Segunda-feira, 31 de Outubro de 2005

ACHO QUE SIM

super.jpg

”Suponho que, até aqui, a surpresa maior da pré-campanha é o Manuel Alegre, que muitos já julgavam (mal) arrumado, surgir com o destaque que se vê.”
”Enquanto as candidaturas do PCP e do BE cumprem objectivos de «médio alcance» - legítimos, úteis mas limitados – Manuel Alegre perfila-se como aspirante à 2ª volta. É uma chatice...”
”É altura, talvez, de perceber que os partidos políticos, sem embargo do papel fundador que tiveram no regime democrático e que claramente mantêm, não esgotam a actividade política.”
”É curioso que o caudal dos que não se revêem nas outras candidaturas tenha engrossado, de repente.”
”Parece-me ser mais um sinal do desencanto com a lógica fechada e castradora dos aparelhos partidários, do que, propriamente, uma rendição incondicional aos encantos carismáticos de Manuel Alegre.”

(Aqui)
Publicado por João Tunes às 20:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

POR FAVOR

ACF1CB7.jpg

Não me olhes que me atormentas. E logo aqui, com olhos alheios à espera do que dá. Recata-te, se fazes favor. Eu também.
Publicado por João Tunes às 17:22
Link do post | Comentar

DIA DE

mannbriefcase_I.gif

Disseram-me que hoje é Dia Mundial da Poupança. Gostava de comemorar. Mas como se poupa naquilo que nos falta?
Publicado por João Tunes às 17:16
Link do post | Comentar

SABEDORIA DO SONO

sono.JPG

Se o bispo dorme e o tropa se aguenta, deve-se puxar para o lado da sotaina plácida ou da rigidez castrense? Antes imitar o bispo, pois senão. É da sabedoria dos tempos: antes com um bispo a dormir que com mil generais acordados.
Publicado por João Tunes às 01:12
Link do post | Comentar

ASSIM FALOU PACHECO

JPP.jpg>

Desta vez, acho que muito bem. Quando falou assim:

”Somem-se os nomes das Comissões de Honra de Soares e Cavaco, e dá mais de mil nomes, que são um retrato de quem manda em Portugal. Do establishment. Do "quem é quem". Somem-se mais meia dúzia de nomes, mais os militares no activo, juízes e embaixadores, alguns jornalistas, mais a hierarquia da Igreja, e está toda a nossa elite. Quem manda.”

Porque há qualquer coisa que não bate certo na forma de se bater na política e nos políticos. Só malta bera, como se sabe. Excepto nas campanhas eleitorais. Porque então, quando um político emerge com o perfume da possível vitória, a “nata social”, a anti-política e anti-políticos, cola-se-lhe que nem uma lapa. Para que o mando continue tranquilo. Nas mãos dos mesmos.

Um círculo fechado, a necessitar, urgentemente, de uma ruptura. Não de regime, mas de cidadania. Isto digo eu, não sei se o dirá Pacheco. Talvez não.
Publicado por João Tunes às 00:19
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Domingo, 30 de Outubro de 2005

ATÉ POR CAUSA DA INDÚSTRIA PESADA...

Filme.jpg

Desta vez, pela clareza, só posso agradecer ao Evaristo:

“Fala-se, discute-se muito, mas hoje o mundo é comandado pela força do capital, que gera crescimento, emprego, estabilidade social e política. (...) No rol dos discursos de cassete (...) ainda nenhum se pronunciou sobre o apoio e a colaboração que o PR pode e deve prestar ao Governo de José Sócrates, com vista a estimular as exportações, a conquistar novos mercados, e a implementar novas indústrias, seja na área das novas tecnologias, seja na indústria pesada.”

De um apoiante de Cavaco, está tudo claro sobre o projecto subreptício – o futuro PR “apoiar” e “colaborar” com Sócrates na dinamização da ... economia ... para dar “força ao capital”.

Imagem da autoria do Jumento.
Publicado por João Tunes às 17:02
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

QUATRO SÃO DEMAIS?

2005_10_28t094538_450x247_us_science_usa[1].jpg

Face á direita unida à volta de Cavaco, é uma felicidade a pluralidade das opções alternativas de esquerda. E um trunfo que, julgo, vai permitir derrotar, com Manuel Alegre, o Sidónio Contabilista na segunda volta.

Por um lado, uma dupla preciosidade são, desde logo, as candidaturas de Jerónimo e de Louçã. Remetem os seus irredentismos partidários ao lugar próprio e simbólico do protesto e do conservadorismo corporativo. E livram Alegre das companhias festivas dessas comitivas, depurando os sentimentos socialistas, democráticos e cidadãos, das inúteis e contra-producentes derivas leninistas e trotsquistas.

Depois, ver Mário Soares prestar-se a mais uma nobre e esforçada missão de sacrifício democrático - agarrar a ele o pior PS, o aparelhista e leninista, o da fidelidade no lugar da lealdade, arrastá-lo no ridículo da derrota eleitoral, para que se cale durante uns tempos, tornando a atmosfera política mais respirável e dar asas à cidadania. Faltando consolidar a alternativa que derrote a estratégia de Sócrates (sacudir a derrota de Soares para os ombros de Soares, isentar-se e isentar o PS, para se “entender” com o “vitorioso” Cavaco, completando o plano de substituir a política pela tecnocracia).

Falta, pois, eleger, combatendo pela sua eleição, um Presidente de Palavra e das Palavras. Manuel Alegre, evidentemente.

Os quatro candidatos pela esquerda não são demais. Cada um tem seu papel. E esta pluralidade multifuncional tem um potencial de eficácia muito superior ao monolitismo retrógrado e de concentração partidária da direita sabida com a direita ranhosa que sustenta o Professor, a quem se deseja, democraticamente, que volte para as suas boas aulas na Católica. Assim se saiba aproveitar a oportunidade.
Publicado por João Tunes às 15:53
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

Quem diria?

capt.sge.twn99.231005234101.photo00.photo.default-252x380[1].jpg

Um

Dois
Publicado por João Tunes às 12:20
Link do post | Comentar

CONVERSANDO

capt.jlm10203162031.mexico_cars_jlm102[1].jpg

Se há companheiro da blogosfera de quem sempre leio os posts com o maior interesse, de fio a pavio, é o João Abel Freitas. Nas questões económicas e da Administração Pública, a sua análise serena e entendida faz a diferença se comparada com as máximas ditirâmbicas que tanto abundam (incluindo as minhas, exclamativas em demasia). Ele é, de facto, um especialista esclarecido e esclarecedor. Um homem que tem o mérito raro de dominar a arte de opinar sem perder o fio pedagógico.

Confesso que também lhe guardo estima por respeito à lembrança dos tempos em que nos cruzámos em projectos virados para o mesmo lado. Sobretudo de umas idas eleições autárquicas em que emparceirámos na mesma lista (e campanha) para a Assembleia de Freguesia de Benfica (e em que, curiosamente, Carvalhas, ainda não SG, foi candidato à Presidência da CML). E até tivemos um resultado bem honroso (então, se comparamos com os de depois...). Hoje, muita água mexida, cada um “anda às suas”, tentando ambos, julgo, não descalçar o pé do chinelo esquerdo.

Agora com as presidenciais, andamos desencontrados. Do que não vem um grãozinho de mal ao mundo. Mas, por exercício de convicção, tento entender as opções diversas. E leio, do João Abel, esta mais que chocha declaração resignada de apoio a Mário Soares:

“Era necessário ter surgido atempadamente um candidato agregador, prestigiado, da confiança de vastos segmentos da esquerda e mobilizador da mesma. Este processo exigia tempo e a esquerda "acordou" tarde e teve de se socorrer do stock usado.”
“Neste contexto, continuo a não ter dúvidas sobre o melhor candidato à esquerda para uma segunda volta. Já aqui o referi várias vezes: Mário Soares.”


Ele que me perdoe, acho esta declaração altamente “esclarecedora”. Porque é, sobretudo, mais um requiem de resignação fatalista que coisa de convicção. Sem pingo de entusiasmo. Um género de caminho para velório. E mete-me confusão: que raio de fatalismo voluntarista determina o apoio a um candidato da esquerda para, em condições particularmente difíceis, em vez do combate, se ir assim, de baraço ao pescoço, agarrado a Soares e esganando Soares, nos prostarmos aos pés da parceria “Sócrates & Cavaco” para que a tecnocracia substitua a política?

Ganhar ou perder, só a luta e o voto decidem. É bem verdade. Mas se a Esquerda tem candidato para combater e ganhar (indo á segunda volta e ganhando-a depois) - Manuel Alegre - porque substituir a luta por um desígnio derrotista, péssimo para a esquerda e péssimo para o sacrificado candidato. Como é o caso, está todo o mundo farto de saber, da “cartada” Soares?

Ou, caro João Abel, estamos a ver filmes diferentes?
Publicado por João Tunes às 01:53
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Sábado, 29 de Outubro de 2005

FECHA PRIMEIRO, O BLOGUE OU O PAÍS?

r3474553551[1].jpg

Um dia, se fecharem o País, eu garanto que fecho o blogue. Claro, ficava aqui plantado, a palrar no deserto, para quê?

Mas, pelo visto, há quem feche primeiro o blogue para demonstrar que o País está para fechar.

Cada um com seu feitiço. Ou exercício de auto-flagelação. Ou o sentimento insustentável que a providência O escolheu como Profeta ou como Oz.

Regresso rápido, caríssimo Miguel. E... Kátespero! (versão, cá minha, do gasto “abacadabra”)
Publicado por João Tunes às 23:58
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

SALVÉ SANGUE AZUL !

coroa.JPG

Julgo que não tem qualquer base de sustentação o temor do Eugénio Costa Almeida, depois de publicitar este artigo, rematar que se considera ”pronto para levar toda a tareia que acham conveniente, assumindo, na íntegra, o que escrevi. E sei que haverão algumas pessoas com vontade louca de me açoitar...”.

Ó homem, (infelizmente) a Carbonária já não existe. Restam por aí, espalhados, um ou outro republicano e exemplos esparsos de jacobinismo, homens das cavernas também, de arejados há várias amostras, mas democratas, democratas, somos todos. E os que ainda não são, lá chegarão.

Monarquize-se à vontade, caro Eugénio. Tanto que, em vez do que supunha ter forma de açoite tem, afinal, a figura de prenda de estima, embora com pinta de pechibeque (mas a bolsa não deu para mais), aqui pendurada e que julgo lhe ficará a matar numa cerimónia em que o seu uso se justificar.
Publicado por João Tunes às 18:29
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

MAIS UMA VEZ... (quantas mais?)

trovoada.jpg

Há mau tempo pela Guiné-Bissau. Nino e PAIGC à pêra (nada que se não esperasse). A acompanhar com a ajuda do Jorge Neto que, entretanto, recuperou a ligação á internet.
Publicado por João Tunes às 17:56
Link do post | Comentar

PARABÉNS A VOCÊ

judiaria_almada_01.jpg

Estúpida forma celebrante teve o tonto perigoso que é Presidente do Irão para celebrar os dois anos de um dos mais consensualmente considerados blogues lusos – o refinado ”Rua da Judiaria”.

Não era necessária tanta bravata cavernosa, mesmo com a vaidade arruaceira de quem tem uma bomba atómica novinha em folha metida no turbante. É que, nem mais nem menos, chateado com o sucesso merecido do Nuno Guerreiro, o Grande Chefe Persa ameaçou, de uma penada, “riscar o Estado de Israel do mapa”.

Claro que, numa hipótese de escolha, estarei sempre com o Nuno e sempre contra a psicopatia fundamentalista (seja ela, islâmica, cristã, israelita ou outra).

Depois de ter começado a ler o blogue do Nuno, confesso que, cada vez que visito uma sinagoga, onde quer que seja, procuro-lhe, no silêncio dos cultos pressentidos, na decoração austera, nos gestos pausados do rabino, entender a sabedoria serena que inspira a persistente revelação da rica cultura judaica e com que ele, Nuno, tijolo a tijolo, vai deitando abaixo os nossos muros dos preconceitos anti-semitas (herdados e consolidados, pelo menos desde a Inquisição).

Há coisas que o Poder não sabe e nunca vai saber. Que um blogue de cultura sábia tecido com teclas serenas, vale mais que mil turbantes enrolados em urânio enriquecido. Parabéns, Nuno.
Publicado por João Tunes às 17:44
Link do post | Comentar

PROJECTINHO

capt.xfm10310281315.france_melancholy_xfm103[1].jpg

Recebo, embrulhado em forma de mail, esta mensagem que transpira sinceridade e cumplicidade:

“Não tenho o prazer de te conhecer pessoalmente, mas quase que te conheço. Acompanho o agualisa desde que o descobri. Já não me lembro como, mas foi uma boa descoberta.”

Calejado, ácido sob desculpa de tentar compensar o lado ingénuo, virulento pela busca de uma boa conversa que não seja de treta, saudoso de fraternidades inteiras, farto de fraternidades a meia haste, ficam-me duas sensações ao ler esta mensagem: a possibilidade de, através da internet, abraçar um mundo bom engavetado nos seus esconsos; o incómodo de me expor em demasia, despindo-me em público, mostrando-me.

Vou já falar com o meu psicanalista. Primeiro, vou arranjar um, depois marcar-lhe consulta. Claro que isto não é um projecto, vale apenas como projectinho.
Publicado por João Tunes às 16:48
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

SIDONISMO ABRANGENTE

032-cavaloSidonio_0156.jpg

Como Cavaco mudou de gravata, suspendeu-se no partido, procura que se esqueça o que foi e é, este Cavaco de campanha é um género de papagaio a falar pelo dono escondido, enfim um candidato de plástico, em que o nariz não corre o risco de crescer, crescer.

Não é de esperar que se descubra Cavaco atrás do candidato Cavaco. Alguém lhe terá dito que uma boa campanha, mais vitória certa, seria um tabu seguido de um work-shop no Actor’s Studio, com um estágio pelo meio num Museu de Cera.

Restam-nos, pois, os “cavaquistas”, para sabermos, pelo menos, porque nos querem impingir Cavaco. Por exemplo, ler assim:

“Tendo começado pelo Centro Cultural de Belem, obra emblemático dos tempos em que Cavaco Silva foi primeiro-ministro de Portugal, o agora candidato à PR foi até à Invicta Cidade para apresentar ao país o seu manifesto de candidatura, justamente no nobre edifício da Alfândega do Porto. Como homenagem ao trabalho e à riqueza criada naquela região nortenha, mas tambem ao espírito empreendedor e ao dinamismo que as suas gentes sempre mostraram. Sabemos agora com o que podemos contar. Com um candidato que vai esforçar-se "para que a seriedade, a honestidade e a transparência imperem na política". Para acabar com a oratória desbragada, a verborreia populista e eliminar, definitivamente, "a má moeda"... Para que os "cidadãos sejam mobilizados para uma participação mais intensa e exigente na vida cívica". Para que "aqueles que servem a causa pública em lugares políticos sejam vistos pelos cidadãos como honestos, competentes e rigorosos".”
(...)
“Para sair desta crise, os portugueses precisam ser optimistas, ter confiança e trabalhar noutros moldes. É preciso uma mudança. No discurso dos políticos, mas tambem na mentalidade dos portugueses. Para isso conta muito a imagem do novo Presidente da Repúlica: austero, grave, rigoroso. E Cavaco Silva possui estas qualidades, umas vezes severo outras vezes atencioso e humilde, mas sem perder a nobreza inerente à função de professor académico. Claro que as elites urbanas têm dúvidas, não gostam de estranhos, daqueles que não são da sua casta, que subiram na vida a custo de estudo e trabalho. As élites gostam de gente de "boas famílias", com nomes sonantes, ligados à "indústria" ou à alta finança, pois hoje não se pode falar em descendentes da Casa de Bragança, nos Lorenas ou nos Quintanilhas... E Cavaco Silva, é apenas um Silva. Mas fala de cátedra!... Ou não é ele um homem do nosso tempo, um produto do republicanismo?”

(pescado aqui)

Eu cá por mim, não é por nada, mas acho que o estimado companheiro Evaristo nos anda a gozar –nós outros, seus devotados leitores - e que nem um perdido... Se assim é, viva o humor! Caso contrário, não é Fernando Pessoa quem quer (ou seja, como ele quando amou Sidónio, o Presidente Rei).
Publicado por João Tunes às 00:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO