Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

O crash de 29 e as ilusões apocalípticas

 
Precisamente há 80 anos, ocorreu o crash bolsista em Wall Street que abalou o mundo. Na Alemanha, ajudou ao aprofundamento radical da crise ali vivida após a derrota na I Guerra Mundial e permitiu a subida do nazismo ao poder e os efeitos mundiais associados. Enquanto, no mesmo ano – 1933 - em que Hitler se apoderou do poder alemão, Franklin D. Roosevelt lançou o programa New Deal que não só relançou a economia norte-americana como a mundial. O paradigma comunista (ou, mais precisamente, revolucionário) sempre fixou o crash de 1929 como o momento apocalíptico mais alto e mais desejado do anúncio da eminência do fim do capitalismo (o dogma da finitude do capitalismo, a morrer vítima das suas contradições internas, é o mais recorrente da cartilha marxista-leninista). Numa euforia de esperança ideológica que se iria repetir em 2008, com o advento de uma crise financeira que traria, supunham os revolucionários serôdios, a “confirmação” da “morte capitalista anunciada” de 1929 e a “vingança” do suicídio comunista de 1989-91. Mas, no sistema capitalista norte-americano e no mundial, o que o crash de 1929 trouxe, de duradoiro, foi o New Deal e, por causa dele, a criação da base económica que permitiu não só a derrota do nazi-fascismo (incluindo o apoio decisivo prestado à URSS para suportar o esforço de guerra soviético no seu embate com a máquina militar nazi) como a reconstrução europeia depois da II Guerra Mundial com subsequentes décadas de prosperidade nunca antes alcançadas pela maior parte dos povos europeus. Não sendo fácil alijar-se um dogma, haja então paciência, muita.
Publicado por João Tunes às 12:24
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Rui Silva a 29 de Outubro de 2009 às 12:33
João Tunes, uma coisa parece-me evidente: o capitalismo não é o fim da história.
De João Tunes a 29 de Outubro de 2009 às 13:05
O "fim da história" foi uma parvoíce redutora espalhada por um guru neo-liberal e neo-con, adoptando simetricamente uma tese clássica, um mito, do comunismo (a sociedade comunista seria a perfeição humana e social, um culminar da caminhada humana e, portanto, sem espaço para a sua superação). Nem o capitalismo nem o comunismo o são ou serão. Há muita história para fazer e contar até que o capitalismo resolva os problemas das desigualdades e das explorações sem problematizar a essência democrática assim como para superar as ditaduras comunistas pela subida dos povos que as sofrem até à democracia. Mas a história, para continuar, não precisa de apocalipses-maternidades. Como vc diz: "parece-me evidente".

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO