Sexta-feira, 30 de Julho de 2004

PARABÉNS PORTO !

band_6.jpg

Com que então, amanhã e em solene peregrinação, o Conselho de Ministros sobe atà à Invicta! Tratem bem a rapaziada, amigos portuenses.

(Uma dúvida me assalta: se o Porto é a Capital do Trabalho, o que faz lá o Governo Santanete? O leit-motiv estará na pós-curtição na Ribeira?)

(Segunda dúvida: será desta que o Alex vai arranjar amigos por aquela banda?)
Publicado por João Tunes às 20:23
Link do post | Comentar | Ver comentários (10)

A HORA E A VEZ DAS ALEGRETES

alegrete.JPG

É isso mesmo. Se já tínhamos o enjoo das teens e tias santanetes, a que se vieram juntar, em concerto de monotonia, as centristas e maduras socranetes, já era mais que tempo de ribalta para as esquerdistas, emancipadas e dominadoras alegretes.

Estas sim, vão mostrar que mais igualdade não se procura numa bandeja, conquista-se e impõe-se.

E assim vos saúdo. Bem aparecidas, digo eu. Mais: tanta falta que cá faziam.
Publicado por João Tunes às 19:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)

SANTANETES DO BEATO

sabios_3.jpg

"Tirando o eterno ministro Álvaro Barreto, o Governo que aqui chegou ao
poder é o da geração do Compromisso Portugal - esse encontro de
privilegiados do regime que entendia ter chegado a sua hora de passaram de
beneficiários passivos a gestores do poder. Eles aí estão em funções,
supostamente para servirem Portugal sob a chefia de Santana Lopes - uma
contradição nos termos que não pode deixar de incomodar muitos deles. A
malta do Compromisso Portugal não se deteve a pensar ou não se atreveu a
explicar a Santana Lopes que desmantelar, baralhar, confundir a orgânica do
Governo resulta apenas em perda de tempo, de eficácia e de dinheiro."

(no artigo de hoje de MST)
Publicado por João Tunes às 14:40
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

MUITO BEM ESPLANADO

preso.jpg

Ainda não tinha saudado o aparecimento de mais um excelente blogue colectivo de muito boa escrita e ainda melhor visão cortante da lusitana paisagem. Trata-se do Esplanar.

Como amostra para teste de qualidade, aconselho a leitura deste post. Em poucas linhas, está ali o retrato desta nossa moderna sociedade e de como hoje as pessoas se cruzam nas suas profissões. Aliás, por vezes, surpreende-me o pouco que se fala das experiências profissionais. E eu vou-me convencendo que só pode ser por pudor.
Publicado por João Tunes às 12:46
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

ABRAÇO AO TROVADOR

AlegreCampanhaG.jpg

Da sua voz vem-me a melodia de uma das vozes mais bonitas de Portugal, entrando noite dentro e iludindo o limite dos afazeres dos pides, exagerando as nossas lutas para nos dar a confiança de que o fascismo estava quase a acabar.
(a merda estava na manhã seguinte quando constatávamos que o bom povo português não seguia as consignas da Rádio Voz da Liberdade)

Da sua poesia, vêm-me as páginas mais conseguidas do romantismo tardio e que nos faz a ponte com Camões, atravessando barricadas, polícias de choque e o atrevimento de fazer amor com carácter de urgência como outro poeta cantou.
(a merda estava nas lágrimas de raiva que se tinham de secar ao tentar escutar, vezes a mais, o vento que não passava, apesar das trovas)

Da sua prosa poética fica-me um capítulo de Rafael onde ele disse tudo sobre a guerra colonial.
(a merda foi que passei por parecido e talvez só por isso tenha percebido tudo o que o seu talento lhe fez contar e que nunca devia ser contado por nunca dever ter acontecido)

Do seu tempo de governante soarista não esqueço que ele foi o sacana do poeta que matou o jornal O Século.
(a merda é que, depois disso, passei a gostar mais de jornais que de poetas e assim se me estragou o gosto)

Do seu rosto nobre, frontal e belo vem-me o meu e o seu tempo de ideias e ideais que não têm lugar para se sentar desde que o guterrismo os afogou dentro de uma pia de água benta.
(a merda é que Sócrates, que vai ganhar, não passa de um Guterres cínico)

Da sua candidatura que o recoloca como o Quixote da esquerda romântica, fica-me a ternura pelo seu sacrifício narcisista e congregador da idiotice de esquerda retro que lhe espetou com o slogan de mais igualdade, essa negação semântica.
(a merda é este desajuste no tempo, nas exigências, na radicalidade ética, no romantismo generoso da desforra, no sonho do primado do ser e do saber sobre o ter, na utopia de pensar amanhã, no amor a velhos e a crianças que não se usa, quando as altas cavalarias são para os aparelhos que enchem as cavalariças dos partidos)

Nunca desejei pertencer ao PS. Mas gostaria de ser militante do PS no breve minuto em que nele votasse. Para, mais uma vez, como lhe vai acontecer a ele, perder com o sabor romântico de esquerda, e depois ir comemorar mais uma derrota e uma resistência, com um cálice de Porto e um poema dele ou de Sophia, ouvindo Paredes, para continuarmos a acreditar nos valores da esquerda perdida e arredada.
(a merda é que Sócrates não é homem para Santana, porque é menos do quase mesmo, e assim nem sequer se poderá fazer o brinde de glória aos vencedores, restando o travo da honra dos vencidos)

Adendas:

Primeira: Se quiserem traduzir este arrazoado sentimental em escrita directa, economizando tempo e paciência, leiam o que diz este deputado (independente) do PS.

Segunda: Simplesmente magistral, ao correr da pena, o exercício de argúcia sobre a dicotomia direita/esquerda feita pelo Jumento.
Publicado por João Tunes às 00:22
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)
Quinta-feira, 29 de Julho de 2004

LAMENTAÇÃO TRIPARTIDA

trio.JPG

Por este andar vai tudo de férias, até o Alex vai passear de inter-rail para apreciar as vikings, e nós para aqui, com calor, a olhar para o boneco e sem saber que fazer. É que, este ano, parece que só os políticos não vão a banhos, e esses são tão sizudos. Sem os brincalhões, mais os criativos e os opinion makers da blogosfera, todos a fugirem às pinguinhas, isto está mesmo a ficar chato. Enfim. Talvez em Outubro volte a animar.
Publicado por João Tunes às 20:16
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

MAIS UM A AMEAÇAR COM FÉRIAS

perejil.jpg

O Jumento avisou que está quase a ir de férias. Mais que merecidas, depois de tanta trabalheira a manter-nos sempre informados e a conservarmos o gosto pelo humor ácido que, nele, é um hino limpo à vida. Mas estou cá em crer que, mesmo em férias, ele não vai meter pantufas nas ferraduras. Advinho-o a veranear com a bandeira dos alertas da lucidez. De qualquer forma, boas férias então.
Publicado por João Tunes às 19:12
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

PERA DOCE ?

santana-lopes.jpg

Em política, muitas vezes é fatal tomar os desejos por realidade ou generalizar aos outros a nossa percepção, as nossas simpatias e antipatias.

Quantas vezes as nossas emoções, assentes nas nossas crenças, esquecem que os outros também se regulam por emoções e por simplificações para se orientarem, transformando a política num jogo de afectos.

Sobre Santana Lopes, parece-me que a esquerda vive num jogo de engano. A debilidade estrutural da pessoa política, o seu nítido desajuste para a função e para a responsabilidade, a vacuidade de pensamento, levam à atracção fatal pela sua subestimação como fenómeno durável. O que pode ainda ser agravado pela fragilidade da sua legitimidade para o cargo em que está investido. Tudo isto se casando como propício a considerá-lo um mero epifenómeno.

A forma como Santana Lopes cumpriu o seu desempenho na Assembleia da República revelou a sua fragilidade política. Elas foram mais que evidentes. Mas revelaram aspectos novos na vida parlamentar e na luta partidária – a não agressividade no relacionamento e a sinceridade a mostrar as suas debilidades. Aquela orfandade de maturidade e de capacidade para a função, foi exposta com uma candura quase apelativa de quem não sabe bem como foi ali parar mas com enorme gosto pessoal por ali estar.

Para os entendidos, é claro que aquilo não engana, os grandes mestres dos jogos de interesses revigorados nesta recomposição governamental estão lá, atrás dele, com ele, com uma força nunca vista. Parece haver ali um compromisso táctico – Santana Lopes faz o papel do inocente, os pesos pesados dos interesses instalados fazem aquilo para que lá estão.

A oposição corre o risco de ter de jogar o jogo que mais interessa às forças governantes: concentrar na fragilidade de Santana Lopes os ataques e a agressividade, corroendo-o na sua representação de poder. Porque, aqui, em termos de sensibilidade comum e maneira de ser antiga, o efeito é bem capaz de ser contrário ao pretendido, despoletando simpatias até paternais para com o “rapaz”. Não tenho dúvida que a grande maioria dos portugueses preferirão a bonomia e infelicidade de Santana Lopes à radicalidade gritada da denúncia martelada. E excessos de agressividade e de tentativas de meter Santana Lopes no ridículo, exercidas por líderes alternativos (para mais, com credibilidades em baixo), poderá levar muitos a penderem para uma atitude de defesa do Primeiro Ministro, bastando que ele saiba gerir convenientemente a vitimização e a denúncia dos excessos. No meio das suas muitas dificuldades, nestes aspectos, Santana Lopes já demonstrou que se mexe como peixe na água.

O primeiro sinal será dado pelas próximas sondagens. Veremos se elas trazem surpresas ou não. E se se confirma a facilidade que alguns anteviam na capacidade de lidar com o populismo, desmontando-o. Ou seja, se a deslocação do político para o afectivo, é ou não um complicadíssimo problema da democracia.

Tanto que gostava que estivesse rotundamente enganado.
Publicado por João Tunes às 18:56
Link do post | Comentar
Quarta-feira, 28 de Julho de 2004

NA MOUCHE

Lenin.bmp

Este post no Apócrifo sobre o bravo Louçã. Assino por baixo. Porque também não é por ali que vamos lá.
Publicado por João Tunes às 15:08
Link do post | Comentar | Ver comentários (7)

DÚVIDA EXISTENCIAL

Beato_small.gif

Tens mesmo a certeza de que já passou o período da "tanga"? E como vamos mostrar a nossa beleza?
Publicado por João Tunes às 14:02
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

TAMBÉM VERNÁCULA

Afr_1.jpg

Outra forma, mais sofisticada e ainda mais vernácula, de fruir o prazer das praias africanas.

(dedicada, com amizade, à estimada Gotinha)
Publicado por João Tunes às 13:50
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

SINALÉTICA VERNÁCULA

praiadeangola.jpg

Por vezes, o vernáculo ajuda a comunicar. De forma incisiva e eficaz. Por exemplo, como mensagem de conservação ambiental e preservação da saúde pública e de partilha civilizada de espaços colectivos.

(imagem surripiada ao Orlando que a atribui a uma praia angolana)
Publicado por João Tunes às 12:09
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)
Terça-feira, 27 de Julho de 2004

BELEZA E TEOLOGIA

arabgirl.jpg



O Carlos Martins diz que a senhora da imagem é afegã. Não sei se o é mesmo ou apenas aparenta sê-lo. Mas eu vou pela ideia feita de que pouco interessa a pátria aqui para o caso. A beleza não é universal, como bem dizem os entendidos? Dizendo por outras palavras, se o Afeganistão está bem longe, para ter gosto em ver este bonito rosto não é preciso sairmos do sítio onde estamos.

Depois, e o Carlos também o explica, os tallibans, com a mania de mandarem as donas taparem o rosto, esquecem que o tecido, qualquer tecido, não estica e há-de faltar em qualquer parte.

Pois, beleza e teologia, eis um excelente tema para se opinar. Quem lhe pega?
Publicado por João Tunes às 23:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)

NA BANDA DO PS

JP-0103-010-kimbei.jpg

No quadro de apagada tristeza em que se viu o PS, depois da nefanda obra de descaracterização processada pelo guterrismo, a preparação do seu Congresso e as corridas para o Secretariado Geral, são um espectáculo deprimente.

Os socranetes contam as espingardas aparelhistas e encostam-se ao centrão. São os restos guterristas a calçarem as pantufas, direitos aos sofás de um poder que julgam cair-lhes no colo. Limitam-se ao não ambicioso projecto de serem santanetes com preocupações sociais. Propõem uma espécie de alternância que pouco mais seja que mudança de penteados.

João Soares faz o seu número dinástico. È a sua tragédia. Será sempre, politicamente, um pai em versão pobrezinha.

A esquerda PS andou às voltas e meias voltas. Mexeu-se é verdade. Reuniu também. Unificou até plurais tendências e clubes. Mas partiu dos cacos do hara-kiri emocional de Ferro que transformara a sacristia guterrista num clube de amigos de Alex, incapazes de passarem da moral para a política. Não aprendeu nada de nada. De mão em mão, de reunião em reunião, acabaram por cair debaixo das barbas de um trovador emocional e apelar-lhe ao sacrifício da locução das trombetas do protesto e da regeneração. Manuel Alegre já disse que só concorre a líder, a governação será com outro. Por outras palavras, basta-lhes que Sócrates não ganhe por unanimidade e aclamação.

Parece que todos, no PS, se resignaram ao triunfo do aparelho. É assim que querem, é assim que será. A orquestra, triste orquestra, está pronta para a função.

Santana é o que é. Mas ninguém pode negar que é homem que nasceu com a estrelinha da sorte.

Que raiva!
Publicado por João Tunes às 22:57
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

AINDA CARLOS PAREDES, SEMPRE

Carlos_Paredes.jpg

1) Numa nota datada de 4 de Março de 1959, foi assim que a PIDE escreveu sobre um apreciado músico recentemente falecido:

“Carlos Paredes, escriturário dos Hospitais Civis de Lisboa, membro do chamado “partido comunista português” com o pseudónimo de “Franco”, desde o princípio de 1957. Foi aliciado pelo co-arguido José Olaio Valente. Fazia parte da organização secreta comunista existente naqueles Hospitais e sob o “controle” daquele co-arguido.”
(transcrita em Estudos Sobre Comunismo)

2) Carlos Paredes foi torturado pela PIDE, não falou perante os carrascos, esteve preso vários meses e foi expulso da função pública. Tornou-se delegado de informação médica para ganhar o sustento. Só vários anos após o regresso da democracia, passou a viver da música e apenas para a música.

3) A democracia concedeu-lhe a honra de “dia de luto nacional”. Foi justo, acho eu que até não valorizo excessivamente estas “coisas de Estado”.

4) Recordar, a propósito do “dia de luto nacional” pela morte de Carlos Paredes, outras falhas e omissões, é, no meu entender, atirar ao corpo sem vida de Carlos Paredes uma nova bofetada a somar a tantas que ele sofreu em vida e que não mereceu. Pior se vierem com a história sexista da diferenciação de tratamento dado a este homem comparativamente com omissões graves para com duas mulheres ilustres também recentemente falecidas (Sophia e Pintasilgo). Carlos Paredes foi um homem dos sons e da liberdade. Sons para todas as almas abertas. Liberdade para todos, mais para os outros e para as outras que para si próprio. As falhas de respeito e de consideração de Estado para com Sophia e para com Pintasilgo, podiam e deviam ter sido protestadas nas alturas próprias. Atirá-las para o ar na altura em que pouparam Paredes a uma injustiça póstuma parece-me, no mínimo, uma ofensa desnecessária. Embora agora ele já não se deva ralar grande coisa. Nem Sophia. Nem Pintasilgo.
Publicado por João Tunes às 21:58
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO