Quinta-feira, 30 de Abril de 2009

JERÓNIMO E OS BISPOS

 

 

No mesmo dia, enquanto o “Avante” desanca nos bispos, teimosos em regressarem ao “passado, negro e profundo”:

 
Tal como o capitalismo, também a Igreja Católica se debate com obstáculos que os bispos não sabem remover. E é sabido que os grandes problemas da teologia católica sempre foram combatidos pela hierarquia reforçando a imposição da sua autoridade e regressando ao passado, negro e profundo. Erguendo muralhas irracionais e isolando-se.
 
Jerónimo de Sousa, generoso, leva-lhes um pouco de marxismo-leninismo para os iluminar:
 
A pedido do PCP, uma delegação integrando o seu secretário-geral, Jerónimo de Sousa, foi recebido pelo Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga. No Encontro, deu-se a partilha de opiniões sobre a realidade nacional e sobre as respostas que, aos vários níveis de responsabilidade, as situações exigem e impõem.
 
Completando: À imagem de cima (um cartaz soviético ilustrando a caracterização marxista da religião como ópio do povo) pode juntar-se a reprodução, em baixo, do cartoon do mesmo exemplar do "Avante" (o de hoje) que sublinha a dúvida (mais que legítima) sobre a declarada apoliticidade dos bispos portugueses. Então como entender que no dia em que o "Avante" se radicaliza no ataque aos bispos portugueses (com especial foco em Jorge Ortiga, arcebispo de Braga), inclusive através de verbalismo e grafismo extremamente violentos, Jerónimo de Sousa vá ao beija-mão à Sé de Braga, encenando uma partilha de preocupações com a Igreja sobre a situação social portuguesa? A resposta só pode estar no descarado oportunismo eleitoralista do PCP que este partido pratica por movimento de inércia da sua facilidade em recorrer á duplicidade. E, no caso desta acção de marketing perverso que Jerónimo hoje levou a cabo, agarrando-se às sotainas, as mesmas em que o "ateísmo científico" da ideologia do PCP cospe, não lhe será alheia que Ilda Figueiredo, cabeça de lista do PCP ao Parlamento Europeu, tenha tido um passado de activa militância católica antes de se tornar comunista. É tão revolucionária, tão marxistas-leninista, esta direcção do PCP que, como a revolução não se faz com votos, para caçar votos tudo vale. 
 
Publicado por João Tunes às 13:57
Link do post | Comentar
5 comentários:
De Van Aerts a 30 de Abril de 2009 às 23:59
A Dios rogando y con el mazo dando??
De João Tunes a 1 de Maio de 2009 às 13:24
De José Eduardo de Sousa a 1 de Maio de 2009 às 23:11
Jorge Messias, no Avante e na Secção Religiões, apresenta um texto que apenas desperta alguma curiosidade.

http://www.avante.pt/noticia.asp?id=28824&area=32

O que escreve parece apontar
1º o neoliberalismo como o causador dos malefícios do capitalismo,
2º que os que têm grandes fortunas (ou os banqueiros ?) poderiam desistir voluntariamente do poder,
3º que a Igreja quase dobra o discurso que o Estado faz da política e da questão social e finalmente...
4º que o povo poderá combater, mas que é preferível bloquearem-se os “sofrimentos Indizíveis”, por diversas formas políticas.
Pode o autor do texto chamar-se Messias, mas deste Messias não vem luz nenhuma, apenas um fraco tremeluzir teórico; em contrapartida, uma notícia oficial, naquele mesmo Avante, tem outra cintilação e outro impacto. Começo de novo catecismo?
“Jerónimo de Sousa, foi recebido pelo Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa,...” e o “pedido de audiência... insere-se no relacionamento com entidades e instituições que se confrontam com a gravíssima crise que o País vive e se empenham na procura de soluções para a sua superação”.
Repito: “na procura de soluções”...”com a gravíssima crise que o País atravessa” E eis a questão: o povo poderá, mas vamos lá a bloquear “os sofrimentos indizíveis”, e isso, se possível, de parceria com a Igreja.
Aqui está um bom entendimento, entre a Igreja e o PCP, para fins tão necessários e tão verdadeiramente humanitários. Será mérito da Ilda Figueiredo, como sugere João Tunes? Será, apesar de tudo, um certo desajuste, por fraca articulação entre o Avante e a Direcção, uma vez que, aí, a particular inserção não ajudará muito Casanova a fazer bom trabalho.
E, nessa notícia, lê-se mais, há outras “entidades e instituições”, com que o PCP poderá ter os mesmos contactos e tentar mais entendimentos idênticos.
As sotainas trazem, como lembra João Tunes, votos. Nas suas dobras. E trata-se de marketing, como também lembra, embora marketing perverso.
Por mim, além do mais, representa uma respeitabilidade, no seu mais alto nível de espiritualidade e de um humanitarismo que, por distracção, até se ver como um Humanismo. E é uma respeitabilidade mesmo muito respeitável.
Um apagão na memória, também. Parece-me que o apagamento da História recente é feito com uma borracha de dois lados. Há vários sectores que bem desejariam esbaterem-se, com o seu passado, pelo passado dos tempos. Nem por isso deixam de gritar contra o esquecimento da História recente. Ou talvez por isso mesmo.
Se Paris vale bem uma missa, o que valerá uma terna amizade com a Igreja? E o preço a pagar pode até não ser grande coisa. Uma renúncia do que há muito já tinha sido abandonado. E mais uns trocos. Parece-me que a fórmula de João Tunes tem uma boa clareza.
“É tão revolucionária, tão marxistas-leninista, esta direcção do PCP que, como a revolução não se faz com votos, para caçar votos tudo vale.”
Que Deus a ajude!
De João Tunes a 2 de Maio de 2009 às 00:46
É um prazer lê-lo. Confirmado.
De José Eduardo de Sousa a 2 de Maio de 2009 às 21:04
Obrigado, João Tunes. Não sei que mais acrescentar para não vir com modéstias que possam parecer falsas. Não o seriam.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO