Terça-feira, 27 de Setembro de 2005

NO RED, VERMELHO!

oldtraff2.jpg

Mapa já tenho. O que dá todo o jeito do mundo para não nos perdermos e, nas tantas, encalharmos, em vez do estádio, num tasco (e que belíssimo nome esse de “Bishop Blaize Pub”) e depois trocarmos a partida por um (ou dois... e etc) “pint” do malte transformado em líquido bom porque nosso (e tentar ofender os gajos, pedindo-lhes “Guiness”), mas contando com a boa companhia dos católicos azuis de lá (*) - os do “City”, hoje aliados por hora e meia.

Assim, conto encontrar o caminho e bem. Na ida e na volta. E não ter que, no regresso, trazer vergonha como companhia. Basta-me tanto. É que dá azar o pobre pedir demais. Mesmo que, no íntimo, o impossível se deseje. Sempre.

Adenda: Tudo nos conformes, confirmo agora, verificando que a tv de casa não se moveu e funciona no Canal 1. Assim, o mapa laboriosamente estudado transformou-se, num ápice, numa perfeita inutilidade. Não faz mal, a cultura não ocupa lugar.

(*) – Porque será que eu gosto tanto dos católicos (idem com "azuis") de “lᔠquanto desgosto dos de “cá”?
Publicado por João Tunes às 14:47
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2005

Abaixo el-rei Sebastião

dom sebast.JPG

É preciso enterrar el-rei Sebastião
é preciso dizer a toda a gente
que o Desejado já não pode vir.
É preciso quebrar na ideia e na canção
a guitarra fantástica e doente
que alguém trouxe de Alcácer Quibir.

Eu digo que está morto.
Deixai em paz el-rei Sebastião
deixai-o no desastre e na loucura.
Sem precisarmos de sair do porto
temos aqui à mão
a terra da aventura.

Vós que trazeis por dentro
de cada gesto
uma cansada humilhação
deixai falar na vossa voz a voz do vento
cantai em tom de grito e de protesto
matai dentro de vós el-rei Sebastião.

Quem vai tocar a rebate
os sinos de Portugal?
Poeta: é tempo de um punhal
por dentro da canção.
Que é preciso bater em quem nos bate
é preciso enterrar el-rei Sebastião.


Manuel Alegre

(bem lembrado aqui)
Publicado por João Tunes às 22:13
Link do post | Comentar

Com os beijos não se brinca...

kuessen-250_250.jpg

Decerto é uma questão de estética. Também decoro, pois claro. E, ainda, desejo de vida.

O nosso imaginário, a retorta da memória, a vontade de não deixar morrer o desejo, o querer viver vivo, fixa-nos o beijo, os beijos, como dos momentos mais solenes e mais simbólicos das nossas vidas – da real, da imaginada e da projectada. O nosso primeiro beijo, quantas vezes repetido, mantem-se na lembrança ténue como das coisas mais limpas e puras que fizemos na vida. Os beijos de amor acompanham-nos mesmo que na desolação da saudade. Se os beijos nos ficam magros, secos e fugidios, desejamos que eles regressem gordos e molhados. Nós, afinal, vivemos porque esperamos um próximo beijo. Porque, tantas vezes, um beijo é tudo.

Por assim pensar, por efeito de choque não amortecido da repulsa pelo beijo da imagem - a do célebre beijo marxista-leninista entre Brejnev e Honecker -, porque sendo este um beijo que é a negação do beijo, apenas sobrando poder e polícia, é que nunca poderei votar no Jerónimo. Mesmo que ele se lembre de, para angariar fundos e gasto que seja o filão do Che, impingir esta imagem em t-shirts de celebração do falecido internacionalismo proletário numa próxima Festa do Avante. Porque, como tudo, o internacionalismo tem limites. O beijo (sadio porque de amor) é que não.
Publicado por João Tunes às 16:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

FALOU O BIMBO

JoseLello.jpg

Que mais não fosse para que um dos políticos mais bimbos do PS – José Lello – aparecesse a botar faladura indigente para referir o “parasitismo partidário” de Manuel Alegre, a candidatura do poeta valeu a pena.

E não se julgue que o cú não tem a ver com as calças. Tem. Senão elas, as calças, não se enfiavam pernas acima até se ajustarem no sítio onde prespegamos as cadeiras. Uma campanha, sobretudo a campanha presidencial, é o momento certo de recolocar os princípios, os valores, a vontade de futuro na decência, na opção de se ser de esquerda ou de direita e correndo todos os riscos para ganhar ou perder, no centro da política. Se o PS nos está a querer enfiar de cabeça no pantanal, mostrando-se indeme na capacidade de ter moral para responder a qualquer reinvidicação e privilégio pessoal e de grupo, procurando que fiquemos vergados à impotência de vermos a vitória cavaquista (procurando, depois, tirar dividendos da harmonia bipolar centrista de Sócrates em São Bento e Cavaco em Belém) pela mão da ilusão da gero-bravata soarista, é bom e saudável que se possa dizer não e diferente.

Um partido e um governo que meteu Fernando nos petróleos, Armando na Caixa e permite parcerias energético-parlamentares entre Pina e Vitorino, merecerá o regresso do clan Soares e ter José Lello como seu arauto moral. Mas esse é o problema do pântano. Nós, outros, merecemos o direito a respirar a diferença política que é ter Alegre como candidato, resistindo a desacreditar da política, dos políticos, da democracia e... do PS.
Publicado por João Tunes às 16:02
Link do post | Comentar

TRABALHO DA ÉPOCA

campanha 004.JPG

A campanha chegou ao bairro. Profissional e profissionalizada. Enquanto o governo se descuida e a revolução procura ganhar espaço, há que cuidar que os votos não faltem. Porque a mãe democracia é generosa. E assim se vão aguentando, sazonalmente, uns tantos postos de trabalho.
Publicado por João Tunes às 15:06
Link do post | Comentar

A VIDA POR UMA PELÍCULA

deep_throat_a.jpg

Eu dizia: esta coisa saturou-se. E se rebentar é pelas costuras.

Porque acho que já cá tínhamos de tudo. Sobre tudo. De todos os gostos, para todos os gostos, com todos os feitios, incluindo os bons e os maus e, ainda pior, os assim-assim. A blogosfera já era melhor que uma etno-polis-ethos-culto-memo-farmácia. Supunha até que a energia da surpresa se tinha esgotado. O que viesse agora seriam reprises, sessões da meia noite, DVD’s para adormecer no sofá, imitações que tivessem o fim frustado de tentar fintar o aviso cantante do Sérgio Godinho solenemente dirigido ao Casimiro. Mais umas tantas réplicas atrasadas de exercícios de narcisos e narcisas maduros e maduras e outros nem por isso mas para lá caminhando, mesmo daqueles a quem as fraldas os largaram há poucochinho. E assim achando, ia entendendo que continuar, eu teimar, era só pelo afinco serôdio de invocar que a antiguidade é um posto e tamanho que era pergaminho suficiente para aqui ainda estar.

Mas se o mundo é grande, a surpresa nunca é pequena. O que se resume a reconhecer que nunca conseguimos meter o mundo no bolso. Ninguém. E é o que nos vale e nos faz ter vontade de rir de qualquer ditador ou putativo candidato a tal [na política não tenho a mesma certeza, mas sobre o gosto, ah isso garanto que sim].

Pois, a surpresa está aí - este era o único
blogue que faltava
. Um blogue sobre cinema, com equipa de luxo, e onde se escreve assim:

”O cinema é uma amante exigente. Por muito que a tentemos domar, vulgarizar, misturar com centros comerciais, sofás, pipocas e afins, o Cinema resiste. Tem que resistir. A paixão que ela desperta pode muito bem ser um dos únicos sortilégios que temos para moldar o Tempo. Ou para fingirmos que ainda temos 15 anos, que a escola já acabou, que a tarde e a noite são nossas e o Cinema é aquilo que quisermos.”

O quê? O estimado visitante não gosta de cinema nem acha que dele precisa? Passa bem sem ele ou dele ouvir falar? Então porque bloga ou lê blogues? Deixe-se disso – se desistiu de viver, vivendo-lhe as ilusões e as fantasias que tornam a vida viva - desligue o computador, corte com a internet, vá dar uma curva. E quando se perguntar o que é a vida, entre no cinema mais próximo. Vai encontrá-la, à vida. E vai gostar. Julgo, claro que não garanto que goste. Mas recomendo.
Publicado por João Tunes às 14:33
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

AH REI GARANHÃO !

suazilandia.jpg

Mswati II, rei da Suazilândia, decidiu-se. E quando um rei decide, está decidido. Pois o rei-garanhão, o garboso da foto, acaba de escolher a sua 13ª esposa, uma jovem de 17 anos, de seu nome Phindile Nkambule. A notícia foi dada numa cerimónia que incluiu uma dança colectiva em que participaram 4.000 supostas virgens despidas da cintura para cima.
Publicado por João Tunes às 11:40
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

EQUÍVOCOS DO TEMPO DA GUERRA

paigc_1.JPG

Enquanto os guerrilheiros limpavam as armas no outro lado, podia acontecer um miliciano ser nomeado, por engano e por duas horas, Oficial de Estado Maior.

Conta-se aqui.
Publicado por João Tunes às 11:21
Link do post | Comentar

AS MÃES DA PRAÇA DE FELGUEIRAS

fatima.jpg

Queremos de volta a nossa filha que esteve desaparecida...
Publicado por João Tunes às 11:05
Link do post | Comentar
Domingo, 25 de Setembro de 2005

UMA BOA PERGUNTA

GNR.jpg

Pode ler-se aqui.
Publicado por João Tunes às 12:09
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

TROVA DA PRIMEIRA VOLTA

ManuelAlegre.jpg

De Águeda, veio a notícia que me faltava para ter candidato para votar na primeira volta das presidenciais. Se houver segunda volta, então se vê. Uma volta de cada vez, se fazem favor.
Publicado por João Tunes às 11:43
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Sábado, 24 de Setembro de 2005

AMIGO NÃO ESQUECE AMIGO, SOBRETUDO NA HORA DA SURPRESA

gbl_news.jpg

”A grande surpresa foi a espectacular subida do Partido do Socialismo Democrático, que recentemente adoptou o nome de «A Esquerda.PDS», em cujas listas concorreram membros da Alternativa Eleitoral para o Trabalho e a Justiça Social (WASG), liderada pelo antigo presidente do SPD, Oskar Lafontaine, bem como do Partido Comunista da Alemanha (DKP).
O partido «A Esquerda.PDS» atingiu 8,7 por cento dos votos, isto é, mais 4,7 por cento do que o PDS conseguira nas últimas eleições, superando pela primeira o limite de cinco por cento exigido para a eleição deputados nacionais para o parlamento, onde obtém 54 lugares.
Em consequência, «A Esquerda» tornou-se a quarta força mais votada na Alemanha, à frente dos «Verdes» e logo a seguir aos Liberais (FPD) que recolheram 9,9 por cento dos votos.
Nos estados da antiga RDA, «A Esquerda» sobe entre cinco e nove por cento em relação à votação anteriormente conseguida pelo PDS, conquistando 25,4 por cento dos votos, ligeiramente acima da CDU/CSU (25,3%) e só abaixo do SPD, que baixa para 30,5 por cento.
Na parte ocidental onde, há dois anos, o PDS obtivera 1,5 por cento dos votos, consegue ultrapassar a barreira dos cinco por cento em seis estados, alcançando o resultado excepcional de 18 por cento no Sarre, que teve Lafontaine como primeiro-ministro. Nos restantes quatro estados federais, o resultado oscilou entre os três e os 4,5 por cento.
No rescaldo eleitoral, o partido «A Esquerda» reafirmou a sua recusa em formar governo com o SPD, devido à orientação neoliberal dos sociais-democratas, sublinhando que esta posição de princípio manter-se-á até serem revogadas as contestadas reformas dos sistemas de protecção social, incluídas na chamada Agenda 2010, também conhecida por pacote Hartz IV.
Por outro lado, regozijou-se com a entrada para o Bundestag (parlamento) «de um partido que se opõe a que a segurança da Alemanha se defenda no Afeganistão».
Até ao momento, todas os restantes partidos declararam também que recusam formar alianças com «A Esquerda».”


Para a continuação desta apreciação dos resultados eleitorais na Alemanha, consultar aqui.
Publicado por João Tunes às 17:05
Link do post | Comentar
Sexta-feira, 23 de Setembro de 2005

EFEMÉRIDE ESCUSADA

Freud_Gross.jpg

Pensando estar certo, mas admitindo estar errado, se calhar fifty-fifty, acho que uma efeméride de hoje não é muito estimável para os portugueses e as portuguesas.

Falo, como se percebeu, e quem não percebeu que perceba agora, de lembrar que “Sigmund Freud, o inventor da Psicanálise, morreu, em 23 de Setembro de 1939, na sua casa em Londres, com 83 anos de idade” como muito bem nos refrescou a mona o JG (a quem aproveitei para gamar a imagem).

E porque disse o que disse? Pois eu acho que, por mor dos efeitos a médio e longo prazo da cultura da castidade-castração da nossa tradição judaico-cristã (que foi boa noutras coisas, eu sei), os portugueses e as portuguesas não gostam do Freud. É que o tipo esgravatou onde, se calhar, não devia esgravatar. E vou já tentar desenvencilhar-me desta sentença atrevida.

Se há coisa que os portugueses evitam é o tema da sexualidade. Pelo que se sabe, para tantos e tantas, a coisa é pimba e já está e quando se trabalha não se assobia. E se os portugueses e portuguesas são bons e boas, gostando mesmo da coisa (verdade, consta da história!) quando fornicam fora de casa, pelo que se vê, a fornicação caseira não é, não pode ser, de todo gratificante. Senão como entender o número de facadas no matrimónio, cenas de ciúmes, desvios, abusos e crimes sexuais que preenchem páginas de jornais e revistas? E a tendência fácil para o incesto, a pedofilia e a paneleiragem? Mais a atracção por milhentos pontos de alterne com brasileiras, eslavas, travestis ou o quer que seja? Pois daqui pode-se concluir diferente do que - “tanta disponibilidade acumulada, extrovertida e enviesada só mostra mínguas domésticas”?

Andamos de tusa encolhida mas esbaforida, é o que é. Passada a lua-de-mel, nascidos os filhos, o gosto, a imaginação e a fantasia mirram, a lonjura do horizonte monogâmico encurta-nos perante a rotina, e é então que o fruto exógeno, exótico, transgressor ou proibido passa a ser o apetecido, mesmo que sob o preço de tudo quanto é fugaz. Porque não fomos feitos para sermos só nem libertinos nem castos antes uma sábia combinação de tudo um pouco e sempre leais com quem nós escolhemos e nos escolheu para jogarmos um mesmo jogo de vida. A padrelhada bem fez por nos castrar mas só conseguiu sublimações mal esgalhadas. Limpem, então, as mãos à parede.

Ó Freud, passa ao largo que aqui só espalhas a confusão e o desatino. Aqui, é reino do Papa e da trangressão cobarde do alívio.
Publicado por João Tunes às 17:43
Link do post | Comentar

LAMPARAM

Guine_Leopoldo_Amado.jpg

A raiz da minha amizade com o Leopoldo Amado tem, como tudo, uma história. Nasceu com a blogosfera e os contactos que ela proporciona. Depois veio não só o contacto pessoal como a minha consideração pelo brilho da sua carreira académica e pela descoberta de que ele tinha sido um miúdo guineense (e vão lá uns 35 anos de distância), filho de um funcionário dos Correios, que tinha sido meu vizinho em Catió, no tempo em que lá estive fardado, e que tinha comigo partilhado os medos comuns perante os silvos e deflagrações dos “obuses 122” com que Nino Vieira nos enviava a mensagem de que devíamos sair dali “rapidamente e em força” (ele disse-me com a graça dos sobrevivos: “passavam por cima da minha casa antes de aterrarem no teu quartel”). Ele, pela sua parte, achará que eu não sou mau rapaz e até escrevinho, vez em vez, umas coisas catitas.

Claro que fiquei inchado de vaidade ao saber que um homem que foi puto meu vizinho é agora um prestigiado académico e com tese quase pronta a defender proximamente na Universidade Clássica de Lisboa e tendo exactamente como tema a Guerra Colonial na Guiné-Bissau (1963-1974).

Pois este meu amigo tem um blogue chamado Lamparam. E ele explica como se inspirou para tão aparentemente estranho título:

”O termo lamparam designa, no crioulo da Guiné-Bissau, "um engenho tradicional de propulsão normalmente utilizado nas plantações e nas bolanhas da Guiné-Bissau para afugentar a acção predatória das aves sobre as culturas".

E eu fico-me para aqui a pensar na imaginativa metáfora que tão bem inspirou o Leopoldo ao escolher o Lamparam como título para o seu blogue. É isso mesmo – há que cuidar da cultura da memória sem que as aves da rapina dos preconceitos ou da amnésia lhe comam os bagos tão duramente germinados nas dores dos encontros, desencontros e empurrões da história. Não para acusar, porque isso, além do mais, é já tarde para o fazer (e tantos foram e são os que se furtaram ao julgamento da história, falando, é evidente, dos que voltaram e lá ficaram com crimes de sangue a mancharem-lhes as mãos, algumas medalhadas, e que, não contentes, espalham saudades serôdias de revanche por aí). Mas, sobretudo, para não esquecer e conseguirmos, antes, que na memória histórica dos nossos povos (daqui e de África) não fiquem pontos em branco ou manchas negras a darem-nos descontinuidade ao retrato.
Publicado por João Tunes às 16:43
Link do post | Comentar

Honra a Felgueiras

FCAP-p071002.jpg

Para que:

- Não se pense que o post anterior comporta qualquer acinte democrático para com o bom povo de Felgueiras;

- Não se deduza que duvido, além da boa tradição gregária e desinteressada, da óbvia lucidez eleitoral do mesmo bom povo de Felgueiras;

- Não se extrapole que não respeito, psicologicamente falando, a histeria beata da subordinação popular às benesses sabiamente atribuídas sem ater aos pormenores comezinhos de se querer saber de que sacos saem;

- Muito menos se pense que acho que não é nem pode ser bom ou boa aquele ou aquela em que se vota, muito se quere e a tudo se desculpa.

Declaro:

- Com todo o gosto, irei a Felgueiras e por lá passearei a vista, a cidadania e o orgulho de ser patrício no mesmo país, quando inaugurarem, no largo principal, uma estátua (ou estatueta ou mera placa evocativa) a quem, por Felgueiras, pela dignidade cívica e honrada de Felgueiras, não perdeu nem a dignidade nem o decoro, muito menos traficou a vã glória de mandar – o saudoso e emérito democrata e socialista Barros Moura.
Publicado por João Tunes às 15:59
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO