Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

No após ressaca dos votos

 

Nem o PS teve uma vitória “extraordinária” como disse Sócrates pois tem que lidar com a passagem de maioria absoluta para relativa nem este partido sofreu uma derrota “clamorosa” como proclamaram as oposições dado que venceu as eleições e com uma nítida vantagem sobre o segundo partido.
 
O que é razoável dizer-se é que o PS e a esquerda ganharam as eleições. O PS porque foi o partido mais votado (e, aqui, tem um mérito de assinalar dada a governação que praticou, as condições de conjuntura da segunda parte do mandato e o “desastre europeu” com que partiu para a campanha). A esquerda porque obriga o PS a guinar à esquerda; a governação vai politizar-se pois que, mais escrutinada e “negociada”, definha a tendência para o autismo e a tecnocracia gestionária dos actos de poder (favorável às receitas neo-liberais); defronta uma direita esfrangalhada e com o seu pólo dinâmico acantonado na extrema-direita de Portas; ganha mais e melhores condições para tirar a direita da Presidência da República.

 

Publicado por João Tunes às 12:13
Link do post | Comentar
7 comentários:
De IsabelPS a 28 de Setembro de 2009 às 14:06
Já alguma vez lhe disse que aprecio imenso a sua honestidade intelectual?
De João Tunes a 29 de Setembro de 2009 às 00:54
De José de Sousa a 28 de Setembro de 2009 às 19:02
Caro João Tunes
Não tenho o seu optimismo. Se Sócrates pode dizer que teve uma vitória “extraordinária”, e dou-lhe o direito de qualquer qualificação exaltada, se considerar as expectativas que existiam há uns dois meses e a esforçada e inteligente campanha eleitoral que fez, não me parece que a esquerda (juntamente com o PS) tenha ganho as eleições. E isso porque obrigue o Governo do Engº Sócrates ao que quer que seja.
Eu por mim, sinto-me um tanto derrotado. Primeiro, porque é o CDS que faz aqui a diferença, proporcionando, com alguma facilidade, a maioria absoluta ao Governo. Tem o seu “caderno de encargos” e é só aparecer como se o estivesse cumprindo.
Depois, porque receio muito que o CDS, munido agora dum poder que pode utilizar de variadas formas, não reconverta a situação actual duma minoria da direita numa maioria dessa mesma direita. Como já existiu e de que maneira com a AD e o Cavaco. Da mesma maneira, dessa maneira “antiga”, talvez não; porque os sectores políticos que o CDS representa, poderão ganhar um peso e importância que nessas ocasiões “antigas” não tinham. Virá com isso, talvez, um elemento de clarificação, há muito necessário: o PPD (o PSP) que se defina, de vez, como liberal e deixe a social-democracia para o PS.
Com a tal alavanca do sim ou não parlamentar, não há uma simetria entre uma sua utilização pelo CDS ou pelo BE. Falo nas possibilidades que o BE teria. Eu contava com isso. Claro que seria minimizada essa questão da contagem de votos das maiorias a retalho. O BE, pela negação do que não aceitava e pela afirmação dessa mesma negação, a partir da tribuna e da visibilidade que o Parlamento dá, poderia tentar fazer a renovação da Esquerda também por dentro. E naturalmente com recurso a todos os outros meios possíveis. Uma Esquerda plural, não só nas suas diversas expressões, como nas suas diversas práticas e implantações. Em instituições mutáveis e não fossilizadas, como, por exemplo, os sindicatos. No exercício das liberdades e dos direitos sociais, etc. que existiria a cada momento. Pensar diferente, fazer diferente. Pensar, agir inovadoramente. Acompanhar e recriar as tentativas de novas esquerdas, de novos movimentos sociais, de novas atitudes. Uma nova maneira de nos achegarmos a um mundo em transformação.
Os tempos actuais seriam propícios. Parece-me que se chutou na “ocasião”. Desgostou-me o discurso final do Francisco Louçã. Também não apreciei particularmente a campanha eleitoral do BE. Inverdades, demagogia, flexões diversas conforme as circunstâncias e os objectivos. Ataque duro à política do governo de Sócrates. Nem faltou o pequeno oportunismo dos professores. Quase tudo para o passado, muito pouco que se parecesse com uma esquerda diferente. Com uma Esquerda diferente, a Desejada.
O que se segue é complicado. Com alguma sensatez, podemos dizer que tivemos agora umas eleições intercalares. Vamos esperar dois anos. Sabe-se lá se será assim. Como procederá um governo PS, se for empossado pelo Cavaco, de forma a alcançar futuramente uma maioria absoluta ou uma qualquer fórmula maioritária.
E, por fim, lá manifesto as minhas simpatias. Gostei de ver o BE duplicar os seus deputados, com alguns bastante bons. Foi, claro, o meu voto. Gostei de ver o estimável Cavaco tropeçar de forma tal que talvez nem volte a encontrar a porta do Palácio de Belém. É, claro, o meu desejo. Boa Sorte, Sr.Presidente.
Um abraço
P.S. Peço desculpa da minha linguagem que, às tantas, se torna um pouco lírica.
De João Tunes a 29 de Setembro de 2009 às 00:57
Caro José Sousa,

Partilhar optimismos e pessimismos é complicado. O não o estarmos a conseguir agora é regra e não excepção. Agradeço-lhe a partilha da sua análise.
De Joana Lopes a 29 de Setembro de 2009 às 02:10
O José de Sousa já disse uma parte, mas insisto: não estou mesmo nada certa de que o PS seja obrigado ou que vá agora guinar à esquerda – mas esperemos os episódios dos próximos capítulos.
Mais hipóteses de tirar a direita do Presidência da República? Não sei. Para além da tal teoria segundo a qual os portugueses não gostam de pôr todos os ovos no mesmo cesto (não sei se tem alguma consistência…), penso que, para a imagem de Cavaco, seria mais desgastante um governo minoritário do PSD do que a situação actual. Mas ainda vai acontecer muita coisa até lá…
De João Tunes a 29 de Setembro de 2009 às 18:22
Eu não estou certo de nada. O que não me inibe de dar palpites. E numa coisa estamos de acordo: "vai acontecer muita coisa".
De Joana Lopes a 29 de Setembro de 2009 às 18:30
Oh se vai!!! :))

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO