Sábado, 30 de Dezembro de 2006

A CIDADE E O DITADOR

000wk8hf

Entre uma cidade que amei e um ditador que detestei, agora que uma está desfigurada e o outro esticou uma corda de forca, juntando estas duas indignidades e vasculhando no baú das memórias, resta-me o quê? Opto por, simbolicamente, reler um post que coloquei em 6 de Abril de 2004 (rebobinando recordações dos meus tempos de sindicalista internacionalista):

 

Tive oportunidade de visitar Bagdad, pela primeira vez, vai para aproximadamente vinte e cinco anos. Foi com emoção e deslumbramento que, na chegada, vi os milhares de laranjeiras que decoravam ruas, casas e jardins, bem debaixo da janela do avião já inclinado para rumar à pista.

Laranjeiras omnipresentes por toda a cidade, elas que são árvores decorativas por excelência. Eu, pelo menos, gosto muito. É um regalo que redescubro quando visito uma cidade alentejana. Só que, falando de Bagdad, estamos a falar de uma cidade de muitos hectares e muitos milhões de casas e de habitantes.

Grande parte da cidade é plana, com ruas e avenidas largas, desenhadas em geometrias perfeitas. Entrando para o casco da cidade, pisávamos a velha Bagdad desenhada em círculos concêntricos pontuados por mesquitas decoradas por arabescos fascinantes e bazares onde tudo se vendia, que exalavam todos os cheiros das especiarias e ofereciam panos, cobres e pratas de todas as formas e feitios. As casas ricas apalaçadas lembravam-nos que estávamos na cidade das mil e uma noites. E, depois, tinha um rio bem torneado que dava mais beleza ao conjunto. Desde então, essa memória de Bagdad fê-la entrar no pódio das cidades mais bonitas que conheço.

O nível de vida era muito razoável (vivia-se na euforia dos petrodólares e da subida do preço do crude), sentia-se segurança, movimento, cor, pujança e optimismo. O vestuário era variado mas sentia-se desenvoltura, modernidade e sem os atavismos dos exageros islâmicos.

Na altura, o parque automóvel envergonhava Lisboa, Madrid ou Paris. Todos de boas marcas ocidentais, potentes e quase todos novinhos em folha. O problema eram os cruzamentos, pois os citadinos, eufóricos e competitivos, aceleravam nas aproximações, tentando sempre passar primeiro que o parceiro, o qual, por sua vez, tentava não ser desfeiteado.

Por especial consideração, julgo eu, brindaram-se com um intérprete (um moreno baixo e com o típico bigode iraquiano) que só falava árabe. Imagina-se que a nossa comunicação se reduzia a sorrisos, gestos e salamaleques. Mas, tudo bem. O homem não largava os hóspedes que tinha de guiar como sua função e, assim, era divertido fazer-lhe fintas em escapadelas do hotel, galgar uma avenida em passo largo para acabar de o ver chegar junto de nós, ofegante da corrida de recuperação da companhia. Todos os dias, de manhã cedo, quando descia para o pequeno-almoço, lá tinha o porfiado guia sentado e atento à minha chegada. Fazíamos uns salamaleques efusivos como cumprimentos e eu lá ia matar o jejum sem que o guia me incomodasse o sossego. É que, enquanto eu trincava as torradas e comia os ovos mexidos e a salada de frutas, o meu estimado guia subia ao meu quarto para revistar malas e armários. Rápido, porque o homem já estava no seu posto quando eu saia da sala de refeições. Chamavam-lhe guia mas é claro que não passava de um polícia zeloso. Tão zeloso que, depois das suas revistas, ficava tudo como se o chui por lá não tivesse passado e eu só confirmava a busca, porque tinha os meus truques para detectar mexidelas mesmo que feitas por profissionais. Todo o dia era passado em companhia do prestimoso guia que, coitado, passava a vida a rir-se para ser agradável. Suponho que, após o meu regresso, o homem tenha tirado férias para estar, uns dias, solitário e sem se rir.

Era então o tempo, em que Sadam era só Vice-Presidente. O líder máximo era um tal General Al Bakar que havia feito a revolução do Partido Baas, seguida das nacionalizações e da industrialização do país, aumentado o bem-estar e a emancipação das mulheres, governando em coligação com o Partido Democrático Curdo e o Partido Comunista do Iraque. Embora habituado aos cultos de personalidade praticados noutros países para com o seu líder máximo, não deixou de me impressionar, na altura, que o culto ali era repartido entre o Presidente e o Vice-Presidente. Não havia lugar público, hotel, restaurante, loja e lojeca que não tivessem bem visíveis as fotos emparelhadas do Primeiro e do Segundo. Achei uma excentricidade sem significado especial, uma mania como outra qualquer. A explicação veio pouco tempo passado quando o Vice limpou o sebo ao Presidente e ficou-lhe com a cadeira. Depois, foi só tirar a foto do ex-Primeiro e ficar lá o sabido Sadam. Quiseram evitar despesas ao povo, foi o que foi.

Confesso que, na época, não fazia grande nem pequena ideia da peça que o Sadam era. Sabia vagamente que o sujeito era o Vice e bastava-me. O problema foi quando resolveram entrevistar-me para a televisão iraquiana. Já não me lembro bem do tema da entrevista mas devia ser qualquer coisa relacionada com as relações entre países produtores e consumidores de petróleo, etc e tal. Preparei-me para ler a minha cantilena (que escrevera em francês e já tinha sido traduzida para árabe). Tinha sido combinado que eu lia em francês o primeiro e o último parágrafo e um intérprete lia o texto completo em árabe. Fazemos um ensaio de luz e som e rebenta a barracada. Os tipos da televisão impunham que eu começasse a peroração com uma saudação ao Presidente Al Bakar e ao Vice-Presidente Sadam Hussein. Expliquei que, em Portugal, não usávamos dessas coisas. Eu não estava numa missão política e não tinha nada que saudar os governantes. Não podia ser. Teima para cá e para lá. Os tipos da televisão encenam uma descompostura acusando-me de querer ofender o país deles, o povo deles e os presidentes deles e que não estava a agir conforme as regras elementares da boa educação. O intérprete lá ia traduzindo as reprovações que ele ia sublinhando com gestos de indignação. Mau Maria. A coisa começou a ficar preta, eles não desarmavam a tenda, teimavam, teimavam e dali não se saía. Pensei em mandá-los à fava mas desisti de ir por aí. Sabia lá como iria reagir o meu guia e visitante do quarto nas minhas ausências. Resolvi sair-me da embrulhada, propondo um compromisso, meio por meio. Tinha-me habituado a regatear como eles gostam de fazer. Presidente é Presidente, saudava então o tal Al Bakar mas eles tinham de abdicar que eu desejasse longa vida ao Sadam. Ficaram mais verdes que antes. A solução que eu propusera era gravíssima e mais ofensivo era falar só no Al Bakar que não falar em nenhum deles. Foi a hora da minha intransigência, arrumassem a tralha televisiva que eu, no Sadam é que não falava. E fiz um gesto de quem arruma a papeleta no bolso. Os iraquianos pediram uns minutos para parlamentarem entre si e para ali estiveram, intérprete, jornalista, camerman, sonoplasta e luminotécnico, um tempão enorme em que pareciam todos zangados uns com os outros. Em árabe, é claro, e eu sem perceber patavina. Eu já só aspirava que desatassem todas à pêra e me deixassem em paz. De repente, voltaram aos sorrisos e salamaleques e disseram-me que sim senhor, eu que saudasse só o Al Bakar. Respirei de alívio, os iraquianos até eram condescendentes. Lá li a mensagem que levava escrita e que se iniciava com a imposta saudação e desejo de saúde ao Presidente lá do sítio. À noite, vi-me no noticiário da televisão. Com as minhas imagens a ler o papel, sim senhor mas niqueles quanto às duas frases em francês que eu tinha gravado, sendo apenas audível um texto lido em off e todo dito em árabe. Nada percebi do que disseram em meu nome mas que no início e no fim eram perceptível a palavra Sadam Husein, lá disso não podiam restar dúvidas. Para não me armar em esperto, eu tinha saudado o Sadam Hussein duas vezes, uma a abrir e outra a fechar a discursata. Bonito. Desista quem julgue ter arte para enganar um árabe em jogos de artimanhas.

Um dia, convidaram-me para visitar o Zoo deles que, diziam era um dos mais valiosos do mundo árabe. Fui, é claro. Esperava ver os animais do sítio mas, é óbvio que um Zoo serve para mostrar os animais de sítios diferentes. Claro que não vi nem camelos nem leões que eles têm para lá aos pontapés. O que havia mais, em quantidade astronómica, era a grande atracção do Zoo de Bagdad: jaulas cheias de porcos. Porcos grandes, porcos pequenos, porcos de todas as cores e feitios. E eram o delírio da pequenada. Tinha-me esquecido que porco é que era raridade exótica em terras do Islão. Foi uma tarde em cheio, a cheirar pocilgas a abarrotar de porcos assustados com o barulho que a criançada fazia.

Voltei a Bagdad nos anos oitenta. Em plena guerra do Iraque com o Irão. A cidade tinha-se degradado, a alegria tinha desaparecido dos rostos e dado lugar a desconfiança nos contactos, os discursos eram estereotipados e os bens escassos. Até as laranjeiras pareciam tristes. E voltei a tropeçar no Sadam Hussein. Estava sossegado no meu local de congressista ocioso, quando, repentinamente há um burburinho do camandro, os iraquianos ficam todos nervosos e a correrem de um lado para o outro. Assustei-me. Ali devia haver caso e coisa grossa. Querem lá ver que os iranianos andavam a mandar mísseis para dentro de Bagdad? Saímos todos em cordões de segurança compostos por chuis à civil (montes de chuis) e os do Parido (montes de tipos do Partido) com as suas fardas verde oliva e fomos todos enfiados rapidamente para dentro de autocarros. A viagem em procissão de autocarros seguiu, atravessando toda a Bagdad. Ninguém sabia ou percebia o que se passava mas um australiano acalmou-nos aventando que nos deviam ir enfiar num abrigo subterrâneo para proteger as nossas vidas. Antes isso. Se a coisa estava feia, viesse lá esse abrigo o mais rápido possível. Mas a viagem parecia não ter fim e era fácil constatar que andávamos às voltas repetidas pela cidade. Foram voltas e mais voltas. Pensei: mas para mostrarem a cidade era preciso tanto cagarim? A viagem terminou dentro do Palácio Presidencial. Fizeram-nos um controlo policial personalizado (apalpadelas, raios x, etc) e enfiaram-nos num auditório todo cheio de rocócós. Ali estivemos mais de meia hora, a beber sumos de laranja que tipos do Partido iam servindo, a olhar para aquilo que parecia a frente de um palco com as cortinas fechadas. À espera de quê, ninguém sabia porque o silêncio era pesadíssimo, os rostos dos polícias estavam mais que sérios e ninguém se atreveu a pedir explicação porque é que estávamos ali sentados. Às tantas, o pano do palco abriu-se e só se viu uma secretária vazia no meio da cena. De repente, uma grande restolhada, o palco foi invadido por uma data de tipos com péssimo aspecto, de armas na mão e ocupando posições estratégicas na boca de cena. Aquilo estava a ficar para o pesado. Às tantas entra o Presidente Sadam Hussein, com sorriso de plástico, acenou-nos e sentou-se à secretária no palco com dois guarda-costas postados onde devem estar (nas costas do Presidente). Então era isso, tínhamos ido visitar o figurão. Confirmar que aquela raridade estava viva, de bom aspecto e melhor disposiçao. Lembrei-me do zoo de Bagdad, mas não me atrevi a rir alto. A solenidade pesava como chumbo. Às tantas, um palestiniano levanta-se no meio da assistência e recita alto (ouvida em tradução simultânea) elogios repetidos ao génio de Sadam e que estávamos ali todos para lhe desejar saúde e sucesso. Tudo em nosso nome. O mistério estava deslindado, segundo a versão oficial. Tínhamos sido nós que nos tínhamos metido voluntariamente dentro de autocarros e corrido ao palácio presidencial para cumprimentar o Presidente e apoiá-lo. (ninguém sabia como é que o raio do palestiniano obteve mandato para falar em nosso nome, mas isso era um pormenor). Com as televisões a darem em directo, o Sadam, ia agradecendo, enfadado, os nossos elogios e os nossos votos com assentos de cabeça. A paródia terminou com o Sadam a prometer que tudo faria para merecer a nossa confiança, dando cabo dos iranianos. E desejou-nos bom regresso às pátrias e casas de cada um. E voltámos aos nossos trabalhos congressistas, como se nada se tivesse passado.

000why9d

Publicado por João Tunes às 18:51
Link do post | Comentar
7 comentários:
De cristina a 30 de Dezembro de 2006 às 21:21
gostei muito de ler. imagino a sensação de lá voltar hoje...
De João Tunes a 2 de Janeiro de 2007 às 01:06
Não está nos meus planos turísticos...
De Paulo Santiago a 30 de Dezembro de 2006 às 22:16
Verifico pelas fotos e pelas imagens da TV,o Ditador
sanguinário,não se acobardou na hora de enfrentar a
morte.Mostrou dignidade(será que posso utilizar esta
palavra?)contra a indignidade medieval da forca,manipulada por carrascos encapuçados.
Acobardando-se,o idiota do Bush,teria resolvido um
problema,assim criou um Mártir e,a bela Bagdad,que
bem descreves,irá ficando,a cada dia que passa,um
montão de ruínas.
No próximo Verão,ainda hei-de ver T-Shirt,com a fronha do Saddam!
Merda para estes ditadores e,merda para os idiotas
armados em"libertadores"
Abraço
Paulo
De Marco Oliveira a 30 de Dezembro de 2006 às 23:18
Eu já tive a oportunidade de ouvir esta história de viva voz!
:-)
De miguel leal a 31 de Dezembro de 2006 às 15:52
Documento importantíssimo em qualquer contexto: blogosfera, jornais, tv, experiência pessoal, tese académica.
Sou o bloguista do defunto "Frutos Maduros" mas vou-me mantendo leitor ocasional do seu água lisa.
De João Tunes a 2 de Janeiro de 2007 às 01:07
E que saudades do magnífico "Frutos Maduros"! Reconforta-me não ter perdido a sua companhia. Abraço.
De Kriska a 11 de Janeiro de 2007 às 01:17
Gostei muito de o lêr. O mal não está nos sítios, mas sim num punhado de homens. Tal como vem acontecendo ao longo dos tempos com esse mesmo local tenho a certeza que Bagdad se voltará a erger, diferente é certo, mas históricamente mais rica e forte.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO