pés ficam-lhe longe das mãos, a treinar intensivamente os pontapés para prevenir novas fífias contra os catalães e evitar sarilhos frente ao camaronês, ao argentino, ao brasileiro e ao luso-brasileiro. Nisto do futebol globalizado, onde quase só as equipas (nem todas, o Mourinho, que é português, treina uma equipa russa registada em Londres) são nacionais, só falta globalizarem as mãos e os pés. Assim, o holandês, usando tecnologia avançada (tipo finlandesa) podia meter na baliza os pés do português e as mãos do italo-brasileiro, poupando nos treinos de pormenor tão necessários a preparar coisas maiores. Lá chegaremos?

Publicado por João Tunes às 12:26
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Quinta-feira, 30 de Março de 2006

REGRESSO AOS VELHOS FILÓSOFOS, PELO PINGALIM

Nem mais, Lutz. Nem menos. Isso, o pingalim. O nosso rico pingalim. E ainda vamos a tempo de aprender a usá-lo?

 

Nisto de pingalins, a aprendermos com filósofos que seja com os mais antigos. Os de antes das modernices, que deu no que deu – depois de tanta labuta na igualdade do género, ainda ela estava longe de tomada, logo saltaram para a igualdade das orientações, desvalorizando a posse de género, a diferença do género, o género. Tornando inútil qualquer pingalim. Nada como voltar a Aristóteles, melhor: a Alexandre, sobretudo a Alexandre, concordo.

Publicado por João Tunes às 18:30
Link do post | Comentar

Que dúvida…

Se a Internet é de direita? Mas que dúvida. Há lá coisa mais de direita que a Internet. De direita e ao serviço do imperialismo. Um meio que isola as pessoas, acentua individualidades solitárias, quebra a coesão e o espírito de classe, desarma a vigilância, inibe vontade de lutar e de deitar governos abaixo até que a esquerda mesmo esquerda seja governo. Tanto que não há esquerda mesmo esquerda no poder que se dê bem com a Internet. Lixo do cerco imperialista, a Internet, caro Vital. E se é lixo só pode ser de direita.

Publicado por João Tunes às 11:15
Link do post | Comentar

Liderança em tempo de guerra

Testemunho aqui.

Publicado por João Tunes às 00:04
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Quarta-feira, 29 de Março de 2006

SCARLETT WOODY ALLEN

Só espero que depois de Scarlett Johansson ser considerada “a mulher mais sexy do mundo”, Woody Allen sossegue as suas pancadas neuro-sexuais. Também eu tenho um sonho da mesma dimensão de afã resolutivo: conseguir que a homeopata que montou consultório na ervanária da esquina, com uns carnudos lábios e sorriso sensual, tudo para melhor que na Scarlett, seja confirmada como "a mais sexy do meu bairro". Se o conseguir, igualando, em títulos (qual a diferença entre bairro e mundo, tirando o tamanho?), a homeopata do bairro com a saloia da Scarlett, perco a distância da veneração para com Woody Allen, sentindo-o mais meu próximo, até meu igual e parecido, assim a modos que meu condómino, trazendo-o para o mesmo bairro de sonhos e debitando, tu cá tu lá, com ele, as experiências das nossas pancadas sexo-neuróticas. É que me parece, e parece-me desde o primeiro filme que vi do Woody Allen (vi-os todos!), que fomos criados juntos. Portanto, destinados aos mesmos títulos enquanto criadores. Ele, depois de filmar e conjugar tantas e tão sublimes mulheres, a acabar em promotor da saloia da Scarlett. Eu, atido, por o meu mundo de influência ter o tamanho acanhado de um bairro, a pensar promover uma homeopata.

Publicado por João Tunes às 23:38
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

QUEM AVISA…

Quando um formado e qualificado blogo-socialista fala assim:

 

“O mundo laboral está em profunda mudança. Infelizmente, sobretudo os mais novos, em França, não estão a querer perceber esta realidade. Depois admirem-se com o desemprego. Os direitos dos trabalhadores devem prender-se com a formação e qualificação, mais do que as regalias laborais, que, algumas delas, chegam a incentivar a falta de aplicação.”

 

eu fico a matutar se o formado e qualificado Assessor Professor Espada de serviço no Palácio de Belém ao formado e qualificado Presidente Professor Cavaco não vai voltar a ressuscitar o “Voz do Povo” para defesa do formado e qualificado proletariado e devidas lições de juízo aos “mais novos”.

 

Publicado por João Tunes às 22:51
Link do post | Comentar
Terça-feira, 28 de Março de 2006

Até

Logo, até estes vão tirar o chapéu ao Glorioso. Até lá, rezem. E rezem bem. Presumindo que Cardeal sabe rezar.

Publicado por João Tunes às 15:13
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)
Segunda-feira, 27 de Março de 2006

DECEPÇÃO E PAGA

Um amigo especial, um daqueles a quem gosto de tratar e ser tratado por “querido amigo”, mandou-me e-mail logo pela matina: “Fazendo de hoje ontem aqui te envio o desejo de muitas felicidades, na companhia de todos os teus. Parabéns.”

 

Comovi-me. Porque gostei. E apressei-me a responder: “Obrigado. Ontem foi dia mais que banal. Só foi especial porque iniciei a leitura do belíssimo novo romance de João de Melo (“O Mar de Madrid”). No resto, nem sequer o Benfica jogou. E só faço anos lá para Novembro. Estou sensibilizado por te lembrares de um dia banal deste teu amigo e admirador do teu talento e das tuas qualidades. E tens toda a razão. Também os dias banais devem ser comemorados. Se calhar, especialmente esses.”

 

Na volta do correio, o meu amigo esclarece que, afinal, baralhou a agenda. Decepção. As pessoas desabituaram-se de comemorar os dias banais. Ou ainda isso não aprenderam. Ora, gamo-lhe a belíssima fotografia lá de cima para ficar quite na vingança da decepção e continuamos amigos, queridos amigos, como dantes.

Publicado por João Tunes às 14:37
Link do post | Comentar | Ver comentários (7)

Não sei

Não sei se o Zé Mário Branco vai nisso. Isso de entregar as cantigas (*). Ou se prefere legalizá-las. Não sei, sei lá. Imprevisível, pois o Zé Mário é rijo embora já com idade para ser um pacato reformista.

 

(*) Lembram-se? – A cantiga é uma arma / contra quem / contra quem, camaradas / contra a burguesia.

 

Publicado por João Tunes às 14:15
Link do post | Comentar

A QUEIXA DOS ARTISTAS DA SORTE

Isto da legalidade tem muito que se diga. Na maior parte das vezes, é uma questão de papelada, burocracia, tudo isso, de falta de sorte também. Bem vistas as coisas e cumulando: trapalhadas de Estados, papéis, burocratas e sorte. Se o Estado, os papéis e a burocracia andam para o lado da distracção, com a sorte a ajudar, faz-se a vidinha, passa-se despercebido, junta-se o pé de meia, a coisa anda. Se o burocrata arregala o olho, arrebita o Estado e os papéis, apanhando a sorte distraída, vem a tragédia e a revolta. Os portugueses têm fama de confiarem na sorte e detestarem os papéis. Mas artistas, verdadeiros artistas, somos quando nos queixamos.

Publicado por João Tunes às 14:00
Link do post | Comentar

PALAVRÃO MATINAL

Logo pela manhã, fui ao dentista. Normal, toda a gente vai. O dentista é meu amigo. Normal, acontece a outros pois não é por se ser dentista que se deixa de ter amigos. Chamei-lhe “grande cabrão!”. Não por ele ser dentista, menos por ser meu amigo, apenas porque me arrancou um dente. Por pouca coisa se perde o respeito para com um amigo. Até por um que se ri quando o insultamos.

Publicado por João Tunes às 12:57
Link do post | Comentar

A PRAGA O QUE É DE PRAGA

E fartando-me de falar de Praga, quase nada dizendo dela, tudo porque meti cerveja no meio, sendo a sede mais que muita, não referi o que mais devemos a Praga e que teve a ver com o trambolhão que nos livrou do Botas.

 

Conta-se, não tenho a certeza mas quero acreditar, que quando os tanques soviéticos entraram em Praga para acabarem com as brincadeiras primaveris, o Silva Pais, pressuroso e zeloso (como era zeloso o Silva Pais!), entrou terraço do Forte dentro e onde o Botas estava a apanhar banhos de sol (vestido, é claro, e de chapéu de feltro na cabeça) para lhe dar a nova. E logo ali, no terraço, encontrou o Botas deitado na sua cadeira de lona e segredou-lhe baixinho, para os “gnr” de sentinela não ouvirem: “excelência, o Exército Vermelho entrou em Praga…”. Então, o Botas assarapantado pelo sol, e meio zonzo da sesta, deu um estremeção, assim a modos que um fanico de nervoso miudinho porque imaginou os bolcheviques a invadirem-lhe a cidade dos arcebispos e a profanarem os sítios de onde o Gomes da Costa tinha partido para a missão redentora de abrir os caboucos do Estado Novo. Susto inopinado o do Botas, o suficiente para o trambolhão e bater com a mona no lajedo ali frente à barra onde o Tejo encontra o mar. Quanto ao resto já se sabe, reza a história. Sobre Praga e sobre o Botas. Sobre Braga também.

 

Publicado por João Tunes às 01:49
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Domingo, 26 de Março de 2006

Boa aposta

A da estilista Fátima Lopes que assim quer vestir as portuguesas (desfile no Porto, no último sábado). Sempre é melhor, por causa dos torcicolos, olhar de frente que espreitar pendurado por cima do ombro.

Publicado por João Tunes às 23:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

A ASNEIRA AMERICANA NA QUEDA COLONIAL

O longo e doloroso processo independentista africano, que golpeou o império português na boca do estômago, apanhou a diplomacia americana completamente à nora. E assim foi até há pouco. Em África, os americanos andaram sempre aos papéis. E só não foram ridículos porque, de nabice em nabice, foram enfiando dólares, corrompendo, armando, a mor das vezes apostando nos cavalos errados e nos equívocos paridos pelo maniqueísmo da “guerra fria” e pela aparente facilidade dos "homens de mão". E armas erradas em mãos erradas é tudo menos risível. Só recentemente, com o esfarelar da bipolaridade, por falência de um dos jogadores matulões, os Estados Unidos começaram a acertar o passo com os seus interesses em África, recolhendo e reconvertendo as velhas e gastas lideranças marxistas herdadas do outro lado da barricada, a demonstrarem que, afinal, estas gostam mais de dinheiro que desgostam do capital.

 

Açores (melhor, a Base das Lajes) travou, no compromisso perante a chantagem de Salazar, e logo ainda na Administração Kennedy, que a América definisse e praticasse uma política coerente e persistente para a libertação das antigas colónias portuguesas-africanas e que lhe desse o passo certo com o tempo. O que empurrou a dinâmica histórica para os braços do outro bloco. Depois, as burrices contumazes de Kissinger, mais obsessivo que inteligente, fizeram o resto. Num caso e noutro, nunca aprendendo com os erros, antes entretendo-se a somá-los, a Administração dos EUA fez, com o colonialismo português, exercícios de estilo de estupidez política. E tanto que até foram apanhados de surpresa quando o fascismo caiu de podre em Lisboa. Mas nem isso lhes deu clarividência, apesar de Carlucci. Como se viu, sobretudo em Angola, a mais “apetecida” das antigas colónias portuguesas.

 

O estremeção anticolonial e a descolonização, com uma mortífera guerra colonial em três frentes e durante treze anos, mais a destruição dos jovens países africanos, não podem ser entendidas se não se entender o “papel americano” naqueles processos. Por presença mas sobretudo por ausência. Até porque muitos dos brutais e consecutivos “erros americanos” estão agarrados á pele da tragédia – na forma da teimosia colonial portuguesa e nas peripécias trágicas do desarmar a tenda do império (em que soviéticos ficaram com as cartas para jogar e aos americanos só restou o antijogo sujo). Imprescindível, assim, a leitura do recente livro de Witney W. Schneidman (*), um excelente conhecedor da diplomacia americana e que trabalhou sobre documentação entretanto desclassificada e que ajuda, com clareza brutal, a entender e pasmar com a burrice diplomática americana e, pela qual, África e Portugal pagaram um preço tão alto e ainda longe de saldar. Os Estados Unidos não tanto - demoraram a entender-se com África e os africanos mas já recuperaram o tempo perdido, pois os dólares fazem, vezes sem conta, o que a inteligência nem sempre consegue.

 

(*) – “Confronto em África – Washington e a Queda do Império Colonial Português”, Witney W. Schneidman, Editora Tribuna (com prefácios de Frank Carlucci e Leonardo Mathias).

 

Publicado por João Tunes às 22:14
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO