Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2007

BENEFÍCIO DOS DO NÃO

00107a92

Há indubitavelmente um benefício atribuível ao contributo de uma parte qualificada do activismo pelo NÃO. Falo da chamada de atenção para a necessidade do alargamento da reflexão sobre o problema do respeito pela vida e da problemática do aborto e da sua prevenção. Ou seja, uma maior responsabilização pela gravidez. E o consequente combate à banalização da decisão de interromper a gravidez. Este contributo de parte do NÃO tem o mérito de contrabalançar posições clássicas e radicais historicamente entrincheiras no campo tradicional do SIM e que integravam o aborto no quadro de uma opção liberal arbitrariamente tomada pela grávida, justificando-se como mero património da caminhada da mulher para a “liberdade feminina”, liberta de qualquer ónus de responsabilização pelo fim de uma forma de vida (nunca aquilo que Lídia Jorge, com a maior infelicidade, chamou de “coisa humana”). Em súmula, parte da campanha do NÃO trouxe um ponto de contenção aos excessos irresponsáveis do esquerdismo pró-abortivo e mobiliza vontades para que o planeamento familiar e a gravidez ganhem mais atenção e melhor acompanhamento.

 

Naturalmente muitas destas posições no NÃO nem vão além do eleitoralismo nem representam mais que uma encenação instrumental de mascaramento das reais motivações e inspirações, servindo de cortina de fumo a propósitos impositivos onde não cabe nem a contracepção, nem qualquer planeamento familiar que não os dos “métodos naturais”, em que o culto da castidade é a bússola única da sexualidade, em que a mulher continua a ser reduzida à figura de reprodutiva. Suponho até que muitas destas mobilizações de energias subitamente disparadas para melhorar a gravidez, tornando-a mais responsável e melhor acompanhada, se esfumariam (e se esfumarão) no dia seguinte à data do referendo. Sabendo-se que todas essas boas vontades de ajuda e assistência se podem, e devem, praticar e alargar caso vença o SIM. Até com a vantagem enorme de ser feita perante adolescentes e mulheres não contrafeitas nem pressionadas pelo cutelo do Código Penal, portanto com a responsabilidade acrescida da liberdade.

 

Mal de quem não aprende com os contrários. Assim, que na feira desmontada após o referendo, não se percam os benefícios cívicos recolhidos em alguma teoria argumentativa do NÃO. Calando-se de vez o histerismo exibicionista do esquerdismo pseudo-libertino como afirmação da “mulher-caviar” com propriedade absoluta sobre a barriga quando grávida.  

Publicado por João Tunes às 13:27
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Maria Ribeiro a 31 de Janeiro de 2007 às 17:23
Acho interessante que homens, tanto de esquerda como de direita, se digam tão chocados quando as mulheres se afirmam donas do seu próprio corpo. Você chamou-lhes estéricas exibicionistas, nem mais... Talvez fossem, talvez... Mas porque vos incomoda tanto? Que uma mulher seja responsável pela sua vida e pelo seu corpo, parece-me não só óbvio como desejável. A menos que estejamos no século XIX e eu não tenha dado por isso.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO