Sábado, 27 de Junho de 2009

A biografia editada na hora certa

 

Notável a oportunidade da edição do livro de Álvaro Garrido com a sua biografia política de Henrique Tenreiro (*). Juntando-se, à oportunidade, o brilho do autor (um académico de Coimbra) na investigação, na organização, na distância de análise e na qualidade da escrita, estamos perante uma das mais interessantes edições sobre o período da ditadura. De facto, após um período prolixo em referências (e exaltações) aos chefes supremos da ditadura, Salazar e Caetano, faltava “descer” ao enquadramento histórico e político das “segundas linhas” do regime pois o senso comum estava a contaminar-se com uma fulanização excessiva no papel dos ditadores como se tivesse sido possível um regime de longa duração ter sobrevivido exclusivamente à sombra de um poder unipessoal, sem o papel decisivo dos seus duques e valetes, sobretudo na gestão da submissão popular. E ninguém como Tenreiro desempenhou esse papel, onde nem sequer foi ultrapassado por Cerejeira (o pastor espiritual da atitude conformista e submissa). De facto, não é possível pensar-se o sucesso do fascismo português (enquanto projecto concretizado de forma duradoira) sem se encarar o “fenómeno Tenreiro”, espinha dorsal da mais conseguida concretização corporativa-oligárquica (nas pescas), chefe operacional da repressão onde quer que o regime fosse ameaçado, encenador dos actos celebrantes e aclamatórios, o mais indefectível apoiante do salazarismo integral, a eminência parda da praxis salazarista, peça chave no tripé da Marinha fascista (com Ortins Bettencourt e Américo Tomás) que cumpria uma dupla missão – neutralizar a tradição democrática e revolucionária dos “marinheiros” e permitir, ainda, que o Mar e a Armada (incluindo a marinha não militar) funcionassem a preceito como referência simbólica do imaginário do ideário salazarista-imperial (com o brinde extra de ter transformado os pescadores, pela dependência do assistencialismo, em “tropa de choque” do apoio social à ditadura).  Tenreiro, enérgico, determinado e implacável, omnipresente nos momentos chave (até na madrugada do 25 de Abril ele “esteve lá”), com uma enorme intuição a colmatar a cultura limitada, com os seus ódios concentrados e dirigidos, é também a personalização da miséria corruptora da ditadura, mestre na arte da cunha e dos arranjos, na repartição de paus e cenouras, na difusão e preservação da docilidade de rebanho, no favor e no nepotismo, nos amanhos de toda a espécie. E, finalmente, no ocaso ditatorial pós-Salazar (1968-1974), gerindo uma fidelidade ambígua com Caetano mas recusando-se a levantar-lhe a mão, Tenreiro integra a facção ultra dos irredentistas salazaristas (ao lado de Tomás que era um seu político-dependente) que bloqueia o projecto marcelista e, ao impor a Caetano uma crispação regressiva, leva o regime para um beco sem saída, sobretudo pela inviabilização de qualquer solução para o problema e a guerra colonial, o que, como sabemos, foi a sentença suicidária do pós-salazarismo (a histérica fidelidade de Tenreiro e outros a Salazar não concebia o regime como respirável sem a marca da liderança física do ditador de Santa Comba Dão). Manipulando uma importante parte do aparelho corporativo, dirigindo a parte mais operacional da Legião, controlando o “Diário da Manhã”, influenciando a União Nacional, manobrando a cumplicidade de Cerejeira para este prestar a Igreja a servir de recalcante e ritualista do regime, com íntima ligação à PIDE, dispondo de verbas consideráveis dos lucros das pescas que usava a seu belo prazer, Tenreiro foi uma das chaves mais importantes do salazarismo e do marcelismo que não são entendíveis sem o entender e o papel do seu sub-sistema de poder.  Neste sentido, o trabalho de Álvaro Garrido é um contributo valiosíssimo para que não só a memória não se apague como possa ser nítida.  Absolutamente, uma leitura inevitável.
 
(*) – “Henrique Tenreiro, uma biografia política”, Álvaro Garrido, Edições Temas & Debates.
 
Imagens:
- Em cima, capa do livro de Álvaro Garrido.

- Em baixo, Tenreiro e Tomás, dois amigos e dois apoios.

 

 

 

Publicado por João Tunes às 00:16
Link do post | Comentar
3 comentários:
De Hélder S. a 27 de Junho de 2009 às 23:33
J. Tunes
Os meus agradecimentos, não só por teres feito esta divulgação, realmente bastante oportuna, como também pelo excelente comentário ao tema, à personagem em causa, ao seu enquadramento e responsabilidade no regime então vigente, preparando assim melhor a obrigatória leitura do trabalho.
Um abraço.
Hélder S.
De João Tunes a 28 de Junho de 2009 às 23:31
O prazer (nem a sinceridade) não se agradece. Abraço.
De Anónimo a 30 de Junho de 2009 às 14:13
ALGUEM SE LEMBRA DA SUA TRANSFERENCIA E POSTERIOR FUGA DO HOSPITAL PARTICULAR DE LISBOA?
E A RESPOSTA DOS ANARCAS " O POVO LIBERTOU O CAMARADA HENRIQUE TENREIRO" EM RESPOSTA A LIBERTAÇÃO DO CAMARADA ARNALDO DE MATOS.
O HUMOR FAZ BEM.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO