Quarta-feira, 29 de Julho de 2009

Sobre o livro que, além do mais, goza da boa oportunidade editorial

 

Embora por causa de algumas linhas tortas, valeu a pena o atraso na edição do livro de Rui Bebiano intitulado “Outubro” (*), agora finalmente disponível para leitura. Refiro-me à sua coincidência com a espécie de polémica causada pela direita madeirense de propor que a próxima revisão constitucional inclua a proibição do comunismo. E quem acredita em bruxas até pode convencer-se que a Editora subornou o bronco Alberto João para dar uma ajuda ao lançamento de “Outubro”, incrementando a sua oportunidade. No meio do chinfrim provocado pela insólita e provocatória proposta vinda do bunker reaccionário madeirense e do aproveitamento vitimizante dos provocados, a que se juntaram muitas almas escandalizadas com a hipótese de se perder a unicidade condenatória dos extremismos políticos e ideológicos sobre as costas do nazi-fascismo, a leitura deste livrinho pode ajudar a passar-se do barulho para o debate, da esgrima emocional para o entendimento das razões porque, ainda hoje, a ideia comunista construída à volta e em consequência do fragor da Revolução de Outubro (1917), mesmo com os milhões de esqueletos de vítimas no seu armário, é intocável em termos de julgamento e condenação. 
  
Pela abordagem metódica e sintética da longa viagem do projecto revolucionário comunista, da sua génese leninista até aos nossos dias e nas suas sobrevivências serôdias (algumas, absolutamente grotescas), o livro de Rui Bebiano constitui um talentoso e rigoroso “ponto da situação” bem ancorado nos factos históricos relevantes e no desenvolvimento teórico da sua ortodoxia e heterodoxias, aliando um estilo académico (no que ele tem de obrigações perante o rigor da linguagem e o método historiográfico, sem os bordões da “linguagem de madeira” típicos das obras comunistas e de muitos dos que com eles polemizam) que é qb para que não deixe de ser, como é, uma obra de divulgação e facilmente integrável na discussão política corrente. O que se entende bem se se tiver em conta que o texto (depois revisto e trabalhado) resultou de uma colagem de posts que Rui Bebiano editara no seu blogue. Na dimensão dos seus objectivos próprios, pode dizer-se que o universo editorial português não contava antes com uma obra que aliasse de forma tão conseguida a abrangência e a síntese acerca do tema tratado, passando “Outubro” a ser uma incontornável obra de iniciação no estudo e reflexão sobre a ideia comunista para os que tiverem como objectivo abordá-la de uma forma desinibida mas rigorosa, liberta dos lugares comuns pró e contra que alimentam a fornalha da paixão política e partidária.
 
“Outubro” tem ainda o mérito de, em vez de fechar o debate, o abrir e suscitar. E, neste aspecto, adianto e arrisco quatro pontos, provavelmente bons para uma estimulante querela futura. Desde logo, a ideia de utopia que Rui Bebiano coloca (com um carinho não escondido pelo autor) não só como fonte de perenidade da ideia comunista contra ventos, marés e evidências, mas como a integração desta (a utopia) na atracão humana pela emancipação revolucionária (o corte no lugar da reforma). Depois, Rui Bebiano não aborda, ou trata apenas de raspão, o fenómeno (e a sua génese) da degenerescência da prática de poder do comunismo que, em todos os lados onde vingou, numa constância inevitavelmente com origem numa marca “genética” da estrutura e prática partidária, que, com a ascensão ao poder, transforma automaticamente uma organização militante assente na generosidade do protesto e da pulsão pela transformação (iluminada pela utopia, pois claro) para Estados policiais, repressivos e sobrevivendo, se necessário, através do assassínio em massa. Em terceiro lugar, a centralidade do discurso de Rui Bebiano na figura de Lenine não permite definir, na sua justa medida, o papel de Estaline e a sua acção transformadora do partido comunista, quando desde os anos 30 do século XX é o estalinismo (com o leninismo sujeito ao descarnamento da referência) que marca não só a URSS e o PCUS como todos os partidos comunistas no mundo. Finalmente, a importância da purga e da dissidência no universo partidário comunista (e respectivas perseguições aos “tresmalhados”), como uma espécie de necessidade e compulsão, muitas vezes tipificando comportamentos paranóicos de exercício de poder que levaram ao paradoxo sangrento de terem sido assassinados mais comunistas (muitos morrendo a gritarem “viva o comunismo!”) por parte de poderes comunistas que os que foram liquidados pelo seu oposto no extremismo ideológico, o nazi-fascismo.
 
(*)“Outubro”, Rui Bebiano, Editora Angelus Novus.
[Nota: Pode adquirir o livro pela internet (ir aqui)]
 

Imagem: A Comissão Política do PCUS na tribuna na Praça Vermelha (Moscovo) sobre o túmulo de Lenine e Estaline (quando as múmias de ambos foram condóminas do mesmo mausoléu).

 

Publicado por João Tunes às 02:21
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO