Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2006

ESTRELAS COM PONTAS?

tatuag.jpg

Eu gosto de estrelas. Sempre gostei. Perco-me a olhar as estrelas. Em tempos, há muito tempo, era miúdo, tive a ambição de as contar. Achava eu que o universo cabia no tamanho da tabuada. E deitei-me noites a fio de papo para o ar, com o céu estrelado como cobertura, a tentar contá-las. Perdia-me nas contas mas voltava a contar. Não desistia. Achava que podia domar o universo, pensando que o universo era aquele meu, contando-lhe as estrelas. Teimava que as estrelas, como tudo, tinham conto e dimensão. E se podia reduzir a um número. E eu queria esse número, o de quantas estrelas. Até que uma tia minha, mais sábia que uma estrela (assim a achava), me ameaçou que contar as estrelas era pecado e deus o castigava fazendo crescer verrugas no dedo apontado ao céu. E eu quis poupar o dedo, por medo às verrugas, e desisti das estrelas. Já me bastava o medo do deus castigador que a minha tia invocava. Desistir é um modo de dizer. Melhor dito: desisti de as contar. Sem deixar de as amar. Fiquei assim com mais um trauma na minha colecção - o fascínio pelas estrelas mas, por medo danado de ter verrugas nos dedos maiores que os dedos, inibido de as contar.

Mais tarde, espigado a sair de rapaz, passando do deus castigador para o deus redentor, dando harmonia ao mundo como as estrelas se arrumam no céu, aderi à turma, malta porreira e do melhor, aqueles que apanhavam no coco, erguiam no canto nobre da bandeira da luta uma cintilante estrela. Com cinco pontas e a dourado para que não se duvidasse da sua grandeza superior. Simbolizava, no código da redenção, o internacionalismo proletário. Ou seja, traduzindo para o comezinho, o sinal de que toda a malta lixada no universo estava (ou devia estar) unida para combater os lixadores. Um novo universo, portanto, e um céu reproduzido na harmonia da luta. E as cinco pontas da estrela dourada representavam os cinco continentes, todos os sítios em que os proletários sofressem e quisessem deixar de sofrer, unidos à volta de uma mesma estrela. Depois, percebi que a treta desta estrela significava, tão somente, fidelidade ao sol que nascia em Moscovo e que se afunilava numa fila necrófila para adorar uma múmia plantada na Praça Vermelha. Achei que, assim, matavam a estrela, ou pelo menos, a mumificavam como antes o fizeram ao corpo do Vladimir. E uma estrela fria serve para quê? E prometi-me: um dia que consiga contar as estrelas, sem que as verrugas me cresçam no dedo apontado ao céu, passarei ao lado da estrela das cinco pontas, a estrela múmia. Mais, prevenido, nem sequer conto estrelas que tenham pontas. Pelo sim e pelo não, só vou escolher estrelas rombas ou redondas.

Um companheiro indica-me agora que há uma estrela catita que tem nove pontas!. E há até quem a tatue no corpo como a outra (a de cinco pontas) estava tatuada na bandeira rubra. Respeito-lhe a crença estelar. Até sei que ela, uma crença, pode dar forte e custar a passar ou ser-nos eterna no nosso estar finito. Mas, caríssimo Marco, mantenho-me na teimosia ressentida de agora só aceitar estrelas rombas ou redondas. E que brilhem!, mais não lhes pedindo nem, muito menos, lhes consentindo.
Publicado por João Tunes às 23:57
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)

A HIGIENE DO PUDOR

viole.jpg

Aprecio o pudor. Sem pudor, a luxúria - que ainda gosto mais – fica sem jeito, sabendo sempre a pouco ou mesmo a nada. Mas se o pudor se transforma numa forma de higiene de composição da prédica, já começa a cheirar demais a cera. E os odores, no pudor e na luxúria, são uma parte constituinte da função.

Li aqui, referindo-se os indiciados de um homicídio miserável e que eram internos das Oficinas de S. José no Porto, que se trata de “um grupo de jovens, internados numa instituição particular de solidariedade”. E, aqui, o pudor estará em não se dizer, ou não se querer dizer (a dúvida deve beneficiar sempre o autor), que essa “instituição particular” não é nada particular relativamente à Igreja Católica. As Oficinas de S. José (as do Porto, em Lisboa continuam a depender da mesma Igreja mas pelo “ramo salesiano”) dependem do Senhor Bispo do Porto e são dirigidas por senhores padres católicos.

Não é que o hediondo do crime implique qualquer associação directa entre os actos do bando criminoso e a honorabilidade da prédica da Igreja. Mas não isenta a Igreja, pelo contrário, que o bando tenha saído de uma instituição que depende dela, Igreja Católica, e por ela é tutelada e orientada. Como os “casos Casa Pia”, não isentam o Estado. Ambas, as duas falhas miseráveis, revelam perversões, admitindo que se tratem apenas de desleixos perversos, no acompanhamento de crianças a seus cargos. Na Casa Pia, com o Estado a permitir o abuso delas, nas Oficinas S. José, com um Bispo e vários padres a "educarem" abusadores. Num caso e noutro, antros de crimes.
Publicado por João Tunes às 00:01
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Domingo, 26 de Fevereiro de 2006

MÁSCARAS DE VENEZA

masca.JPG

Francamente, não entendo a enorme quantidade de pessoas que anseiam por irem a Veneza nesta época e por causa das máscaras. Não estarão cansadas de as usarem todo o ano? Falo por mim, é claro.
Publicado por João Tunes às 23:17
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Honra aos vencidos

pt@fcp[1].gif

Dou-te toda a razão Luis, não nos podemos confundir com as vagas bárbaras.
Publicado por João Tunes às 22:30
Link do post | Comentar

O TRABALHO DE SEDUZIR (2)

gig.jpg

Apesar da contumácia, a sedução na tribo em feminino, também não é fácil. Nunca foi, mas às vezes é pior e levam-nos até as entranhas do coração para fora. Como aqui se pode ler nesta excelente “crónica emprestada”, daquelas que nos levam a descer (ou a subir?) ao limite do humano e experimentar o travo da fronteira.
Publicado por João Tunes às 16:21
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)
Sábado, 25 de Fevereiro de 2006

O TRABALHO DE SEDUZIR (1)

gueix.JPG

Ler e pedir bis uma história de sedução feminina, com a vitória suada ao fim de três horas. É obra, mas ganhar, nem sempre se ganhando, sabe sempre bem.
Publicado por João Tunes às 13:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

MINISTRA REUNIFICA AS HOSTES

confe3[1].jpg

Vital Moreira que, a si próprio, se define, quanto à actual prática política, como “treinador de bancada” (como se viu com o “Super Mário”…), diz que assistiu de “bancada” e gostou desta jogada. Haja uma ministra para nos reconciliar no pós-eleições. Antes assim.
Publicado por João Tunes às 00:26
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006

QUASE EM CARNAVAL

Freiras[1].jpg

Os meus melhores votos carnavalescos são que a senhora da imagem, mostrando a sua pulsão curiosa pelo que se passa no mundo, apesar da clausura e como é seu mister, não se lembre de ir espreitar as felicitações para os festejos que, embora pagãos mas decentes, são de cumprir por sorte do calendário e descanso de quem trabalha mas, afinal, o que mais gosta é divertir-se, dando mote ao Lutz para brindar a blogosfera.
Publicado por João Tunes às 23:58
Link do post | Comentar

Fim de semana

masc.JPG

Apesar de ser de Carnaval, desejo-vos um excelente fim-de-semana. A alarvidade e o sindroma da transmutância mimética andam por aí, desviem-se, sacudam e sigam. E se não conseguirem fazer melhor, descansem.
Publicado por João Tunes às 16:27
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

O BANQUEIRO DE DEUS SUBIU AOS CÉUS

060221_marcinkus_3[1].jpg

Foi-se, com 84 anos, o Arcebispo Paul Marcinkus, em retiro de escândalo, depois de ter gerido, como um “gangster”, durante vinte anos, as finanças do Vaticano e os tesouros da Igreja Católica espalhados pelo mundo. Igreja que o isentou de prestar contas à Justiça dos homens pelas suas fraudes e crimes.

Tinha o cognome de “Banqueiro de Deus” este ímpio de sotaina e de nariz encantado com o perfume do dinheiro. Os seus colegas banqueiros que o beatifiquem. Dinheiro é dinheiro, missa é missa.

O figurão está retratado aqui.
Publicado por João Tunes às 15:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

A DEMASIADO LONGA MARCHA PARA A IGUALDADE

superw.JPG

”No caso de Portugal, enquanto que em 1999, as mulheres ganhavam em média cerca de 5% menos do que os homens, no final de 2004 a diferença aproximou-se dos 10%.”
”A desvantagem do chamado sexo fraco mantém-se evidente em diversos parâmetros, como emprego (menos 15%), ocupam em menor percentagem cargos de direcção (apenas um terço do total) e são quem mais trabalha em tempo parcial.”


O que é que elas mais precisam? Talvez músculo de poder.
Publicado por João Tunes às 15:24
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

NA HORA DA GRAÇA

graca_luis.JPG

Que graça tem se falta a Graça? Para o Luís é que não é nenhuma desgraça, pelo contrário, tem a Graça toda para si. Há empresas e camaradas com azar e homens com sorte. Mas, é assim, é preciso que alguns sofram para que pelo menos um tenha vontade de rir.

E eu só consigo lembrar-me do saudoso Vinicius, lembrando-me sempre de ti:

“Que a mulher seja em princípio alta
Ou, caso baixa, que tenha a atitude mental dos altos píncaros.”


Como esquecer a “mulher mais alta” que já conheci?
Publicado por João Tunes às 13:39
Link do post | Comentar

MASSACRE DE PIDIGUITI

Guine_Comandos_129BISSAU_Pidgiguiti[1].jpg

No eclodir de movimentos insurreccionais, a simbologia de dramatização, demonizando quem se quer combater, representa um papel chave. Um martírio, uma chacina por exemplo, no mínimo um assassinato odioso, às mãos dos que se querem sacudir do domínio, é uma alavanca poderosíssima para posterior tratamento de propaganda e como factor emocional de revolta e de mobilização. Por norma, surge o mito e o empolamento, a lenda até, para carregar as tintas.

Como cá e no antifascismo, os assassinatos de Catarina Eufémia, Dias Coelho e Alex, foram pontos fortes de denúncia da natureza criminosa do regime, em Angola foi o massacre da Baixa do Cassanje e o 14 de Fevereiro, em Moçambique o massacre dos Macondes no norte, na Guiné, o massacre dos marítimos do cais de Pidjiguiti, ocorrido em 1959, era e é a grande referência na denúncia da ignomínia colonial e a demonstração que, perante ocupantes criminosos, nada mais restava que combatê-los também pela violência.

Com a distância no tempo, vão-se criando as condições para limpar parte da lenda e ganhando relevo as circunstâncias e a verdadeira proporção dos acontecimentos, também se aclarando aspectos sobre qual organização ou quais organizações estiveram por trás das movimentações reivindicativas reprimidas.

O historiador guineense Leopoldo Amado, na sua investigação persistente sobre a guerra colonial (guerra de libertação, para os guineenses) ocorrida naquela antiga colónia portuguesa, fornece um conjunto de dados fundamentais e inéditos sobre a génese e envolventes do “massacre de Pidiguiti” de que recomendo a leitura aos amantes da aproximação à verdade histórica.
Publicado por João Tunes às 12:36
Link do post | Comentar

VENENO E CONTRA-VENENO

corv.JPG

1. Ontem mesmo, aconteceu-me o que já não imaginava. Um “retornado” do meu bairro, daqueles que vieram de trambolhão de Moçambique por causa da colonização descolonizada, de que me sobravam no ouvido os falares altos da sua tertúlia com comparsas de azedumes e pragas que normalmente terminam na constatação partilhada de que “este país só de endireita com um ou dois salazares” ou “ainda diziam mal da PIDE…”, ao contrário do habitual, estava sozinho lá num canto. E eu no meu. Numa pausa em que descansei o livro que agora me ocupa, o sujeito resolve, pela primeira vez, meter-me fala: “- já reparei que o senhor gosta de ler, tome lá, leia isto que é ligeiro” e passa-me uma meia dúzia de folhas dobradas que aceito por delicadeza e que desfolhadas e vistas em diagonal, eram afinal um miserável apanhado daquelas anedotas velhas e relhas com ranço racista sobre Samora e a Frelimo. Aguentei uns minutos para não destrambelhar, ai o sacana do “stress”, aguenta, pensando que raio de fel este em que, passadas tantas décadas, ainda bolsa e se quer propagar e aliciar. E perguntando-me se, tendo feito a guerra por eles e para eles, aos colonos depois descolonizados, ainda lhes teria dívidas por saldar. Meti travões a fundo. Limitei-me a mostrar ao sujeito que vi de que se tratava mas que não lhe queria ler a sua cartilha, devolvendo-a com a máxima e possível delicadeza “- Obrigado pela atenção, mas dispenso a leitura, não sou reaça.”. E o “retornado moçambicano” ficou embasbacado, a olhar-me com ar de não perceber. Ou não querer. Ou nem sequer disso ser capaz.

2. É fácil denegrir. Como em tempos fizeram a Samora. Mas, de Samora, hoje não falo, porque me vem à lembrança as folhas de papel com vinagre do “retornado moçambicano” meu vizinho. Escolho falar de um “militar de Abril” (teve papel decisivo no levantamento na Região Norte e comandou as forças que ocuparam o Forte de Peniche), também muito maltratado, objecto de ódios mais que mil no turbilhão da revolução, sabe-se lá se sanados. Trata-se de um Oficial de origem transmontana, trazendo no peito a Cruz de Guerra de 3ª Classe, o grau de Cavaleiro da Ordem Militar de Aviz e a Medalha de Prata de Comportamento Exemplar. Chama-se Eurico Corvacho (foto acima). Fiquei hoje a saber que está muito doente. E li, recompondo-me por continuar a haver homens com honra, dois depoimentos sobre ele que me reconciliam com o tempo e a memória, devolvendo a honra aos honrados - este e mais este.
Publicado por João Tunes às 01:02
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)
Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2006

ZECA, SEMPRE!

JoseAfonso.jpg

Em 23 de Fevereiro de 1987, ficou-nos a faltar o Zeca, José Afonso. Como esquecer?

Lá no Xepangara
Vai nascer menino
Dentro da palhota
Tem a seu destino

Lá no Xepangara
Fica muito bem
Deitado na esteira
Ao lado da mãe

Há-de ter um nome
Lá prò fim do ano
Se morrer de fome
Tapa-se com um pano

Se tiver já corpo
Rega-se com vinho
Se não cair morto
Chama-se menino

Se tiver umbigo
Corta-se à navalha
Tira-se uma tripa
Faz-se uma mortalha

Pretinho de raça
Sempre desconfia
Se o musungo passa
Diz muito bom dia

Quando for mufana
E já pedir pão
Dá-se uma lambada
[Error: Irreparable invalid markup ('<brvem [...] mão<br>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="JoseAfonso.jpg" src="http://agualisa5.blogs.sapo.pt/arquivo/JoseAfonso.jpg" width="224" height="220" border="0" /><br><br>Em 23 de Fevereiro de 1987, ficou-nos a faltar o Zeca, José Afonso. Como esquecer?<br><br>Lá no Xepangara<br>Vai nascer menino<br>Dentro da palhota<br>Tem a seu destino<br><br>Lá no Xepangara<br>Fica muito bem<br>Deitado na esteira<br>Ao lado da mãe<br><br>Há-de ter um nome<br>Lá prò fim do ano<br>Se morrer de fome<br>Tapa-se com um pano<br><br>Se tiver já corpo<br>Rega-se com vinho<br>Se não cair morto<br>Chama-se menino<br><br>Se tiver umbigo<br>Corta-se à navalha<br>Tira-se uma tripa<br>Faz-se uma mortalha<br><br>Pretinho de raça<br>Sempre desconfia<br>Se o musungo passa<br>Diz muito bom dia<br><br>Quando for mufana<br>E já pedir pão<br>Dá-se uma lambada<brVem comer à mão<br><br>Mais uma patada<br>Vai-te embora cão<br>Dá-se-lhe porrada<br>Porque é mandrião<br><br>Lá prò fim do ano<br>Quando já for moço<br>Guarda-se o tutano<br>Fica pele e osso<br><br>Quando já for homem<br>Tira-se o retrato<br>Come na cozinha<brChama-se mainato<br><br>Se mudar de vida<br>Vai para o contrato<br>No fundo da mina<br>Fica mais barato<br><br>Quando já for velho<br>Chama-se tratante<br>Dá-se-lhe aguardente<br>Morre num instante<br><br>(<i>Lá no Xepangara</i>, José Afonso, 1973)
Publicado por João Tunes às 18:19
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO