Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009

O “bem” e a caramunha

 

Pela minha experiência vivida de adoptado, quando criança e adolescente, sei que não há adopções, por mais conseguidas que o sejam, consideráveis como completamente felizes. O que nada me concluindo contra a adopção, pelo contrário, consolida a minha convicção de que esta, nunca sendo melhor que um mal menor, é uma escolha preferível, do ponto de vista da criança, entre o afecto e o respeito versus miséria, degradação ou abandono. Apesar de a biologia nunca ser compensável pelo bem estar e pelos bons tratos, incluindo os afectivos. Suponho que disso sei mais e melhor que todos os psicólogos, psiquiatras e políticos reunidos em seminário sobre o tema, embora eu não publique papers nem faça leis, muito menos vote no parlamento. A adopção, sendo sempre um mal remendado, se entendido como um direito da criança, como agora bem se diz, então deve abranger ninhos adoptivos com capacidade de (em)prestar afecto e de construir uma muralha protectora que defenda a criança, o mais possível, dos efeitos eminentemente violentos de crescer fora do seu seio biológico, com a humildade de se saber que a violência contra-natura original do processo é incontornável e inelutável, ela está lá, restando amenizá-la e torná-la digerível no processo de maturação da personalidade até esta ter asas para voar sozinha. A criança que cai nesta roleta da vida, a da fatalidade da adopção, tem de ter pais substitutos mais sábios que os pais biológicos, estes sempre e apenas pais pela vontade, pela ocasião e pela biologia, nunca sujeitos a exame prévio de aprovação. É isso, apenas isso, que deve ser exigido aos que se candidatam a adoptar. Com todo o rigor, nunca a despachar nem a descartar hipóteses de sucesso à partida. Exercendo-se um critério de selecção que, infelizmente, não é aplicável aos pais biológicos enquanto candidatos e essa responsabilidade. O que está, afinal, consagrado (e muito bem) na lei da adopção. Neste sentido, a sociedade e o Estado, têm hoje instrumentos selectivos mais rigorosos e comprováveis para com os pais adoptivos que relativamente aos pais biológicos que continuam a gozar da total impunidade reprodutora. Assim os usem e bem. Não há nada que demonstre que a capacidade de se ser pai ou mãe adoptantes, com talentos nesta função, tenha a ver com inclinações particulares, sejam de ordem política, cultural, religiosa ou de orientação sexual. O problema exclusivo numa adopção, do ponto de vista da criança, é esta encontrar um ambiente nuclear próximo em que predominem o afecto, o respeito, a liberdade, a pedagogia e o permanente bom senso, tudo suportado, naturalmente, por uma capacidade de sobrevivência societária e económica, as condições de felicidade máxima e possível que minimizem o desastre ou o drama que originaram a adopção. E isso, um pólo bi ou monoparental, um negro ou um amarelo, uma parelha heterossexual ou um casal de lésbicas, podem cumprir os requisitos, se os cumprirem. É uma questão de perfil ou perfis, nunca um problema de opções além do afecto e da capacidade de educar e fazer crescer. Desde o salazarismo que instituiu uma prática adoptiva aleatória, magra de regras e isenta de deveres e direitos sólidos, assente numa ideologia catolicista de matriz meramente caritativa, aquela que eu vivi na pele do meu crescimento porque isso me calhou em sorte, até ao reino actual da crescente consolidação dos direitos humanos, excluir os casais homossexuais, se futuramente casados de acordo com a lei em projecto, da capacidade de adoptarem, chamem-lhe o que chamarem, nunca será uma atenção para com os direitos da criança, muito menos para com as crianças adoptadas. Será, antes, um gradualismo tacticista digno de tartufos num compromisso de piscadelas de olho oportunistas abrangendo sacristias e lobbies de gays socialistas-socráticos, procurando a benevolência condescendente dos bispos e do reaccionarismo cavaquista. Não mais. Mas menos, muito menos, em termos do que é exigível pela evolução societária e cultural na marcha da modernidade portuguesa. Levantando um novo paradoxo no desiderato deste socratismo de agonia que vivemos e a cheirar cada vez mais a podre: um projecto de lei aparentemente destinado a elevar os direitos dos homossexuais, permite consagrar, de forma explícita, uma aditiva discriminação dupla – para com a capacidade potencial de adopção pelos casais de homossexuais e relativamente às crianças candidatas à adopção, diminuindo para estas as probabilidades de serem escolhidas por eventuais boas escolhas de pais substitutos com talento. É obra, é o PS-Sócrates no seu pior.

 

Publicado por João Tunes às 17:23
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO