Quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

Sim senhor, em nome do direito a desforra

Publicado por João Tunes às 22:27
Link do post | Comentar
7 comentários:
De Zé Paulo a 20 de Agosto de 2010 às 01:37
O exemplo da exceção...e triste saber que neste caso o que mais sofreu foi de novo um inocente, no caso uma criança de 10 possivelmente levada pelo pai. Claro, além do próprio boi que teve que ser sacrificado, o que de qualquer maneira já seria.
De mirone a 20 de Agosto de 2010 às 09:39
É de facto um espectáculo lindo, a tourada...
De Cláudia S. Tomazi Brasil - SC a 20 de Agosto de 2010 às 17:54

Com relação a toda honra na plástica do toureiro, assimilando a competência da questão do desafio que causa a impressão de ritual, de abater a fera que mora no animal, isso nos remete a uma espécie de Vudu, espetando, ponto a ponto, e sangrando lentamente e como agravante o delírio dos presentes.
Cristãos, deveriam repensar esta questão.
De paulo santiago a 20 de Agosto de 2010 às 23:04
Olá João
Contráriamente aos comentadores anteriores, gosto de
touradas, mais da corrida espanhola que da portuguesa
isso não me impede,democraticamente, de achar que
haja pessoas que não gostam,aceito isso sem impor a
minha verdade. O que não aceito são os falsos
moralismos. O exemplo da criança de dez anos não
pega, podia acontecer um acidente parecido,já
aconteceu,numa qualquer bancada desportiva,num
cinema,em que por um qualquer motivo há um
momento de pânico. Claro que o touro,no comentário
chama-lhe boi,foi sacrificado...seria-o sempre.
Os comentadores anti-touradas, falam nos touros,
nasceram para lide, não para outro fim,e esquecem os
toureiros que travam uma luta leal e nobre com o seu
oponente, a arena é dos dois, o sangue também pode
ser do homem...
Supondo,espero que não,que se proibiam as corridas, o
que fazer com a raça brava? Só havia uma solução: o
extremínio dos touros de lide...
Em Portugal, mais uma herança do Salazar,criou-se o
falso moralismo de não matar os touros na arena,e os
diestros são obrigados a terminar a lide com uma farsa
Em Espanha, na América Latina,a lide termina como deve terminar...o touro morre na arena. Cá um touro,
corrido num Sábado ou num Domingo,vai esperar até
Segunda-feira para ser abatido,sem honra e glória,num
qualquer matadouro, e nessas horas que decorrem entre a tourada e o abate o animal vai sofrer porque
ao tirarem-lhe as bandarilhas,provocam maiores danos
que ao espetarem-lhas. Assim a consigna,em Portugal,
deveria ser...os touros morrem na arena, e estaria
reposta a verdade e a essência da corrida.
Terminando,só vai à tourada quem quer...
Só acredito no moralismo dos anti-touradas quando
passarem a ser vegeterianos...
Abraço
De Zé Paulo a 25 de Agosto de 2010 às 03:47
Paulo,
A minha análise às suas argumentações acabou por ficar um tanto longa e transformei em post ".
Veja lá com o João Tunes o endereço do meu humilde espaço e se tiver interesse e vontade de o ler, vá até lá.
Claro, não paga bilhete e longe de ser uma convocação. É mesmo um convite, sem perigo de "pânicos".
De Pedro a 24 de Agosto de 2010 às 17:16
Boa tarde,

O Água Lisa está novamente em destaque nos Blogs do SAPO, em http://blogs.sapo.pt

Boa continuação!

Pedro
De Maria a 25 de Agosto de 2010 às 14:37
Bom dia, a todos!

Quero deixar aqui a minha opinião:
Só assisti a uma tourada uma vez. Não gostei e nunca mais voltei; o sangue, o perigo, o delírio, a luta desigual ... não combinam comigo. Gostos não se discutem.
Quem insiste em estar presente, sabe o que pode acontecer, o animal é irracional, como todos, defende-se. Até nós o fazemos.
A tourada é uma tradição, outras actividades o foram e extinguiram-se. Também se atiravam os cristãos às feras, as bruxas às fogueiras, se faziam duelos ...
Quem está ligado profissionalmente ao espectáculo, teria de procurar alternativa, tal como acontece com todos.
Acredito que a tourada tem os dias contados.

Maria

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO