Quarta-feira, 31 de Março de 2004

SOBRE O MITO DA SENSUALIDADE AFRICANA

IMG0061[1].jpg

Um dos mitos sexuais correntes é o de uma sensualidade africana que seria intrínseca e única e que é sobretudo dirigida sobre a mulher negra ou mulata. Segundo esse mito, as africanas teriam uma sensualidade congénita e à flor da pele, em contraponto com as europeias (estas seriam mais cerebrais, mais contidas e mais frias).

Nas minhas experiências de vivências esporádicas em África pude ver como este fenómeno é vivido por grande parte dos europeus lá situados e interessou-me a sua percepção. Até porque são eles os transmissores do mito.

Em Maputo, em Luanda, no Mindelo e na Praia, tive acompanhamentos e incentivos adequados para conhecer os caminhos da tal sensualidade especial da negritude feminina. Aliás, este tipo de ronda pela sensualidade africana faz parte do cardápio infalível da arte de bem receber o patrício macho.

Vi homens, mulheres e casais com a sua vida afectiva normalizada que olham para o folclore sensual com sorrisos condescendentes.

Mas vi, sobretudo, uma enorme legião de desprotegidos de afectos isolados em África, com dinheiro para gastos, a consumirem uma sensualidade proposta, oferecida a troco de muito pouco mas sempre disponibilizada a troco de alguma coisa.

Vi directores gerais de grandes empresas europeias a babarem-se com a lascívia representada na dança de jovens adolescentes à procura de algo que lhes matasse a fome ou lhe desse acesso à satisfação de adornos ou vestuário.

Não me esqueço da imagem de um director português de uma marca de automóveis japoneses em Luanda, um tipo de mais de sessenta anos de idade, pouco passando do metro e meio de altura e com uma careca luzidia que esgotava as noites a dançar frenético, escolhendo sempre, como parceiras, as africanas mais altas. Depois, a troco de pagar bebidas e dar gorjetas, o director endinheirado, careca e dançarino, metia o nariz dentro do decote africano, fincava as mãos na bunda da moça e rodopiava toda a noite em meneios sensuais como se fosse um autómato teleguiado. Parecia uma cena de um filme de Fellini para o caso de ele ter filmado em África.

Estive numa discoteca in em Luanda, onde havia uma sequência de blocos divididos em duas partes. Na primeira, as moças (e estamos a falar de grupos onde dominavam os treze a dezasseis aos de idade, as chamadas “catorzinhas”), dançavam frente a um enorme espelho em meneios competitivos. Depois de se exibirem, as mocinhas sentavam-se e passava-se à fase das danças por pares. Então, os europeus iam direitinhos àquelas cujos meneios mais lhes tinham agradado.

Constatei, em Maputo, a facilidade com que jovens que trabalhavam em restaurantes se deixavam arrastar para ganhar extras a fazer companhia de dança em discotecas. E ali ouvi, com os cabelos em pé, europeus a gabarem-se que se conseguia uma adolescente africana pelo pagamento de um frango assado.

Indignei-me com a condescendência da burguesia negra para com estes fenómenos que não representam mais do que uma oferta de prostituição de facto ou mitigada para com os antigos e novos colonos. Percebi rapidamente porque é que as nomenklaturas da Frelimo e do MPLA fecham tão candidamente os olhos a este fenómeno que reproduz o pior daquilo que foi o colonialismo (em termos de exploração sexual das jovens africanas). É que grande parte dos velhos chefes da guerrilha e os generais encartados do sistema gostam do mesmo e não perdem ocasião de se exibirem pelas noites de Luanda e de Maputo com uma nova “catorzinha” à sua trela. Como em tudo, os frelimistas e o mepelistas persistem em imitar e prolongar o pior que o colonialismo legou àqueles desgraçados povos. Este é o drama. O resto é o mito.

Substitua-se sensualidade por fome e encontramos o código que desmonta a lenda da exaltada sensualidade da mulher africana.
Publicado por João Tunes às 13:08
Link do post | Comentar | Ver comentários (10)

SAIR DE TETE

alcobia03[1].jpg

Tete é uma cidade incrivelmente quente e sufocante. E é (ou está) incaracterística e feia. Ali, a agressividade do sol não permite que se desdobrem nas ruas os vagares africanos. Tudo anda rápido, procurando sombra ou ar condicionado. Mas é muito povoada, porque se situa estrategicamente no coração da rota do Zambeze. Como em todas as cidades moçambicanas, a degradação das infra-estruturas e dos edifícios da urbe é acentuada e dá-lhe um ar de decadência que parece não ter retorno. Felizmente, a demora é curta e o regresso a Maputo está por horas.

Mas não se apanha um voo de Tete para Maputo assim com duas cantigas. A corrupção que corrói Moçambique e tantos outros países africanos, espreita a cada esquina. Sabíamos que ter bilhete de avião com reserva feita, não é prova segura de viagem garantida. O hábito é que um ou outro endinheirado sem reserva feita estenda umas tantas notas à balconista da LAM e passe a ter garantia de lugar. Convém, pois, chegar-se ao Aeroporto com bastante antecedência. A nossa carrinha circula devagar, a uns trinta quilómetros à hora, na estrada plana que liga Tete ao Aeroporto. O motorista explica que tem de ir assim porque ali a velocidade máxima é de quarenta quilómetros por hora. A meio do caminho, um polícia de farda branca e enorme boné manda-nos parar. Pede os documentos ao motorista e mostra um aparelhómetro mal definido (parecia um microfone de televisão, se calhar era mesmo) onde se acusaria excesso de velocidade pois estaríamos, segundo ele, a andar a sessenta quilómetros por hora. Gera-se o pandemónio com a vigarice e os possíveis efeitos do atraso mas o polícia não desarma e mostra inflexibilidade em não dispensar os proventos do dinheiro da multa. Às tantas, alguém mostra um cartão (de “patrocinador” da Polícia de Moçambique com foto, lista em diagonal, carimbo e assinatura) que assusta o homem e o leva a resolver deixar-nos seguir com o extra de direito a continência.

Na chegada ao Aeroporto de Tete, o temido confirma-se porque os nossos lugares (reservados e confirmados) já haviam sido transaccionados com uns negociantes indianos. Novo banzé, até que o desenrascado do cartão que intimidara o polícia de trânsito, invoca amizade pessoal com o Presidente da LAM e pede para lhe ligarem o telefone. Rapidamente tudo se compôs para evitar o indesejado telefonema. Os negociantes indianos foram repescados da sala de embarque e entrámos nós para ocupar os lugares a que tínhamos direito.

O fresco do turbo-hélice soube mesmo a fresco. Grande LAM.
Publicado por João Tunes às 12:42
Link do post | Comentar
Terça-feira, 30 de Março de 2004

AMOR NO REINO DA IGUALDADE

15g[1].jpg

O Engenheiro Raimundo é um moçambicano muito branco. Delicado, de cabelo loiro, olhos profundamente azuis, vagaroso nos gestos, reflectido nas falas que são medidas várias vezes antes de saírem transformadas em som. Mas sente-se tão moçambicano como os outros.

Nasceu na cidade da Beira, filho de pais de longínqua origem minhota. Ali foi menino e fez o liceu. A independência apanhou-o na força da juventude. Saudou a nova realidade e tornou-se activista da Frelimo. Colocou-se ao serviço da pátria emergente para o que desse e viesse.

Quando a Frelimo resolveu transferir a posse da Refinaria da Matola, em Maputo, das mãos de Boullosa para as das massas populares, tornou-se urgente formar novos quadros devotados ao povo que pusessem a unidade estratégica a funcionar e bem. Raimundo foi um dos escolhidos e seguiu com mais uma dezena de jovens moçambicanos para a Roménia tirar um curso de Engenharia de Refinação. Quando voltaram, a Refinaria não tinha aguentado a espera e tinha passado a monte de sucata sem préstimo nem retorno. Ainda hoje, Moçambique não tem refinação de petróleo e importa todos os derivados. E aquela dúzia de engenheiros refinadores espalhou-se por variadas funções e modos de vida.

Raimundo andou por Ministérios, ganhou os vagares e os tiques defensivos dos burocratas, até que arranjou um lugar como Director Comercial. Das vezes que estive com ele, deparava com um olhar que tinha uma tristeza como fundo e que me parecia a marca do desencanto recalcado.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br<br>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="15g[1].jpg" src="http://botaacima.blogs.sapo.pt/arquivo/15g[1].jpg" width="280" height="204" border="0" /><br><br>O Engenheiro Raimundo é um moçambicano muito branco. Delicado, de cabelo loiro, olhos profundamente azuis, vagaroso nos gestos, reflectido nas falas que são medidas várias vezes antes de saírem transformadas em som. Mas sente-se tão moçambicano como os outros.<br><br>Nasceu na cidade da Beira, filho de pais de longínqua origem minhota. Ali foi menino e fez o liceu. A independência apanhou-o na força da juventude. Saudou a nova realidade e tornou-se activista da Frelimo. Colocou-se ao serviço da pátria emergente para o que desse e viesse.<br><br>Quando a Frelimo resolveu transferir a posse da Refinaria da Matola, em Maputo, das mãos de Boullosa para as das massas populares, tornou-se urgente formar novos quadros devotados ao povo que pusessem a unidade estratégica a funcionar e bem. Raimundo foi um dos escolhidos e seguiu com mais uma dezena de jovens moçambicanos para a Roménia tirar um curso de Engenharia de Refinação. Quando voltaram, a Refinaria não tinha aguentado a espera e tinha passado a monte de sucata sem préstimo nem retorno. Ainda hoje, Moçambique não tem refinação de petróleo e importa todos os derivados. E aquela dúzia de engenheiros refinadores espalhou-se por variadas funções e modos de vida.<br><br>Raimundo andou por Ministérios, ganhou os vagares e os tiques defensivos dos burocratas, até que arranjou um lugar como Director Comercial. Das vezes que estive com ele, deparava com um olhar que tinha uma tristeza como fundo e que me parecia a marca do desencanto recalcado.<bR<br>No convívio, conheci-lhe a família que me deu guarida e companhia numa inolvidável visita ao Kruger Park na África do Sul e à sua casa de campo perto de Maputo mas já junto da fronteira com a Suazilândia. A mulher do Raimundo era uma romena de traços evidentes de cigana, exuberante e que se movia com um extraordinário à vontade nos meandros da luta pela vida nas carências e armadilhas da sociedade moçambicana. Tinha um casal de filhos sempre impacientes de conviver com os pais e que pediam meças à exuberância maternal. Formavam uma espécie de tribo barulhenta em que os silêncios, os vagares e os zelos do Raimundo se diluíam e pareciam fora do contexto.<br><br>Percorri, com o Engenheiro Raimundo, muitos quilómetros através de Moçambique. Só numa das vezes, saímos da Beira em jeep e percorremos dois mil quilómetros em estradas esburacadas, por Chimoio, Gorongosa, Tete, Songo e Cabora Bassa. Tivemos muitas noites por nossa conta que deu para falarmos e conhecermo-nos cada vez melhor. Na Beira, mostrou-me a sua antiga casa paterna, o liceu, os sítios onde brincou e os locais onde tinha feito as suas reuniões da Frelimo. Tentou fazer-me imaginar, sem saudosismo, através da cidade em ruídas, o que era a Beira colonial. Falou-me da sua vida e do enorme desencanto com o projecto falido de independência que afinal tinha tornado os moçambicanos dependentes da corrupção e do saque dos frelimistas.<br><br>Confidenciou-me a sua história de amor com a sua mulher Dolores. Conheceu-a na Roménia quando estudavam os dois na mesma Universidade. Apaixonaram-se e fizeram uma jura mútua de projecto de vida comum a ter lugar em terras moçambicanas quando terminassem os seus cursos. O banal entre dois jovens estudantes que se encontram e se gostam. Mas havia um problema, pior dois problemas: Dolores era militante da Juventude Comunista Romena e sair do país para casar com um estrangeiro era uma heresia e uma ingratidão para com a classe operária que sustentava as despesas do ensino para todos; Raimundo era moçambicano branco e casar-se com uma estrangeira europeia simbolizava um acto de rejeição da africanidade e traiçoeira para com os camponeses e operários moçambicanos que construíam o homem novo da nova sociedade moçambicana. Raimundo foi mandado, repentinamente, apresentar-se em Sofia na Bulgária às ordens da Embaixada de Moçambique. Por lá esteve, encafuado num hotel secundário, sem saber porquê e para quê. Um dia, recebe ordens de se apresentar na Embaixada e entra uma reunião que reunia todos os estudantes moçambicanos a estudarem nos países socialistas e presidida por um manda chuva da Frelimo. O mandarim abre a reunião e diz que há um traidor entre eles. Um estudante em Sófia vira-se para Raimundo e aponta-o como um renegado da africanidade. Aquilo era um julgamento expedito e devidamente encenado. Raimundo defende-se e diz que o amor não tem cor, nem fronteiras e, muito menos, uma pátria. Ele era e seria africano e moçambicano mas nunca renegaria a mulher que amava. Mandaram-no regressar ao hotel onde o esperava um bilhete de avião para regresso imediato a Moçambique sem que pudesse fazer os exames finais do seu curso. Voltou, revirou meio mundo durante um ano e acabaram por o deixar ir fazer os exames finais. Terminou o curso, aproveitou para se casar e, depois, tentou trazer a sua companheira consigo. Nem a Roménia autorizava a saída de Dolores nem Moçambique lhe emitia visto de entrada. Raimundo voltou a Moçambique e esperou dois anos mais para poder viver com a mulher com quem se casara, formando a sua família.<br><br>Raimundo contou-me a sua história porque se tinha tornado meu amigo. Vagarosamente, com uma tristeza que ia tomando cada vez mais conta dos seus olhos à medida que cada palavra golfava lá de dentro. Rematou a conversa, oferecendo-me o livro de memórias do Dr. Hélder Martins, um médico moçambicano branco que aderiu à Frelimo nos primeiros tempos de luta, tinha sido grande amigo de Samora Machel e Ministro da Saúde e penara as dores da africanidade vivida por brancos. Tirar esse livro da estante e relê-lo é uma forma que eu tenho de matar saudades do meu amigo Raimundo. E de saudá-lo por não ter desistido de amar contra os dogmas e a estupidez dessa malta que, um pouco por todo o mundo, promete igualdade mais homens e mulheres novinhos e novinhas em folha luzidia feitos depois de derreterem, como sucata, os homens e as mulheres que somos. Fingindo não saber que o melhor que conseguem os candidatos a engenheiros de almas é aumentar o peso da ferrugem, tal como os seus camaradas da igualdade fizeram com a Refinaria da Matola.<br><br><b>(reedição de texto já publicado na antiga morada do Bota Acima)</b>
Publicado por João Tunes às 21:44
Link do post | Comentar | Ver comentários (9)

LIBIDO A BRANCO E PRETA

paintings_030[1].jpg

Aparício funcionava com a libido a branco e preta. Assim, sim. Não havia mulher africana que o não excitasse. Quanto mais preta, melhor. Preta e catorzinha, então o céu baixava à terra. Mulher branca deixava-o indiferente, mais frio que o gelo que ele só usava para fazer barulho agitando o copo de gin. Dizia ele, com ar de entendido dogmático, “mulher clara não sabe a nada”.

(Ah, é verdade, Aparício gostava de pretas e de gin. Este, explicava ele, era o melhor remédio “natural” para prevenir o paludismo.)

Chamar-lhe Aparício é assim a modos que uma falta de respeito. Já fora Major Aparício e depois, convertido à sociedade civil, tornou-se Doutor Aparício. “Licenciado em pretas de Maputo”, foi assim que ele se me apresentou.

Foi parar a Maputo ao serviço de uma consultora, por lá ficou como director financeiro de uma empresa portuguesa. Não tenciona voltar. Não falta nos provimentos para a mulher e os filhos em Lisboa. Não falha um mês de férias com a família. Mas nos outros onze meses do ano, ninguém o arranca de Maputo. Porque “não há pretas mais bonitas que as moçambicanas”.

O director-geral da empresa onde prestei serviço, um barrigudo careca e meu patrício do Douro, uma espécie de Buda da comunidade portuguesa de Maputo, estava instalado com a mulher e a filha. Lá teria os seus esquemas mas a posição de director-geral e de patriarca, não lhe permitiam folias expostas. Na segunda semana, achou que cá o mano não podia andar para ali desabonado e disse-me solidário “Oh engenheiro, você não pode sair daqui sem provar as moçambicanas, não me convém dar nas vistas, na quinta-feira vai sair com o Doutor Aparício que não há quem o oriente melhor.”. Os constrangimentos de serviço não permitem frontalidades de negas mal-educadas e estudar o Aparício interessou-me. Aliás, nem tive de dizer sim ou não, ele tinha falado, estava falado.

O Doutor Aparício apareceu-me no Hotel Rovuma ao princípio da noite, banho tomado, escanhoado e a cheirar a água de colónia. Jeep estacionado e amabilidade a puxar para o servil. “Então vamos lá, senhor engenheiro”. Eu fui, cumprindo, como ele, ordens do director-geral.

O jantar foi bom. Levou-me a um restaurante especializado em peixe, bem perto da Embaixada de Portugal. A conversa de acompanhamento não teve qualquer graça. Porque o obcecado do Aparício, passou o tempo todo a falar das delícias da mulher negra. Eu só dizia “pois” e lá tentava travar-lhe a pedagogia, informando o homem que tinha feito serviço militar na Guiné. Às tantas, vejo que os olhos do Aparício se cravam na linda empregada adolescente que nos servia à mesa. O homem parecia ter cola nos olhos. Comeu-se o peixe, bebeu-se o vinho, sorveu-se o café, tomaram-se os digestivos (e venha outro, e venha outro) e o homem, com a língua cada vez mais solta, não se desfazia da sua obsessão – preta para cá, preta para lá. Começou a dar-me o sono e a chatice. O restaurante desertificou-se. Ficámos nós e os empregados. Às tantas, o Aparício pagou a conta, trocando contactos de mãos com a empregada que lhe ficara no goto.

Saímos. O Aparício colocou o jeep mesmo à porta do restaurante e desligou. “Aguente aí, oh engenheiro, que esta está no papo”. Eu aguentei, é claro. Àquela hora, em que Maputo se torna perigosa, como ia atravessar a cidade até ao Hotel? A moça sai, o Aparício abre o vidro e diz-lhe “Anda!”. Ela hesita, ou finge hesitar, “vou apanhar táxi para casa, estou cansada”. E o Aparício, seco e corante: “Anda!”. E a empregada do restaurante sobe dócil para o jeep. Ranger dos pneus e ala para o “Sixty” (ou nome parecido). Sem voto na matéria (eu, como o Aparício, estávamos a cumprir ordens do director-geral), entro na discoteca escura e pouco frequentada. Poucos machos e muitas rapariguinhas aparentando entre os treze e os quinze anos. Todas conhecidas da empregada do Restaurante, porque todas se tratavam pelo nome e trocavam beijinhos. O Aparício trata de toda a logística, manda vir as bebidas e um grupo das “catorzinhas” e dispara-me “escolha lá, oh engenheiro”. Achei ser tempo de dizer basta. E disse para o Aparício: “desculpe lá, oh doutor, mas acha que tenho cara de pedófilo?”. O homem abriu a boca, espantado e desorientado. Parecia que nunca tal lhe tinha acontecido. Talvez não. Digo-lhe: “deixe-se estar que eu vou de táxi”. O Doutor Aparício, a contas comigo, com as “catorzinhas” e com as ordens do Director-Geral, diz “ora essa, quem o leva sou eu”. Levou-me, sem pio de fala, olhando de soslaio. Lia-se no seu olhar o pensamento contrariado: “agora, os gajos de Lisboa mandam para aqui engenheiros gays”. Deu-me uma enorme vontade de rir. Ri-me que nem um perdido até chegar ao Rovuma. O Aparício começou a ficar assustado. Não piava nem me olhava. Estacionou o jeep sob a protecção da branca Catedral. O Aparício ainda perguntou “Está tudo bem consigo?”. Então não havia de estar. Claro que estava. Conhecia melhor Maputo depois de conhecer o Aparício. E nunca pensei que o jantar de peixe me desse para tanto riso.
Publicado por João Tunes às 20:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

ADEUS CAHORA BASSA

cahora-bassa-dam[1].jpg

Parece estar na hora de entregar a Barragem de Cahora Bassa aos moçambicanos. Esse será, talvez, o principal motivo que levou Durão Barroso a Moçambique.

O projecto da construção da Barragem e o início da sua construção deram-se no momento errado e por motivos errados – o colonialismo português estava na sua fase derradeira e a obra pretendia ser o grande trunfo para que ele perdurasse. Alimentou-se a ilusão de que, não se conseguindo vencer a Frelimo pelas armas, a iríamos vencer com a barragem que, além do mais, iria irmanar os interesses coloniais portugueses e os regimes racistas da África do Sul e da Rodésia/Zimbabwé.

Paralelamente, a Barragem é uma das mais prestigiosas obras da engenharia portuguesa em todo o mundo.

A finalização da obra foi fruto da inércia da presença portuguesa em Moçambique e da teimosia de não deixar uma obra vultuosa a meio.

O grande beneficiário de Cahora Bassa foi a África do Sul. Pagou tarifas miseráveis e Portugal foi acumulando um serviço de dívida monstruoso. Aliás, julgo que parte da energia recebida pela África do Sul é depois re-exportada para Moçambique, sobretudo para servir o monstruoso empreendimento da Mozal (fábrica de alumínio deslocalizada para Moçambique pelos seus efeitos poluidores e por acesso a mão-de-obra mais barata).

A dívida de Cahora Bassa e a dificuldade de cobrar as dívidas da energia exportada e obter um preço justo para ela, foram sempre argumentos favoráveis aos defensores da passagem da Barragem para as mãos dos moçambicanos. Era e é um “cancro financeiro” que suscita a vontade imediatista de estancar aquilo que até agora só foi visto como um enorme encargo para o Estado português.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br<<br>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="cahora-bassa-dam[1].jpg" src="http://botaacima.blogs.sapo.pt/arquivo/cahora-bassa-dam[1].jpg" width="298" height="299" border="0" /><br><br>Parece estar na hora de entregar a Barragem de Cahora Bassa aos moçambicanos. Esse será, talvez, o principal motivo que levou Durão Barroso a Moçambique.<br><br>O projecto da construção da Barragem e o início da sua construção deram-se no momento errado e por motivos errados – o colonialismo português estava na sua fase derradeira e a obra pretendia ser o grande trunfo para que ele perdurasse. Alimentou-se a ilusão de que, não se conseguindo vencer a Frelimo pelas armas, a iríamos vencer com a barragem que, além do mais, iria irmanar os interesses coloniais portugueses e os regimes racistas da África do Sul e da Rodésia/Zimbabwé.<br><br>Paralelamente, a Barragem é uma das mais prestigiosas obras da engenharia portuguesa em todo o mundo.<br><br>A finalização da obra foi fruto da inércia da presença portuguesa em Moçambique e da teimosia de não deixar uma obra vultuosa a meio.<br><br>O grande beneficiário de Cahora Bassa foi a África do Sul. Pagou tarifas miseráveis e Portugal foi acumulando um serviço de dívida monstruoso. Aliás, julgo que parte da energia recebida pela África do Sul é depois re-exportada para Moçambique, sobretudo para servir o monstruoso empreendimento da Mozal (fábrica de alumínio deslocalizada para Moçambique pelos seus efeitos poluidores e por acesso a mão-de-obra mais barata).<br><br>A dívida de Cahora Bassa e a dificuldade de cobrar as dívidas da energia exportada e obter um preço justo para ela, foram sempre argumentos favoráveis aos defensores da passagem da Barragem para as mãos dos moçambicanos. Era e é um “cancro financeiro” que suscita a vontade imediatista de estancar aquilo que até agora só foi visto como um enorme encargo para o Estado português.<bR<<br>Pina Moura, quando Ministro da Economia, já lá tinha estado com a missão de se “ver livre” de Cahora Bassa. Voltou atrás. Provavelmente, Durão levará agora essa tarefa liquidacionista até ao fim.<br><br>A “moçambicanização” de Cahora Bassa é uma treta mal contada. A saída de Portugal de Cahora Bassa levará, a curto prazo, à substituição do seu papel por parte da África do Sul. Salta à vista. Em vez de “moçambicanização” da Barragem teremos é Moçambique mais (ou definitivamente?) “sul-africanizado”.<br><br>Não tenho dúvidas que é o momento errado para sairmos de Cahora Bassa. Mas o espírito mesquinho de ver a nossa presença em África em termos de mera tesouraria dá nisto. Somos capazes de perdoar dívidas, alimentar corrupções, esquecer afrontas, mas falta alma para rentabilizar uma obra única e estratégica no cone sul de África. E depois o que nos restará em Moçambique? A língua portuguesa? Não me façam rir.
Publicado por João Tunes às 01:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)
Segunda-feira, 29 de Março de 2004

O mundo é grande

Ilha1[1].jpg



O mundo é grande e cabe

nesta janela sobre o mar.

O mar é grande e cabe

na cama e no colchão de amar.

O amor é grande e cabe

no breve espaço de beijar.


(Carlos Drummond de Andrade)
Publicado por João Tunes às 16:43
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

SOBRE O NEO-LIBERALISMO

capitalismo_banca22p[1].jpg

O traço mais marcante que o neo-liberalismo trouxe para a política foi comparar as sociedades às empresas, defendendo que a governação deve aparentar-se, o mais possível, com a gestão das empresas.

Se o liberalismo defendia a não intromissão da política na economia, não beliscando a santa liberdade do mercado, agora defende-se que o Estado deve deixar de ser Estado. Em nome de quê? Da eficiência. Porque, dizem, o Estado não sabe gerir.

Hoje, a primeira função de um Ministro da Saúde é privatizar hospitais. Um Presidente da Câmara moderno deve entregar os serviços camarários ao outsourcing. Já se ouvem uns zunzuns que também as Cadeias, as Polícias e os Tribunais para aí deviam caminhar.

Depois, em cúmulo, chegaremos à privatização do Governo e da Política. E os Gestores já andam para aí a movimentarem-se para definir as regras da grande política (lembramos todos o célebre “Compromisso Portugal” do Convento do Beato).

Destas artes, o Estado vai-se demitindo do sentido social e da sua função reguladora e equilibrante. Tudo passa a ser visto como custos, receitas e resultados. Exactamente no momento em que as Empresas transformam diariamente milhares de trabalhadores em excluídos.

Os grupos económicos depois de afastarem o Estado da regulação da economia, preparam-se agora para o tomarem como agência de novos contratos. Porque ele passou a ser visto como um mero elemento de mercado.

A social-democracia é cúmplice deste baquear da função social do Estado porque foi tomada de pânico e inacção perante a sua função fundamental de evitar que a “economia de mercado” se transforme em “mercado da economia”. É exactamente neste ponto que as populações quase não se apercebem da alternância direita-esquerda. Porque, nos seus históricos traços distintivos, a direita é direita e a esquerda é direita. Apenas, quando os há, temos uns pós de “sensibilidade” assistencial com os “mais desfavorecidos”. O que é pouco, ou quase nada, perante as suas responsabilidades.
Publicado por João Tunes às 00:39
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

A MODA DA GESTÃO MONÁRQUICA

Monarquia.bmp

Pelos vistos, as grandes empresas estão a ser contaminadas pelo espírito monárquico.

Já tínhamos o Presidente da PT promovido a Barão da Horta e da Costa, por graça de Dom Duarte.

Agora, a fúria monárquica também chegou à Galp. Segundo o “Jornal de Negócios” (do dia 23), cinquenta quadros superiores desta Empresa foram graduados em sucessores dos Administradores em exercício, constituindo “uma elite que tem de estar preparada para, a qualquer momento, substituir o Presidente da Comissão Executiva”. Assim a modos que um grupo de “clonos de António Mexia”, ou uma espécie de Câmara dos Lordes da Gestão da Petrolífera. O problema é se a distinção sobe à cabeça, e ao mesmo tempo, dos cinquenta Lordes e todos querem o lugar do Presidente. E nós (pobres plebeus) a pensarmos que quem escolhia os Administradores das Empresas eram os Accionistas…
Publicado por João Tunes às 00:09
Link do post | Comentar
Domingo, 28 de Março de 2004

PENSANDO SOBRE A AMÉRICA E O ANTI-AMERICANISMO

iraq_12[1].jpg

As Administrações americanas deram, dão e continuarão a dar (com Bush ou com Karry) motivos de sobra para desagrado e revolta. O típico comportamento imperial dessas Administrações não poderia dar outro resultado. O fenómeno da aceleração da globalização económica e o carácter unipolar do domínio, ajudam à festa

Passarão ainda muitos anos até que as relações entre a América e os outros países, regiões e continentes se façam numa base de respeito e reciprocidade. Assim, vão perdurar os sentimentos fragmentados entre a desconfiança e rejeição e a submissão pelo encosto ao mais forte.

Por exemplo: Enquanto as Administrações americanas persistirem em não “domesticarem” o belicismo israelita, elas não têm hipótese de serem aceites no mundo árabe.

Já quanto à Europa, o problema parece-me diferente. Independentemente do que façam as Administrações, o sentimento anti-americano está de tal forma enraizado entre os europeus que o problema se resumirá sempre a escolher o pretexto para a motivação da alergia.

Razões objectivas: Porque as empresas americanas são mais fortes que as empresas europeias. Porque a tecnologia desenvolve-se a uma velocidade nos EUA que não tem paralelo na Europa bem como a incorporação das novas tecnologias em produtos vendáveis. Porque os EUA têm mercados e acesso a matérias-primas em grande superioridade. Porque os EUA reforçam permanentemente sua agressividade competitiva pela incorporação de novas levas de imigrantes ávidos de ganharem dinheiro em curtos espaços de tempo. Porque o marketing é americano ou pouco o é.

Razões subjectivas: As actuais gerações ainda não fizeram o luto da rivalidade bipolar EUA/URSS e do desaparecimento do comunismo. Sem Marx, nem Lenine, nem Trotski, nem Mao, sem a crença redentora num “futuro melhor”, sem alternativas de voltar a dar o primado do social sobre o político e o económico, o que resta? Sentimentos de perdas de esperança, de valores, de ideais e de defesa. Enfim, sentimento de perda de futuro. Caído um dos pólos de “governo do mundo”, sobra o outro. E que outro! Vitorioso, forte, poderoso, agressivo, guerreiro. Como admirar que o Anti-americanismo seja o santo e a senha dos órfãos da esperança? Em vez de um ideologia redentora, fica essa ideia simples e ressentida: a culpa, toda a culpa, está na América. Não é preciso pensar mais, questionar mais, informar mais. Foram-se as ideologias, sobrou a ideia, e a preguiça, de um partido simples e garantido. Se o Bem não existe nem parece que venha aí, então fiquemos pelo ódio ao Mal. E o Mal tem nome. Chama-se América, ponto final.

O problema maior é que, enquanto esta obsessão (e esta aversão) for a Ideia que resta aos europeus e que os guia, a América será sempre mais forte e dominadora. A dualidade tenderá a permanecer: haverão sempre manifes anti-americanas, a opinião pública e os parlamentos escutarão milhares de denúncias sobre o abuso americano, o sentimento de aversão perdura no cidadão comum, mas (MAS) a economia continuará a esmagar o social e o político e as regras e grandes decisões da economia continuarão a ser americanas. Perante isto, aos americanos só lhes resta terem poder de encaixe para lidarem com gentes que não gostam deles, quanto ao resto, eles (e os seus neo-liberais espalhados pelas sete partidas) continuarão na maior.

A alternativa ao anti-americanismo que prolonga o domínio americano estará (estará mesmo?) na construção de projectos políticos que conciliem o social com o económico (assente num modelo de desenvolvimento sustentado), construindo uma alternativa ao modelo americano de poder empresarial monárquico e do primado absoluto da finança sobre a economia e da economia sobre a sociedade. Este já foi o projecto social-democrata, perdido com a conversão acelerada dos sociais-democratas ao liberalismo. Haverá força para o retomar e dar-lhe vida política? Tenho dúvidas mas ainda me sobra uma réstea de esperança.
Publicado por João Tunes às 02:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Sábado, 27 de Março de 2004

SOBRE O ARTISTA DO VOTO EM BRANCO

saramago_2[1].jpg

Não. Não vou falar sobre o Escritor. Porque não me sinto à altura de falar sobre um Nobel. É mesmo, perante um tamanho laureado, a minha timidez atávica vem-me ao de cima. E o respeito é uma coisa bonita.

Não. Não vou falar sobre o seu último livro. Apenas porque ainda não o comprei e não o li. Lá me chegarei a seu tempo, de acordo com a gestão dos euros disponíveis.

Não. Não vou falar sobre a pessoa. Porque não o conheço pessoalmente e, assim, inibem-se os juízos.
(Estive por um triz para o conhecer. Corria a década de oitenta do século passado. Ele era um dos inspiradores da dissidência da Terceira Via. Foi marcada reunião magna de conspiração na Biblioteca do ISEG, arranjada pelo Prof António Mendonça. Daí sairia a decisão de avançar com o efémero INES. Presentes alguns célebres conspiradores – António Graça, Raimundo Narciso, Miguel Portas, Pina Moura, Fernando Castro, Judas, António Hespanha e mais uns tantos “da base” que me incluía. Saramago não apareceu. Tinha “borregado”. E regressado à velha ortodoxia. Constou-se, depois, que uma conversa “face to face” com Cunhal tinha pacificado as suas divergências.)

Não. Não vou falar sobre o político. Porque ainda não vi bem contada a história do DN. Porque me lembro que ele abandonou a Presidência da Assembleia Municipal de Lisboa por discordâncias com o PCP. Porque ele é quase sempre (voltará a ser?) um eterno candidato não elegível pela CDU. Porque foi amigo de Fidel e depois disse “basta yá!”. Porque não o entendo, confiando que ele se entenda.

Então vou falar sobre o quê?

Pois vou falar sobre o Artista. Porque Saramago, além de escritor e político, é um Artista. Boa figura, pose assumida e com cambiantes de actor emérito, rosto e mãos fotogénicas, andar firme e imponente, frio e calculista, mulher bonita ao lado, mestre de marketing.

O Artista Saramago sabe como se vendem livros (quando se esquece, lá estará o Zeferino da Caminho para o ensinar). Há que estabelecer frisson previamente. Haja polémica antes de o ler para que se compre para o ler ou não o ler. Porque ninguém quererá passar ao lado de uma heresia ou de um escândalo. Dezenas de entrevistas, fotos a rodos, burguesia monopolista da comunicação aos seus pés, cada capitalista gordo e safado a mandar um dos seus jornais, revistas ou televisões rogar-lhe o privilégio de uma frase que faça cacha. O resto fica por conta da FNAC.

Porque o Artista Saramago compreendeu que um escândalo à posteriori (caso do Evangelho) vende mas não vende tanto como um escândalo à anteriori. Nada como aprender com a experiência.

Qual a ideia que o Artista Saramago desencantou desta vez para que o escândalo não falhe à volta da venda abundante do seu novo livro? Simples, tipo Ovo de Colombo: o que seria da Democracia se o voto em branco fosse maioritário? Nem mais, nem menos. Apenas.

Em abono da verdade, o coelho da cartola não é assim tão novo ou surpreendente como parece à primeira vista. O desconforto com a democracia é tão velho como a própria democracia. Ideologias simétricas governaram a Europa décadas a fio nesta base de insatisfação com o poder democrático. Esta ideia peregrina de sabotar o sistema de voto pelo “anti-voto” não é mais que uma redenção utópica e de sublimação de um poder desejado e frustado por outra legitimidade (os sovietes, pois então) de que se perdeu a esperança de reinar por vontade dos homens.

O que é espantoso é que a respeitável saudade política de um escritor laureado, transformado em Artista, resulte em pleno. Tiro o chapéu ao Marketing. Perante ele, o que somos nós, pobres consumidores leitores?
Publicado por João Tunes às 01:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 26 de Março de 2004

EXCELENTE TEXTO

doc_b[1].jpg

Há pessoas que conhecemos de outros escritos e intervenções, sobre quem nos apetece dizer: “a falta que este tipo faz à blogosfera”. E dizemos isto como se a blogo-corporação fosse algo de selecto ou recomendável. O que não está longe de ser, como sabemos todos. Mas enfim, não fica mal um certo “espírito de grupo”. Ou “espírito de equipa” como é mais de bom e moderno tom.

Bem, isto não é mais que um pretexto ou intróito para justificar o roubo ao Ivan Nunes de um excelente texto do Paulo Varela Gomes:

“Eu gostava de ter sido não só o piloto que disparou um dos mísseis que fez o cheique em fanicos mas o próprio míssil. Ah quem me dera ver aqueles olhinhos de crápula a esbugalhar-se no último micro-segundo...
Digo-te: bebi um copo de prazer à saúde de quem tomou a decisão, politicamente errada, claro, de consequências provavelmente dramáticas, mas sentimentalmente das decisões mais satisfatórias, mais preenchentes da alma, que já tive oportunidade de saudar na minha vida.
Na minha hitlist pessoal, o Yazinzito da mãezinha dele figurava em posição muito alta e fico felicíssimo de o ver assim duplamente vítima dos desportos radicais, o futebol e o encorajamento dos homens-bomba, ao último dos quais dedicou a vida paraplégica e as mortes dos outros.
O falecimento dele não é um falecimento útil como o do Savimbi ou, por exemplo, o - tão desejável - do Berlusconi (espero sinceramente estar com isto a dar ideias a algum grupo terrorista desempregado) que, ao desaparecerem, a vida dos respectivos povos melhora instantaneamente. O fanicamento do cheique Yazin adianta pouco porque há muitos e muitos cabrões do calibre dele entre a cabrãozada palestiniana. Mas, mesmo assim, satisfaz.
Mais importante, porém, é que não adianta grande coisa discutir o cheique Yazin em picadinho do ponto de vista político, até porque estou persuadido de que ele não foi morto por considerações políticas. Foi morto por duas razões, uma curta e uma comprida. A curta é que foi possível, ou seja, os israelitas andavam a ver quando é que podiam, ou seja, quando é que dava para lhe acertarem com 100% de certeza e sem magoarem muita gente em volta.
Naquele dia, àquela hora, um tipo qualquer disse ao Sharon que sim, o Sharon perguntou «Tem a certeza?», o outro confirmou aí umas três vezes e foi-lhe dado o «go ahead». Cheique Yazin em bocadinhos. Há muitos mais à espera do dia certo e da hora certa, sem que se interponham pelo caminho quaisquer considerações políticas, tréguas, tratados, promessas. Apenas: podemos ou não podemos?
Isto leva-nos à segunda ordem de razões, as compridas, incompreensíveis para todos os que pensam que o Estado de Israel é apenas um estado moderno como os outros - quando afinal é, até um certo ponto, um estado parecido com os inimigos que combate e que o combatem, um estado do século XXI, um estado da Paixão de Cristo de Mel Gibson. Israel mandou matar o cheique Yazin por vingança. E condenou à morte todos os palestinianos envolvidos em atentados contra cidadãos seus. Assassiná-los-á. Agora ou mais tarde, daí a cinco, dez ou vinte anos. A eles, ou aos filhos ou aos netos. O estado de Israel pode negociar com Arafat, com o Hamas, com as Brigadas de Al Aksa. Sharon ou os outros podem cumprimentar os seus dirigentes, dar-lhes palmadas nas costas, posar com eles para fotografias, e até respeitar tratados. Podem, em resumo, ocupar-se de política com eles à maneira moderna. Mas, uma vez fechadas as portas e desligadas as câmaras de televisão, mandará assassiná-los. É como a Mafia. Uma coisa são os negócios, outra é a vingança, aquilo a que a Mafia chama a honra, uma velha cultura mediterrânica, que afinal é semítica – e que provém, em última análise, do Deus de Israel, o Deus do Antigo Testamento.
Israel não perdoa a quem lhe assassina os filhos. E faz questão que isso fique clarinho. Não há considerações políticas de qualquer espécie que detenham o braço da sua vingança. Acho que esse filho da puta do Yazin sabia. Como sabe o Arafat e sabem os outros. Afinal, são do mesmo género e filhos do mesmo Deus.
Nós, modernos, civilizados e filhos do ar condicionado, é que não percebemos nada daquilo.”
Publicado por João Tunes às 12:31
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quinta-feira, 25 de Março de 2004

EFEITOS ZAPATERO

obj_28835[1].jpg

“Colin Powell terá oferecido ao novo primeiro-ministro espanhol a possibilidade de fazer aprovar uma nova resolução nas Nações Unidas que evite a saída dos soldados espanhóis do Iraque, segundo o «El Pais».
O diário espanhol refere que a oferta do secretário de Estado norte-americano foi feita, quarta-feira de manhã, numa conversa de 15 minutos entre Powell e Zapatero, depois da cerimónia fúnebre em memória das vítimas do 11 de Março."
(notícia TSF)

PRIMEIRO EFEITO: Tornar claro que a Espanha é uma grande nação no quadro europeu e mundial.

SEGUNDO EFEITO: Demonstrar que a Opinião Pública existe em Espanha porque os espanhóis não desistiram de ter ideias, transformando-as em acção e levando-as até à política.

TERCEIRO EFEITO: Evidenciar que a essência da Democracia é a alternância e a única ditadura admissível é a do Voto.

QUARTO EFEITO: Fazer pagar aos mentirosos o preço político da Mentira, seja quanto ao pretexto do ataque ao Iraque seja na manipulação sobre a identidade dos assassinos de Atocha.

QUINTO EFEITO: Demonstrar aos grandes senhores do Mundo que uma alternância pressupõe mudança e que as promessas eleitorais são para se cumprirem, gostem ou não os poderosos. E que são os poderosos, quando erram ou abusam, que devem emendar a mão.

SEXTO EFEITO: Mostrar aos pusilâmines (ai Barroso, Barroso, tão fraco e servil és tu!) que a firmeza compensa e é a única arma de defesa dos mais pequenos.

SÉTIMO EFEITO: Travar a euforia neo-liberal que sonha com uma Europa toda alinhadinha à direita (ai como eles estavam felizes com a mudança grega!) em pax com os seus negócios, a selvajaria social e a ditadura das multinacionais.

OITAVO EFEITO: Obrigar a que a questão do Iraque seja tratada na única sede legítima: as Nações Unidas.

NONO EFEITO: Permitir a retoma do caminho da coesão europeia sem fugas atlantistas centrípetas e oportunistas.

DÉCIMO EFEITO: Criar condições para que a Europa e os Estados Unidos se tratem em pé de igualdade, sem amos nem mordomos, para que o antiamericanismo definhe na Europa e o desprezo pelos “velhos europeus” deixe de ter alimento propagandístico na grande potência. Para que o Mundo volte a ser bipolar agora num jogo político entre democracias.

DÉCIMO PRIMEIRO EFEITO: Dar alimento à esperança de que esteja a definhar a subserviência e a incompetência deste governo Barroso/Portas que nos quis dar a ilusão mesquinha e cobarde de que, para sobrevivermos, tínhamos necessariamente de ser selvagens, auto-flagelados, pequeninos e a comer à mão dos poderosos.

DÉCIMO SEGUNDO EFEITO: Não ter nenhuma certeza de que Zapatero em Moncloa cumpra e alargue as esperanças que nos trouxe. Mas, até à desilusão, folgam as costas.
Publicado por João Tunes às 16:17
Link do post | Comentar | Ver comentários (5)
Quarta-feira, 24 de Março de 2004

LIBERDADE !

mujeres-madres-presos-2[1].jpg

Eu não marchei com o Barnabé, o Carvalhas e o Louçã, na performance de Sábado passado. Sobretudo, porque não gosto que panos de bandeiras de partidos me despenteiem.

Mas marchava, juro que marchava, se estivesse em Cuba, com as mães, as mulheres, as filhas e as irmãs dos presos políticos e que tiveram a coragem de desfilarem em La Habana (aí sim, é preciso tomates para fazer uma manif), exigindo o fim da tortura e do presídio dos jornalistas cubanos e outros “delinquentes de opinião”.

Porque em La Habana, gritando ASSASSINO ao Ditador Castro, eu me sentiria coerente com as manifes em que participei (e levei porrada) contra Salazar e Caetano.

Porque não quero para os cubanos menos que aquilo que os portugueses alcançaram em 1974.

Porque acho obsceno usarmos a nossa santa liberdade, calando a falta de liberdade dos que dela carecem.

Porque insultar Bush, Blair, Aznar e Durão, tapando os ouvidos aos gemidos vindos das masmorras castristas, é um exercício estulto de pequeno burguês radical e de caviar. Radical sou, confesso, mas caviar é petisco que não aprecio.

(Agradeço ao Fumaças a notícia e a imagem.)
Publicado por João Tunes às 23:49
Link do post | Comentar | Ver comentários (7)

CATORZES SENTENÇAS PARA ANIMAR A DISCUSSÃO

corao[1].jpg

1. O Islamismo tornou-se Religião de Estado como apoio ao expansionismo árabe.

2. O Islamismo estagnou com as conquistas árabes e cristalizou com o domínio dos principais países árabes primeiro pelo Império Otomano e depois pelas potências coloniais europeias.

3. Com a marginalização das populações árabes nos processos que sofreram de colonizações, o Islamismo manteve-se como cultura periférica e de sobrevivência de tradições arcaicas.

4. O Islamismo nunca teve oportunidade de evoluir a par da construção de Estados modernos e democráticos.

5. O Islamismo cristalizou nas suas versões arcaicas e manteve-se à margem das conquistas de conceitos e direitos consignados dos Direitos Humanos.

6. O Islamismo dividiu-se em braços rivais assentes em diferenças minimalistas (sunitas, xiitas, etc.) que se estruturaram sobretudo em interesses tribais antagónicos.

7. O Islamismo recrudesceu e readquiriu fulgor e projecção com o nacionalismo pan-árabe e o acesso às imensas somas de petrodólares.

8. O Islamismo ainda hoje não consegue integrar as principais conquistas de cidadania e de igualdade, nomeadamente no que refere aos direitos das mulheres.

9. A forma mais adaptada de ajustar a prática islâmica com a vida política e social é sob a forma de estruturas feudais de exercício do poder.

10. A estagnação do Islamismo proporciona múltiplas leituras simplistas e radicais.

11. As receitas do petróleo, o feudalismo estatal e a cristalização do Islamismo alimentam e favorecem o extremismo e o fundamentalismo islâmico, o recurso à violência, ao terror e ao martírio como formas de resolver conflitos.

12. O terrorismo de matriz islâmica assenta em muito dinheiro, muito ressentimento de papel periférico civilizacional e numa enorme massa humana marginalizada pela evolução cultural, pelo progresso social e pelo progresso económico.

13. A Ideologia do terrorismo islâmico é a do Ressentimento (face aos países e povos desenvolvidos) e do Desprezo pela Vida Humana (dos muçulmanos a quem se atribui o mérito máximo de serem mártires e aos “outros”, vistos como ímpios ou cruzados).

14. Não há conciliação possível entre os valores da Liberdade, da Democracia, da Igualdade e dos Direitos Humanos e os dogmas do fundamentalismo e do terrorismo islâmico.
Publicado por João Tunes às 12:43
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

PONTAPÉ NA HISTÓRIA

pag2-m[1].jpg

Isto está bonito, está. Como o clamor das paixões, começa a valer tudo. E não julguem que falo da lusa blogosfera. Não é preciso chegar a tanto. A venerável imprensa parece não lhe querer ficar atrás. Se há delírio, ao menos que ele seja democrático. Por isso, dá para todos. Até para compensar a magreza em número de manifestantes que, burgueses às vezes, parecem preferir curtir o sol na Caparica que engrossarem o lote de acompanhantes das passeatas de Louçã, Carvalhas e Ana Gomes.

E se o rigor é inimigo do óptimo, então pontapé na História que para a frente é que é caminho.

Um sujeito, pomposamente titulado de “Assessor de Sistemas de Informação” (do SIS? de Informática? do quê?), de seu nome António Vilarigues, lançou em página toda por sua conta do Público, este naco de prosa aldrabona:

“Nos anos entre as duas guerras mundiais foram precisamente os "pacifistas" quem, em todo o lado e também nas ruas, se opuseram aos partidos fascistas e nazis, denunciando o seu carácter terrorista e criminoso. Muitas vezes em condições antidemocráticas e à custa da própria vida. Foram eles que pegaram em armas para defender a República Espanhola, criando as Brigadas Internacionais, enquanto os governos das principais potências "democráticas" da época (Inglaterra, EUA e França) permaneciam "neutrais".”

Meu deus! Um ignorante, ou homem emprenhado pela má fé, e deste quilate é assessor de sistemas de informação? Coitados dos seus eventuais patrões e clientes…

Onde se viu um dislate deste tamanho de considerar os “brigadistas” como “pacifistas” que pegaram em armas para defender a Espanha Republicana perante a “neutralidade” dos governos “ocidentais”?

Primeiro: As Brigadas Internacionais não foram recrutadas entre “pacifistas” mas sim entre e pelos Partidos Comunistas, sob orientação, coordenação e logística do Komintern e da União Soviética.

Segundo: A União Soviética interveio directa e militarmente na Guerra Civil de Espanha embora pertencesse ao Comité Não Intervenção.

Terceiro: As Brigadas Internacionais retiraram de Espanha quando a União Soviética deu a guerra como perdida.

Quarto: Muitos dos “brigadistas” sobreviventes (assim como grande parte dos militares e diplomatas soviéticos que serviram em Espanha) foram assassinados por Estaline porque, perdida a guerra em Espanha, o ditador vermelho preparou o Pacto com Hitler que consumou no mesmo ano em que terminou a guerra civil (1939) e os “espanhóis” passaram a ser vistos como “antifascistas inconvenientes”.

Oh Vilarigues, informe-se homem. Leia. Não minta. E, se faz favor, respeita a memória e as convicções de gente que arriscou a vida por uma Causa. Os “brigadistas” não merecem o insulto de lhes chamarem “pacifistas”! Foram combatentes, a maioria portou-se valentemente, serviram Estaline porque pensavam que ele era Deus, perderam porque os fascistas foram mais fortes e porque Estaline resolveu trocar o Antifascismo pelo Pacto com os Nazis. Honremos a sua memória e respeitemos a coerência da sua cegueira ideológica.
Publicado por João Tunes às 00:22
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO