Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Quanto ao que será

xiipc_1opremio_p

 

Numa primeira leitura, fica a concordância com a Joana Lopes quando ela escreve:

23 de Janeiro de 2011 só pode ser um estímulo e uma porta escancarada para uma nova fase de luta, agora mais a sério e com carácter de urgência. É hoje – e não amanhã, muito menos daqui a cinco anos – que o descontentamento e a tristeza estão à espera de ser capitalizados. Para sairmos da crise que atravessamos sem servilismos ou espírito de martírio, para que não sejam permitidos silêncios quando há muitas explicações por dar, para impormos que os inquilinos de Belém e de S. Bento nos respeitem. Pura e simplesmente, porque queremos viver num país decente.

Mas relido, este discurso mostra a inconsequência daquilo que é puro voluntarismo. Ou seja, é um estruturado e fundamentado discurso inorgânico mas esquece, entre muito mais, que, nestas eleições, a esquerda perdeu muito e em quase todos os tabuleiros e valências. Prevalecendo as perdas “orgânicas”. O PS e o BE saem feridos gravemente da desastrosa campanha e pior resultado de Alegre assim como do resultado gordo de Nobre (onde desaguaram os socialistas e os bloquistas que não se quiseram juntos com Alegre mas já não se importaram de levar Nobre em andor, como se fosse santo da mesma tribo, porque com esse aí era só para “protestar”), cada partido per si e adiando para as calendas a hipótese de convergência ou unificação da esquerda não estalinista. Para já não falar nos votos de arqui-revolucionários, meio cínicos e outro meio sarcásticos, entregues ao Coelho e inspirados na clarividência dos taxistas, elevando o lumpen ao lugar de classe-guia. Quanto ao PCP, mostrou que este partido se fechou a cadeado para viver em festa de condomínio fechado reservada a funcionários, os de facto (os que foram ou são dirigentes e os que aspiram vir a ser, até o partido se resumir a um “imenso comité central”, todos assinalando a "vitória" expresso num "significativo resultado do PCP") e os simbólicos (os que só votam, mais os que vão aos comícios e manifestações, ainda os que passam por algumas reuniões de célula), derrubando todas as pontes com a sociedade existente para além da tribo. E quanto a alternativa, na esquerda, não sobrou nada que dê nervo e osso à oposição e à luta, muito menos dando coluna vertebral. Pelo contrário. É que Sócrates acabou de contabilizar uma das suas vitórias políticas mais camufladas sobre a esquerda mas sem deixar de ser espampanante: arrumou na depressão os militantes e o eleitorado de esquerda do PS. E acenou a Cavaco, em nome da “estabilidade”, através de um PS depurado de “esquerdismo”, com uma bengala de aliado, quiçá mais garantida que a oferecida por Passos Coelho & Portas. Assim, de uma forma magistralmente maquiavélica, o discurso de derrota feito ontem por Sócrates pode ter sido, antes e além da aparência das palavras, um discurso de vitória ideológica muito mais expressivo que o de Cavaco, auto-encurralado este na revelação do seu lado odioso de revanchismo, de mau ganhar ao saber que tem a imagem irremediavelmente debilitada e um mandato manchado pelo prestígio corroído para cumprir.

Obviamente, como bem diz a Joana, há que dar a volta, ir à luta e tem que ser para já. Mas julgo ser excesso de confiança pensar-se que os novos estragos provocados na esquerda por todos os partidos de esquerda, vão ajudar no quer que seja relativamente à revitalização da insubmissão. Digo assim porque admito que a raiva canalizada para Nobre e Coelho, mais a dos abstencionistas, dos brancos mais os nulos, a raiva dos impacientes, dos desesperados e dos aristocratas snobs da política pura e exigente, se esgotou em cruzinhas no gelado dia de ontem, não dando, agora, para "formar partido" ou "frente", ou sequer empurrar ânimos de trabalhar para mudar. Primeiro, julgo, impõe-se a catarse pela reflexão. Porque de voluntarismos mal estruturados e desenhados por amadores, bastou o alegrismo de segundas núpcias que azedou mais a "sopa da esquerda" que aquela que serviu novas veredas de uma esquerda a unir-se na luta.

(publicado aqui também)

Publicado por João Tunes às 15:28
Link do post | Comentar
2 comentários:
De weber a 24 de Janeiro de 2011 às 17:35
Lúcida e consistente análise.
O coração, em tempos de cólera, é, sempre, mau conselheiro.
Das melhores leituras que já li quanto ao que implica esta vitória de Cavaco vs derrota das esquerdas.
No que respeita a Sócrates (e aí está o pragmatismo do seu discurso no Largo do Rato para o ilustrar... antes de ir assistir à missa de corpo presente de Manuel Alegre no Altis), à leitura que dele fazes... só posso estar de acordo.
Limpou o PS da "ala", "corredor", "quarto", o que fosse, da sua esquerda e, de repente, deixou de haver "alternativa" contra ele...no próximo Congresso socialista ao qual ele já anunciou que iria concorrer a SG.
De João Tunes a 24 de Janeiro de 2011 às 21:25
Zé, completaste o quadro maquiavélico na perfeição. Obrigado. Com o forte abraço de sempre.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO