Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2007

LONGE E ACIMA DO HOTEL POLANA

00109z4h

Para aqueles que ainda olham a guerra colonial que, durante treze anos, enfiou a nossa juventude em guerras contra as juventudes de Angola, Moçambique e Guiné, pelo prisma desfocado do bom povo português só feito de heróis, medalhas e saudades, releia-se o que disse, em sinceridade em bruto, um antigo “cabo comando”, Herculano Correia de seu nome, participante em feitos lusitanos em Mucumbura (Moçambique). Longe, bem longe, acima, muito acima do Hotel Polana, a jóia laurentina:

 

"- Como foi a operação que havia de levar ao massacre de Mucumbura, recorda-se?

 

- O suficiente. Nós saímos de helicóptero, até um aldeamento. A gente  levou dois guias para nos indicar onde é que era a base da Frelimo que sabíamos existir na zona. Deste aldeamento, saímos com os guias à frente, mas os gajos eram espertos: começaram a andar às voltinhas, às voltinhas, a cansar-nos, até que o tal sargento de que já aqui falei, o tal que matou a criança, batendo-lhe com a cabeça numa árvore, descobriu a marosca e não esteve com meias medidas: pegou nos guias e desatou aos pontapés, à coronhada na tromba dos tipos, que quase os desfazia. Os dois negros, mortos de pancada e de medo - que o sargento disse logo que os liquidava «se continuassem a enganar a malta» - levaram-nos até uma aldeia onde só encontrámos um pastor (não sei se vocês sabem o que é um pastor, ou seja, um padre das missões), a mulher e a filha. Era assim um homem pequenino, com um olhar muito vivo. Nesta aldeia, houve então ordem para matar os guias: um cabo de Alverca, de quem eu sei muito bem o nome, mas agora não interessa, foi com uns quantos soldados, meteu os guias numa palhota distante daquela em que vivia o pastor, limpou o sarampo aos dois e, em seguida, mandou lançar fogo à palhota. O cabo, claro, tinha recebido ordens para actuar assim.

Foi nesta aldeia que pernoitamos, mas não pensem que tudo se passou   tranquilamente. Primeiro, o sargento de que já falei, que hoje é capitão,   suspeitou do pastor, disse que ele era um agente dos turras, etc. Portanto, montou-se guarda à casa do pastor. Encarregou-se de fazer a guarda um furriel que agora está na Copam como segurança, através da Associação de Comandos. Este furriel aproveitou a guarda para abusar da filha do pastor. Foi uma coisa que muitos de nós reprovámos, tanto mais que, na altura, o furriel usou ameaças de morte para conseguir os seus fins. Era deste modo que uns quantos faziam a guerra...

No outro dia de manhã, arrancámos. Arrancámos mas, entretanto, o comando arranjou uma trampina ao pastor. Como o comando estava convencido que a população da aldeia não andava longe e que com certeza fora o pastor que a aconselhara a afastar-se da povoação quando pressentiram a aproximação das nossas tropas, convenceu-se o pastor a sair da aldeia e ir direito à Cantina do António, um ponto de referência muito nosso conhecido. O pastor, acompanhado da mulher e da filha, não teve outro remédio senão obedecer, depois de se lhe prometer que em Mucumbura outra coluna com Berliets os esperaria para os transportar para território de segurança. Eles, então, foram para a Cantina do António, perto de Mucumbura.

Mas saímos muito mais tarde, tumba, tumba, tumba, por ali fora a aí a uns trezentos metros da Cantina do António levámos com uma emboscada em cima. Bom, a malta reagiu, atirou uns dilagramas lá para cima, para o morro de onde nos atacavam, e os gajos, por fim, deram à sola. Ah, esquecia-me de dizer que, entretanto, tínhamos limpado a casa do pastor: tirámos-lhe uns cobertores, a cabeça de uma máquina de costura e cerca de um conto e setecentos em dólares. O comandante da coluna estava danado, porque não só o pastor não servira como «isco» à população, como se esperava, como ainda tínhamos sofrido a emboscada. Ora. Nós saímos da aldeia levando as trinta cabeças de gado que havia lá e que o sargento de que já tenho aqui falado, o tal campeão de tiro, dizia ser gado para a Frelimo. Decidiu-se, pois, que o pastor tinha de ser liquidado, mais a família. O sargento campeão veio de lá e perguntou quem é que queria fazer tiro ao alvo. Alinharam-se as trinta cabeças de gado e, ao lado destas, o pastor e a família. Abateu-se tudo, tiro a tiro.           

Voltámos a arrancar e seguimos em direcção a Chicôa. Passámos um ribeirozito, atestámos os cantis e andámos. Decorrido pouco tempo, após a passagem do ribeiro, ouvimos umas vozes. Houve ordem de abrir em círculo sobre o ponto de onde vinham as vozes e começámos a fazer fogo. E o que fomos descobrir? Viemos a descobrir a população da aldeia que, na verdade, tinha fugido para a Cantina do António (note-se que não havia ali cantina nenhuma, tratava-se de um aldeamento deserto), mas que, avisada pela Frelimo da nossa aproximação, cavara para o mato. Cercámo-los e vimos então que ali existia outra povoação. Rebuscámos as palhotas e, na posse de algumas raparigas do grupo populacional, apanhámos várias fotografias delas com membros da Frelimo. Isso é que o tal sargento ficou contente. O comandante da coluna, Borralho, mandou reunir o pessoal da população e comunicou com Chicôa, pois parece que ele também não sabia bem o que havia de fazer. De Chicôa, o tenente-coronel C. Lopes, ordenou que se «limpasse a área».

Não sei como contar isto... Bom, o comandante da coluna mandou que se metesse a população, umas trinta pessoas, velhos, mulheres e crianças, dentro duma palhota, depois atirou-se para lá uma granada. Buooom! Só se ouviam gritos, a palhota derrubada e a arder sobre os corpos; depois, eram dois grupos a fazer fogo lá para o meio: Pensámos que estava tudo morto, que ninguém poderia ir denunciar aquilo. A verdade é que uma velhota, sem nós sabermos como, escapou. Foi ela quem veio a denunciar tudo.

Saímos dali como doidos e então, pelo caminho, em direcção a Chicôa, destruímos tudo o que encontrámos: palhotas vazias, gado, plantações, tudo, tudo."

        

(No Semanário "Ponto", de 7 de Maio de 1981, relembrado graças ao porfiar com os caminhos da memória de um camarada ex-combatente)

----------- 

Foi assim. Também era assim. E o 10 de Junho, que sempre foi Dia da Raça enquanto a guerra durou, tarda nada chega aí.

Publicado por João Tunes às 23:05
Link do post | Comentar
5 comentários:
De cristina a 31 de Janeiro de 2007 às 23:28
que horror...
De João Tunes a 1 de Fevereiro de 2007 às 11:25
Quando se canta o hino nacional é bom que se saiba que há por lá, atrás daquela letra, horrores destes enfiados. E não adianta varrer as misérias para debaixo do tapete da história. Não somos, os portugeses, só isto. Mas também somos isto.
De Gil a 2 de Fevereiro de 2007 às 00:46
arrepia ouvi-lo, assim contado. e arrepia(-me) pensar que nos '10 de Junho' eu lá estava no passeio para ver os soldados, os tanques, os Fiat's e os Nordatlas a passar, aquela panóplia toda para arregalar olho a quem era obrigado a, aos sábados d emanhã, por um cinto com um 's' nos calções. f-d-p.
e gostei do "não é só isto mas também".
abc
De Zé Paulo a 2 de Fevereiro de 2007 às 02:11
"Que horror..." , "e no 10 de Junho". mas nada supreendente. Triste perceber que tudo isto soa como novidade para muita gente, mesmo que contado assim ou assado, factos da história tão recente.
Obrigado João Tunes por aqui transcreveres, porque fica claro o quanto é importante colocar a história cá para fora.
Um abraço ao três
ZP
De João Tunes a 7 de Fevereiro de 2007 às 16:17
Obrigado pelos vossos sábios desabafos.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO